Oração diária E vocês, quem dizem que eu sou?

25ª Semana do Tempo Comum – Ano Litúrgico C

27 de setembro de 2019

ORAÇÃO DO DIA

Pai, só tu podes revelar-me a identidade de teu Filho Jesus. Que eu a conheça de forma verdadeira para poder conformar com ela a minha vida.

PRIMEIRA LEITURA: Ag 1,15b–2,9

Leitura da profecia de Ageu – 15aos vinte e quatro dias do sexto mês. 1No segundo ano do reinado de Dario, no vigésimo primeiro dia do sétimo mês, a palavra do Senhor fez-se ouvir por intermédio do profeta Ageu nestes termos: 2Fala ao governador de Judá, Zorobabel, filho de Salatiel, ao sumo sacerdote Josué, filho de Josedec, e ao resto do povo. 3Haverá alguém entre vós que tenha visto esta casa em seu primeiro esplendor? E em que estado a vedes agora! Tal como está, não parece ela insignificante aos vossos olhos? 4Todavia, ó Zorobabel, tem ânimo, diz o Senhor. Coragem, Josué, filho de Josedec, sumo sacerdote! Coragem todos vós, habitantes da terra, diz o Senhor. Mãos à obra! Eu estou convosco – oráculo do Senhor dos exércitos. 5Segundo o pacto que fiz convosco quando saístes do Egito, meu espírito habitará convosco. Não temais. 6Porque isto diz o Senhor dos exércitos: Ainda um pouco de tempo, e abalarei céu e terra, mares e continentes; 7sacudirei todas as nações, afluirão riquezas de todos os povos e encherei de minha glória esta casa, diz o Senhor dos exércitos. 8A prata e o ouro me pertencem – oráculo do Senhor dos exércitos. 9O esplendor desta casa sobrepujará o da primeira – oráculo do Senhor dos exércitos

  • Palavra do Senhor.
    – Graças a Deus.

SALMO 42(43)

          — Espera em Deus! Louvarei novamente o meu Deus Salvador.
— Espera em Deus! Louvarei novamente o meu Deus Salvador.

— Fazei justiça, meu Deus, e defendei-me contra a gente impiedosa; do homem perverso e mentiroso libertai-me, ó Senhor!

— Sois vós o meu Deus e meu refúgio: por que me afastais? Por que ando tão triste e abatido pela opressão do inimigo?

— Enviai vossa luz, vossa verdade: elas serão o meu guia; que me levem ao vosso Monte santo, até a vossa morada!

— Então irei aos altares do Senhor, Deus da minha alegria. Vosso louvor cantarei, ao som da harpa, meu Senhor e meu Deus!

EVANGELHO: Lc 9,18-22

         – O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
          – Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Lucas.
          – Glória a vós, Senhor.

         Naquele tempo, 18Num dia em que ele estava a orar a sós com os discípulos, perguntou-lhes: Quem dizem que eu sou? 19Responderam-lhe: Uns dizem que és João Batista; outros, Elias; outros pensam que ressuscitou algum dos antigos profetas. 20Perguntou-lhes, então: E vós, quem dizeis que eu sou? Pedro respondeu: O Cristo de Deus. 21Ordenou-lhes energicamente que não o dissessem a ninguém. 22Ele acrescentou: É necessário que o Filho do Homem padeça muitas coisas, seja rejeitado pelos anciãos, pelos príncipes dos sacerdotes e pelos escribas. É necessário que seja levado à morte e que ressuscite ao terceiro dia. 

  • Palavra da Salvação
    – Glória a vós Senhor.

Comentário do Evangelho

Jesus estava orando a sós. Estava a sós com o Pai e conversava com ele no silêncio. Lucas sublinha esses momentos de oração de Jesus para que o leitor perceba que o tempo que Jesus dedica para estar sozinho com o Pai não é tempo livre. Faz parte das ocupações de seu dia. É verdade que a nossa vida deve ser uma oração, mas, para que isso seja mesmo verdade, precisamos de tempos definidos de recolhimento. Reze como quiser, mas reze, e reze também em silêncio, mesmo em companhia de irmãos e irmãs. A oração silenciosa em conjunto é unitiva. E quem é Jesus? É o Cristo de Deus, afirma São Pedro. E o que é o Cristo de Deus para São Pedro e para cada um de nós? Para não nos enganarmos a respeito dele, Jesus mesmo nos diz que ele é o Cristo sofredor. Ele vai sofrer muito, ser rejeitado, ser morto, mas ressuscitará no terceiro dia. É esse o Cristo que nós seguimos. Não é ainda o Cristo glorioso. Será um dia. Por enquanto é o Cristo identificado com a vida humana, que mostra na cruz a feiura do pecado que faz o ser humano sofrer. Olhando para cruz e vendo Jesus crucificado podemos ver a maldade humana em ação. Ele é a figura do que fazemos uns com os outros.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2019’, Paulinas

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
Memória litúrgica de São Vicente de Paulo. Neste novo dia que o Senhor nos concede, com alegria acolhamos a Palavra de Deus. Diante das interrogações de Jesus aos seus discípulos – “Quem dizem as multidões que eu sou?” e “E vós, quem dizeis que eu sou?” –, Pedro prontamente responde: “Tu és o Cristo de Deus”. Que a escuta e a meditação da Palavra motivem em nós a mesma profissão de fé de Pedro.

Leitura (Verdade)
O que diz o texto? Qual questionamento Jesus dirige aos seus discípulos? Quais são as afirmações a respeito de Jesus? Para Simão Pedro, quem é Jesus? Qual é a reação de Pedro diante do anúncio de que o Filho do Homem irá sofrer, ser morto e depois ressuscitar?
“Um dos traços característicos do terceiro evangelho é a frequência com que se fala que Jesus estava rezando. A dupla pergunta feita aos discípulos surge da oração e é o resultado da consciência que Jesus tem de não estar sendo compreendido. A resposta dos discípulos confirma que as multidões não só não têm clareza acerca da identidade de Jesus como não conseguem ultrapassar o limite do imediatamente visto, da aparência. A opinião das multidões prende Jesus ao passado de Israel. A segunda pergunta engaja os discípulos numa resposta existencial. A recomendação de não contarem a ninguém o que eles acabam de professar tem por finalidade salvaguardar a novidade do Messias que Jesus efetivamente é. À profissão de fé de Pedro, Jesus anuncia a sua paixão, morte e ressurreição. Esse anúncio exige dos discípulos se distanciarem da opinião das multidões a respeito de sua identidade e de uma falsa ideia do Messias. Esse anúncio tem, igualmente, uma incidência prática na vida dos discípulos: como seguidores de Jesus, eles devem superar toda tentação de poder mundano, pois o poder do Cristo é o amor e o serviço gratuito e generoso, que faz com que alguém se torne capaz de entregar a própria vida para realizar a vontade de Deus” (Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)
“Jesus pergunta acerca da sua identidade. Depois de realizar tantas curas, milagres, expulsões de demônios, multiplicações de pães, pescas milagrosas, ressuscitações, quem as multidões achavam que ele era? O que Jesus percebeu é que a confusão era generalizada. João Batista, Elias, um antigo profeta. Enfim, poucos sabiam quem era Jesus verdadeiramente. A pergunta, agora, se dirige aos discípulos. Que o povão não soubesse, tinha lá suas razões, mas que os discípulos desconhecessem a identidade de Jesus, aí seria demais! Pedro respondeu: ‘O Cristo de Deus’. A resposta tranquilizou o coração de Jesus. Pediu segredo. Não era o momento de revelar plenamente sua identidade. Na cruz, todos saberiam quem ele era” (Frei Mário Sérgio Souza, em “Viver a Palavra”, da Paulinas Editora).

Oração (Vida)
Momento de oração. Agradeça a riqueza da Palavra de Deus e os ensinamentos escondidos em cada versículo. Agradeça os convites, os apelos, os desafios que o Senhor o(a) convida a viver neste dia.

Contemplação (Vida e Missão)
Como você pretende viver concretamente, durante o dia, os apelos que o Senhor lhe revelou?

Bênção

  • Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
  • Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
  • Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
  • Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Paulinas