Oração diária, As minhas palavras não passarão - Mc 13,24-32

33º Domingo Comum – Ano Litúrgico B

18 de novembro de 2018

ORAÇÃO DO DIA

Senhor Jesus, que eu me deixe guiar por tuas palavras, e me mantenha vigilante, na caridade, à tua espera.

PRIMEIRA LEITURA: Dn 12,1-3

Leitura da Profecia de Daniel – 1“Naquele tempo, se levantará Miguel, o grande príncipe, defensor dos filhos de teu povo; e será um tempo de angústia, como nunca houve até então, desde que começaram a existir nações. Mas, nesse tempo, teu povo será salvo, todos os que se acharem inscritos no Livro.
2Muitos dos que dormem no pó da terra despertarão, uns para a vida eterna, outros para o opróbrio eterno.
3Mas os que tiverem sido sábios brilharão como o firmamento; e os que tiverem ensinado a muitos homens os caminhos da virtude brilharão como as estrelas, por toda a eternidade.

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

SALMO 15

— Guardai-me, ó Deus, porque em vós me refugio!
— Guardai-me, ó Deus, porque em vós me refugio!

— Ó Senhor, sois minha herança e minha taça,/ meu destino está seguro em vossas mãos!/ Tenho sempre o Senhor ante meus olhos,/ pois se o tenho a meu lado não vacilo.

— Eis porque meu coração está em festa,/ minha alma rejubila de alegria,/ e até meu corpo no repouso está tranqüilo;/ pois não haveis de me deixar entregue à morte,/ nem vosso amigo conhecer a corrupção.

— Vós me ensinais vosso caminho para a vida;/ junto a vós, felicidade sem limites,/ delícia eterna e alegria ao vosso lado!

SEGUNDA LEITURA: Hb 10,11-14.18

Leitura da Carta aos Hebreus – 11Todo sacerdote se apresenta diariamente para celebrar o culto, oferecendo muitas vezes os mesmos sacrifícios, incapazes de apagar os pecados.
12Cristo, ao contrário, depois de ter oferecido um sacrifício único pelos pecados, sentou-se para sempre à direita de Deus. 13Não lhe resta mais senão esperar até que seus inimigos sejam postos debaixo de seus pés.
14De fato, com esta única oferenda, levou à perfeição definitiva os que ele santifica.
18Ora, onde existe o perdão, já não se faz oferenda pelo pecado.

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

EVANGELHO: Mc 13,24-32

– O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Marcos.
          – Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, Jesus disse a seus discípulos:
24“Naqueles dias, depois da grande tribulação, o sol vai se escurecer, e a lua não brilhará mais, 25as estrelas começarão a cair do céu e as forças do céu serão abaladas.
26Então vereis o Filho do Homem vindo nas nuvens com grande poder e glória. 27Ele enviará os anjos aos quatro cantos da terra e reunirá os eleitos de Deus, de uma extremidade à outra da terra.
28Aprendei, pois, da figueira esta parábola: quando seus ramos ficam verdes e as folhas começam a brotar, sabeis que o verão está perto. 29Assim também, quando virdes acontecer essas coisas, ficai sabendo que o Filho do Homem está próximo, às portas.
30Em verdade vos digo, esta geração não passará até que tudo isto aconteça. 31O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não passarão. 32Quanto àquele dia e hora, ninguém sabe, nem os anjos do céu, nem o Filho, mas somente o Pai”.

– Palavra da Salvação
– Glória a vós Senhor.

Comentário do Evangelho

Fim do ano litúrgico, fim do ano civil, fim do mundo. Cremos que um dia o Senhor virá para julgar os vivos e os mortos, todos os povos se colocarão diante dele para o julgamento e ele separará os bons dos maus. Esperamos e desejamos que nesse dia todos sejam considerados membros do povo de Deus e tenham seus nomes inscritos no Livro da Vida. Que, dentre os mortos, ninguém desperte para a condenação, e sim para a vida eterna. O profeta Daniel indica um caminho, válido para todos os que quiserem trilhá-lo: ser sábio e ensinar aos outros o caminho da virtude. O dom da sabedoria torna as pessoas conscientes de suas ações e das decisões que tomam, e quem ensina o caminho da virtude educa para a justiça. Quando será o último dia, quando será o fim do mundo, ninguém sabe, somente o Pai, assim disse o próprio Jesus. Não sabemos nem quando nem como. Os escritores sagrados usam uma linguagem de imagens que descrevem um tempo de angústia, de aflição e de fenômenos cósmicos. Na realidade, são figuras de linguagem. Ninguém nunca viu o fim, nem mesmo os que já estão na eternidade. Esperamos tranquilamente como quem está preparado para o que der e vier.
Segundo o profeta Daniel, a vinda do Filho do Homem é o último ato da história do mundo. Os livros serão abertos e se salvará quem tiver seu nome inscrito no Livro da Vida. Os sábios educadores brilharão com o brilho do firmamento. Em hebraico, brilho é zohar, palavra que deu origem ao Livro do Zohar, “Livro do Esplendor”, obra capital da mística judaica. Quando falamos em sábios, educadores, mestres, diretores espirituais, estamos afirmando a importância da educação em todos os sentidos. Jesus estava sempre ensinando e, no dia final, “os que educaram a muitos para a justiça brilharão para sempre como estrelas”.
No Evangelho de hoje ouvimos Jesus dizer: “Aprendei da figueira a lição”. Até a figueira pode nos ensinar alguma coisa importante e decisiva na nossa vida. Bons mestres podem nos ajudar a estar sempre preparados para acolher o Filho do Homem, quando vier nas nuvens. É saudável ter alguém com quem falar e dialogar, e ao mesmo tempo ser alguém que fala e dialoga formando numerosos discípulos. São os companheiros que nos levam por mares nunca dantes navegados, mares tempestuosos que nos fazem naufragar, ou os mares de bonança que nos levam ao porto seguro. É saudável ter um bom mestre e ser um bom mestre. Pode ser alguém e pode ser uma seleção de boas obras, que proporcionam bons tempos de meditação. Não deixar o barco caminhar à deriva enquanto esperamos pelo Senhor que tarda a vir! Os filhos de Israel tinham alguém que os acompanhava, o grande príncipe, Miguel, que se punha de pé e permanecia junto deles. O perdão, alcançado uma vez para sempre por aquele que fez de si mesmo uma oferenda sacrifical, chega a todos, cada dia, na atualização desta única oblação, pela mediação humana. Alguém como nós e dentre nós surge disposto a participar da mediação divina em favor de todas as pessoas. Não acolhemos sozinhos o Salvador que chega, não nos apresentamos sós diante do juiz. Fazemos parte de uma comunidade chamada Igreja, na qual brilham como o firmamento os que se dispõem a ajudar a quem precisa. Na próxima semana nos colocaremos diante de Cristo, Rei do Universo.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2018’, Paulinas

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
Liturgia do 33º Domingo do Tempo Comum. Estamos concluindo mais um ano litúrgico e o Evangelho nos coloca na dinâmica do ‘fim dos tempos’. A Palavra nos convida a mantermo-nos vigilantes e engajados no seguimento do Senhor.
Pedimos: Vinde, Espírito Santo, enchei os corações de vossos fiéis e acendei neles o fogo do vosso amor. Enviai, Senhor, o vosso Espírito, e tudo será criado. E renovareis a face da terra. Oremos: Senhor, nosso Deus, que pela luz do Espírito Santo instruístes o coração dos vossos fiéis, fazei-nos dóceis ao mesmo Espírito, para apreciarmos o que é justo e nos alegrarmos sempre com a sua presença. Por Cristo nosso Senhor. Amém.

Leitura (Verdade)
O que diz o texto? Quais são as imagens presentes na narrativa? O que significam os anúncios das catástrofes no início do texto? Qual é o apelo central do Evangelho?
“Estamos concluindo o ano litúrgico. Por isso, os textos falam da destruição do Templo e do ‘fim do mundo’, não como término total, mas do que é definitivo para a existência humana. Tanto o trecho do livro de Daniel como o do evangelho de hoje falam de catástrofe e de salvação. […] No evangelho Jesus também anuncia catástrofes cósmicas, retomando certas imagens utilizadas pelos profetas. Esse tipo de linguagem chamamos de apocalíptica, cuja característica é a criptografia, linguagem ou escrito velado. É uma linguagem típica para o tempo de crise, como no Apocalipse de S. João, por exemplo. O discurso apocalíptico de Jesus é motivado pela observação de um dos seus discípulos acerca da magnífica construção do templo (cf. Mc 13,1). Depois do anúncio da catástrofe cósmica, o filho do homem se manifestará na sua glória e enviará os seus anjos para reunir os seus eleitos. Os que permanecerem fiéis podem estar confiantes na sua salvação, mas não devem deixar de vigiar, de estar atentos aos sinais de Deus, de conservar-se unidos ao Senhor, de viver a fé em Cristo, sem desanimar. A incerteza quanto ao dia e a hora deve nos despertar para a vigilância, para um engajamento cada vez maior no seguimento de Jesus Cristo. A vigilância requerida de todos nós é, ainda, para apoiar a vida nas palavras de Jesus que não passarão jamais” (Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)
“A imagem da figueira soltando seus botões e folhas ensina a estarmos atentos aos sinais dos tempos. A geração infiel, pecadora e incrédula será tomada de surpresa quando vir o Filho do Homem vindo em poder e glória. Quanto ao fim, não foi dado a conhecer a ninguém, o que sinaliza que todos devem cuidar da própria vida e da espiritualidade para não serem surpreendidos. Jesus deixa claro que o céu e a terra podem caducar, mas as Palavras do Senhor nunca passarão. Portanto, a conversão, a mudança de vida, deve ser uma atitude urgente. Que São Miguel nos ajude no combate contra o mal e o pecado!” (Frei Mário José de Souza, em “Viver a Palavra”, da Paulinas Editora).

Oração (Vida)
Apresente ao Senhor a oração que brotou em seu coração. Peça a graça de conservar a Palavra em seu coração ao longo do dia.

Contemplação (Vida e Missão)
A Palavra de Deus encontrou sintonia em minha vida? Qual é o apelo que desejo colocar em prática?

Bênção
– Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
– Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
– Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
– Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Paulinas