Liturgia diária, Fé no tamanho de um grão de mostarda - Mt 17,14-20

18ª Semana do Tempo Comum – Ano Litúrgico A

12 de agosto de 2017

ORAÇÃO DO DIA

Pai, vem em meu auxílio e reforça minha fé a fim de que eu possa pôr em prática a missão recebida, realizando as tarefas que Jesus me confiou para o serviço do Reino.

PRIMEIRA LEITURA: Dt 6,4-13

Leitura do Livro do Deuteronômio –

Moisés falou ao povo, dizendo: 4“Ouve, Israel, o Senhor, nosso Deus, é o único Senhor. 5Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração, com toda a tua alma e com todas as tuas forças. 6E trarás gravadas em teu coração todas estas palavras que hoje te ordeno. 7Tu as repetirás com insistência aos teus filhos e delas falarás quando estiveres sentado em tua casa, ou andando pelos caminhos, quando te deitares, ou te levantares.
8Tu as prenderás como sinal em tua mão e as colocarás como um sinal entre os teus olhos; 9tu as escreverá nas entradas da tua casa e nas portas da tua cidade.
10Quando o Senhor te introduzir na terra que prometeu com juramento a teus pais, Abraão, Isaac e Jacó, que te daria, com cidades grandes e belas que não edificaste, 11casas cheias de toda espécie de bens que não acumulaste, cisternas já escavadas que não cavaste, vinhas e oliveiras que não plantaste; e quando comeres e te fartares, 12então, cuida bem de não esqueceres o Senhor que te tirou do Egito, da casa da escravidão. 13Temerás o Senhor teu Deus, a ele servirás e só pelo seu nome jurarás”.

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

SALMO 17

          Eu vos amo, ó Senhor, sois minha força e salvação.
— Eu vos amo, ó Senhor, sois minha força e salvação.

— Eu vos amo, ó Senhor! Sois minha força, minha rocha, meu refúgio e Salvador! Ó meu Deus, sois o rochedo que me abriga, minha força e poderosa salvação.

— Ó meu Deus, sois o rochedo que me abriga, sois meu escudo e proteção: em vós espero! Invocarei o meu Senhor: a ele a glória! E dos meus perseguidores serei salvo!

— Viva o Senhor! Bendito seja o meu Rochedo! E louvado seja Deus, meu Salvador! Concedeis ao vosso rei grandes vitórias e mostrais misericórdia ao vosso Ungido.

EVANGELHO: Mt 17,14-20

          – O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Mateus.
          – Glória a vós, Senhor.

         Naquele tempo, 14chegando Jesus e seus discípulos junto da multidão, um homem aproximou-se de Jesus, ajoelhou-se e disse: 15“Senhor, tem piedade de meu filho. Ele é epiléptico, e sofre ataques tão fortes que muitas vezes cai no fogo ou na água. 16Levei-o aos teus discípulos, mas eles não conseguiram curá-lo!”
17Jesus respondeu: “Ó gente sem fé e perversa! Até quando deverei ficar convosco? Até quando vos suportarei? Trazei aqui o menino”. 18Então Jesus o ameaçou e o demônio saiu dele. Na mesma hora, o menino ficou curado. 19Então, os discípulos aproximaram-se de Jesus e lhe perguntaram em particular: “Por que nós não conseguimos expulsar o demônio?”
20Jesus respondeu: “Porque a vossa fé é demasiado pequena. Em verdade vos digo, se vós tiverdes fé do tamanho de uma semente de mostarda, direis a esta montanha: ‘Vai daqui para lá’ e ela irá. E nada vos será impossível”.

– Palavra da Salvação
– Glória a vós Senhor.

Comentário do Evangelho

A fé é um dom de Deus. É uma força sobrenatural que Deus coloca em nós. Ela depende da graça de Deus e da ajuda do Espírito Santo para mostrar que existe e para se manifestar. Mas, diz o Catecismo da Igreja Católica, “não é menos verdade que crer é um ato autenticamente humano”, que não se opõe à razão. Sendo, porém, “uma adesão pessoal do homem a Deus e ao mesmo tempo, e inseparavelmente, o assentimento livre a toda a verdade revelada por Deus”, o ato de fé supõe a liberdade da vontade. Andam juntas duas afirmações que parecem contraditórias: “Creio porque Deus me concedeu o dom da fé e creio porque quero crer”. Jesus insiste na necessidade da fé: “geração sem fé e perversa, a fraqueza da vossa fé, se tiverdes fé”, são expressões que lemos no texto de hoje. A fé dos apóstolos não era maior do que um grão de mostarda, por isso se sentiam impotentes. Com um mínimo de fé, diz a eles Jesus, “nada vos será impossível”.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2017’, Paulinas

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
Guiados pela Palavra de Deus, vamos ao encontro do Senhor, que nos convida a crescer na fé. A fraqueza de fé dos discípulos não permitiu que eles realizassem a cura do jovem com crises de epilepsia. Jesus então os adverte para que cresçam e amadureçam na fé. Em nossa meditação, tenhamos em mente esse convite que Jesus faz também a cada um de nós.
Peçamos: “Senhor Jesus Cristo, envia sobre nós, como prometeste, teu Espírito Santo. Que ele nos conceda a vida e nos ensine a plenitude da verdade. Que nele encontremos salvação, felicidade e plenitude de amor. Amém.”

Leitura (Verdade)
O que diz o texto? Qual é o tema central da narrativa? O que Jesus pede aos seus discípulos? Por que a necessidade de crescerem na fé?
“Mateus resume aqui a narrativa bem mais detalhada de Marcos (cf. Mc 9, 14-29), tendo a questão da fé como tema central. Pedro, André e Tiago, com Jesus, descem a montanha após o episódio da transfiguração. Encontram a multidão com os demais discípulos, que não conseguiram curar um menino com o demônio da epilepsia. A reprimenda ‘geração perversa’, frequente em Mateus, é uma alusão àqueles que, sob a doutrina das sinagogas, só são sensíveis a atos de poder, não reconhecendo a força do amor e da fé. Os discípulos, na fraqueza de sua fé, influenciados por aquela doutrina, ainda não percebem que, no ‘Filho amado’, Jesus, que deve ser escutado, encontra-se a revelação plena de Deus. Porém, a fé, mesmo que incipiente, pode mover os discípulos àquilo que parece impossível, a instauração do Reino de Deus na terra” (Reflexão de José Raimundo Oliva, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)
“[…] Urge recuperar o caráter de luz que é próprio da fé, pois, quando a sua chama se apaga, todas as outras luzes acabam também por perder o vigor. De fato, a luz da fé possui um caráter singular, sendo capaz de iluminar toda a existência do homem. Ora, para que uma luz seja tão poderosa, não pode dimanar de nós mesmos; tem de vir de uma fonte mais originária, deve porvir, em última análise, de Deus. A fé nasce no encontro com o Deus vivo, que nos chama e revela o seu amor: um amor que nos precede e sobre o qual podemos apoiar-nos para construir, solidamente, a vida. Transformados por este amor, recebemos olhos novos e experimentamos que há, nele, uma grande promessa de plenitude que nos abre à visão do futuro. A fé, que recebemos de Deus como dom sobrenatural, aparece-nos como luz para a estrada, orientando os nossos passos no tempo” (Lumen Fidei, 4).

Oração (Vida)
“A Maria, Mãe da Igreja e Mãe da nossa fé, dirigimo-nos, rezando-lhe: ajudai, ó Mãe, a nossa fé. Abri o nosso ouvido à Palavra, para reconhecermos a voz de Deus e a sua chamada. Despertai em nós o desejo de seguir os Seus passos, saindo da nossa terra e acolhendo a Sua promessa. Ajudai-nos a deixar-nos tocar pelo Seu amor, para podermos tocá-Lo com a fé. Ajudai-nos a confiar-nos plenamente a Ele, a crer no Seu amor, sobretudo nos momentos de tribulação e cruz, quando a nossa fé é chamada a amadurecer. Semeai, na nossa fé, a alegria do Ressuscitado. Recordai-nos que quem crê nunca está sozinho. Ensinai-nos a ver com os olhos de Jesus, para que Ele seja luz no nosso caminho. E que esta luz da fé cresça sempre em nós, até chegar aquele dia sem ocaso que é o próprio Cristo, vosso Filho, nosso Senhor” (Lumen Fidei, 60).

Contemplação (Vida e Missão)
Sintetize em poucas palavras o apelo que você sentiu, para colocá-lo em prática durante o dia. O que você se propõe a viver?

Bênção
– Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
– Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
– Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
– Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.