Anunciação do Senhor

A Solenidade da Anunciação do Senhor é sempre celebrada em função da Solenidade do Nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo. Todo ano, a 25 de março, ela é celebrada. Como o dia 25 de março coincide no Tempo da Quaresma é celebrada na primeira segunda-feira depois da Oitava da Páscoa, depois de ter se celebrado o Domingo “in albis” da Divina Misericórdia.

Nossa Senhora recebe a grande dádiva divina: a filha de Santana e de São Joaquim é a escolhida para ser a Mãe de Jesus. E Nossa Senhora será a portadora da proposta de Deus de salvação aos homens e às mulheres de boa vontade. Por isso o radical e pronto Sim da Virgem Santíssima permite que o Pai realize plenamente a Aliança Salvadora com a humanidade pelo seu Filho Jesus Cristo. O Papa Paulo VI, ensinou que: “Para a solenidade da Encarnação do Verbo, no Calendário romano, com motivada decisão, foi reatado o título antigo “Anunciação do Senhor”; no entanto, a celebração era e continua a ser festa, conjuntamente, de Cristo e da Virgem Maria: do Verbo que se torna “filho de Maria” (Mc 6,3) e da Virgem que se torna Mãe de Deus. Relativamente a Cristo, o Oriente e o Ocidente, nas inexauríveis riquezas das suas Liturgias, celebram tal solenidade em memória do “fiat” “salvífico” do Verbo Encarnado, que ao entrar no mundo disse: “Eis-me, eu venho… para fazer, ó Deus, a tua vontade” (Hb 10,7; Sl 39,8-9); em comemoração do início da Redenção e da indissolúvel e esponsal união da natureza divina com a humana na única Pessoa do Verbo. Relativamente a Maria, por sua vez, é celebrada como festa da nova Eva, virgem obediente e fiel, que, com o seu “fiat” generoso (cf. Lc 1,38), se torna, por obra do Espírito Santo, Mãe de Deus, mas ao mesmo tempo também, Mãe dos viventes, e, ao acolher no seu seio o único Mediador (cf.1Tm 2,5), verdadeira Arca da Aliança e verdadeiro Templo de Deus; ademais, em memória de um momento culminante do diálogo de salvação entre Deus e o homem, e em comemoração do livre consentimento da Santíssima Virgem e do seu concurso no plano da Redenção”(Cf. Marialis Cultus, n. 6).

Caros irmãos,

A Primeira Leitura da Solenidade de hoje nos apresenta a Leitura do Profeta Isaías(Is 7,10-14;8,10).     O rei de Jerusalém, Acaz, vê vacilar o seu trono devido à aproximação de exércitos inimigos. A sua primeira reação é entrar numa política de alianças humanas. Isaías, pelo contrário, propõe a resolução do problema pela confiança em Deus. Convida o rei a pedir um “sinal” (v. 11) que seja confirmação da assistência divina. Acaz recusa a proposta: “não tentarei o Senhor” (v. 12). Acaz fala que não tentará o Senhor por hipocrisia, e não por verdadeiro sentido religioso. O Profeta Isaías insiste que, apesar da recusa do rei, Deus lhe dará um sinal: “Pois bem, o próprio Senhor vos dará um sinal. Eis que uma virgem conceberá e dará à luz um filho, e lhe porá o nome de Emanuel, porque Deus está conosco!”(Is 7,14.8,10).

O sentido imediato destas palavras refere-se a Ezequias, filho de Acaz, que a rainha está para dar à luz. O seu nascimento, nesse momento histórico, é interpretado como sinal da presença salvadora de Deus em favor do seu povo aflito. Mais profundamente, as palavras de Isaías são profecia de um futuro rei Salvador. A tradição cristã sempre viu neste oráculo o anúncio profético do nascimento de Jesus, filho de Maria Virgem.

Prezados irmãos,

A Segunda Leitura desta Solenidade, da Carta aos Hebreus(Hb 10,4-10)nos mostra que o sacrifício de Cristo é superior aos sacrifícios do Antigo Testamento. O autor da Carta aos Hebreus relê o Salmo 39 – utilizado pela liturgia desta solenidade como Salmo Responsorial – como se fosse uma declaração de intenções do próprio Cristo ao entrar no mundo, no momento da Encarnação.

Esta é também a atitude obediencial do povo da antiga aliança e de todo o piedoso cantor do salmo: “Eis que venho fazer, com prazer, a vossa vontade, Senhor!”, Por isso a Encarnação como atitude obediencial acontece no dia da Anunciação do Senhor a Maria. Esse dia inaugura a peregrinação messiânica que conduzirá à doação do corpo de Cristo no sacrifício salvífico, novo e inovador, único e indispensável, que se completa no sacrifício da cruz.

Amados e amadas,

A Anunciação é um mistério divino, como nos proclama o Evangelho(Lc 1,26-38). O mensageiro respeita a condição humana de uma garota virgem que recebe uma proposta inesperada: ser mãe do Messias. Maria, a virgem prometida como esposa a José, aproxima-se progressivamente do mistério, deixando-se conscientemente envolver por ele, disponibilizando-se e adequando à proposta de Deus o seu próprio projeto. E termina pronunciando o seu “Eis-me aqui!”

O Papa Bento XVI ensina, com maestria e simplicidade, o significado da solenidade hodierna: “Vejamos, antes de tudo, o que significa a Encarnação. No Evangelho de São Lucas, ouvimos as palavras do anjo a Maria: «O Espírito Santo virá sobre ti e a força do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra. Por isso o Santo que vai nascer será chamado Filho de Deus» (Lc 1, 35).

Em Maria, o Filho de Deus faz-Se homem, cumprindo-se assim a profecia de Isaías: «A virgem conceberá e dará à luz um filho e o seu nome será “Emanuel”, porque Deus está conosco» (Is 7, 14). Sim, Jesus, o Verbo feito carne, é o Deus-conosco, que veio habitar entre nós e partilhar a nossa própria condição humana.

O apóstolo São João exprime isto mesmo do modo seguinte: «O Verbo fez-Se carne e habitou no meio de nós» (Jo 1, 14). A expressão «fez-Se carne» indica a realidade humana mais concreta e palpável. Em Cristo, Deus veio realmente ao mundo, entrou na nossa história, habitou no meio de nós, realizando assim a profunda aspiração do ser humano de que o mundo seja realmente uma casa para o homem.

Pelo contrário, quando Deus é posto de lado, o mundo transforma-se num lugar inospitaleiro para o homem, frustrando ao mesmo tempo a verdadeira vocação da criação que é ser o espaço para a aliança, para o «sim» do amor entre Deus e a humanidade que Lhe responde. E assim fez Maria, primícias dos crentes, com o seu «sim» dado sem reservas ao Senhor.

Por isso, quando contemplamos o mistério da Encarnação, não podemos deixar de voltar os nossos olhos para Ela, enchendo-nos de admiração, gratidão e amor ao ver como o nosso Deus, para entrar no mundo, quis contar com o consentimento livre duma criatura sua. Só a partir do momento em que a Virgem respondeu ao anjo: «Eis a escrava do Senhor; faça-se em mim segundo a tua palavra»(Lc 1, 38), é que o Verbo eterno do Pai começou a sua existência humana no tempo.

É comovente ver como Deus não só respeita a liberdade humana, mas parece ter necessidade dela. E vemos também como o início da existência terrena do Filho de Deus está marcado por um duplo «sim» à vontade salvífica do Pai: o de Cristo e o de Maria. É esta obediência a Deus que abre as portas do mundo à verdade, à salvação.

De fato, Deus criou-nos como fruto do seu amor infinito; por isso viver segundo a sua vontade é o caminho para encontrar a nossa verdadeira identidade, a verdade do nosso ser, enquanto que o distanciamento de Deus nos afasta de nós mesmos e precipita-nos no vazio. A obediência na fé é a verdadeira liberdade, a autêntica redenção, que permite unirmo-nos ao amor de Jesus no seu esforço por Se conformar com a vontade do Pai. A redenção é sempre esse processo de levar a vontade humana à plena comunhão com a vontade divina (cf. Lectio divina com os párocos de Roma, 18 de fevereiro de 2010)”(Conferir Homilia do Papa Bento XVI, 26 de março de 2012, em Cuba).

Caros irmãos,

Com alegria contemplamos o Mistério do Deus Todo-Poderoso que na origem do Mundo cria todas as coisas com sua Palavra, porém desta vez escolhe depender da palavra de uma frágil ser humana, a Virgem Maria, para poder realizar a Encarnação do Filho Redentor: ‘No sexto mês, o anjo Gabriel foi enviado por Deus… a uma jovem… Alegra-te, ó tu que tens o favor de Deus… Não temas, Maria… engravidarás e darás à luz um filho… e lhe darás o nome de Jesus. Maria Santíssima disse ao anjo: Como se fará isso? O anjo lhe respondeu: O Espírito Santo virá sobre ti Maria disse então: Eu sou a serva do Senhor. Aconteça-me segundo a tua Palavra!’ (Lc 1,26-38).

A Anunciação do Senhor é um Mistério grande, mistério sublime é o da Encarnação, para cuja compreensão não basta decerto a fraqueza da nossa mente, incapaz como é de entender às razões do agir de Deus. Nele devemos sempre ver, em posição de primária evidência, Jesus Cristo, como o Filho de Deus que Se encarna, e ao lado d’Ele Aquela que coopera na encarnação dando-Lhe com amor de Mãe a sua própria carne. A Anunciação do Senhor, deste modo, nada tirará à função e ao mérito de Maria, que precisamente pela sua maternidade será, com o seu Filho divino, bendita nos séculos.

Mas este mesmo mistério deveremos sempre vê-lo não já separado, mas coordenado e ligado com todos os vários mistérios da vida oculta e pública de Jesus, até ao outro e sublime mistério da Redenção. De Nazaré ao Calvário há, de facto, uma linha de ordenado desenvolvimento, na continuidade de um indiviso e indivisível desígnio de amor. É por isto que no Calvário encontraremos ainda Maria, que ali se manifesta precisamente como Mãe, vigiando e orando junto da Cruz do Filho moribundo, e ao mesmo tempo como “associada”, ou seja como colaboradora na Sua obra salvífica, “servindo o mistério da Redenção sob a Sua dependência e com Ele, pela graça de Deus omnipotente” (cf. Lumen gentium, 56).

Por isso com esta solenidade é o dia de fazermos memória do início oficial da Redenção de TODOS, pois: ‘O Verbo Divino se fez carne e habitou entre nós‘ (Jo1, 14).

Homilia por: Padre Wagner Augusto Portugal