Homilia do 3º Domingo do advento, a espera do Natal

Meus queridos irmãos,

Celebramos o terceiro domingo do advento que é conhecido na história da Igreja em conformidade com a antífona de entrada de hoje: o domingo chamado GAUDETE, ou seja, o domingo alegre, ou ainda, o domingo das alegrias. Este é o espírito que deve permear toda a liturgia hodierna: a alegria.

A primeira leitura(cf. Is 35, 1-6a.10), mais uma “utopia” de Isaías que tem seu correspondente no Evangelho – que fala dos cegos e dos coxos curados: a obra do Messias; e o Salmo Responsorial, cantando a bondade de Deus que abre os olhos aos cegos.

O júbilo da natureza, a cura dos enfermos, a volta dos exilados é o que nos anuncia Isaías, pelo sonho da salvação. A vinda salvadora de Deus transforma o deserto em paraíso, cura os enfermos, vence a maldição do pecado de Adão. Liberdade, alegria, felicidade: a gente, hoje em dia, gostaria de vê-las antes de acreditar que existem. Mas Deus dá um novo modo de ver, ouvir e falar. Recebemos novas capacidades para acatar a verdade e a realidade de Deus. E isto é o essencial, em nossa vida.

Os capítulos 34-35 do Livro de Isaías são habitualmente chamados “pequeno apocalipse de Isaías” (para distinguir do “grande apocalipse de Isaías”, que aparece nos capítulos 24-27); descrevem os últimos combates travados por Jahwéh contra as nações, particularmente contra Edom e a vitória definitiva do Povo de Deus. Estes dois capítulos parecem poder ser relacionados com os capítulos 40-55 do Livro de Isaías (cujo autor é esse Deutero-Isaías que atuou na Babilônia entre os exilados, na fase final do Exílio). Depois de apresentar o julgamento de Deus (cf. Is 34,1-4) e o castigo de Edom (cf. Is 34,5-15), o autor descreve, por contraste, a transformação extraordinária do deserto sírio, pelo qual vão passar os israelitas libertados, que retornam do Exílio. A intenção do profeta é consolar os exilados, desanimados, frustrados e mergulhados no desespero, porque a libertação tarda e parece que Deus os abandonou. Este tema será desenvolvido em profundidade nos capítulos 40-55 do Livro de Isaías.

O profeta começa por interpelar a natureza e pedir-lhe que se prepare para a ação libertadora de Deus em favor do seu Povo: o deserto e o descampado, estéreis e desolados, são convidados a revestir-se de vida abundante (como o Líbano, o monte Carmelo ou a planície do Sharon, zonas proverbiais de vida e de fecundidade) e a enfeitar-se de flores de todas as formas e cores (vers. 1-2). Dessa forma, a própria natureza manifestará a sua alegria pela intervenção salvadora de Jahwéh; mas, sobretudo, será o cenário adequado para essa intervenção de Deus, destinada a levar vida nova ao Povo. Além disso, a magnificência das árvores e das plantas será a imagem da glória e da beleza do Senhor e falará a todos da grandeza de Deus, da sua capacidade para fazer brotar vida onde só há morte, desolação, esterilidade. Depois, a palavra do profeta dirige-se aos homens (vers. 3-4). Nada de desânimo, nada de covardia, nada de baixar os braços: Deus aí está para salvar e libertar o seu Povo. Os exilados devem unir-se à natureza nessa corrente de alegria e de vida nova, pois a libertação chegou. O resultado da iniciativa salvadora e libertadora de Deus será que os olhos dos cegos se abrirão e se desimpedirão os ouvidos dos surdos. O coxo não apenas andará, mas saltará como um veado; o mudo não apenas falará, mas cantará de alegria (vers. 5-6). A ação de Deus é excessiva, verdadeiramente transformadora e geradora de vida nova em abundância. A marcha do Povo da terra da escravidão para a terra da liberdade será, pois, um novo êxodo, onde se repetirão as maravilhas operadas pelo Deus libertador aquando do primeiro êxodo; no entanto, este segundo êxodo será ainda mais grandioso, quanto à manifestação e à ação de Deus. Será uma peregrinação festiva, uma procissão solene, feita na alegria e na festa. O resultado final desse segundo êxodo será o reencontro com Sião, a eterna felicidade, a alegria sem fim (vers. 10).

O Advento é o tempo em que se anuncia e espera a intervenção salvadora de Deus em favor do seu Povo. No entanto, Ele só virá, se eu estiver disposto a acolhê-l’O; Ele só intervirá, se eu estiver disposto a receber de braços abertos a proposta de libertação que Ele me vem fazer.

O profeta é o homem que rema contra a maré, isso porque quando todos cruzam os braços e se afundam no desespero, o profeta é capaz de olhar para o futuro com os olhos de Deus e ver, para lá do horizonte do sol poente, um novo amanhã. Ele vai, então, gritar aos quatro ventos a esperança, fazer com que o desespero se transforme em alegria e que o imobilismo se transforme em luta empenhada por um mundo melhor.

Caros irmãos,

A alegria, também, permeia a segunda leitura(cf. Tg 5,7-10), dentro de um contexto bem diferente: recordando a espera da primeira vinda de Jesus, preparamo-nos para a segunda vinda de Cristo. São Tiago nos ensina a manter nossa fé preservada até a segunda vinda, com a paciência do lavrador que aguarda a chuva. Grande constância a que somos chamados: temos diante dos olhos a inefável proximidade do Senhor que é a nossa única alegria. Todos nós somos convidados a aguardar sem desistência a vinda do senhor. Depois da pregação escatológica aos ricos(Tg 5,1-6), São Tiago dirige-se aos seus irmãos, os pobres: eles devem viver em firmeza permanente até que venha o Senhor. A fé do pobre é esperança; o rico não pode esperar, porque o medo o oprime. A proximidade da vinda do Senhor provoca uma segunda admoestação: diante do juízo próximo, mútua acusação e rixa são proscritas. Tiago ilustra suas admoestações com exemplos: o agricultor, que firmemente aguarda a colheita; 2) os profetas, que não se cansam em falar a palavra de Deus e 3) a paciência de Jó.

A carta foi enviada “às doze tribos que vivem na Diáspora” (Tg 1,1). Provavelmente, a expressão alude a cristãos de origem judaica, dispersos no mundo greco-romano, sobretudo nas regiões próximas da Palestina – como a Síria ou o Egito; mas, no geral, a carta parece dirigir-se a todos os batizados, exortando-os a que não percam os valores cristãos autênticos herdados do judaísmo através dos ensinamentos de Cristo. Denuncia, sobretudo, certas interpretações consideradas abusivas da doutrina paulina da salvação pela fé, sublinhando a importância das obras; e ataca com extrema severidade os ricos (cf. Tg 1,9-11;2,5-7;4,13-17;5,1-6). A perícope deste domingo pertence à terceira parte da carta (Tg 3,14-5,20), em que o autor apresenta, num conjunto de desenvolvimentos e de sentenças aparentemente sem ordem nem lógica, indicações concretas destinadas a favorecer uma vida cristã mais autêntica.

O autor da carta de São Tiago dirige-se aos pobres e convida-os a esperar com paciência a vinda do Senhor (como o agricultor, depois de ter feito o seu trabalho, fica pacientemente, mas cheio de esperança, à espera que a terra produza os seus frutos). Todo o enquadramento está dominado pela perspectiva da vinda do Senhor.
A questão é, portanto, esta: os pobres vivem numa situação intolerável de exploração e de injustiça; mas não devem resolver o seu problema com queixas e violências: devem confiar em Deus e esperar a intervenção que os salvará e libertará. A paciência e a espera confiada no Senhor são as atitudes corretas, nestes tempos em que se prepara a intervenção final de Deus na história.

São Tiago diante da injustiça, do medo, do sofrimento, dos que vivem à margem da vida, privados de dignidade, tem uma palavra de fé, ao dizer-lhes: “apesar do sem sentido da vida, apesar do sofrimento, Deus não vos abandonou nem esqueceu, mas vai libertar-vos; aproxima-se a dia da intervenção salvadora de Deus… Esperai-O, não com o coração cheio de revolta (que vos destrói e que magoa todos aqueles que, sem ter culpa, vivem e caminham a vosso lado), mas com esperança e confiança”.

Isto não significa instalar-se numa resignação que aliena e numa passividade que é renúncia à própria dignidade humana. Isto significa, sobretudo, não deixar que sentimentos agressivos e destrutivos tomem posse de nós, pois a libertação de Deus não pode chegar a qualquer coração dominado pelo ódio, pelo rancor, pelo desejo de vingança.

Estimados Irmãos,

Isaias nos ensinou as coisas bonitas que virão com a chegada do Messias: fecundidade, alegria, flores, presença de Deus, coragem, esperança, salvação, libertação e recompensa. Tiago, por seu turno, na segunda leitura, ressalta que devemos ter uma grande paciência na espera da vinda gloriosa de Cristo Jesus, como justo Juiz. Nós somos cristãos, por isso urge estarmos sempre preparados, pois não sabemos nem o dia e nem a hora. É sempre necessário estarmos vigilantes desde a aurora, ansiosos pelo Senhor que vem nos julgar.

Agora entre as coisas bonitas e a vigilância paciente da vinda do Cristo temos que contemplar o que pede o Evangelho: fazer acontecer o Reino de Deus entre nós. Esta é a nossa missão, que deve ser uma missão de alegria.

O Evangelho (cf. Mt 11,2-11) nos ensina que Jesus é mesmo a quem devemos esperar. Jesus cura os enfermos, traz boa-nova para os pobres. Os judeus se defrontam com a pergunta se Jesus é “o que deve vir”, o Messias, em quem a lei e os profetas chegam à plenitude. João Batista depois de O ter anunciado como juiz escatológico, coloca-O, agora, como representante do Antigo Testamento, com a pergunta decisiva: “És tu?”.

João Batista, o precursor, e Maria, a Virgem, são os dois protagonistas da chegada do Salvador. Jesus encarnando-Se no Seio Virginal da Mãe concretiza na humanidade o Reino de Deus. Em vez de olhar para o Menino que vai nascer, a Madre Igreja olha para as razões de seu nascimento. Elogiando João Batista, Jesus elogia a todos quantos perceberam os sinais da chegada do Salvador, a todos que crerem na boa-nova que Ele traz, levarem a sério os seus ensinamentos e facilitarem os seus caminhos. Quem assim fizer participará do Reino dos Céus, como João Batista.

Temos que ter presente o Reino de Deus pela sensibilidade dos olhos, dos ouvidos, da pele, dos ossos, da própria vida e do estado de pobreza do homem. O Reino de Deus acontece aqui e agora, no meio dos homens e das mulheres, no nosso meio, inserido dentro da história humana. O Reino de Deus tem que transformar o mundo e fecundá-lo para o viés da eternidade.

Caros irmãos,

O Evangelho de hoje pode ser dividido em duas partes: Na primeira, Jesus responde à pergunta de João e dá a entender que Ele é o Messias (vers. 2-6); na segunda, temos a apreciação que o próprio Jesus faz da figura e da ação profética de João (vers. 7-11).

Jesus tem consciência de ser o Messias? A resposta é obviamente positiva; para dá-la, Jesus recorre a um conjunto de citações de Isaías que definem, na perspectiva dos profetas, a ação do Messias enviado de Deus: dar vida aos mortos (cf. Is 26,19), curar os surdos (cf. Is 29,18), dar vista aos cegos, dar liberdade de movimentos aos coxos (cf. Is 35,5-6), anunciar a Boa Nova aos pobres (cf. Is 61,1). Ora, se Jesus realizou estas obras (cf. Mt 8-9), é porque Ele é o Messias, enviado por Deus para libertar os homens e para lhes trazer o “Reino”. A sua mensagem e os seus gestos contêm uma proposta libertadora que Deus faz aos homens.

Na segunda parte, temos a declaração de Jesus sobre o Batista. São Mateus utiliza um recurso retórico muito conhecido: uma série de perguntas que convidam os ouvintes a dar uma resposta concreta. A resposta às duas primeiras questões é, evidentemente, negativa: João não é um pregador oportunista cuja mensagem segue as modas, nem um elegante convencido que vive no luxo. A resposta à terceira é positiva: João é um profeta e mais do que um profeta. A declaração, que começa com uma referência à Escritura (cf. Ex 23,20; Mal 3,1) pretende clarificar qual a relação entre ambos e o lugar de João no “Reino”: João é o precursor do Messias; é “Elias”, aquele que tinha de vir antes, a fim de preparar o caminho para o Messias (cf. Mal 3,23-24). No entanto, aqueles que entraram no “Reino” através do seguimento de Jesus são mais do que Ele.

O Evangelho evidencia e identifica Jesus como a presença salvadora e libertadora de Deus no meio dos homens. Neste tempo de espera, somos convidados a aguardar a sua chegada, com a certeza de que Deus não nos abandonou, mas continua a vir ao nosso encontro e a oferecer-nos a salvação.

Os “sinais” que Jesus realizou enquanto esteve entre nós têm de continuar a acontecer na história; agora, são os discípulos de Jesus que têm de continuar a sua missão e de perpetuar no mundo, em nome de Jesus, a ação libertadora de Deus.

Mais uma vez, somos interpelados e questionados pela figura vertical e coerente de João Batista. Ele não é um pregador da moda, cujas ideias variam conforme as flutuações da opinião pública ou os interesses dos poderosos; nem é um charlatão bem vestido, que prega apara ganhar dinheiro, para defender os seus interesses, ou para ter uma vida cômoda e sem grandes exigências. Mais do que isso João Batista é um profeta, que recebeu de Deus uma missão e que procura cumpri-la, com fidelidade e sem medo.

A “dúvida” de João Batista acerca da messianidade de Jesus não é chocante, mas é sinal de uma profunda honestidade. Devemos ter mais medo daqueles que têm certezas inamovíveis, que estão absolutamente certos das suas verdades e dos seus dogmas, do que daqueles que procuram, honestamente, as respostas às questões que a vida todos os dias põe.

Estimados irmãos,

O NATAL não é somente um acontecimento espiritual. É um evento humano e histórico. Cristo nasceu para salvar o homem: seu espírito e sua carne. O Reino de Deus é para a criatura humana na plenitude de seu ser, do seu viver. Por isso temos que nos preocupar com todos os aspectos do homem da mulher, especialmente dos aspectos humanos que nos interpelam. Assim, todo aquele que melhorar a sorte do homem na terra está construindo o Reino de Deus aqui, está ajudando a acontecer o Natal de Jesus e o natal dos homens.

A Igreja, ao velar pela dignidade da pessoa humana em todos os seus aspectos, alcança a criatura humana na sua origem, envolve-a durante toda a sua peregrinação terrestre e a introduz na eternidade.

A exaltação de João Batista é a confirmação da missão de Jesus e da razão de sua presença na terra; enunciação dos sinais do Reino, previstos pelos profetas e mostrados por Jesus de Nazaré, a não deixar dúvidas em ninguém; descrição do caminho a ser percorrido pelo verdadeiro discípulo, construtor, com Jesus, do Reino de Deus.

Por isso somos, cristãos, povo de espera. Vamos pedir com fé que o Natal seja um dia de alegria, semelhante à alegria de João Batista quando reconheceu em Jesus o Messias. Perdoado o pecado, o Natal como toda eucaristia, apresenta-se como festa escatológica, antecipação do Natal eterno: Emanuel, Deus conosco para sempre.

Que o cristão saiba aguardar o Senhor como o lavrador espera amadurecer os frutos da terra. Todos, assim, somos chamados a ser este mensageiro. O Senhor está chegando. É preciso que vigilantes preparemos a sua chegada.

Homilia por: Pe. Wagner Augusto Portugal