Liturgia diária - A vinda do Messias - Jo 7,1-2.10.25-30

4ª Semana da Quaresma – Ano Litúrgico C

05 de abril de 2019

ORAÇÃO DO DIA

Pai, minha vida está colocada em tuas mãos, pois tu és o Senhor do meu destino. Movido por esta certeza, dá-me a graça de testemunhar, com coragem, o teu Reino.

PRIMEIRA LEITURA: Sb 2,1a.12-22

Leitura do Livro da Sabedoria – 1aDizem entre si os ímpios, em seus falsos raciocínios: 12“Armemos ciladas ao justo, porque sua presença nos incomoda: ele se opõe ao nosso modo de agir, repreende em nós as transgressões da lei e nos reprova as faltas contra a nossa disciplina.
13Ele declara possuir o conhecimento de Deus e chama-se ‘filho de Deus’. 14Tornou-se uma censura aos nossos pensamentos e só o vê-lo nos é insuportável; 15sua vida é muito diferente da dos outros, e seus caminhos são imutáveis.
16Somos comparados por ele à moeda falsa e foge de nossos caminhos como de impurezas; proclama feliz a sorte final dos justos e gloria-se de ter a Deus por pai. 17Vejamos, pois, se é verdade o que ele diz, e comprovemos o que vai acontecer com ele. 18Se, de fato, o justo é ‘filho de Deus’, Deus o defenderá e o livrará das mãos dos seus inimigos. 19Vamos pô-lo à prova com ofensas e torturas, para ver a sua serenidade e provar a sua paciência; 20vamos condená-lo à morte vergonhosa, porque, de acordo com suas palavras, virá alguém em seu socorro”.
21Tais são os pensamentos dos ímpios, mas enganam-se; pois a malícia os torna cegos, 22não conhecem os segredos de Deus, não esperam recompensa para a santidade e não dão valor ao prêmio reservado às vidas puras.

  • Palavra do Senhor.
    – Graças a Deus.

SALMO 33(34)

         — Do coração atribulado está perto o Senhor.
— Do coração atribulado está perto o Senhor.

— O Senhor volta a sua face contra os maus, para da terra apagar sua lembrança. Clamam os justos, e o Senhor bondoso escuta e de todas as angústias os liberta.

— Do coração atribulado ele está perto e conforta os de espírito abatido. Muitos males se abatem sobre os justos, mas o Senhor de todos eles os liberta.

— Mesmo os seus ossos ele os guarda e os protege, e nenhum deles haverá de se quebrar. Mas o Senhor liberta a vida dos seus servos, e castigado não será quem nele espera.

EVANGELHO: Jo 7,1-2.10.25-30

         – O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São João.
          – Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 1Jesus andava percorrendo a Galileia. Evitava andar pela Judeia, porque os judeus procuravam matá-lo. 2Entretanto, aproximava-se a festa judaica das Tendas. 10Quando seus irmãos já tinham subido, então também ele subiu para a festa, não publicamente mas sim, como que às escondidas.
25Alguns habitantes de Jerusalém disseram então: “Não é este a quem procuram matar? 26Eis que fala em público e nada lhe dizem. Será que, na verdade, as autoridades reconheceram que ele é o Messias? 27Mas este, nós sabemos donde é. O Cristo, quando vier, ninguém saberá donde ele é”.
28Em alta voz, Jesus ensinava no Templo, dizendo: “Vós me conheceis e sabeis de onde sou; eu não vim por mim mesmo, mas o que me enviou é fidedigno. A esse, não o conheceis, 29mas eu o conheço, porque venho da parte dele, e ele foi quem me enviou”. 30Então, queriam prendê-lo, mas ninguém pôs a mão nele, porque ainda não tinha chegado a sua hora.

  • Palavra da Salvação
    – Glória a vós Senhor.

Comentário do Evangelho

A morte de Jesus já estava decretada. Falava-se abertamente que as autoridades queriam eliminá-lo. Ele perturbava a ordem social estabelecida. Perturbava porque não estava bem estabelecida. Do ponto de vista sociopolítico, havia a dominação romana. Do ponto de vista religioso, a vontade de Deus era controlada pela vontade humana. Preceitos humanos tinham mais peso do que os mandamentos de Deus. Jesus falava publicamente e ninguém dizia nada, porque sua hora ainda não tinha chegado. O evangelista São João vê Jesus como o Senhor da História, enviado ao mundo por Aquele que ele conhece. Ninguém porá a mão sobre ele enquanto ele não determinar. Pensavam saber de onde ele era e de onde vinha. Pensavam conhecer o Pai. Na realidade, não o conheciam. Por isso não aceitavam Jesus. É Jesus quem conhece o Pai, porque veio do Pai e foi por ele enviado ao mundo.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2019’, Paulinas

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
Na caminhada quaresmal que estamos vivendo, a Palavra de Deus nos convida a reafirmarmos nossa fé em Jesus, o Cristo, enviado pelo Pai. Peçamos ao Espírito Santo que nos leve a contemplar Jesus, para nele vermos o Pai. Repita algumas vezes a oração: “Dai-nos, ó Pai, o vosso Espírito Santo!”

Leitura (Verdade)
O que diz o texto bíblico? Procure compreender o contexto do relato evangélico: lugares, pessoas presentes na narrativa, perguntas feitas… Quais são as palavras ou gestos de Jesus? Qual tema perpassa a discussão dos personagens? O que significa reconhecer que Jesus é o Cristo ou o Messias? Como você compreende que Jesus veio do Pai, foi enviado pelo Pai?
“Jesus aceita plenamente o desígnio do Pai, mas não vai ao encontro da morte como quem deseja morrer. Ele evita ser preso pelos judeus que já haviam decidido matá-lo. Jesus tampouco expõe os seus discípulos, razão pela qual, ao menos em determinados momentos, ele evita andar com eles. Pensando conhecer a origem de Jesus, esses anônimos do versículo 25 se equivocam, ignoram os desígnios de Deus e se esquecem de que Deus é surpreendente. O ensinamento de Jesus no Templo revela, com fina ironia, a ignorância deles (cf. v. 28). A verdadeira origem de Jesus é divina (v. 29; cf. 1,1). O hermetismo no qual estão enredados lhes impediu, inclusive, de conhecer verdadeiramente Deus e o seu desígnio. Essa crítica revela a verdadeira razão da ignorância deles: não chegaram, de fato, a conhecer Deus. A oposição passional, diga-se irracional, leva os adversários de Jesus a querer prendê-lo. Descoberto, o mal mostra toda a sua armadilha maléfica. Mas a história relida à luz do mistério de Cristo mostra que o desígnio de Deus tem o seu dinamismo e tempo próprios” (Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)
O que o texto diz a você hoje? Qual palavra do Evangelho encontrou profunda sintonia com sua vida, com suas atitudes? Em sua vida, seu trabalho, seu relacionamento com as pessoas, como você procura viver os ensinamentos de Jesus? Quais sentimentos o texto desperta em você?
“A situação de Jesus não é das melhores. Seus opositores querem matá-lo. Por prudência, Jesus se afasta da Judeia para se proteger. Podemos imaginar que o clima estava muito tenso. Para Jerusalém, podemos entender que Jesus subiu afastado do grupo, a fim de não despertar atenção nem ser uma presa fácil, vulnerável. Os poucos que o reconheceram se perguntavam o porquê de ele ainda estar vivo ou solto, afinal, a notícia de sua morte iminente já se espalhara. Essa suposta liberdade de Jesus era interpretada como uma aceitação das autoridades de que ele, de fato, era o Messias. O problema é: todos achavam que conheciam aquele jovem e suas raízes. Não poderia ser o Messias. Sua humanidade era motivo de confusões” (Frei Mário Sérgio Souza, em “Viver a Palavra”, da Paulinas Editora).

Oração (Vida)
Ofereça ao Senhor os frutos da sua oração, da sua meditação e da contemplação da Palavra. Apresente o desejo que brotou em seu coração e peça a graça de vivê-lo durante o dia. Faça sua prece de agradecimento ou pedido.

Contemplação (Vida e Missão)
Como você pretende viver concretamente, durante o dia, os apelos que o Senhor lhe fez?

Bênção

  • Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
  • Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
  • Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
  • Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Paulinas