Liturgia diária, Deus é Deus dos vivos e não dos mortos - Lc 20,27-40

33ª Semana Comum – Ano Litúrgico B

24 de novembro de 2018

ORAÇÃO DO DIA

Pai, és Deus da vida e Deus dos vivos, e queres todos os seres humanos em comunhão contigo para sempre. Ajuda-me a viver, já nesta vida, esta comunhão eterna.

PRIMEIRA LEITURA: Ap 11,4-12

Leitura do Livro do Apocalipse de São João – Disseram a mim, João: 4Essas duas testemunhas são as duas oliveiras e os dois candelabros, que estão diante do Senhor da terra. 5Se alguém quiser fazer-lhes mal, um fogo sairá da boca delas e devorará seus inimigos. Sim, se alguém quiser fazer-lhes mal, é assim que vai morrer. 6Elas têm o poder de fechar o céu, de modo que não caia chuva alguma enquanto durar a sua missão profética. Elas têm também o poder de transformar as águas em sangue. E quantas vezes elas quiserem, podem ferir a terra com todo o tipo de praga. 7Quando elas terminarem o seu testemunho, a besta que sobe do Abismo vai combater contra elas, vai vencê-las e matá-las. 8E os cadáveres das duas testemunhas vão ficar expostos na praça da grande cidade, que se chama, simbolicamente, Sodoma e Egito, e na qual foi crucificado também o Senhor delas. 9Gente de todos os povos, raças, línguas e nações, verão seus cadáveres durante três dias e meio, e não deixarão que os corpos sejam sepultados. 10Os habitantes da terra farão festa pela morte das testemunhas; felicitar-se-ão e trocarão presentes, pois estes dois profetas estavam incomodando os habitantes da terra. 11Depois dos três dias e meio, um sopro de vida veio de Deus, penetrou nos dois profetas e eles ficaram de pé. Todos aqueles que os contemplavam, ficaram com muito medo. 12Ouvi então uma voz forte vinda do céu e chamando os dois: “Subi para aqui!” Eles subiram ao céu, na nuvem, enquanto os inimigos ficaram olhando.

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

SALMO 143

— Bendito seja o Senhor, meu rochedo!
— Bendito seja o Senhor, meu rochedo!

— Bendito seja o Senhor, meu rochedo, que adestrou minhas mãos para a luta, e os meus dedos treinou para a guerra!

— Ele é meu amor, meu refúgio, libertador, fortaleza e abrigo; é meu escudo: é nele que espero, ele submete as nações a meus pés.

— Um canto novo, meu Deus, vou cantar-vos, nas dez cordas da harpa louvar-vos, a vós que dais a vitória aos reis e salvais vosso servo Davi.

EVANGELHO:  Lc 20,27-40

– O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Lucas.
          – Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 27aproximaram-se de Jesus alguns saduceus, que negam a ressurreição, 28e lhe perguntaram: “Mestre, Moisés deixou-nos escrito: se alguém tiver um irmão casado e este morrer sem filhos, deve casar-se com a viúva a fim de garantir a descendência para o seu irmão. 29Ora, havia sete irmãos. O primeiro casou e morreu, sem deixar filhos. 30Também o segundo 31e o terceiro se casaram com a viúva. E assim os sete: todos morreram sem deixar filhos. 32Por fim, morreu também a mulher. 33Na ressurreição, ela será esposa de quem? Todos os sete estiveram casados com ela”.
34Jesus respondeu aos saduceus: “Nesta vida, os homens e as mulheres casam-se, 35mas os que forem julgados dignos da ressurreição dos mortos e de participar da vida futura, nem eles se casam nem elas se dão em casamento; 36e já não poderão morrer, pois serão iguais aos anjos, serão filhos de Deus, porque ressuscitaram.
37Que os mortos ressuscitam, Moisés também o indicou na passagem da sarça, quando chama o Senhor ‘o Deus de Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacó’. 38Deus não é Deus dos mortos, mas dos vivos, pois todos vivem para ele”. 39Alguns doutores da Lei disseram a Jesus: “Mestre, tu falaste muito bem”. 40E ninguém mais tinha coragem de perguntar coisa alguma a Jesus

– Palavra da Salvação
– Glória a vós Senhor.

Comentário do Evangelho

Jesus chorou sobre o Templo e lamentou sua destruição. Jerusalém não se converteu e não reconheceu o profeta que a visitou. Tudo será destruído, mas reconstruído no terceiro dia. Um novo Templo está para surgir. No Evangelho de São João, quando Jesus purifica o Templo, pedem-lhe um sinal que justifique o que ele fez. Jesus responde dizendo que, depois de destruído, o Templo será reconstruído em três dias. Não falava, porém, do Templo de pedra. Falava da sua própria ressurreição. “Destruído o nosso corpo mortal nos é dado no céu um corpo imperecível”, assim rezamos no Prefácio dos mortos.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2018’, Paulinas.

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
Memória litúrgica de Santo André Dung-Lac e companheiros, que se tornaram mártires por defender a fé cristã. Acolhamos a Palavra que fortalece nossa fé, a esperança e o nosso testemunho cristão no mundo, a exemplo dos mártires cuja memória celebramos hoje.
Peçamos: “Vinde, Espírito Santo, enchei os corações de vossos fiéis e acendei neles o fogo do vosso amor. Enviai, Senhor, o vosso Espírito, e tudo será criado, e renovareis a face da terra. Oremos: Senhor, nosso Deus, que pela luz do Espírito Santo instruístes o coração dos vossos fiéis, fazei-nos dóceis ao mesmo Espírito, para apreciarmos o que é justo e nos alegrarmos sempre com a sua presença. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.”

Leitura (Verdade)
Faça a leitura do texto, repetindo as palavras ou frases que mais chamaram sua atenção. O que diz o Evangelho de hoje? Recorde outros relatos bíblicos que abordam este mesmo tema. Procure recontar a narrativa relacionando-a a todos os elementos que você recordou.
“Os saduceus não são propriamente um grupo religioso, mas uma espécie de aristocracia ligada ao Templo de Jerusalém. Eles não acreditam na ressurreição dos mortos. Considerando o modo como eles apresentam o caso, a ressurreição na concepção deles é uma espécie de prolongamento ou repetição da vida presente. O caso apresentado por eles é absurdo e, provavelmente, tem o intuito de ridicularizar a fé na ressurreição. Para isso, recorrem à lei do levirato (= cunhado). Na resposta, Jesus revela a ignorância deles: interpretam mal a Escritura e desconhecem o poder de Deus, supondo que a morte anulasse o poder de Deus. É preciso se abrir à novidade de Deus e nele esperar. Ora, sem a relação ao Deus dos vivos, a própria Escritura é letra morta. Jesus faz remontar a crença na ressurreição a Moisés. A ressurreição não pode ser pensada como pura e simples continuidade de nossa vida terrestre” (Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)
Como você acolhe os ensinamentos de Jesus em sua vida? A Palavra de Deus, rezada e meditada, renova em você a fé, a esperança, a confiança no Senhor? Quais são os gestos que Jesus o(a) convida a viver?
“Os saduceus negavam qualquer vida depois da morte, defendendo a crença de que a alma perecia com a morte. Eles acreditavam que não havia nenhuma penalidade ou recompensa depois desta vida. Negavam a existência de um mundo espiritual, ou seja, de anjos e demônios (At 23,8). Jesus afirma a existência da vida eterna e sinaliza que não será igual à vida terrena. No céu ninguém se dá em casamento, isto é, a dinâmica do céu não é uma continuidade materialista do que se experimenta na terra. O céu continua sendo um mistério e deve ser um sonho dos que abraçaram a fé em Jesus Cristo Ressuscitado. Que nós sejamos dignos de morar no céu por pura graça do Senhor!” (Frei Mário Sérgio Souza, em “Viver a Palavra”, da Paulinas Editora).

Oração (Vida)
Ao Senhor entregamos a nossa vida e este nosso dia. A Ele confiamos as pessoas que amamos e todas aquelas com as quais partilharemos a vida. Rezemos também pelos falecidos que nos antecederam no céu. Por fim, peçamos: “Senhor Jesus, concede-me crer firmemente no amor que Tu me revelaste e que doaste no teu Evangelho. Faze que eu ouça a cada dia a tua voz, que me chama a seguir-te, para sentir sempre em mim os benefícios da tua redenção. Amém” (São João Paulo II).

Contemplação (Vida e Missão)
Qual novo olhar nasceu em você, a partir da Palavra? Quais compromissos você deseja assumir em sua vida?

Bênção
– Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
– Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
– Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
– Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Paulinas