Oração diária, Eu sou o pão da vida - Jo 6,41-51

19º Domingo Comum – Ano Litúrgico B

12 de agosto de 2018

ORAÇÃO DO DIA

Senhor Jesus, quero conhecer-te sempre mais, deixando-me instruir pelo Pai o qual me revela quem, de verdade, tu és.

PRIMEIRA LEITURA: 1Rs 19,4-8

Primeiro Livro dos Reis – Naqueles dias, 4Elias entrou deserto adentro e caminhou o dia todo. Sentou-se finalmente debaixo de um junípero e pediu para si a morte, dizendo: “Agora basta, Senhor! Tira a minha vida, pois não sou melhor que meus pais”.
5E, deitando-se no chão, adormeceu à sombra do junípero. De repente, um anjo tocou-o e disse: “Levanta-te e come!”
6Ele abriu os olhos e viu junto à sua cabeça um pão assado debaixo da cinza e um jarro de água. Comeu, bebeu e tornou a dormir.
7Mas o anjo do Senhor veio pela segunda vez, tocou-o e disse: “Levanta-te e come! Ainda tens um caminho longo a percorrer”.
8Elias levantou-se, comeu e bebeu, e, com a força desse alimento, andou quarenta dias e quarenta noites, até chegar ao Horeb, o monte de Deus.

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

SALMO 34(33)

— Provai e vede quão suave é o Senhor!
— Provai e vede quão suave é o Senhor!

— Bendirei o Senhor Deus em todo o tempo,/ seu louvor estará sempre em minha boca./ Minha alma se gloria no Senhor,/ que ouçam os humildes e se alegrem!

— Comigo engrandecei ao Senhor Deus,/ exaltemos todos juntos o seu nome!/ Todas as vezes que o busquei, ele me ouviu,/ e de todos os temores me livrou.

— Contemplai a sua face e alegrai-vos,/ e vosso rosto não se cubra de vergonha!/ Este infeliz gritou a Deus, e foi ouvido,/ e o Senhor o libertou de toda angústia.

— O anjo do Senhor vem acampar/ ao redor dos que o temem, e os salva./ Provai e vede quão suave é o Senhor!/ Feliz o homem que tem nele o seu refúgio!

SEGUNDA LEITURA: Ef 4,30–5,2

Carta de São Paulo apóstolo aos Efésios – Irmãos: 30Não contristeis o Espírito Santo com o qual Deus vos marcou como com um selo para o dia da libertação.
31Toda a amargura, irritação, cólera, gritaria, injúrias, tudo isso deve desaparecer do meio de vós, como toda espécie de maldade.
32Sede bons uns para com os outros, sede compassivos; perdoai-vos mutuamente, como Deus vos perdoou por meio de Cristo.
5,1Sede imitadores de Deus, como filhos que ele ama. 2Vivei no amor, como Cristo nos amou e se entregou a si mesmo a Deus por nós, em oblação e sacrifício de suave odor.

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

EVANGELHO: Jo 6,41-51

– O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São João.
          – Glória a vós, Senhor.

          Naquele tempo, 41os judeus começaram a murmurar a respeito de Jesus, porque havia dito: “Eu sou o pão que desceu do céu”.
42Eles comentavam: “Não é este Jesus o filho de José? Não conhecemos seu pai e sua mãe? Como pode então dizer que desceu do céu?”
43Jesus respondeu: “Não murmureis entre vós. 44Ninguém pode vir a mim, se o Pai que me enviou não o atrai. E eu o ressuscitarei no último dia. 45Está escrito nos profetas: ‘Todos serão discípulos de Deus’. Ora, todo aquele que escutou o Pai, e por ele foi instruído, vem a mim. 46Não que alguém já tenha visto o Pai. Só aquele que vem de junto de Deus viu o Pai. 47Em verdade, em verdade vos digo, quem crê, possui a vida eterna.
48Eu sou o pão da vida. 49Os vossos pais comeram o maná no deserto e, no entanto, morreram. 50Eis aqui o pão que desce do céu: quem dele comer, nunca morrerá. 51Eu sou o pão vivo descido do céu. Quem comer deste pão viverá eternamente. E o pão que eu darei é a minha carne dada para a vida do mundo”.

– Palavra da Salvação
– Glória a vós Senhor.

Comentário do Evangelho

Continuamos a leitura do capítulo sexto do Evangelho de João. Jesus multiplicou os pães e deu início ao discurso sobre o Pão da Vida. Ele mesmo é o Pão da Vida. Os ouvintes não percebem que o pão que comemos cada dia é necessário, mas não é suficiente para nos alimentar inteiramente. Precisamos de algo mais, ou de alguém mais. Jesus começa então a falar dele mesmo. Ele é o Pão que desceu do céu para dar vida ao mundo. As pessoas não entendem o que Jesus está dizendo e começam a murmurar. A murmuração crescerá e se transformará em crise. Como Jesus pode ser o pão que desceu do céu, se ele nasceu por aqui, é filho de José e sua mãe é conhecida? Como é que ele desceu do céu?
Esta conversa está acontecendo na sinagoga de Cafarnaum. Os judeus estão murmurando e Jesus tenta explicar-lhes que aceitá-lo, crer nele, ouvir e entender seus ensinamentos é uma graça de Deus Pai. Aqueles que vão até Jesus são levados pelo Pai. Ninguém nunca viu o Pai, mas Jesus, sim. A conversa se intensifica e a compreensão vai se tornando difícil. No deserto, o povo comeu o maná, mas um dia morreu. Jesus oferece agora outro pão, que desce do céu. Quem dele comer, nunca morrerá. Este pão descido do céu é Jesus mesmo, e quem comer desse pão viverá eternamente. Embora não seja fácil aplicar a Jesus a imagem de um pão que se come e dá a vida eterna, pode-se entender que a imagem se aplica à aceitação da pessoa de Jesus e de seus ensinamentos. Jesus, porém, vai adiante e afirma que o pão que ele vai dar é a sua carne para a vida do mundo. A murmuração inicial se transforma agora em crise. Teremos que comer a carne de Jesus? […]
O pão que ele dará é sua carne para a vida do mundo. Jesus está falando da entrega que ele fará de si mesmo na cruz para a salvação do mundo; entrega que ele fará também na última Ceia, quando disser que o pão que ele tem nas mãos é o seu corpo. Na união da Ceia com a Cruz, num único ato, Jesus perpetua entre nós a sua presença salvadora. “Reunido com os apóstolos na última Ceia, para que a memória da cruz salvadora permanecesse para sempre, ele se ofereceu ‘ao Pai’ como Cordeiro sem mancha e foi aceito como sacrifício de perfeito louvor”. Jesus encontrou um meio de permanecer entre nós de forma sensível. Por isso, todas as vezes que comemos do Pão e bebemos do Cálice, anunciamos a morte do Senhor, até que ele venha.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2018’, Paulinas.

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
Liturgia do 19º domingo do Tempo Comum. Jesus é o pão da vida. Ele se dá em alimento para que Nele tenhamos a vida plena. Hoje celebramos o Dia dos Pais e queremos trazê-los em nossa oração.
Para bem acolhermos e vivermos os ensinamentos da Palavra de Deus para o nosso dia, peçamos: “Vem, Espírito Santo! Faze-nos amar as Escrituras, para reconhecermos a voz viva de Jesus. Torna-nos humildes e simples, a fim de compreendermos os mistérios do Reino de Deus. Amém.”

Leitura (Verdade)
O que diz o texto? Qual é o tema central da discussão entre os judeus e Jesus? Qual ensinamento Jesus nos transmite quando nos diz: “Eu sou o pão da vida” e “Eu sou o pão vivo que desceu do céu”?
“A leitura do trecho do primeiro livro dos Reis narra um momento dramático da vida do profeta Elias. Depois de degolar os profetas de Baal, Elias foge da perseguição implacável da rainha Jezabel, que havia prometido matá-lo. Desanimado, pois se sente só, sem ninguém para ajudá-lo, ele deseja morrer. Deita-se debaixo de um junípero e dorme. Despertado por um mensageiro celeste para que comesse, ele vê, perto de si, pão cozido e água. Ele come e volta a deitar-se. Mas o mensageiro insiste: ‘Levanta-te e come! Do contrário, o caminho será longo demais’. O profeta obedeceu e aquele alimento lhe sustentou para caminhar uma enorme distância até o Monte Horeb. Esse alimento e essa bebida que Elias recebeu do céu deram a ele força para caminhar por muito, muito tempo. Considerado à luz do Novo Testamento, o episódio é uma antecipação da eucaristia. Quando nos sentimos angustiados e desanimados, o Senhor nos oferece uma comida e uma bebida extraordinárias: o seu Corpo e o seu Sangue.
No evangelho, temos uma discussão entre os judeus e Jesus, que disse: ‘Eu sou o pão que desceu do céu’. Esse pão é um alimento espiritual, um alimento para a vida eterna. Deus criou o ser humano à sua imagem e semelhança. Enquanto criaturas de Deus, cada um possui em si mesmo algo que o faz tender para Ele. Esse dinamismo não suplanta a liberdade do ser humano, pois o homem pode resistir à atração de Deus, como pode, livremente, ceder a essa mesma atração. Por essa inclinação, Deus nos faz viver. É o que Deus declara no livro do profeta Jeremias: ‘Com amor eterno eu te amei, por isso te atraí’ (31,3). O Pai que nos amou primeiro é quem nos coloca no seguimento do seu Filho. Realiza a vontade de Deus quem aceita Jesus como enviado de Deus e permanece com ele. Na releitura cristã do Antigo Testamento, o maná era, como já dissemos, somente figura do pão que Deus, agora, dá ao seu povo. Nenhum alimento pode livrar quem quer que seja da morte. Somente o pão descido do céu é que livra da morte. O pão descido do céu é a carne de Jesus, isto é, a sua existência histórica e terrena, sua vida entregue para que o mundo tenha vida em plenitude. Ressuscitado dos mortos, o Senhor nos livra da morte eterna” (Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)
É o momento do encontro da Palavra de Deus com a nossa vida. Procure perceber o que o texto traz para sua experiência de fé, para enriquecê-la. Que luz nos dá Jesus com sua pessoa e sua mensagem? Quem é Jesus para você? Como é sua relação com Jesus, o Pão da vida? Que sentimentos o texto desperta em você? Permaneça em silêncio por alguns momentos e deixe a Palavra de Deus encontrar espaço em sua vida.

Oração (Vida)
Comemorando hoje o Dia dos Pais, apresentemos ao Senhor os nossos pais. Agradeçamos sua vida, seus ensinamentos, sua presença em nossa vida…
Oração do pai: “Ajudai-me, Senhor, na missão de pai, para que eu saiba descobrir os valores de minha esposa e os talentos de meus filhos e os ajude a desenvolvê-los. Saiba corrigir com amor, sem destruir nem humilhar. Ajudai-me, Senhor, na missão de pai, para que eu defenda a dignidade do meu lar contra a imoralidade atrevida e a permissividade tentadora, vivendo o amor com fidelidade e construindo a união que faz o lar feliz. Ajudai-me, Senhor, na missão de pai, para que eu possa ser sempre um testemunho de fé em Deus, coragem nas dificuldades, paciência nas provações e esperança na dor. E que, pelo apostolado familiar, ajude outras famílias a serem mais felizes. Ajudai-me, Senhor, na missão de pai, para que eu saiba dar valor à experiência sem me prender ao passado e conserve bem viva a vontade firme de acertar. Finalmente, ajudai-me, Senhor, na missão de pai, para que eu creia firmemente que a grandeza da paternidade, assim vivida, não termina nem mesmo com a morte, porque os seus frutos são eternos. Amém” (“Orações e devoções para todos os momentos”, da Paulinas Editora).

Contemplação (Vida e Missão)
Qual é a aplicação da Palavra em sua vida? O que você se propõe a viver? Como pretende atingir esse propósito?

Bênção
– Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
– Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
– Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
– Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Paulinas