Liturgia diária Multiplicação dos pães - Mc 8,1-10

5ª Semana do Tempo Comum – Ano Litúrgico C

16 de fevereiro de 2019

ORAÇÃO DO DIA

Senhor, eu vos louvo e agradeço pelo grande dom do Evangelho. Que ele seja conhecido, aceito e amado por todos.

PRIMEIRA LEITURA: Gn 3,9-24

Leitura do Livro do Gênesis

– 9O Senhor Deus chamou Adão, dizendo: “Onde estás?” 10E ele respondeu: “Ouvi tua voz no jardim, e fiquei com medo porque estava nu; e me escondi”. 11Disse-lhe o Senhor Deus: “E quem te disse que estavas nu? Então comeste da árvore, de cujo fruto te proibi comer?” 12Adão disse: “A mulher que tu me deste por companheira, foi ela que me deu do fruto da árvore, e eu comi”. 
13Disse o Senhor Deus à mulher: “Por que fizeste isso?” E a mulher respondeu: “A serpente enganou-me e eu comi”. 14Então o Senhor Deus disse à serpente: “Porque fizeste isso, serás maldita entre todos os animais selvagens! Rastejarás sobre o ventre e comerás pó todos os dias da tua vida! 15Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e a dela. Esta te ferirá a cabeça e tu lhe ferirás o calcanhar”. 
16À mulher ele disse: “Multiplicarei os sofrimentos da tua gravidez: entre dores darás à luz os filhos; teus desejos te arrastarão para o teu marido, e ele te dominará”. 17E disse em seguida a Adão: “Porque ouviste a voz da mulher e comeste da árvore, de cujo fruto te proibi comer, amaldiçoado será o solo por tua causa! Com sofrimento tirarás dele o alimento todos os dias da tua vida. 18Ele produzirá para ti espinhos e cardos e comerás as ervas da terra; 19comerás o pão com o suor do teu rosto até voltares à terra de que foste tirado, porque és pó e ao pó hás de voltar”. 
20E Adão chamou à sua mulher “Eva”, porque ela é a mãe de todos os viventes. Então o Senhor Deus fez para Adão e sua mulher túnicas de pele e as vestiu. 22Disse, depois, o Senhor Deus: “Eis que o homem se tornou como um de nós, capaz de conhecer o bem e o mal. Não aconteça, agora, que ele estenda a mão também à árvore da vida para comer dela e viver para sempre!” 
23E o Senhor Deus o expulsou do jardim de Éden, para que ele cultivasse a terra donde fora tirado. 24Expulsou o homem, e colocou a oriente do jardim de Éden os querubins, e a espada lam¬pejante de chamas, para guardar o caminho da árvore da vida.

  • Palavra do Senhor.
    – Graças a Deus.

SALMO 89

          —Ó Senhor, vós fostes sempre um refúgio para nós.
— Ó Senhor, vós fostes sempre um refúgio para nós.

— Já bem antes que as montanhas fossem feitas ou a terra e o mundo se formassem, desde sempre e para sempre vós sois Deus.

— Vós fazeis voltar ao pó todo mortal, quando dizeis: “Voltai ao pó, filhos de Adão!” Pois mil anos para vós são como ontem, qual vigília de uma noite que passou.

— Eles passam como o sono da manhã, são iguais à erva verde pelos campos: De manhã ela floresce vicejante, mas à tarde é cortada e logo seca.

— Ensinai-nos a contar os nossos dias, e dai ao nosso coração sabedoria! Senhor, voltai-vos! Até quando tardareis? Tende piedade e compaixão de vossos servos! 

EVANGELHO: Mc 8,1-10

         – O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
          – Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Marcos.
          – Glória a vós, Senhor.

1Naqueles dias, havia de novo uma grande multidão e não tinha o que comer. Jesus chamou os discípulos e disse: 2“Tenho compaixão dessa multidão, porque já faz três dias que está comigo e não têm nada para comer. 3Se eu os mandar para casa sem comer, vão desmaiar pelo caminho, porque muitos deles vieram de longe”.
4Os discípulos disseram: “Como poderia alguém saciá-los de pão aqui no deserto?” 5Jesus perguntou-lhes: “Quantos pães tendes?” Eles responderam: “Sete”.
6Jesus mandou que a multidão se sentasse no chão. Depois, pegou os sete pães, e deu graças, partiu-os e ia dando aos seus discípulos, para que o distribuíssem. E eles os distribuíram ao povo.
7Tinham também alguns peixinhos. Depois de pronunciar a bênção sobre eles, mandou que os distribuíssem também. 8Comeram e ficaram satisfeitos, e recolheram sete cestos com os pedaços que sobraram. 9Eram quatro mil, mais ou menos. E Jesus os despediu. 10Subindo logo na barca com seus discípulos, Jesus foi para a região de Dalmanuta.

  • Palavra da Salvação
    – Glória a vós Senhor.

Comentário do Evangelho

Os evangelistas Marcos e Mateus relatam duas vezes a multiplicação dos pães. Seriam duas multiplicações ou uma só contada duas vezes? Podemos pensar em duas tradições de um único milagre. A primeira tradição vinha das comunidades de origem judaica e a segunda originou-se no meio de comunidades formadas por pagãos convertidos. Jesus sente compaixão da multidão porque alguns vieram de longe. Estes, que vieram de longe, podem ser os pagãos, aos quais Jesus oferece a sua misericórdia. A salvação. Se ela parte de Israel, não se fecha, porém, em Israel. Não se trata apenas de estar no meio dos pagãos, como os judeus da diáspora, mas de impregnar a massa como faz o fermento. Os sinais dados por Jesus em seus milagres revelam que os pagãos também são chamados a participar da herança de Israel.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2019’, Paulinas

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
A leitura orante, ou lectio divina, de origem latina, significa “Leitura de Deus”. Ou seja, quando refletimos e rezamos as Sagradas Escrituras, estamos chegando ao coração do próprio Deus. Hoje o Evangelho nos convida a conhecer o coração de Jesus, um coração que sente compaixão pela multidão faminta, desamparada e peregrina.
Peçamos que o nosso coração também esteja sensível aos apelos da Palavra de Deus e aos nossos irmãos que passam necessidade. Rezemos: “Jesus Mestre, cremos com viva fé que estais aqui presente, para indicar-nos o caminho que leva ao Pai. Iluminai nossa mente, movei nosso coração, para que esta meditação produza em nós frutos de vida. Amém.”

Leitura (Verdade)
Em silêncio, faça uma leitura atenta do texto. Procure recordar a leitura fazendo memória do lugar, dos personagens, das palavras e gestos de Jesus. Quais personagens aparecem na narrativa? O que estão procurando? Por que estão recorrendo a Jesus? Como Jesus se comporta com essas pessoas? Que mudanças acontecem entre a situação inicial e a situação final dos que se aproximam de Jesus? Que mensagem Jesus quer transmitir com suas atitudes, gestos e palavras? O que significa estar em um deserto? O que significa sentir fome? E sede?
“Estamos ainda em território pagão (cf. Mc 7,31), pois não há nenhuma indicação do contrário. Trata-se do relato da segunda multiplicação dos pães (cf. Mc 6,30-44). Os elementos presentes na narração apontam para uma dupla perspectiva: o povo que o Cristo reúne é constituído de judeus e pagãos e a admissão dos pagãos à mesa eucarística. A razão pela qual a multidão não tinha o que comer (v. 1) é porque estava com Jesus há três dias. A situação da multidão causa em Jesus ‘compaixão’ (cf. tb. Mc 6,34). É esse sentimento que leva Jesus a entregar-se por todos, judeus e pagãos. No povo que o Senhor reúne, alguns ‘vêm de longe’, uma forma de indicar os pagãos. O nosso texto tem uma forte conotação eucarística. A indicação de que todos ficaram saciados e a menção da sobra são modos de transmitir não somente a abundância do alimento dado, mas também que o verdadeiro alimento do povo de Deus a caminho ultrapassa os limites da materialidade; trata-se de um alimento espiritual simbolizado no pão e no peixe, dois modos primitivos de referir-se ao Cristo e à Eucaristia” (Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)
Este é o momento de relacionar sua reflexão com a vida. Qual a mensagem do Evangelho de hoje para você? Qual sentimento o texto despertou em seu coração? Que luz Jesus lhe revela com sua mensagem, seus gestos, suas atitudes? O que Cristo lhe pede hoje? Faça um momento de silêncio para confrontar sua meditação com a realidade que você vive.
“Para Deus, nenhum lugar é deserto. Ele pode fazer a vida acontecer, mesmo em ambientes inóspitos. Ele é Senhor da vida. Ele faz brotar pastos no deserto. Na leitura de hoje, fez o pão se multiplicar para saciar a fome da multidão no deserto. Os discípulos, incrédulos e insensíveis, viram no deserto apenas o limite das forças e das possibilidades humanas. Sem o olhar de Jesus, nossos desertos são nossos limites. Com seu olhar, o deserto se torna o lugar onde Deus alimenta nosso espírito e nos fortalece para a missão. Não há nenhuma necessidade em nós que Jesus não possa saciar. O que antes era fome torna-se abundância pela força da partilha. Jesus, pão do céu, sacia-nos!” (Frei Mário Sérgio Souza, em “Viver a Palavra”, da Paulinas Editora).

Oração (Vida)
A Palavra meditada agora se transforma em oração. O que o texto o(a) leva a dizer a Deus? Faça sua oração espontaneamente.

Contemplação (Vida e Missão)
De que maneira esta passagem nos compromete? Pense em uma ação concreta para ser realizada durante o dia, em resposta ao apelo que o próprio Deus despertou em seu coração.

Bênção

  • Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
  • Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
  • Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
  • Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Paulinas