Homilia A Samaritana

Meus estimados Irmãos,

Como nós já havíamos refletido no primeiro domingo da Quaresma, nos primórdios da Igreja, a Quaresma era o tempo de preparação dos catecúmenos para a solenidade do Batismo. E o terceiro domingo da Quaresma era o momento em que os catecúmenos prestavam o exame de admissão, ou seja, os escrutínios. Neste dia liam-se os grandes textos bíblicos com alusões ao Batismo em referência ao Evangelho de João. Na renovação da vida Litúrgica da Igreja os textos que se referem ao Batismo são lidos e refletidos de hoje até ao 5o. Domingo da Quaresma.

A Primeira Leitura deste domingo(cf. Ex 17,3-7) e o Evangelho(Jo 4,5-15.19b-26.39a.40-42 – forma breve) relacionam-se como figura e realização: a água pedida pelos israelitas no deserto prefigura a água viva que Jesus dá. Mas a água exigida pelos hebreus era coisa que eles conheciam e queriam; murmuraram até, pondo Deus à prova, conforme nos anuncia o Salmo Responsorial: “Não fecheis, irmãos, o vosso coração, como outrora no deserto!”(Cf. Sl. 94). A samaritana, entretanto, não conhece nem pede o dom que Jesus, misteriosamente, lhe oferece gratuitamente. Jesus tem de conduzi-la para além de sua incompreensão. E assim, ela mesma provoca a busca dos samaritanos, que acabam se dirigindo a Jesus.
A liturgia deste domingo coloca em evidência a água no sentido simbólico que se apresenta no Santo Batismo. Significa o dom de Deus, que é Jesus mesmo. E como nos ensina a Segunda Leitura, esse dom de Deus é gratuito: seu representante, seu Filho, deu a vida por nós enquanto éramos seus inimigos! Receber essa água, no batismo, é deixar-se envolver com esse amor gratuito de Deus em Jesus Cristo, é comprometer-se com essa imensurável bondade. Isso só é possível porque Deus nos amou primeiro.

Caros irmãos,

A primeira leitura narra um episódio paradigmático, que reproduz as vicissitudes e as dificuldades da caminhada histórica do Povo de Deus. Desde que o Povo fugiu do Egito, até chegar a este lugar (Massa/Meribá, segundo os autores do relato), Jahwéh manifestou, de mil formas, o seu amor por Israel. No episódio da passagem do mar (cf. Ex 14,15-31), no episódio da água amarga transformada em água doce (cf. Ex 15,22-27), no episódio do maná e das codornizes (cf. Ex 16,1-20), Deus mostrou o seu empenho em conduzir o seu Povo para a liberdade e em transformar a experiência de morte numa experiência de vida. Jahwéh mostrou, sem margem para dúvidas, estar empenhado na salvação do seu Povo. Depois dessas experiências, Israel já não devia ter qualquer dúvida sobre a vontade salvadora de Deus e sobre o seu projeto de libertação. No entanto, não é isso que acontece. Diante das dificuldades da caminhada, o Povo esquece tudo o que Jahwéh já fez e manifesta as suas dúvidas sobre os objetivos de Deus. A falta de confiança em Deus (“o Senhor está ou não no meio de nós?” – vers. 7) conduz ao desespero e à revolta. O Povo entra em contenda com Moisés (o nome “meribá” vem da raíz “rib” – “entrar em contencioso”) e desafia Deus a clarificar, através de um gesto espectacular, de que lado está (o nome “massa” vem da raíz “nsh” – “tentar”, no sentido de “provocar”). Acusam Deus de ter um projecto de morte, apesar de Ele, tantas vezes, ter demonstrado que o seu projeto é de vida e de liberdade. Afinal, depois de tantas provas, Israel ainda não fez uma verdadeira experiência de fé: não aprendeu a confiar em Deus e a entregar-se nas suas mãos.
Como é que Deus reage à ingratidão e à falta de confiança do seu Povo? Com “paciência divina”, Deus responde mais uma vez às necessidades do seu Povo e oferece-lhe a água que dá vida. À pergunta do Povo (“o Senhor está ou não no meio de nós?”), Deus responde provando que está, efetivamente, no meio do seu Povo. Desta forma os israelitas – e os crentes de todas as épocas – são convidados a reter esta verdade definitiva: o Senhor é o Deus que está sempre presente na caminhada histórica do seu Povo oferecendo-lhe, em cada passo da caminhada, a vida e a salvação.

A caminhada dos hebreus pelo deserto é, um pouco, o espelho da nossa caminhada pela vida. Todos nós fazemos, todos os dias, a experiência de um Deus libertador e salvador, que está presente ao nosso lado, que nos estende a mão e nos faz passar da escravidão para a liberdade. No entanto, ao longo da travessia do deserto que é a vida, experimentamos, em certas circunstâncias, a nossa pequenez, a nossa dependência, as nossas limitações e a nossa finitude; as dificuldades, o sofrimento e o desencanto fazem-nos duvidar da bondade de Deus, do seu amor, do seu projeto para nos salvar e para nos conduzir em direcção à verdadeira felicidade. No entanto, a Palavra de Deus deste domingo garante a cada batizado: Deus nunca abandona o seu Povo em caminhada pela história. Ele está ao nosso lado, em cada passo da caminhada, para nos oferecer gratuitamente e com amor a água que mata a nossa sede de vida e de felicidade.

Ao longo da caminhada do Povo de Deus pelo deserto vêm ao de cima as limitações e as deficiências de um grupo humano ainda com mentalidade de escravo, agarrado à mesquinhez, ao egoísmo e ao comodismo, que prefere a escravidão ao risco da liberdade. No entanto, Deus lá está, ajudando o Povo a superar mentalidades estreitas e egoístas, fazendo-o ir mais além e obrigando-o a amadurecer. À medida que avança, de mãos dadas com Deus, o Povo vai-se renovando e transformando, vai alargando os horizontes, vai-se tornando um Povo mais responsável, mais consciente, mais adulto e mais santo.

É esta, também, a experiência que fazemos. Muitas vezes somos egoístas, orgulhosos, comodistas que passam a vida a lamentar-se e a acusar Deus e os outros pelos “dói-dóis” que a vida nos faz. No entanto, as dificuldades da caminhada não são um castigo ou uma derrota; são, tantas vezes, parte dessa pedagogia de Deus para nos forçar a ir mais além, para nos renovar, para nos amadurecer, para nos tornar menos orgulhosos e auto-suficientes. Devíamos, talvez, aprender a agradecer a Deus alguns momentos de sofrimento e de fracasso que marcam a nossa vida, pois através deles Deus faz-nos crescer.

Estimados amigos,

O episódio da samaritana(cf. Jo 4,5-42 ou mais breve Jo 4,5-15.19b-26.39a.40-42) nos é apresentado porque ele dá um encantamento a quaresma que é tempo de penitência, de jejum e de oração para bem celebrarmos a Páscoa do Senhor. E este episódio coloca em evidência que a samaritana nos ensina a adorar verdadeiramente a Deus, e com isso nos diz como manter vivo e intenso o contacto entre nós e Deus.

Assim, a conversão é um reavivamento do nosso Batismo, onde a água, pela força divina, nos lavou dos pecados, nos abriu as portas do céu. Não a água em si, mas aquele que ela significa: o Redentor, o Salvador, o Cristo Senhor.

O Batismo não pode ficar preso apenas a um ritualismo de tirar a criança do paganismo. O Batismo envolve toda a vida do cristão e gera um compromisso de participar da vida da comunidade, de crescer em sabedoria, em caminhar em santidade para termos três atitudes básicas na vida dos batizados: o louvor, a reverência e o serviço a Cristo pelos irmãos.

Meus irmãos,

Jesus usa, por doze vezes, o termo mulher no Evangelho de hoje. Por isso é importante notar que a Samaritana se torna o modelo de verdadeira discípula de Jesus. Isso porque ela convida seus conterrâneos com as palavras da fé: “vinde e vereis!”. Verdadeira discípula porque a samaritana ouve, abre o coração e a mente à verdade, crê com fidelidade e dá ao mundo o testemunho. Essa deve ser a nossa atitude nesta preparação mais próxima para a Páscoa.

Isso porque Jesus, um Judeu, passando pela Samaria, teria que superar uma antiga rivalidade entre os judeus e os samaritanos, que se evitavam, se odiavam e se provocavam mutuamente. E isso, muitas vezes, infelizmente ocorrem em nossas famílias, em nossas comunidades e em nossas Paróquias. Jesus estava sentado ao lado do poço, Ele o Filho predileto do Pai do Céu, capaz de dar não apenas um poço de água corrente, mas água viva, que jorra para a vida eterna.

Naquele tempo, nenhum homem descente abordava uma mulher em público, conforme o costume, tanto judeu quanto samaritano. Assim, um judeu que se prezasse não pedia jamais um favor a um samaritano. Jesus, entretanto, quebra dois preconceitos ao mesmo tempo, coisa que escandalizou aos seus próprios discípulos: conversa com a samaritana, mulher e pede a ela que lhe desse de beber.

Isso tem um significado muito especial para todos nós: Jesus veio para chamar os pecadores à conversão, não importando qual a categoria de seu pecado, se leve ou grave, se público ou privado, Jesus veio dar um rio de água viva, que é a mudança de vida, a emenda de comportamento e a graça pela santidade.

Jesus chocou os hebreus que detestavam os pecadores. Os hebreus que não acolhiam o diferente, como a samaritana que era pagã, de vida desregrada, e, infelizmente mulher. Seria uma insanidade perder tempo, qualquer rabino que fosse, passando ensinamentos para uma mulher.

Jesus vai na contra-mão: tem uma atitude de misericórdia, abrindo o coração a uma pessoa necessitada de sua ajuda.

Essa “água viva” de que Jesus fala faz-nos pensar no batismo. Para cada um de nós, esse foi o começo de uma caminhada com Jesus… Nessa altura acolhemos em nós o Espírito que transforma, que renova, que faz de nós “filhos de Deus” e que nos leva ao encontro da vida plena e definitiva. A minha vida de cristão tem sido, verdadeiramente, coerente com essa vida nova que então recebi? O compromisso que então assumi é algo esquecido e sem significado, ou é uma realidade que marca a minha vida, os meus gestos, os meus valores e as minhas opções?

Atentemos no pormenor do “cântaro” abandonado pela samaritana, depois de se encontrar com Jesus… O “cântaro” significa e representa tudo aquilo que nos dá acesso a essas propostas limitadas, falíveis, incompletas de felicidade. O abandono do “cântaro” significa o romper com todos os esquemas de procura de felicidade egoísta, para abraçar a verdadeira e única proposta de vida plena. Eu estou disposto a abandonar o caminho da felicidade egoísta, parcial, incompleta, e a abrir o meu coração ao Espírito que Jesus me oferece e que me exige uma vida nova?

Caros irmãos,

Todas as conquistas do nosso tempo não conseguem calar a nossa sede de eternidade, de plenitude, dessa “mais qualquer coisa” que nos falta para sermos, realmente, felizes. A afirmação essencial que o Evangelho de hoje faz é: só Jesus Cristo oferece a água que mata definitivamente a sede de vida e de felicidade do homem. Essa “água viva” de que Jesus fala nos faz pensar no batismo. Para cada um de nós, esse foi o começo de uma caminhada com Jesus. Nessa altura acolhemos em nós o Espírito que transforma, que renova, que faz de nós “filhos de Deus” e que nos leva ao encontro da vida plena e definitiva.

Atentemos no pormenor do “cântaro” abandonado pela samaritana, depois de se encontrar com Jesus. O “cântaro” significa e representa tudo aquilo que nos dá acesso a essas propostas limitadas, falíveis, incompletas de felicidade. O abandono do “cântaro” significa o romper com todos os esquemas de procura de felicidade egoísta, para abraçar a verdadeira e única proposta de vida plena. A samaritana, depois de encontrar o “salvador do mundo” que traz a água que mata a sede de felicidade, não se fechou em casa a gozar a sua descoberta; mas partiu para a cidade, a propor aos seus concidadãos a verdade que tinha encontrado.

Irmãos e irmãs,

A segunda leitura(cf. Rm 5,1-2.5-8) demonstra que quando São Paulo escreve aos Romanos, ele está a terminar a sua terceira viagem missionária e prepara-se para partir para Jerusalém. O apóstolo sentia que tinha terminado a sua missão no oriente (cf. Rom 15,19-20) e queria levar o Evangelho a outros cantos do mundo, nomeadamente ao ocidente. Sobretudo, Paulo aproveita a ocasião para contatar a comunidade de Roma e para apresentar aos Romanos os principais problemas que o ocupavam (entre os quais avultava o problema da unidade – um problema bem atual na comunidade cristã de Roma, então afectada por alguma dificuldade de relacionamento entre judeo-cristãos e pagano-cristãos). Estamos no ano 57 ou 58. São Paulo aproveita para dizer aos Romanos e a todos os cristãos que o Evangelho deve unir e congregar todo o crente, sem distinção de judeu, grego ou romano. Para desfazer algumas ideias de superioridade (e, sobretudo, a pretensão judaica de que a salvação se conquista pela observância da Lei de Moisés), São Paulo nota que todos os homens vivem mergulhados no pecado (cf. Rom 1,18-3,20) e que é a “justiça de Deus” que a todos dá a vida, sem distinção (cf. Rom 3,1-5,11). No texto que a segunda leitura deste domingo nos propõe, São Paulo refere-se à ação de Deus, por Jesus Cristo e pelo Espírito, no sentido de “justificar” todo o homem.

São Paulo parte da ideia de que todos os crentes – judeus, gregos e romanos – foram justificados pela fé. Que significa isto? Na linguagem bíblica, a justiça é, mais do que um conceito jurídico, um conceito relacional. Define a fidelidade a si próprio, à sua maneira de ser e aos compromissos assumidos no âmbito de uma relação. Ora, se Jahwéh se manifestou na história do seu Povo como o Deus da bondade, da misericórdia e do amor, dizer que Deus é justo não significa dizer que Ele aplica os mecanismos legais quando o homem infringe as regras; significa, sim, que a bondade, a misericórdia e o amor próprios do ser de Deus se manifestam em todas as circunstâncias, mesmo quando o homem não foi correto no seu proceder. São Paulo, ao falar do homem justificado, está a falar do homem pecador que, por exclusiva iniciativa do amor e da misericórdia de Deus, recebe um veredicto de graça que o salva do pecado e lhe dá, de modo totalmente gratuito, acesso à salvação. Ao homem é pedido somente que acolha, com humildade e confiança, uma graça que não depende dos seus méritos e que se entregue completamente nas mãos de Deus. Este homem, objeto da graça de Deus, é uma nova criatura (cfr. Gal 6,15): é o homem ressuscitado para a vida nova (cf. Rom 6,3-11), que vive do Espírito (cf. Rom 8,9.14), que é filho de Deus e co-herdeiro com Cristo (cf. Rom 8,17; Gal 4,6-7).

Quais os frutos que resultam deste acesso à salvação que é um dom de Deus?
Em primeiro lugar, a paz (vers. 1). Esta paz não deve ser entendida em sentido psicológico (tranquilidade, serenidade), nem em sentido político (ausência de guerra), mas no sentido teológico semita de relação positiva com Deus e, portanto, de plenitude de bens, já que Deus é a fonte de todo o bem. Em segundo lugar, a esperança (vers. 2-4 – embora os versículos 3 e 4 não apareçam no texto que nos é proposto). Trata-se desse dom que nos permite superar as dificuldades e a dureza da caminhada, apontando a um futuro glorioso de vida em plenitude. Não se trata de alimentar um otimismo fácil e irresponsável, que permita a evasão do presente; trata-se de encontrar um sentido novo para a vida presente, na certeza de que as forças da morte não terão a última palavra e que as forças da vida triunfarão. Em terceiro lugar, o amor de Deus ao homem (vers. 5-8). O cristão é, fundamentalmente, alguém a quem Deus ama. A prova desse amor está em Jesus de Nazaré, o Filho amado a quem Deus “entregou à morte por nós quando ainda éramos pecadores”. Como pano de fundo, o nosso texto propõe-nos o cenário do amor de Deus. São Paulo garante algo que já encontrámos na primeira leitura de hoje: Deus nunca abandona o seu Povo em caminhada pela história. Ele está ao nosso lado, em cada passo da caminhada, para nos oferecer gratuitamente e com amor a água que mata a nossa sede de vida e de felicidade (a paz, a esperança, o seu amor).

A segunda leitura nos leva a contemplar o amor de um Deus que nunca desistiu dos homens e que sempre soube encontrar formas de vir ao nosso encontro, de fazer caminho conosco. Apesar de os homens insistirem, tantas vezes, no egoísmo, no orgulho, na auto-suficiência e no pecado, Deus continua a amar e a fazer-nos propostas de vida. Trata-se de um amor gratuito e incondicional, que se traduz em dons não merecidos, mas que, uma vez acolhidos, nos conduzem à felicidade plena.

A vinda de Jesus Cristo ao encontro dos homens é a expressão plena do amor de Deus e o sinal de que Deus não nos abandonou nem esqueceu, mas quis até partilhar connosco a precariedade e a fragilidade da nossa existência, a fim de nos mostrar como nos tornarmos “filhos de Deus” e herdeiros da vida em plenitude.

A presença do Espírito acentua no nosso tempo – o tempo da Igreja – essa realidade de um Deus que continua presente e actuante, derramando o seu amor ao longo do caminho que, dia a dia, vamos percorrendo e impelindo-nos à renovação, à transformação, até chegarmos à vida plena do Homem Novo. É esse caminho que a Palavra de Deus nos convida a percorrer, neste tempo de Quaresma.

Estimados Irmãos,

A misericórdia que tem muitas faces: misericórdia que gera justiça, misericórdia que dá o pão a quem tem fome. E o pão que interessa é o pão da vida eterna, que dá alimento para o contacto com o Criador. Por isso somos convidados a nos esforçarmos não pelo pão que perece, mas pelo alimento capaz de dar a vida eterna, a vida em Deus, conforme nos ensinou Jo 6,27.

A água do Batismo gera a fonte da vida eterna. O Batismo é o sacramento porta, que abre as portas da eternidade, apagando nossos pecados e nos tornando herdeiros da vida divina. No Batismo nos tornamos morada da Santíssima Trindade.

Para ser Batizado é necessário conhecer o dom de Deus; reconhecendo no Cristo o Messias e Salvador e sair do pecado e de si mesmo e ir ao encontro de Jesus, fazendo a vontade do Pai, realizando no mundo as obras que o Pai quer e continuar a missão de Jesus na terra, dando sempre o testemunho da pessoa divina-humana de Jesus.

Amados Irmãos,

Ao lado do poço, aonde a humanidade vem buscar a água que mata a sede e purifica o corpo, Jesus se apresenta como a água viva, capaz de satisfazer por inteiro a sede espiritual da humanidade. Jesus é a fonte de água viva e quem beber desta água nunca mais terá sede. Amém!

Homilia por: Padre Wagner Augusto Portugal.