Liturgia diária, Correção fraterna - Mt 18,15-20
site-de-catequese

23ª Domingo do Tempo Comum – Ano Litúrgico A

10 de setembro de 2017

ORAÇÃO DO DIA

Pai, que a presença de teu Filho ressuscitado na comunidade cristã seja um incentivo para que nós busquemos pautar nossa ação pela tua santa vontade.

PRIMEIRA LEITURA: Ez 33,7-9

Leitura da Profecia de Ezequiel

Assim diz o Senhor: 7“Quanto a ti, filho do homem, eu te estabeleci como vigia para a casa de Israel. Logo que ouvires alguma palavra de minha boca, tu os deves advertir em meu nome.
8Se eu disser ao ímpio que ele vai morrer, e tu não lhe falares, advertindo-o a respeito de sua conduta, o ímpio vai morrer por própria culpa, mas eu te pedirei contas da sua morte.
9Mas, se advertires o ímpio a respeito de sua conduta, para que se arrependa, e ele não se arrepender, o ímpio morrerá por própria culpa, porém, tu salvarás a tua vida”.

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

SALMO 95

          — Não fecheis o coração, ouvi, hoje, a voz de Deus!
— Não fecheis o coração, ouvi, hoje, a voz de Deus!

— Vinde, exultemos de alegria no Senhor,/ aclamemos o Rochedo que nos salva!/ Ao seu encontro caminhemos com louvores,/ e com cantos de alegria o celebremos!

— Vinde, adoremos e prostremo-nos por terra,/ e ajoelhemos ante o Deus que nos criou!/ Porque ele é o nosso Deus, nosso Pastor,/ e nós somos o seu povo e seu rebanho,/ as ovelhas que conduz com sua mão.

— Oxalá ouvísseis hoje a sua voz:/ “Não fecheis os corações como em Meriba,/ como em Massa, no deserto, aquele dia,/ em que outrora vossos pais me provocaram,/ apesar de terem visto as minhas obras”.

SEGUNDA LEITURA:  Rm 13,8-10

Leitura da Carta de São Paulo aos Romanos

Irmãos: 8não fiqueis devendo nada a ninguém, a não ser o amor mútuo, pois quem ama o próximo está cumprindo a Lei.
9De fato, os mandamentos: “Não cometerás adultério”, “não matarás”, “não roubarás”, “não cobiçarás”, e qualquer outro mandamento, se resumem neste: “Amarás ao teu próximo como a ti mesmo”.
10O amor não faz nenhum mal contra o próximo. Portanto, o amor é o cumprimento perfeito da Lei.

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

EVANGELHO: Mt 18,15-20

 

– O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Mateus.
          – Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, Jesus disse a seus discípulos:
15“Se o teu irmão pecar contra ti, vai corrigi-lo, mas em particular, a sós contigo! Se ele te ouvir, tu ganhaste o teu irmão. 16Se ele não te ouvir, toma contigo mais uma ou duas pessoas, para que toda a questão seja decidida sob a palavra de duas ou três testemunhas.
17Se ele não vos der ouvido, dize-o à Igreja. Se nem mesmo à Igreja ele ouvir, seja tratado como um pagão ou um pecador público.
18Em verdade vos digo, tudo o que ligardes na terra será ligado no céu, e tudo o que desligardes na terra será desligado no céu.
19De novo, eu vos digo: se dois de vós estiverem de acordo na terra sobre qualquer coisa que quiserem pedir, isso lhes será concedido por meu Pai que está nos céus. 20Pois, onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, eu estou aí, no meio deles”.

– Palavra da Salvação
– Glória a vós Senhor.

Comentário do Evangelho

O quarto Sermão de Jesus apresentado pelo evangelista São Mateus é o Sermão Eclesial ou Sermão Comunitário. Nele encontramos orientações para o nosso relacionamento fraterno. Vivemos em sociedade e os relacionamentos são complexos. Vivemos em Igreja, isto é, em comunidade, sem deixar de ser humanos, com as limitações próprias da natureza e com as acrescentadas pelo pecado das origens. São Mateus junta num sermão o que pode nos ajudar a fazer a experiência dolorosa do amor em comunidade de fé. Sendo ativa, a nossa fé se mantém pela esperança e produz frutos de caridade. A vivência do amor é dolorosa em todos os níveis e o nível comunitário faz a mesma experiência, seja em comunidade estável, seja em comunidades paroquiais. Há sempre um irmão pecando contra nós. Ao menos, é o que pensamos em nossos confrontos. Jesus pede que um ajude o outro e ensina como fazer. Seu irmão ou sua irmã está prejudicando você; o comportamento de alguém é negativo, não é bom, não constrói; uma pessoa não caminha, anda por atalho que só dá trabalho! Converse com ela em particular. Se não der certo, converse em grupo, com mais gente.
Se ainda não der certo, só então vá às autoridades. Estando juntos, dois ou mais, buscando a mesma coisa, com o mesmo objetivo que será sempre o que é bom, agradável e perfeito diante de Deus, nossa ação será abençoada e Jesus estará entre nós. Deus ratifica a ação da sua Igreja. Ele aceitará no céu o que fizermos na terra, se estivermos unidos e agindo em nome de Jesus. Correção fraterna significa ajuda mútua. Não queremos que ninguém fique para trás, que ninguém fique parado à beira do caminho ou se desvie do caminho. Corrigindo-nos, nós nos ajudamos uns aos outros. É importante saber corrigir. Mais importante, porém, é saber aceitar a correção.Pense então não em corrigir os outros, mas em aceitar ser corrigido. Deus estabelece o profeta Ezequiel como vigia do povo de Israel. Quando Deus fizer alguma observação, o profeta deverá logo advertir o povo. O profeta não pode ficar indiferente diante de uma pessoa má e desonesta.
Se não fizer nada para que a pessoa mude de atitude, ele vai dar contas a Deus da vida dessa pessoa. Não podemos ser indiferentes diante da desonestidade organizada, que se chama também de corrupção. É um ato de amor interessar-se pela mudança de atitude do corrupto, por ele e pelos que ele prejudica. Deus pedirá contas de quem permanece indiferente diante do mal. Você, porém, não será responsabilizado se o outro não quiser mudar de atitude. É bom não ter nenhuma dívida com ninguém, a não ser o amor mútuo, orienta-nos São Paulo. Se todas as nossas ações forem movidas pelo amor, nunca faremos mal a ninguém, estaremos cumprindo a vontade de Deus e observando todas as prescrições das Escrituras Sagradas. “O amor é o cumprimento perfeito da Lei.” É preciso ter o costume, ter o hábito de fazer o bem aos outros, de procurar ajudar os outros sempre e em qualquer situação. Quem quer estar em dia com a vontade de Deus, exercita a sensibilidade fraterna. Se essa atitude estiver arraigada em nós, faremos o bem espontaneamente. Como, porém, não somos perfeitos, o que acontecer de errado não será por má vontade da nossa parte. Pode ser resultado da fraqueza da natureza ou das circunstâncias que não controlamos. Não será resultado de algo planejado na mente. Não fechem o coração, escutem a voz de Deus, não provoquem a Deus, abram os olhos e vejam as suas obras. Não devam nada a ninguém, a não ser o amor!

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2017’, Paulinas

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
“Se teu irmão pecar contra ti, vai corrigi-lo, tu e ele a sós!” Esse é o convite que Jesus nos faz hoje. Que o pedido do Senhor encontre espaço em nossa vida e se torne concreto em nosso dia.
Rezemos: “Divino Espírito Santo, necessitamos muito de vossa ajuda para conhecer o caminho que devemos seguir. Temos necessidade de Vós, para que o nosso coração, inundado pela vossa consolação, se abra e que, muito além das palavras e dos conceitos, possamos perceber a vossa presença. Iluminai a nossa mente, movei o nosso coração, para que esta meditação produza em nós frutos de vida. Amém.”

Leitura (Verdade)
O que diz o texto? A quem Jesus está se dirigindo? Qual é o desafio que a comunidade é convidada a enfrentar? Qual é o desejo de Deus que o evangelista nos transmite através da narrativa? Qual é o apelo principal que o texto nos faz?
“Mateus insere estas orientações sobre a correção fraterna na fala de Jesus sobre as normas de convívio nas comunidades. Estas orientações são apresentadas após a abordagem das questões da disputa pelo poder, do escândalo e das defecções. A correção fraterna, que brota do amor e do perdão, é fundamental para manter-se a unidade na comunidade. Conflitos, sensibilidades feridas e ofensas são comuns no convívio comunitário. Contudo, é importante superá-los com a mudança de comportamentos que provocam estes conflitos, sem defecções. O evangelista formaliza esta questão da correção, apresentando-a como uma regra. Contudo, o amor, que nos move ao perdão e à reconciliação, atua de maneira mais livre e espontânea. A alusão ao pagão ou ao publicano, no texto, tem um caráter discriminatório e excludente que destoa da prática de Jesus e da índole do publicano Levi (Mateus), sugerindo que a autoria deste evangelho possa ser atribuída a um escriba convertido (cf. Mt 13,52)” (Reflexão de José Raimundo Oliva, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)
O que diz o texto a você? Qual convite a Palavra lhe faz? Como você vive o perdão e a reconciliação? Você recorda experiências em que foi perdoado(a) e perdoou? O que o(a) motiva a buscar a reconciliação com quem o(a) ofendeu ou foi ofendido(a) por você?
Deus é um Pai de infinito amor que nos perdoa e nos recria em sua misericórdia. Ele deseja que nunca nos afastemos de sua comunhão. Quando experimentamos o seu amor, também estendemos aos nossos irmãos esse amor, por meio da misericórdia, da bondade, do perdão…
Ele nos convida ao perdão e à reconciliação para que possamos viver a unidade em torno do mesmo Pai. São dois movimentos exigentes, pois precisamos sair de nós mesmos em direção ao outro, a quem ofendemos ou nos ofendeu. Porém, ele é necessário para mantermos relacionamentos saudáveis e curarmos nossas feridas. Mais ainda, o perdão só existe no amor. Portanto, sabe perdoar quem muito ama. A reconciliação e o perdão são dons que o Senhor nos concede, de modo que nos tornamos capazes de perdoar, aos outros e a nós mesmos.

Oração (Vida)
Agradeçamos ao Senhor seu amor e sua misericórdia para conosco e por ter nos ensinado a perdoar. Entreguemos a Ele as pessoas que sofrem a dor da falta do perdão e da reconciliação. Peçamos ainda: “Senhor, concede-nos um coração aberto à tua graça e ensina-nos a perdoar a quem ainda não amamos com verdadeiro amor fraterno”.

Contemplação (Vida e Missão)
Qual novo olhar nasceu em você a partir da Palavra?

Bênção
– Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
– Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
– Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
– Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.