Liturgia diária, Oferecer a outra face, entregar o manto - Mt 5,38-42

11ª Semana do Tempo Comum – Ano Litúrgico C

17 de junho de 2019

ORAÇÃO DO DIA

Pai, não permitas que a violência tome conta do meu coração; antes, torna-me capaz de responder, com gestos de amor, a quem me faz o mal.

PRIMEIRA LEITURA: 2 Cor 6,1-10

Leitura da segunda carta de são Paulo aos Coríntios –

Irmãos, 1Na qualidade de colaboradores seus, exortamo-vos a que não recebais a graça de Deus em vão. 2Pois ele diz: Eu te ouvi no tempo favorável e te ajudei no dia da salvação (Is 49,8). Agora é o tempo favorável, agora é o dia da salvação. 3A ninguém damos qualquer motivo de escândalo, para que o nosso ministério não seja criticado. 4Mas em todas as coisas nos apresentamos como ministros de Deus, por uma grande constância nas tribulações, nas misérias, nas angústias, 5nos açoites, nos cárceres, nos tumultos populares, nos trabalhos, nas vigílias, nas privações; 6pela pureza, pela ciência, pela longanimidade, pela bondade, pelo Espírito Santo, por uma caridade sincera, 7pela palavra da verdade, pelo poder de Deus; pelas armas da justiça ofensivas e defensivas, 8através da honra e da desonra, da boa e da má fama. 9Tidos por impostores, somos, no entanto, sinceros; por desconhecidos, somos bem conhecidos; por agonizantes, estamos com vida; por condenados e, no entanto, estamos livres da morte. 10Somos julgados tristes, nós que estamos sempre contentes; indigentes, porém enriquecendo a muitos; sem posses, nós que tudo possuímos!

  • Palavra do Senhor.
    – Graças a Deus.

SALMO 97(98)

        —O Senhor fez conhecer a salvação.
— O Senhor fez conhecer a salvação.

— Cantai ao Senhor Deus um canto novo, porque ele fez prodígios! Sua mão e o seu braço forte e santo alcançaram-lhe a vitória.

— O Senhor fez conhecer a salvação, e às nações, sua justiça; recordou o seu amor sempre fiel pela casa de Israel.

— Os confins do universo contemplaram a salvação do nosso Deus. Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira, alegrai-vos e exultai!

EVANGELHO:  Mt 5,38-42

       – O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Mateus.
          – Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 38Tendes ouvido o que foi dito: Olho por olho, dente por dente. 39Eu, porém, vos digo: não resistais ao mau. Se alguém te ferir a face direita, oferece-lhe também a outra. 40Se alguém te citar em justiça para tirar-te a túnica, cede-lhe também a capa. 41Se alguém vem obrigar-te a andar mil passos com ele, anda dois mil. 42Dá a quem te pede e não te desvies daquele que te quer pedir emprestado.

  • Palavra da Salvação
    – Glória a vós Senhor.

Comentário do Evangelho

O Sermão da Montanha do Evangelho de São Mateus ilumina o dia de hoje. “Olho por olho e dente por dente” parece expressar uma realidade muito espontânea entre os seres humanos. Por que não pagar com a mesma moeda o mal que me fizeram? Jesus ensina o contrário e um pouco mais. Não devemos pagar com a mesma moeda porque é preciso romper o ciclo de repetição, gerador de violência. Se devolvo a mesma moeda que recebi, se devolvo o mesmo tapa que recebi, repito o que fez o meu adversário. Ele começou e eu repeti o que ele fez. Vai um tapa daqui, vem um tapa de lá. Quem vai interromper esse mecanismo de repetição? Somente quem tiver força e coragem de introduzir algo novo no meio da repetição de atitudes velhas. Não há nada de novo na repetição do que já foi feito. Se o que já foi feito foi um ato de violência que provoca outro ato de violência, entramos num movimento gerador de violência que torna a vida impossível. É preciso interromper a violência com uma ação contrária. Alguém quer tirar a sua túnica? Dá-lhe também o manto. Seria isso premiar o mal? Seria isso incentivar a impunidade? A atitude gratuita desarma a atitude violenta. Ao tirar-me a túnica o adversário deu início a um movimento de violência. Entreguei-lhe a capa e interrompi o movimento. Sem reação direta, o adversário cai com seu próprio peso.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2019’, Paulinas

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
No Evangelho, Jesus instrui seus discípulos e a cada um de nós para rompermos com a cadeia de vinganças e violências. O discípulo de Jesus, a exemplo de seu Mestre, é convidado a ser promotor da paz e testemunha do amor.
Peçamos: “Jesus Mestre, cremos com viva fé que estais aqui presente, para indicar-nos o caminho que leva ao Pai. Iluminai nossa mente, movei nosso coração, para que esta meditação produza em nós frutos de vida. Amém.”

Leitura (Verdade)
O que diz o texto? Quais palavras mais chamaram sua atenção durante a leitura? Quais são as orientações de Jesus? Qual é a temática central da narrativa?
“A lei de talião é anterior ao texto bíblico. Nós encontramos referência à lei de talião em vários textos do Antigo Testamento (Ex 21,24; Lv 24,20; Dt 19,21). Do latim, talis é traduzido em português por ‘tal’. Trata-se, grosso modo, da reparação exigida de alguém que cometeu um delito e que devia ser proporcional ao mal que ele causou a outro. A finalidade de tal lei era conter a vingança e a violência. Essa quinta antítese visa à superação da lei de talião e explicita a bem-aventurança da misericórdia (Mt 5,7), a exigência cristã do perdão e da reconciliação e a paz que precisa ser construída com o esforço de todos (cf. Mt 5,9). A expressão ‘não resistir ao malvado’ é ambígua e, por isso, precisa ser bem compreendida. Em primeiro lugar, é essencial a consciência de que o mal deve ser extirpado e a ele não se pode ceder; a pessoa, no entanto, é necessário salvar. Em segundo lugar, a afirmação de Jesus prescreve não pagar o mal com o mal, não pagar com a mesma moeda, não responder à violência com a violência. Para o cristão, é preciso considerar como Deus nos trata para poder superar qualquer impulso à violência, à vingança ou ao revanchismo: Deus não nos trata segundo nossas faltas. A todos, indistintamente, ele oferece o seu perdão e o seu amor. No mundo, o cristão é chamado a ser um sinal da reconciliação de Deus com a humanidade inteira, à imagem de Cristo que reconciliou o mundo com Deus” (Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)
O que o texto diz a você hoje? Qual convite o Senhor lhe faz? É fácil oferecer a outra face a quem nos ofende?
“Os cristãos, ao que parece, não compreendem bem o que significa dar a outra face. São tantas e diversificadas interpretações que ficamos mais confusos do que seguros. Na verdade, Jesus nos pede para vencermos os nossos instintos e a natureza que herdamos de Adão (decaída). Pelo batismo, a vida de Cristo é a nossa vida. A criatura velha ficou para trás e a nova criatura deve resplandecer em nossas atitudes. A nossa vida, em Cristo, capacita-nos para amar sem limites, sem reservas, sem medos. O cristão sabe que deve viver de amor, no amor e para o amor. Assim, podemos compreender o que significa ‘dar a outra face’. Na cruz, Jesus deu a outra face e nos deixa seu exemplo maior” (Frei Mário Sérgio Souza, em “Viver a Palavra”, da Paulinas Editora).

Oração (Vida)
Motivados pela Palavra que meditamos, peçamos a graça de sermos construtores da paz na sociedade, em nossas famílias e nos ambientes de trabalho. Que a vivência do amor fortaleça nossos laços de fraternidade.

Contemplação (Vida e Missão)
O que é pedido à sua vida hoje? Ao concluir sua reflexão e sua oração, em quais realidades você percebe a necessidade de uma abertura maior ao Senhor? O que você pretende fazer para que isso aconteça? Que outro apelo a Palavra de Deus despertou em seu coração?

Bênção

  • Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
  • Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
  • Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
  • Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Paulinas