O Bom Pastor - Homilia
site-de-catequese

Meus queridos irmãos,

Celebramos neste domingo a festa do Bom Pastor. O Evangelho de hoje(cf. Jo 10,1-10) apresenta a cena campestre do vaivém de pastores e ovelhas, mas também de assaltantes e ladrões, no redil comunitário das aldeias da antiga Palestina. As autoridades judaicas não entenderam essa parábola, pois só quem crê entende Cristo. Jesus Cristo é a porta. Conduzidas através dele, as ovelhas encontrarão vida. Antes dele vieram pessoas que entravam e saíam, não pela porta, mas por outro lugar: eram assaltantes, conduziram as ovelhas para a perdição e a maldade, para lhes tirar a vida.  Aqui pouco importa quem sejam os assaltantes. Jesus talvez poderia estar pensando que os assaltantes poderiam ser os mestres judeus de seu tempo e isto é uma pista que não se deveria seguir os mesmos. A mensagem principal é essa: só o caminho do Cristo é que conduz a salvação e que dá a vida eterna.

Jesus Cristo é a Porta. E esta porta está situada na comunidade dos crentes, na comunidade dos fiéis. Na Comunidade que representa o Cristo, depois da ressurreição encontramos o que nos serve para sempre; teremos o mesmo acesso ao Pai que os apóstolos tiveram em Jesus. Jesus com a sua comunidade é a porta que dá acesso ao Pai.

Estimados irmãos,

A Festa do Bom Pastor é a festa da ternura e da misericórdia de Deus pela humanidade. Jesus de Nazaré “comprou” as ovelhas com o preço de seu sangue, as redimiu na cruz e lhes garantiu na Páscoa a vida eterna. Por isso a festa de hoje sintetiza a misericórdia, o amor e a doação integral.

No tempo de Jesus três eram as profissões rurais dos judeus: os plantadores de trigo, os pescadores e os Pastores. Os Pastores estão presentes na noite de Natal. Jesus compara o povo a ovelhas sem pastor e, também, compara a Igreja como um rebanho. E, mais do que isso, Jesus se autoproclama o Bom Pastor. O Bom Pastor que conhece as suas ovelhas, as chama pelo nome, as abençoa e as envia para a missão.

Jesus usa a alegoria da Porta para se denominar. Os pastores costumavam construir nos campos um abrigo para a noite. Era um cercado ou um curral, cercado por um pequeno muro de pedras, com uma única porta e esta propositadamente estreita. Durante a noite vários pastores levavam ao curral as suas ovelhas e um deles ficava como vigia a noite toda. Pela manhãzinha, o pastor chamava as ovelhas pelo nome, elas saiam uma a uma, sendo contadas depois de passar pela porta estreita e iam para o pasto se fartar do que a natureza oferece de alimento aos animais.

Essa alegoria do curral se aplica também as cidades de então. Jerusalém era cercada, pelas famosas muralhas de Salomão e de Herodes. Entrava-se e saia-se da cidade somente pelo pórtico. A porta sempre significou proteção, segurança. Era na porta da cidade que se recebiam os que chegavam e se despediam os que partiam. A Porta sempre significou o acolhimento, mais do que isso o carinho. Era à porta da cidade que se faziam os negócios, que se comprava dos mascates e se vendia aos estrangeiros em viagem. A Porta era a manifestação da graça e da proximidade.

Mas, porque Jesus se compara como a porta? Isso para dizer que Ele é a única porta. Somente por ele se entra na cidade de Deus, no Reino dos Céus. Somente na porta estreita que é o Cristo que encontramos segurança e proteção. O Cristo nos acolhe sempre que a Ele recorremos. No Cristo teremos a mais feliz e certa das possibilidades como dirá São Pedro posteriormente: “Nele encontraremos as mais preciosas e ricas promessas e nos tornamos participantes da natureza divina”(Cf. 2Pd 1,4).

Jesus adverte aos fariseus e escribas chamando-os provavelmente de ladrões e assaltantes porque se haviam arrogado o direito de interpretar a lei divina, e a lei, em vez de ser um roteiro de santificação e vida, se tornara uma carga de escravidão e de morte. A lei, para os fariseus, já não significava segurança para ninguém, não tinha mais a força de consolar e abrigar os corações angustiados do povo e não dava a possibilidade de ver a Deus e buscar a verdade do Senhor.

Amados e Amadas,

Se o curral precisa de porta ou a cidade de pórtico é porque se precisa de defesa. Jesus se autodenomina a porta para demonstrar a todos os homens e mulheres de boa vontade que Ele é a Paz. Por isso nós rezamos na missa: “Senhor Jesus Cristo dissestes aos vossos Apóstolos: eu vos deixo a paz; eu vos dou a minha paz. Não olheis os nossos pecados, mas a fé que anima a vossa Igreja. Dai-nos segundo o Vosso desejo a paz e a unidade. Vós que sois Deus com o Pai e o Espírito Santo!”.       

Jesus, com sua pessoa e sua doutrina, quis pacificar os homens, quis dar de beber no mesmo córrego ao lobo e ao cordeiro, porque ambos são criaturas de Deus; quis que as criaturas humanas experimentassem um novo modo de viver: na fraternidade e na justiça, na mansidão e na benquerença e, por conseguinte, na paz.

O mundo é a prefiguração das alegrias eternas. Mas um mundo com paz, com harmonia, com concórdia, com misericórdia, com comunhão.

O modo de ver o mundo de Jesus é diferente: Jesus anuncia a plenitude da vida no Evangelho de hoje. Por isso quem ouve a voz do pastor, reconhece em Jesus a autoridade de único Mestre, de único Guia e de único Senhor, e o segue, cumprindo Seus mandamentos e se faz com Ele, como Ele e o Pai do Céu são uma perfeita comunhão.

Para os batizados, “o Pastor” por excelência é Cristo: Ele recebeu do Pai a missão de conduzir o “rebanho” de Deus das trevas para a luz, da escravidão para a liberdade, da morte para a vida.

Atentemos na forma como Cristo desempenha a sua missão de “Pastor”: Ele conhece as “ovelhas” e chama-as pelo nome, mantendo com cada uma delas uma relação única, especial, pessoal. Dirige-lhes um convite a deixarem a escuridão, mas não força ninguém a segui-l’O: respeita absolutamente a liberdade de cada pessoa.

As “ovelhas” do rebanho de Jesus têm de “escutar a voz” do “Pastor” e segui-l’O. Isso significa, concretamente, tornar-se discípulo, aderir a Jesus, percorrer o mesmo caminho que Ele percorreu, na entrega total aos projetos de Deus e na doação total aos irmãos.

Estimados Irmãos,

A Segunda Leitura(cf. 1Pd 2,20b-25) termina em termos que evocam igualmente a figura de Jesus-Pastor. Devemos seguir o caminho da não violência, procurando enxergar o caminho da misericórdia e da justiça. O Servo Sofredor que é o Cristo nos chama a fidelidade ao seu mandato que nos leva a superar todas as formas de sofrimento e de perseguição. E se preciso for morreremos pelo causa do Reino.

O servo é o justo que Pedro anuncia em Pentecostes. Pela aceitação do anúncio sobre o Cristo ressuscitado e pelo nosso batismo somos incorporados à Igreja, corpo místico de Cristo, e passamos a aderir ao círculo dos discípulos de Cristo.

No centro da catequese proposta pela Primeira Carta de Pedro, está o exemplo de Cristo: Ele sofreu (vers. 21) sem ter feito mal nenhum (vers. 22); maltratado pelos inimigos, não respondeu com agressão e vingança (vers. 23); pelo dom da sua vida, eliminou o pecado que afastava os homens de Deus e uns dos outros (vers. 24); por isso, Ele é o Pastor que conduz e guarda os crentes (vers. 25). O texto está cheio de referências vétero-testamentárias.

Para descrever a atitude de Cristo, o autor utiliza a letra do quarto cântico do “servo de Jahwéh” (cf. Is 53,4-9.12) – um texto que reflete a experiência desse “servo sofredor” que “não cometeu pecado algum e em cuja boca não se encontrou mentira” (vers. 22; cfr. Is 53,9), que suportou pacientemente as injustiças e de cuja entrega resultou vida para o seu Povo.

Provavelmente, estamos diante de um antiquíssimo hino cristão utilizado na liturgia primitiva, que comparava o sofrimento de Cristo ao sofrimento do “servo de Jahwéh” e o valor salvífico da morte de Cristo ao valor salvífico da morte do “servo”. Por outro lado, o autor utiliza o motivo do “pastor” de Ez 34.

Aí, o profeta falava de Deus como “o bom pastor”, que havia de vir cuidar das suas ovelhas fracas, doentes e tresmalhadas. Ao ligar o tema do “pastor” com o tema do sofrimento de Cristo, o autor desta catequese está a sugerir que foi do sofrimento de Cristo que resultou vida e salvação para o rebanho de Deus. Do exemplo de Cristo, o autor da carta tira as consequências para a vida dos cristãos: como Cristo, os crentes são chamados a responder às ofensas e injustiças com bondade e mansidão.

Isto é “uma graça aos olhos de Deus” (vers. 20b) – quer dizer, é uma atitude agradável a Deus e é uma atitude que resulta da graça de Deus. O autor da carta dirige-se explicitamente aos servos, aconselhando-os a suportar com paciência as provações a que são sujeitos pelos seus senhores.

No entanto, ele pretendia, provavelmente, ir mais além e estender a sua exortação a todos os crentes. O cristão – seguidor desse Jesus que sofreu sem culpa e que suportou os sofrimentos com amor – deve rejeitar absolutamente o recurso à violência. É nessa atitude de bondade e de mansidão que se manifesta a graça de Deus.

A leitura propõe apenas o exemplo de Cristo, que passou pelo mundo fazendo o bem e foi preso, torturado, assassinado sem resistir, sem Se revoltar, sem responder “na mesma moeda” aos seus assassinos. É uma lógica incompreensível, ou até mesmo demente, aos olhos do mundo. Mas é a lógica de Deus; e Jesus demonstrou que só este caminho conduz à ressurreição, à vida nova, a um dinamismo gerador de um mundo novo. O cristão é chamado a ser testemunha no meio dos homens desta novidade absoluta: só o amor gera vida nova e transforma o mundo.

Esta leitura apresenta Cristo como “o Pastor” que guarda e conduz as suas ovelhas. Neste contexto, em concreto, seguir o Pastor é responder à injustiça com o amor, ao mal com o bem.

Caros irmãos,

Na primeira leitura(At 2,14a.36-41) Continuamos em Jerusalém, na manhã do dia do Pentecostes. Pedro é o porta-voz de uma comunidade que, iluminada pelo Espírito, toma consciência da necessidade de testemunhar Jesus, a sua vida, a sua morte e a sua ressurreição. Diante dos habitantes de Jerusalém e dos forasteiros – idos das comunidades judaicas da “Diáspora” – reunidos para a festa judaica do “Savu’ot” (Pentecostes – a festa que celebrava a aliança do Sinai e o dom da Lei), a comunidade cristã apresenta o kerigma sobre Jesus e proclama a sua fé. Este discurso é uma construção do autor dos Atos e não uma transcrição textual das palavras de Pedro, nesse dia; no entanto, é razoável supor que, nesse momento inicial da caminhada da Igreja, o testemunho dos discípulos de Jesus não se afastou muito das ideias aqui apresentadas.

O texto que hoje nos é proposto apresenta-nos, sobretudo, uma catequese acerca da atitude correta para acolher a proposta de salvação que Deus faz aos homens, por intermédio dos discípulos de Jesus. Os homens e mulheres que, no dia do Pentecostes, escutam o discurso de Pedro representam a comunidade do antigo Povo de Deus, destinatária primeira desse kerigma que a comunidade cristã primitiva é chamada a propor.

Pedro, em nome da comunidade cristã, convida a comunidade do antigo Povo de Deus a reconhecer que rejeitou o “Senhor” (o “kyrios” – nome grego que traduz o “Adonai” hebraico – o nome dado pelos judeus a Jahwéh”), o “Messias” (isto é, o “ungido” de Deus, que veio concretizar as promessas de salvação e de libertação que Jahwéh tinha feito ao seu Povo) e a tirar daí as devidas consequências. Diante dessa interpelação, os ouvintes sentiram o coração “trespassado” (do verbo “katanyssô” – “afligir-se profundamente”). O verbo utilizado traduz o “pesar”, o “sentir pontadas no coração”, como remorso por ter feito algo contrário à justiça. É a atitude que conduz ao arrependimento e o primeiro passo para a mudança de vida, a “metanoia”.

O que é que vai resultar desse “remorso”? Antes de mais, os interlocutores de Pedro colocam-se numa atitude que manifesta total disponibilidade, face à interpelação que lhes é feita: “que havemos de fazer, irmãos?” É a atitude de quem reconhece a verdade das acusações que lhe são imputadas, de quem admite os seus erros e limitações e de quem está verdadeiramente disposto a redirecionar a vida, a corrigir os esquemas errados que têm orientado, até aí, a sua existência. Pedro, em nome de Jesus e da comunidade cristã, define o caminho que a adesão de Jesus propõe a cada crente: converter-se, ser batizado, receber o Espírito Santo. A “conversão” (“metanoia”) significa a mudança radical da mente, dos comportamentos, dos valores, de forma a que o coração do crente se volte de novo para Deus. No contexto neo-testamentário, mais especificamente, a “conversão” é a renúncia ao egoísmo e à auto-suficiência, e o aceitar a proposta de salvação que Deus faz através de Jesus. Implica o acolher Jesus como o salvador e segui-l’O, no caminho do amor, da entrega, do dom da vida. A adesão a Jesus traduz-se num gesto: o “receber o batismo”. “Pedir o batismo” é reconhecer que Jesus tem uma proposta de salvação e vida nova, optar por essa vida nova que Jesus propõe e incorporar-se à comunidade dos que seguem Jesus. Receber o batismo significa receber o Espírito Santo: ao optar por Cristo, o crente acolhe no seu coração a vida de Deus e a sua existência passa a ser animada por um dinamismo divino que, continuamente, o recria, o vivifica, o transforma.

A lógica de um Deus que não se conforma com o fato de os homens rejeitarem a sua oferta de salvação e que insiste em desafiá-los, em acordá-los, em questioná-los, até que eles percebam onde está a verdadeira vida e a verdadeira felicidade. Este Deus é, verdadeiramente, o Pastor que nos conduz para as nascentes de água viva.

“Convertei-vos” – pede Pedro aos seus interlocutores. Converter-se é deixar os velhos esquemas de egoísmo, de prepotência, de orgulho, de autossuficiência que tantas vezes constituem o cenário privilegiado em que se desenrola a vida, para ir atrás de Jesus e aprender com Ele a amar, a servir, a dar a vida.

Amados e Amadas,

A festa do Bom Pastor nos propõe uma conversão sincera e absoluta como reconhecimento do errado e adesão a Cristo como escolha do caminho reto. Cantemos, pois, com fé, pedindo o auxilio do Bom Pastor ao nosso propósito: “O Senhor é o pastor que me conduz, para as águas repousantes me encaminha!”. Amém!