Liturgia diária A prática do jejum - Mt 9,14-15

Sexta-feira depois das Cinzas – Ano Litúrgico C

08 de março de 2019

ORAÇÃO DO DIA


Pai, dá-me a graça de entregar-me totalmente ao serviço do Reino, sem esperar outra recompensa além de saber-me amado por ti.

PRIMEIRA LEITURA: Is 58,1-9a

Leitura do Livro do Profeta Isaías – Assim fala o Senhor Deus: 1“Grita forte, sem cessar, levanta a voz como trombeta e denuncia os crimes do meu povo e os pecados da casa de Jacó. 2Buscam-me cada dia e desejam conhecer meus propósitos, como gente que pratica a justiça e não abandonou a lei de Deus. Exigem de mim julgamentos justos e querem estar na proximidade de Deus: 3“Por que não te regozijaste, quando jejuávamos, e o ignoraste, quando nos humilhávamos?” — É porque no dia do vosso jejum tratais de negócios e oprimis os vossos empregados. 4É porque, ao mesmo tempo que jejuais, fazeis litígios e brigas e agressões impiedosas.
Não façais jejum com esse espírito, se quereis que vosso pedido seja ouvido no céu. 5Acaso é esse jejum que aprecio, o dia em que uma pessoa se mortifica? Trata-se talvez de curvar a cabeça como junco, e de deitar-se em saco e sobre cinza? Acaso chamas a isso jejum, dia grato ao Senhor?
6Acaso o jejum que prefiro não é outro: quebrar as cadeias injustas, desligar as amarras do jugo, tornar livres os que estão detidos, enfim, romper todo tipo de sujeição? 7Não é repartir o pão com o faminto, acolher em casa os pobres e peregrinos? Quando encontrares um nu, cobre-o, e não desprezes a tua carne.
8Então, brilhará tua luz como a aurora e tua saúde há de recuperar-se mais depressa; à frente caminhará tua justiça e a glória do Senhor te seguirá. 9aEntão invocarás o Senhor e ele te atenderá, pedirás socorro, e ele dirá: “Eis-me aqui”.

  • Palavra do Senhor.
    – Graças a Deus.

SALMO 50

         — Ó Senhor, não desprezeis um coração arrependido!
— Ó Senhor, não desprezeis um coração arrependido!

— Tende piedade ó meu Deus, misericórdia! Na imensidão de vosso amor, purificai-me! Lavai-me todo inteiro do pecado, e apagai completamente a minha culpa!

— Eu reconheço toda a minha iniquidade, o meu pecado está sempre à minha frente. Foi contra vós, só contra vós, que eu pequei, e pratiquei o que é mau aos vossos olhos!

— Pois não são de vosso agrado os sacrifícios, e, se oferto um holocausto, o rejeitais. Meu sacrifício é minha alma penitente, não desprezeis um coração arrependido!

EVANGELHO: Mt 9,14-15

         – O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Mateus.
          – Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 14os discípulos de João aproximaram-se de Jesus e perguntaram:
“Por que razão nós e os fariseus praticamos jejuns, mas os teus discípulos não?”
15Disse-lhes Jesus: “Por acaso, os amigos do noivo podem estar de luto enquanto o noivo está com eles? Dias virão em que o noivo será tirado do meio deles. Então, sim, eles jejuarão”.

  • Palavra da Salvação
    – Glória a vós Senhor.

Comentário do Evangelho

Quaresma é tempo de conversão, tempo de penitência, tempo de jejum, esmola e oração. Atualmente jejuamos apenas duas vezes, na abertura da Quaresma e na Sexta-feira Santa, dia da morte de Jesus na cruz. Antigamente, o jejum se prolongava ao longo de toda a Quaresma, com exceção dos domingos. O jejum verdadeiro para o cristão é estar sem Jesus. Estamos sem Jesus quando nos afastamos dele voluntariamente, quando nos voltamos para o demônio e aceitamos as suas sugestões malignas. Se estamos com Jesus, não sentimos falta do alimento que é ele mesmo e que sustenta toda a nossa existência. Fazemos o jejum de alimentos para fortificar a nossa vontade, para partilhar com os outros o que não comemos e o que não gastamos. Fazemos o jejum de alimentos para não cedermos às tentações. Na Quaresma, caminhamos para Jerusalém, onde celebraremos a Páscoa do Senhor. A viagem deve ser alegre e leve, sem sobrecargas que cansam, pesam e tornam o caminho difícil. Com o jejum, nos desfazemos de muitas coisas que pesam sobre nossos ombros e atrasam os nossos passos. Descubra, neste tempo sagrado, de quantas coisas você não precisa. Partilhe o que tem com quem não tem. Torne leve o seu caminhar e dê a mão a quem se arrasta. O noivo espera por nós. Num momento o vemos ensanguentado. Num outro, ele está transfigurado. Caminhemos com os que deixarão nas águas do batismo a velha criatura. A nova ressurgirá para o encontro com o noivo.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2019’, Paulinas.

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
A Quaresma é um tempo de penitência e renovação. A liturgia nos convida a deixar tudo o que é velho em nós para nos abrirmos à vida nova que Cristo nos oferece pela sua entrega na cruz. Como em um grande retiro de 40 dias, nos preparamos para a festa da Páscoa. Na caminhada quaresmal que estamos vivendo, Jesus hoje nos fala do jejum que deve ser praticado por ocasião da ausência do “noivo”, uma referência à sua morte.
Peçamos a graça de compreender a Palavra que vamos meditar: “Ó divino Espírito, ensina-me tudo quanto Jesus ensinou. Dá-me inteligência para entender; memória para lembrar; vontade dócil para praticar; coração generoso para corresponder aos teus convites. Amém.”

Leitura (Verdade)
O que diz o texto? Leia o Evangelho e procure compreender seu contexto: lugares, pessoas que participam da narrativa e acontecimentos. Quais são as palavras ou gestos de Jesus? Qual tema perpassa a discussão dos personagens? Quem é questionado sobre a prática do jejum: Jesus ou seus discípulos? De que jejum trata o texto? O que significa a ausência do noivo? Leia o texto com calma e atenção e procure compreendê-lo.
“De que jejum se trata? Jesus, sendo um judeu piedoso, deixaria de lado o jejum prescrito pela lei por ocasião do perdão dos pecados? Certamente não é a esse jejum que o texto faz referência nem pelo qual os discípulos de Jesus são criticados. Os fariseus, nós sabemos por Lucas, jejuavam duas vezes por semana, o que era para eles um ponto de vaidade (cf. Lc 18,12); dos discípulos de João, no entanto, não temos nenhuma notícia. Os fariseus que consideravam a si mesmos justos queriam impor a todo o povo as suas práticas ascéticas. É bastante provável que seja disso que se trata. Jesus, antes de iniciar o seu ministério público, jejuou durante quarenta dias (Mt 4,2; Lc 4,2). Há, no Antigo Testamento, passagens em que um jejum puramente exterior, incapaz de transformar a vida da pessoa, é duramente criticado. Isaías e Zacarias, por exemplo, relativizam o jejum em face do amor e da misericórdia, que são exigências primordiais da Lei (Is 58,1-12; Zc 7). Jesus centra a prática do jejum na cristologia, a saber, é em relação à ausência do ‘noivo’, uma referência à sua morte, que o jejum deve ser praticado” (Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)
O que o texto diz a você hoje? Qual palavra do texto encontrou profunda sintonia com a sua vida, suas atitudes? Quais sentimentos o texto despertou em você? Permaneça em silêncio por alguns instantes e procure sintetizar em poucas palavras o apelo que a Palavra de Deus despertou em seu coração.
“As sextas-feiras da Quaresma são tempo de jejum, penitência e via-sacra. Aproveitemos dessa riqueza espiritual para o nosso crescimento pessoal e comunitário. Os discípulos de Jesus não jejuam como os fariseus e os discípulos de João. Muito associado a penitências por pecados cometidos, o jejum é um pedido para Deus suspender o castigo devido. Ora, Jesus vai dizer que, em sua presença, nenhum jejum é necessário. Jesus é o noivo que traz alegria para a humanidade, o que suprime o jejum. Onde Jesus está não há lugar para a tristeza e a desolação. Nosso jejum, hoje, demonstra nossa dependência de Deus e nossa solidariedade aos pobres. Mas não publique nas redes sociais!” (Frei Mário Sérgio Souza, em “Viver a Palavra”, da Paulinas Editora).

Oração (Vida)
Apresente ao Senhor tudo que você vivenciou neste momento de oração. Hoje celebramos o Dia Internacional da Mulher, então, apresentemos também todas as mulheres em nossa oração.
Conclua com a Oração da Campanha da Fraternidade de 2019: “Pai misericordioso e compassivo, que governais o mundo com justiça e amor, dai-nos um coração sábio para reconhecer a presença do vosso Reino entre nós. Em sua grande misericórdia, Jesus, o Filho amado, habitando entre nós, testemunhou o vosso infinito amor e anunciou o Evangelho da fraternidade e da paz. Seu exemplo nos ensine a acolher os pobres e marginalizados, nossos irmãos e irmãs, com políticas públicas justas, e sejamos construtores de uma sociedade humana e solidária. O divino Espírito acenda em nossa Igreja a caridade sincera e o amor fraterno; a honestidade e o direito resplandeçam em nossa sociedade e sejamos verdadeiros cidadãos do ‘novo céu e da nova terra’. Amém.”

Contemplação (Vida e Missão)
A prática do jejum precisa estar em profunda relação com a conversão interior, que nos abre para Deus e para os irmãos. Qual é a aplicação da Palavra de Deus em sua vida? O que você se propõe a viver? Como pretende atingir esse propósito?

Bênção

  • Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
  • Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
  • Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
  • Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Paulinas