Oração diária, Os dois homens em oração - Lc 18,9-14

3ª Semana da Quaresma – Ano Litúrgico C

30 de março de 2019

ORAÇÃO DO DIA

Pai, faze-me consciente de minha condição de pecador, livrando-me da soberba que me dá a falsa ilusão de ser superior a meu próximo e mais digno de me dirigir a ti.

PRIMEIRA LEITURA: Os 6,1-6

Leitura do Livro da Profecia de Oséias

1“Vinde, voltemos para o Senhor, ele nos feriu e há de tratar-nos, ele nos machucou e há de curar-nos. 2Em dois dias, nos dará vida, e, ao terceiro dia, há de restaurar-nos, e viveremos em sua presença. 3É preciso saber segui-lo para reconhecer o Senhor. Certa como a aurora é a sua vinda, ele virá até nós como as primeiras chuvas, como as chuvas tardias que regam o solo”.
4Como vou tratar-te, Efraim? Como vou tratar-te, Judá? O vosso amor é como nuvem pela manhã, como orvalho que cedo se desfaz. 5Eu os desbastei por meio dos profetas, arrasei-os com as palavras de minha boca, mas, como luz, expandem-se meus juízos; 6quero amor, e não sacrifícios, conhecimento de Deus, mais do que holocaustos.

  • Palavra do Senhor.
    – Graças a Deus.

SALMO 51(50)

          — Eu quis misericórdia e não o sacrifício!
— Eu quis misericórdia e não o sacrifício!

— Tende piedade, ó meu Deus, misericórdia! Na imensidão de vosso amor, purificai-me! Lavai-me todo inteiro do pecado, e apagai completamente a minha culpa!

— Pois não são de vosso agrado os sacrifícios, e, se oferto um holocausto, o rejeitais. Meu sacrifício é minha alma penitente, não desprezeis um coração arrependido!

— Sede benigno com Sião, por vossa graça, reconstruí Jerusalém e os seus muros! E aceitareis o verdadeiro sacrifício, os holocaustos e oblações em vosso altar!

EVANGELHO: Lc 18,9-14

– O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Lucas.
          – Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 9Jesus contou esta parábola para alguns que confiavam na sua própria justiça e desprezavam os outros: 10“Dois homens subiram ao Templo para rezar: um era fariseu, o outro cobrador de impostos. 11O fariseu, de pé, rezava assim em seu íntimo: ‘Ó Deus, eu te agradeço porque não sou como os outros homens, ladrões, desonestos, adúlteros, nem como este cobrador de impostos. 12Eu jejuo duas vezes por semana, e dou o dízimo de toda a minha renda’.
13O cobrador de impostos, porém, ficou à distância, e nem se atrevia a levantar os olhos para o céu; mas batia no peito, dizendo: ‘Meu Deus, tem piedade de mim que sou pecador!’
14Eu vos digo: este último voltou para casa justificado, o outro não. Pois quem se eleva será humilhado, e quem se humilha será elevado”.

  • Palavra da Salvação
    – Glória a vós Senhor.

Comentário do Evangelho

Em nós tudo pode ser distorcido, até a nossa oração. Quaresma é tempo de muita oração e meditação. Vejam, porém, como rezou o fariseu. Não bendisse a Deus nem intercedeu pelos outros. Sua oração foi de autoglorificação. “Eu te agradeço porque não sou ruim como os outros e sou melhor do que toda essa gente.” Pobre oração de glorificação pessoal! O publicano, cobrador de impostos, sabia que era pecador e pedia a Deus perdão com humildade. Esse é o problema dos que se consideram “observantes”. Eles se acham melhores do que os outros e acreditam que Deus tem obrigações para com eles. Afinal, observam a Lei. Só não observam a Lei da caridade fraterna. Se nossa vida foi toda errada até hoje, o publicano nos dá o exemplo: é possível pedir perdão e recomeçar. Recomeçar como se fosse hoje o primeiro dia da nossa existência. Que Deus tenha compaixão de mim, que sou pecador. Sou pecador, continuo sendo e preciso agora do perdão de Deus. Vamos adiante na Quaresma, ao encontro da misericórdia do Pai, que nos chama para uma vida nova.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2019’, Paulinas

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
A liturgia da Palavra nos apresenta hoje a parábola dos dois homens em oração, um fariseu e um publicano. Essa é considerada uma das parábolas centrais do Novo Testamento, uma vez que descreve a situação do ser humano com Deus e de Deus com o ser humano. Na oração, devemos deixar a Deus toda a iniciativa, permitindo que Ele nos conduza por seus caminhos.
Predispondo a nossa mente, vontade e coração para a oração, peçamos: “Senhor Jesus, dá-me um coração simples para compreender a riqueza de ensinamentos escondida em tua Palavra. Envia teu Espírito Santo para que eu não tenha medo de escutá-la e vivê-la conforme a tua vontade. Que a Palavra transforme o meu coração através da fé e confiança que eu deposito em ti. Amém.”

Leitura (Verdade)
Este é o momento de compreender o texto. O que ele diz? Leia-o com calma e silenciosamente. Depois, faça uma nova leitura, em voz alta, repetindo as palavras que mais chamaram sua atenção. Quais personagens aparecem na narrativa? Onde eles se encontram?
“Confiar na própria justiça, eis a questão do evangelho de hoje. Os que confiavam na própria justiça eram aqueles para os quais as suas obras tinham o poder de salvá-los. Vaidade das práticas religiosas! Esses atribuíam um peso tão grande ao que faziam que desprezavam os outros. A parábola apresenta duas atitudes do homem diante de Deus: o fariseu, embora reconheça que o cumprimento da Lei é dom, se apresenta soberbo e autossuficiente diante de Deus. Para ele a salvação é merecimento em razão de suas próprias obras, e não dom de Deus que deve ser acolhido. A consequência dessa atitude é o juízo condenatório e o desprezo pelos outros. O publicano, ao contrário, se apresenta humildemente diante de Deus, consciente de sua falta, necessitado da misericórdia do Senhor. Há uma prática religiosa que, encerrada em si mesma ou na pessoa que a pratica, se transforma em pura vaidade e sutilmente rejeita um Salvador, pois o que pratica é a sua justificação. A salvação é dom de Deus. O bem que nós porventura fizermos deve ser a expressão da gratidão e da consciência do dom recebido” (Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)
O que o texto diz a você? Quais aspectos do mistério de Deus esta passagem possibilita conhecer? Qual palavra encontrou sintonia com a realidade que você está vivendo?
“Interessante, nesta parábola, é que o fariseu e o publicano rezavam no íntimo. Não foram orações em alta voz. Isso para dizer que podemos pecar mesmo que nossas intenções e pensamentos não se traduzam em viva voz. O nosso íntimo é o sacrário inviolável da nossa consciência, que cada um precisa examinar diante de si mesmo e de Deus. Orações arrogantes não agradam a Deus. O que conta, diante do Senhor, é a nossa capacidade de se perceber pecador e necessitado da misericórdia do Pai. Jesus deixou bem claro: a oração do fariseu não foi ouvida por Deus. Isso nos deve levar a questionar a qualidade e a verdade dos nossos diálogos com Deus. Que os pecados dos outros não sejam a matéria das nossas orações!” (Frei Mário Sérgio Souza, em “Viver a Palavra”, da Paulinas Editora).

Oração (Vida)
Devemos e podemos orar a partir de qualquer situação de nossa vida. Basta que ofereçamos nossa oração a Deus. Deus não espera apenas o melhor de nós, mas nos espera com tudo. Faça sua oração e apresente tudo o que você vive ao Senhor.
Conclua com a oração da Campanha da Fraternidade: “Pai misericordioso e compassivo, que governais o mundo com justiça e amor, dai-nos um coração sábio para reconhecer a presença do vosso Reino entre nós. Em sua grande misericórdia, Jesus, o Filho amado, habitando entre nós, testemunhou o vosso infinito amor e anunciou o Evangelho da fraternidade e da paz. Que seu exemplo nos ensine a acolher os pobres e marginalizados, nossos irmãos e irmãs, com políticas públicas justas, e sejamos construtores de uma sociedade humana e solidária. O divino Espírito acenda em nossa Igreja a caridade sincera e o amor fraterno; a honestidade e o direito resplandeçam em nossa sociedade, e sejamos verdadeiros cidadãos do ‘novo céu e da nova terra’. Amém!”

Contemplação (Vida e Missão)
Como você pretende viver concretamente, durante este dia, os apelos que o Senhor lhe revelou?

Bênção

  • Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
  • Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
  • Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
  • Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Paulinas