Liturgia diária 01 de março de 2016

Na liturgia diária fazemos um encontro pessoal com Deus nos colocando a disposição para ouvir seus ensinamentos.

Para bem nos preparar invoquemos a presença do Espírito Santo: 

Vinde, Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do vosso amor. Enviai o vosso Espírito e tudo será criado e renovareis a face da terra.

Oremos

Deus que instruístes os corações dos vossos fiéis com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre da sua consolação. Por Cristo, Senhor nosso. Amém.

ORAÇÃO DO DIA

Senhor Jesus, que eu seja compassivo com o meu próximo, necessitado do meu perdão, pois reconheço a grandeza do perdão que sempre recebo do Pai.

PRIMEIRA LEITURA:  Dn 3,25.34-43

Leitura da Profecia de Daniel – Naqueles dias, 25Azarias parou e, de pé, começou a rezar; abrindo a boca no meio do fogo, disse: 34“Oh! não nos desampares nunca, nós te pedimos, por teu nome, não desfaças tua aliança 35nem retires de nós tua benevolência, por Abraão, teu amigo, por Isaac, teu servo, e por Israel, teu Santo, 36aos quais prometeste multiplicar a descendência como estrelas do céu e como areia que está na beira do mar.
37Senhor, estamos hoje reduzidos ao menor de todos os povos, somos hoje o mais humilde em toda a terra, por causa de nossos pecados; 38neste tempo estamos sem chefes, sem profetas, sem guia, não há holocausto nem sacrifício, não há oblação nem incenso, não há um lugar para oferecermos em tua presença as primícias, e encontrarmos benevolência; 39mas, de alma contrita e em espírito de humildade, sejamos acolhidos, e como holocaustos de carneiros e touros 40e como nos sacrifícios de milhares de cordeiros gordos, assim se efetue hoje nosso sacrifício em tua presença, e tu faças com que te sigamos até o fim; não se sentirá frustrado quem põe em ti sua confiança.
41De agora em diante, queremos, de todo o coração, seguir-te, temer-te, buscar tua face; 42não nos deixes confundidos, mas trata-nos segundo a tua clemência e segundo a tua imensa misericórdia; 43liberta-nos com o poder de tuas maravilhas e torna teu nome glorificado, Senhor – Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

SALMO 24

          — Recordai, Senhor, a vossa compaixão!
— Recordai, Senhor, a vossa compaixão!

— Mostrai-me, ó Senhor, vossos caminhos, e fazei-me conhecer a vossa estrada! Vossa verdade me oriente e me conduza, porque sois o Deus da minha salvação.

— Recordai, Senhor meu Deus, vossa ternura e a vossa compaixão que são eternas! De mim lembrai-vos, porque sois misericórdia e sois bondade sem limites, ó Senhor!

— O Senhor é piedade e retidão, e reconduz ao bom caminho os pecadores. Ele dirige os humildes na justiça, e aos pobres ele ensina o seu caminho.

EVANGELHO:  Mt 18,21-35

         – O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Mateus.
          – Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 21Pedro aproximou-se de Jesus e perguntou: “Senhor, quantas vezes devo perdoar, se meu irmão pecar contra mim? Até sete vezes?”
22Jesus respondeu: “Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete. 23Porque o Reino dos Céus é como um rei que resolveu acertar as contas com seus empregados. 24Quando começou o acerto, trouxeram-lhe um que lhe devia uma enorme fortuna. 25Como o empregado não tivesse com que pagar, o patrão mandou que fosse vendido como escravo, junto com a mulher e os filhos e tudo o que possuía, para que pagasse a dívida.
26O empregado, porém, caiu aos pés do patrão e, prostrado, suplicava: ‘Dá-me um prazo! e eu te pagarei tudo’. 27Diante disso, o patrão teve compaixão, soltou o empregado e perdoou-lhe a dívida.
28Ao sair dali, aquele empregado encontrou um de seus companheiros que lhe devia apenas cem moedas. Ele o agarrou e começou a sufocá-lo, dizendo: ‘Paga o que me deves’. 29O companheiro, caindo aos seus pés, suplicava: ‘Dá-me um prazo! e eu te pagarei’. 30Mas o empregado não quis saber disso. Saiu e mandou jogá-lo na prisão, até que ele pagasse o que devia.
31Vendo o que havia acontecido, os outros empregados ficaram muito tristes, procuraram o patrão e lhe contaram tudo. 32Então o patrão mandou chamá-lo e lhe disse: ‘Empregado perverso, eu te perdoei toda a tua dívida, porque tu me suplicaste. 33Não devias tu também, ter compaixão do teu companheiro, como eu tive compaixão de ti?’ 34O patrão indignou-se e mandou entregar aquele empregado aos torturadores, até que pagasse toda a sua dívida.
35É assim que meu Pai que está nos céus fará convosco, se cada um não perdoar de coração ao seu irmão

– Palavra da Salvação
– Glória a vós Senhor.

Comentário do Evangelho

Quaresma, tempo de perdão. Tempo de ser perdoado e de aprender a perdoar. Erramos e erramos muito, ao longo da história e a cada dia, mas somos a religião do perdão. Já usamos a espada e já usamos a fogueira, de forma errada certamente. Mas nem sempre saímos por aí com a espada na mão. Não foi violência que o cristianismo trouxe. Foi o aprendizado do perdão, que o mundo não conhece e que o cristão tem por missão tornar conhecido. O abraço da paz significa que nos reconciliamos e assim estamos aptos à comunhão, que o rancor ficou para trás, que a amizade voltou. Na cruz, Jesus matou em seu corpo a inimizade. Às vezes queremos matar o inimigo e não matar a inimizade que em nós se esconde. Ao perder a sua vida, Jesus derrubou os muros de separação que vemos construídos por toda parte. No perdão perdemos a própria vida para recuperá-la em seguida. Pedimos perdão por não saber perder a própria vida.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2016’, Paulinas

LEITURA ORANTE

Oração Inicial

Que graça o Pai nos oferece! Estamos começando mais um mês de vida, vivendo um tempo favorável – a terceira semana da Quaresma – e seguindo o que nos sugere a Campanha da Fraternidade Ecumênica: “Casa comum, nossa responsabilidade” e “Quero ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca” (Amós 5,24).
Abramos o coração e peçamos ao Espírito Santo que nos conduza neste momento de oração. Que Ele nos ajude a compreender a Palavra de Deus para que ela se torne vida em nossa vida.

Leitura (Verdade)

É a Palavra de Deus mais uma vez em nossas mãos. O que diz o texto? Aproxime-se do Evangelho e faça uma leitura atenta.
O texto diz que Pedro dirigiu-se a Jesus perguntando: “Senhor, quantas vezes devo perdoar, se meu irmão pecar contra mim? Até sete vezes?” Jesus respondeu: “Digo-te, não até sete vezes, mas até setenta vezes sete”. Continue lendo o texto e repita as palavras e verbos que mais lhe chamarem atenção. Veja que, logo no primeiro versículo, já podemos perceber do que se trata o Evangelho. Veja se você consegue lembrar-se de outros textos com temáticas semelhantes a essa.

Meditação (Caminho)

O que o texto lhe diz? Recorde a palavra que mais o(a) tocou. Não deixe que esta graça passe, mas recolha aquilo que Deus está lhe falando por meio da Palavra.
O cristão é aquele que está sempre disposto a perdoar. Jamais pode achar que já perdoou o suficiente. É o próprio Jesus quem diz que devemos perdoar sempre.

Oração (Vida)

A Palavra de Deus o(a) alimentou, e com certeza você sente o desejo de lhe falar o que está em seu coração.
Faça a sua oração, pois o Senhor o(a) escuta com toda ternura e amor de Pai. Acompanhe o Hino da Misericórdia.

Contemplação (Vida e Missão)

O que você experimentou ao ler o texto? Contemple os sentimentos que vivenciou e garanta que, ao fim deste momento orante, a Palavra permaneça com você, pois ela agora faz parte de sua vida. Deixe que ao longo do dia ela frutifique com atitudes de vida.

Bênção

– Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
– Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
– Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
– Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Leitura orante: Equipe de Redação Paulinas Internet.