Homilia - Zaqueu e o encontro com Jesus
site-de-catequese

Meus queridos Irmãos,

Estamos caminhando para o fim do ano litúrgico. Assim a liturgia de hoje nos propõe uma reflexão sobre o amor de Deus e a gratidão de um pecador chamado Zaqueu. Por isso o pecado é colocado em debate nesta liturgia. Quando o homem é pecador “Deus não quer a morte do pecador, mas sim, que ele se converta e viva” (Cf. Ez 18,23).

Deus ama as criaturas humanas. Por isso Deus cuida para cada uma de suas criaturas não se perca com o pecado. Quando Deus castiga os pecadores, é com intenção de um grande pedagogo: para lembrar aos pecadores que é necessária uma conversão sincera, uma mudança de vida profunda e uma volta para a santidade na presença de Deus que deve permear a vida de todos os cristãos.

Prezados irmãos,

O amor de Deus pra com as criaturas, particularmente pelos mais pecadores, é o tema da primeira Leitura (cf. Sb 11,23-12,2). A Sabedoria de Deus mostrou-se, na História, preferencialmente como carinho e misericórdia. Mesmo o castigo infligido aos egípcios, para que Israel pudesse ser liberto, foi moderado. Deus pode ser magnânimo, porque é forte. Também, não quer a morte do pecador. Deus é “amigo da vida” e comunica às suas criaturas o “espírito da vida”. Aos pecadores, trata com o amor de um educador, conforme cantaremos no Salmo Responsorial (cf. Salmo 144): “Bendirei eternamente vosso nome; para sempre, ó Senhor, o louvarei!”.

O Livro da Sabedoria é o mais recente de todos os livros do Antigo Testamento (aparece durante a primeira metade do séc. I a.C.). O seu autor – um judeu de língua grega, provavelmente nascido e educado na Diáspora – exprimindo-se em termos e concepções do mundo helênico, faz o elogio da “sabedoria” israelita, traça o quadro da sorte que espera o justo e o ímpio no mais-além e descreve (com exemplos tirados da história do Êxodo) as sortes diversas que tiveram os egípcios (idólatras) e o hebreus (fiéis a Jahwéh). O seu objetivo é duplo: dirigindo-se aos seus compatriotas judeus (mergulhados no paganismo, na idolatria, na imoralidade), convida-os a redescobrirem a fé dos pais e os valores judaicos; dirigindo-se aos pagãos, convida-os a constatar o absurdo da idolatria e a aderir a Jahwéh, o verdadeiro e único Deus… Para uns e para outros, só Jahwéh garante a verdadeira “sabedoria”, a verdadeira felicidade. Neste domingo a primeira leitura proposta pertence à terceira parte do livro (cf. Sb 10,1-19,22). Nessa parte, recorrendo, sobretudo, à técnica do midrash, o autor faz a comparação entre os castigos que Deus lançou contra aos “ímpios” (os pagãos) e a salvação reservada aos “justos” (o Povo de Deus).Depois de descrever como a “sabedoria” de Deus que se manifestou na história de Israel (cf. Sb 10,1-11,14), o autor faz referência ao pecado dos egípcios, que rendiam culto “a répteis irracionais e a bichos miseráveis” (Sb 11,15); e manifesta o seu espanto de que o castigo de Deus sobre os egípcios tenha sido tão moderado e benevolente (cf. Sb 11,17-20). Porque é que Deus foi tão moderado e não exterminou totalmente os egípcios? É a essa questão que o nosso texto responde. O Deus que este texto apresenta é uma figura benevolente e tolerante, cheia de bondade e misericórdia, que não quer a destruição do pecador, mas a sua conversão e que ama todos os homens que criou, mesmo aqueles que praticam acções erradas. Ora, todos nós conhecemos bem este quadro de Deus, pois ele aparece-nos a par e passo… Interiorizar esta “fotografia” de Deus significa “empapar-nos” da lógica do amor e da misericórdia e deixar que ela transpareça em gestos para com os nossos irmãos.

Meus caros irmãos,

São Paulo foi forçado a deixar a cidade de Filipos. Chegou a Tessalônica pelo ano 50. Segundo o seu costume, pregou primeiro aos judeus na sinagoga, obtendo algum sucesso; mas os judeus – incomodados pelo testemunho de Paulo – sublevaram a multidão e o apóstolo teve de abandonar, à pressa, a cidade. De lá, dirigiu-se para Bereia, Atenas e, depois, Corinto. Em Tessalônica ficou uma comunidade entusiasta e fervorosa, constituída na sua maioria por pagãos convertidos… Mas Paulo estava inquieto, pois chegaram-lhe notícias da hostilidade dos judeus para com os cristãos de Tessalônica; e essa comunidade, ainda insuficientemente catequizada, com uma fé muito “verde”, corria riscos. São Paulo enviou Timóteo a Tessalônica, para saber notícias e encorajar os cristãos… Quando Timóteo voltou, Paulo estava em Corinto. As notícias eram boas: os tessalonicenses continuavam a viver com entusiasmo a fé e a dar testemunho de Jesus. Havia, apenas, algumas questões de doutrina que os preocupavam – nomeadamente a questão da segunda vinda do Senhor. Paulo decidiu-se, então, a escrever aos cristãos de Tessalônica, animando-os a viverem na fidelidade ao Evangelho e esclarecendo-os quanto à doutrina sobre o “dia do Senhor”. Estamos no ano 51.

A perspectiva final da história e da nossa vida é a temática da Segunda Leitura (cf. 2Ts 1,11-2,2). Nesta leitura o apóstolo Paulo ensina como se deve reagir contra os fanáticos que anunciam o dia do Senhor para já, dizendo que já não vale a pena trabalhar e cuidar da ordem do mundo. A leitura desta carta no fim do ano litúrgico nos quer conscientizar da tensão em que vivemos. A história do mundo e de cada pessoa tem um sentido irreversível: a vinda de Cristo e a nossa união com Ele. Porém, não se pode “especular” sobre a data do retorno de Cristo. Importa fazer a vontade de Deus e o “ato de fé”; e rezar para que Deus nos sustente nisso.

No nosso caminho pessoal ou comunitário, rumo à salvação, Deus está sempre no princípio, no meio e no fim. É preciso reconhecer que é Ele quem está por detrás do chamamento que nos foi feito, que é Ele quem anima e dá forças ao longo da caminhada, que é Ele quem nos espera no final do caminho, para nos dar a vida plena. Ao longo do caminho, é preciso estar atento para saber discernir o certo do errado, o verdadeiro do falso, o que é um desafio de Deus e o que é o fanatismo ou a fantasia de algum irmão perturbado ou em busca de protagonismo. O caminho para discernir o certo do errado está na Palavra de Deus e numa vida de comunhão e de intimidade com Deus.

Irmãos e Irmãs,

Lucas (cf. Lc. 19,1-10) usa a passagem de Zaqueu para nos dar um recado sempre atual: a salvação veio para todos. Para todos, indistintamente! Zaqueu espera pela passagem de Jesus. Quando Jesus passa ele se dirige a Zaqueu e diz: “Hoje a salvação entrou na tua casa!” (Cf. Lc 19,9).  A história de Zaqueu acontece perto de Jerusalém, ou seja, numa distância de 30km. A misericórdia de Deus, encarnada em Jesus, não tem limites. Zaqueu precisa esvaziar-se. Volta o tema fundamental de todo o Evangelho de São Lucas: o desapego é a condição básica do discípulo, que quer chegar ao Calvário e mergulhar com Jesus no insondável oceano da misericórdia divina.

Zaqueu era o chefe dos cobradores dos impostos para os romanos. Com esse trabalho Zaqueu enriqueceu-se.  Jesus caminha para Jerusalém, mas para na cidade de Jericó, centro produtor de tâmaras, bananas, laranjas, uvas e cereais. De Jericó também vinham muitos dos sacerdotes que serviam ao templo, sendo considerada uma cidade sacerdotal.

Jesus passa por Jericó. Zaqueu espera pela sua passagem. Zaqueu era pequeno em estatura. Pequeno no tamanho, mas grande na vontade de ver Jesus e de se converter. Zaqueu era mais um pecador que queria ir ao encontro de Jesus. Zaqueu além de pecador público, por estar a serviço dos romanos, era considerado impuro, fora-da-lei e da comunidade. Zaqueu é o chefe dos publicanos. Pecador máximo, portanto. Mas, Jesus deixa de lado tudo isso. A misericórdia de Deus é maior do que todos os pecados e todos os pecadores. A misericórdia de Deus não olha o passado, se o presente está aberto à conversão e a mudança de vida.

Meus queridos irmãos,

Zaqueu encontrou um modo de ver Jesus. Zaqueu é o primeiro que procurou ver Jesus e Jesus o ouviu. Procurar, ver e ouvir se juntam. O verdadeiro discípulo está em permanente procura do Senhor, através de muitos meios e modos. Não uma procura teórica, mas prática, até mesmo enfrentando o ridículo, como o fez Zaqueu que trepou em uma árvore à beira da estrada para ver Jesus.

Zaqueu e o sicômoro, a árvore. A árvore em que foram enrolados Adão e Eva pela perdição do pecado original. Jesus que está à porta de Jerusalém vai ao encontro de outra árvore, a árvore da Cruz, para assumir os pecados de toda a humanidade. Zaqueu, assim, quebra o orgulho, expondo-se ao ridículo. Revestido de humildade, pode receber em casa a salvação merecida por quem se deixou crucificar na segunda árvore.

Estimados amigos,

Cinco palavras permeiam, ainda, a liturgia deste domingo: o HOJE DA SALVAÇAO, ou seja, a conversão que não pode esperar e que necessita sempre ser repensada para viver a alegria do serviço na santidade. Junto ao HOJE DA SALVAÇAO se une a palavra DEPRESSA. Indica a prontidão diante de alguma coisa de grande interesse. Quem descobre a graça do Reino não se deixa reter por nada. A terceira palavra PERMANECER, ou ficar. Isso para dizer que Jesus fora à casa de Zaqueu para hospedar-se. Permanecer significa para Jesus a comunhão de vida entre Jesus e os discípulos. Jesus não procura apenas hospedar-se, quer que nossa vida seja uma só vida com ele. A quarta palavra é a ALEGRIA. A alegria de ser regenerado do pecado e a volta para a graça de Deus. Por fim, a quinta palavra: É PRECISO que a salvação de Deus venha em nosso socorro para que sejamos homens livres e santos.

Caros irmãos,

A questão central posta pelo Evangelho é, portanto, a questão da universalidade do amor de Deus. A história de Zaqueu revela um Deus que ama todos os seus filhos sem excepção e que nem sequer exclui do seu amor os marginalizados, os “impuros”, os pecadores públicos: pelo contrário, é por esses que Deus manifesta uma especial predileção. Além disso, o amor de Deus não é condicional: Ele ama, apesar do pecado; e é precisamente esse amor nunca desmentido que, uma vez experimentado, provoca a conversão e o regresso do filho pecador. É esta Boa Nova de um Deus “com coração” que somos convidados a anunciar, com palavras e gestos.

A vida revela, contudo, que nem sempre a atitude dos crentes em relação aos pecadores está em consonância com a lógica de Deus… Muitas vezes, em nome de Deus, os crentes ou as Igrejas marginalizam e excluem, assumem atitudes de censura, de crítica, de acusação que, longe de provocar a conversão do pecador, o afastam mais e o levam a radicalizar as suas atitudes de provocação. Já devíamos ter percebido que só o amor gera amor e que só com amor – não com intolerância ou fanatismo – conseguiremos transformar o mundo e o coração dos homens.  Testemunhar o Deus que ama e que acolhe todos os homens não significa, contudo, branquear o pecado e pactuar com o que está errado. O pecado gera ódio, egoísmo, injustiça, opressão, mentira, sofrimento; é mau e deve ser combatido e vencido. No entanto, distingamos entre pecador e pecado: Deus convida-nos a amar todos os homens e mulheres, inclusive os pecadores; mas chama-nos a combater o pecado que desfeia o mundo e que destrói a felicidade do homem.

Meus irmãos,

A segunda leitura nos adverte que devemos estar prontos para o Dia do Senhor, vivendo como de dia, ocupados com as obras justas que Deus nos confiou, sobretudo, o serviço fraterno aos irmãos.

O Evangelho não nos dá normas sobre “como fazer justiça”. Isso não quer dizer que o cristão deva acomodar-se, aceitando as situações e a sociedade tal como o Santo Padre Paulo VI admoestou com propriedade: “A situação presente deve ser enfrentada corajosamente, devem ser combatidas e vencidas as injustiças que ela comporta. O desenvolvimento exige transformações audazes, profundamente inovadoras. Devem ser empreendidas, sem tardar, reformas urgentes. Que cada um tome generosamente a sua parte”. Em suma, o mandamento do amor exige uma ativa e radical transformação do mundo. Mas uma coisa é afirmar que uma exigência revolucionária, outra é tomar o caminho que se exprime no recurso à violência. E o Evangelho nos ensina a viver a gratuidade, desarmar das violências e viver o amor fraterno.

Assim, todos os domingos, a nossa comunidade é visitada por Cristo, como visitou a Zaqueu, pela presença dos irmãos na assembléia, por sua Palavra, pelo pão e o vinho com água eucaristizados. Importa que tenhamos o desejo de ver a Jesus, de atender ao seu desejo de visitar-nos. Esta visita nos transformará, especialmente, se aprendermos a distribuir os bens de Deus aos irmãos. Amém!

Homilia por: Padre Wagner Augusto Portugal