Liturgia diária Sede misericordiosos - Lc 6,36-38

2ª Semana da Quaresma – Ano Litúrgico C

18 de março de 2019

ORAÇÃO DO DIA

Pai, dispõe meu coração para o perdão, pois este é o caminho pelo qual estabeleço minha comunhão contigo.

PRIMEIRA LEITURA: Dn 9,4b-10

Leitura da Profecia de Daniel – 4b“Eu te suplico, Senhor, Deus grande e terrível, que preservas a aliança e a benevolência aos que te amam e cumprem teus mandamentos; 5temos pecado, temos praticado a injustiça e a impiedade, temos sido rebeldes, afastando-nos de teus mandamentos e de tua lei; 6não temos prestado ouvidos a teus servos, os profetas, que, em teu nome, falaram a nossos reis e príncipes, a nossos antepassados e a todo povo do país.
7A ti, Senhor, convém a justiça; e a nós, hoje, resta-nos ter vergonha no rosto: seja ao homem de Judá, aos habitantes de Jerusalém e a todo Israel, seja aos que moram perto e aos que moram longe, de todos os países, para onde os escorraçaste por causa das infidelidades cometidas contra ti.
8A nós, Senhor, resta-nos ter vergonha no rosto: a nossos reis e príncipes, e a nossos antepassados, pois que pecamos contra ti; 9mas a ti, Senhor, nosso Deus, cabe misericórdia e perdão, pois nos temos rebelado contra ti, 10e não ouvimos a voz do Senhor, nosso Deus, indicando-nos o caminho de sua lei, que nos propôs mediante seus servos, os profetas”.

  • Palavra do Senhor.
    – Graças a Deus.

SALMO 78

— O Senhor não nos trata como exigem nossas faltas.
— O Senhor não nos trata como exigem nossas faltas.

— Não lembreis as nossas culpas do passado, mas venha logo sobre nós vossa bondade, pois estamos humilhados em extremo.

— Ajudai-nos, nosso Deus e Salvador! Por vosso nome e vossa glória, libertai-nos! Por vosso nome, perdoai nossos pecados!

— Até vós chegue o gemido dos cativos: libertai com vosso braço poderoso os que foram condenados a morrer!

— Quanto a nós, vosso rebanho e vosso povo, celebraremos vosso nome para sempre, de geração em geração vos louvaremos.

EVANGELHO: Lc 6,36-38

– O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Lucas.
          – Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 36“Sede misericordiosos, como também o vosso Pai é misericordioso. 37Não julgueis e não sereis julgados; não condeneis e não sereis condenados; perdoai, e sereis perdoados. 38Dai e vos será dado. Uma boa medida, calcada, sacudida, transbordante será colocada no vosso colo; porque com a mesma medida com que medirdes os outros, vós também sereis medidos”

  • Palavra da Salvação
    – Glória a vós Senhor.

Comentário do Evangelho

Começamos a Quaresma orientados para a oração, a esmola e o jejum. Nesta segunda semana, a orientação se concretiza na prática da misericórdia. Somos convidados a ser misericordiosos como o Pai é misericordioso. A misericórdia se vê nos julgamentos, nas condenações, no perdão, na doação, nas medidas. As palavras do Evangelho são muito claras para quem quiser ouvi-las. Inteligente e prudente será quem as ouvir e praticar. Eu não quero ser julgado nem quero ser condenado. Então, não devo julgar nem devo condenar. Quero ser perdoado, por isso já estou perdoando. Serei medido por Deus com a mesma medida que uso nesta vida para medir os outros. Eu mesmo colocarei nas mãos de Deus a medida que ele usará para me medir. Será larga ou será estreita. É aquela que uso para medir os outros. Que Deus nos dê ouvidos para ouvir, inteligência e prudência. Que sejamos sábios em nossas relações fraternas para podermos encontrar os portões da eternidade largamente abertos quando chegar nossa hora de passar por eles. A vida humana é cheia de feridas, de contradições, de sofrimentos, de desilusões. O encontro com a misericórdia encarnada naqueles com os quais convivemos, com os quais nos encontramos, tanto neles quanto em nós, torna-se um sopro que alivia as nossas dores. Como é bom encontrar gente boa em nosso caminho, gente solidária de coração compadecido! Possa também eu expressar a misericórdia do Pai.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2019’, Paulinas.

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
O convite à misericórdia nos é dirigido mais uma vez neste tempo quaresmal. Hoje, é o próprio Senhor quem nos pede: “Sede misericordiosos como vosso Pai é misericordioso”. Que possamos acolher a Palavra em nossa vida e tornar concreto em nosso dia o convite de Jesus.
Rezemos: “Ó divino Espírito, ensina-me tudo quanto Jesus ensinou. Dá-me inteligência para entender, memória para lembrar, vontade dócil para praticar, coração generoso para corresponder aos teus convites. Tira de mim o coração de pedra para substituí-lo com um coração sensível. Amém.”

Leitura (Verdade)
Leia o texto. Repita as palavras ou frases que mais chamaram a sua atenção durante a leitura. Você recorda outras citações bíblicas em que Jesus pede que vivamos a misericórdia? Por que Jesus pede que sejamos misericordiosos como o Pai é misericordioso?
“Equivalente ao sermão da montanha de Mateus é o sermão da planície de Lucas (Lc 6,17-49), que, no relato evangélico, é a sequência do chamado dos Doze apóstolos sobre a montanha, onde Jesus passou a noite em oração (cf. 6,12-16). O ‘sede misericordiosos’ de Lucas corresponde ao ‘sede perfeitos’ de Mateus. Deus é perfeito no amor e na misericórdia. O imperativo ‘sede misericordiosos’ se baseia no que Deus é: misericordioso. A misericórdia de Deus se manifesta na sua bondade para com todos, ingratos e maus, justos e injustos (cf. v. 35), na acolhida dada por Jesus aos pecadores (cf. Lc 5,29-32; 7,36-50; 15,1ss; 19,1-10), na sua iniciativa de ir atrás da ovelha que se perdeu (cf. Lc 15). Cada um, independentemente de sua situação, pôde ou pode experimentar a misericórdia de Deus em relação a si mesmo. O que seria de nós se não fosse o amor de Deus que perdoa sempre? O que é exigido do discípulo em relação ao seu semelhante é exatamente essa misericórdia. O amor aos inimigos não é uma ideia ou um ideal longínquo, quase inatingível; ele se concretiza na renúncia a julgar, isto é, a condenar alguém (vv. 37a.37b), na disposição permanente e renovada de perdoar (v. 37c) e de entregar a si mesmo (v. 38a), como o Senhor se entregou para a salvação de toda a humanidade” (Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)
O que o texto diz a você? Qual palavra encontrou sintonia com a realidade que você está vivendo? Como ecoou em você o convite de Jesus: “Sede misericordiosos”?
“Que bela regra de ouro: ‘a medida que usardes para os outros servirá também para vós’! O cristianismo não é uma ideologia, mas um modo de vida. Essa é a certeza que deve estar bem firme no coração dos cristãos. Nossa identidade é caracterizada pela vivência do amor. Sem essa experiência amorosa, a fé cristã não passa de uma fantasia. Por isso, o convite para ser misericordioso como o Pai. Não podemos perder a capacidade de nos debruçar sobre a miséria do outro e ser uma ajuda eficaz e transformadora. Temos um caminho ético a seguir: não julgar, não condenar, perdoar e ser generoso. Trilhando esses passos, estamos no caminho da santificação” (Frei Mário Sérgio Souza, em “Viver a Palavra”, da Paulinas Editora).

Oração (Vida)
Apresente ao Senhor a sua oração. Peça confiante que o Espírito Santo suscite a misericórdia no coração dos cristãos.
Reze ainda a oração da Campanha da Fraternidade 2019: “Pai misericordioso e compassivo, que governais o mundo com justiça e amor, dai-nos um coração sábio para reconhecer a presença do vosso Reino entre nós. Em sua grande misericórdia, Jesus, o Filho amado, habitando entre nós testemunhou o vosso infinito amor e anunciou o Evangelho da fraternidade e da paz. Seu exemplo nos ensine a acolher os pobres e marginalizados, nossos irmãos e irmãs, com políticas públicas justas, e sejamos construtores de uma sociedade humana e solidária. O divino Espírito acenda em nossa Igreja a caridade sincera e o amor fraterno; a honestidade e o direito resplandeçam em nossa sociedade e sejamos verdadeiros cidadãos do ‘novo céu e da nova terra’. Amém!”

Contemplação (Vida e Missão)
Como discípulo(a) de Jesus, qual deve ser o seu comportamento para com seus irmãos? Em que medida e com quais práticas concretas seu comportamento para com seus irmãos será como o do Pai misericordioso?

Bênção

  • Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
  • Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
  • Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
  • Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Paulinas