Liturgia diária, Grandes multidões acompanhavam Jesus - Lc 14,25-33

31ª Semana Comum – Ano Litúrgico B

07 de novembro de 2018

ORAÇÃO DO DIA

Pai, reforça minha disposição a ser discípulo de teu Reino, afastando tudo quanto possa abalar a solidez de minha adesão a ti e a teu Filho Jesus.

PRIMEIRA LEITURA: Fl 2,12-18

Leitura da Carta de São Paulo aos Filipenses – 12Meus queridos, como sempre fostes obedientes, não só em minha presença, mas ainda mais agora na minha ausência, trabalhai para a vossa salvação, com temor e tremor. 13Pois é Deus que realiza em vós tanto o querer como o fazer, conforme o seu desígnio benevolente.
14Fazei tudo sem reclamar ou murmurar, 15para que sejais livres de repreensão e ambiguidade, filhos de Deus sem defeito, no meio desta geração depravada e pervertida, na qual brilhais como os astros no universo.
16Conservai com firmeza a palavra da vida. Assim, no dia de Cristo, terei a glória de não ter corrido em vão, nem trabalhado inutilmente. 17E ainda que eu seja oferecido em libação, no sacrifício que é o sagrado serviço de vossa fé, fico feliz e alegro-me com todos vós. 18Vós também, alegrai-vos pelo mesmo motivo e congratulai-vos comigo.

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

SALMO 26

— O Senhor é minha luz e salvação!
— O Senhor é minha luz e salvação!

— O Senhor é minha luz e salvação; de quem eu terei medo? O Senhor é a proteção da minha vida; perante quem eu tremerei?

— Ao Senhor eu peço apenas uma coisa, e é só isto que eu desejo: habitar no santuário do Senhor por toda a minha vida; saborear a suavidade do Senhor e contemplá-lo no seu templo.

— Sei que a bondade do Senhor eu hei de ver na terra dos viventes. Espera no Senhor e tem coragem, espera no Senhor!

EVANGELHO: Lc 14,25-33

– O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Lucas.
          – Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 25grandes multidões acompanhavam Jesus. Voltando-se, ele lhes disse: 26“Se alguém vem a mim, mas não se desapega de seu pai e sua mãe, sua mulher e seus filhos, seus irmãos e suas irmãs e até da sua própria vida, não pode ser meu discípulo. 27Quem não carrega sua cruz e não caminha atrás de mim, não pode ser meu discípulo.
28Com efeito: qual de vós, querendo construir uma torre, não se senta primeiro e calcula os gastos, para ver se tem o suficiente para terminar? Caso contrário, 29ele vai lançar o alicerce e não será capaz de acabar. E todos os que virem isso começarão a caçoar, dizendo: 30‘Este homem começou a construir e não foi capaz de acabar!’
31Ou ainda: Qual o rei que, ao sair para guerrear com outro, não se senta primeiro e examina bem se com dez mil homens poderá enfrentar o outro que marcha contra ele com vinte mil? 32Se ele vê que não pode, enquanto o outro rei ainda está longe, envia mensageiros para negociar as condições de paz. 33Do mesmo modo, portanto, qualquer um de vós, se não renunciar a tudo o que tem, não pode ser meu discípulo!”

– Palavra da Salvação
– Glória a vós Senhor.

Comentário do Evangelho

A quarta etapa da subida de Jesus a Jerusalém começa com a observação de Lucas de que “grandes multidões acompanhavam Jesus”, e trata exatamente do seguimento de Jesus. Quem quer seguir Jesus deve se desapegar de tudo, dos afetos familiares e da própria vida. Os seguidores de Jesus devem estar livres de qualquer compromisso que não seja o anúncio do Reino de Deus. Quando Jesus diz que é preciso preferir a ele mais do que à própria vida, não está propondo para desistirmos de viver. Está pedindo que nossa vida esteja a seu serviço. Não está pedindo que abandonemos a família. Está pedindo que nosso relacionamento familiar esteja a seu serviço. E pede também que o discípulo tenha disposição de carregar a própria cruz.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2018’, Paulinas

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
No Evangelho, Jesus instrui seus discípulos e a cada um de nós sobre as disposições necessárias para o seu seguimento. O discípulo de Jesus, a exemplo de seu Mestre, é convidado a tomar a sua cruz todos os dias e viver o desapego, da própria vida e dos bens terrenos.
Peçamos: “Jesus Mestre, cremos com viva fé que estais aqui presente, para indicar-nos o caminho que leva ao Pai. Iluminai nossa mente, movei nosso coração, para que esta meditação produza em nós frutos de vida. Amém.”

Leitura (Verdade)
Faça uma leitura atenta do Evangelho. O que o texto diz? Liste as instruções que Jesus dá aos discípulos e aos que desejam segui-lo. Retome as expressões que mais chamaram sua atenção. O que significa “tomar a cruz” no seguimento de Jesus? E o que significa “perder a vida” por causa de Jesus?
“O seguimento de Jesus exige discernimento e desapego. Jesus deixa a casa de um dos chefes dos fariseus onde ele tinha sido convidado para uma refeição. Multidões o acompanham para escutá-lo e serem curadas de seus males. A ocasião é propícia para apresentar as exigências do seguimento. É necessária, como ponto de partida, uma atitude radical de desapego. Para seguir Jesus é preciso fazer uma escolha fundamental. Como dissemos acima, é necessário dispor-se e esforçar-se por desapegar-se, inclusive da própria vida. A liberdade diante dos laços afetivos é requerida, pois os familiares não podem se constituir em obstáculo para o seguimento. Se a família assim procedesse, já não seria amor, mas possessão. Trata-se, ainda, do desapego da própria vida e da aceitação do risco do seguimento, a saber, a perseguição e o sofrimento. É preciso renunciar à segurança dos bens terrenos para ter em Deus sua única segurança e esperança. Para seguir Jesus é preciso optar pela liberdade e o desapego a fim de estar sempre disponível para o serviço do Reino de Deus” (Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)
O que o texto diz a você hoje? O que o Senhor lhe pede neste dia? Quais são as suas disposições para o seguimento de Jesus? É o próprio Senhor quem nos diz: “Quem não renunciar a seus bens, não pode ser meu discípulo” (Lc 14,33). Ele também nos pede que confiemos na força que vem de Deus e na sua presença: “Eu estarei convosco sempre, até o fim do mundo” (Mt 28,20).

Oração (Vida)
“Virgem e Mãe Maria, vós que, movida pelo Espírito, acolhestes o Verbo da vida na profundidade da vossa fé humilde, totalmente entregue ao Eterno, ajudai-nos a dizer o nosso ‘sim’ perante a urgência, mais imperiosa do que nunca, de fazer ressoar a Boa Nova de Jesus. Vós, cheia da presença de Cristo, levastes a alegria a João Batista, fazendo-o exultar no seio de sua mãe. Vós, estremecendo de alegria, cantastes as maravilhas do Senhor. Vós, que permanecestes firme diante da Cruz com uma fé inabalável, e recebestes a jubilosa consolação da ressurreição, reunistes os discípulos à espera do Espírito para que nascesse a Igreja evangelizadora. Alcançai-nos agora um novo ardor de ressuscitados para levar a todos o Evangelho da vida que vence a morte. Dai-nos a santa ousadia de buscar novos caminhos para que chegue a todos o dom da beleza que não se apaga. Vós, Virgem da escuta e da contemplação, Mãe do amor, esposa das núpcias eternas, intercedei pela Igreja, da qual sois o ícone puríssimo, para que ela nunca se feche nem se detenha na sua paixão por instaurar o Reino. Estrela da nova evangelização, ajudai-nos a refulgir com o testemunho da comunhão, do serviço, da fé ardente e generosa, da justiça e do amor aos pobres, para que a alegria do Evangelho chegue até aos confins da terra e nenhuma periferia fique privada da sua luz. Mãe do Evangelho vivente, manancial de alegria para os pequeninos, rogai por nós. Amém. Aleluia!” (Papa Francisco, na Exortação Apostólica Evangelii Gaudium).

Contemplação (Vida e Missão)
De que forma a Palavra de Deus estará presente neste seu dia? O que você deseja colocar em prática segundo os ensinamentos de Jesus?

Bênção
– Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
– Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
– Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
– Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Paulinas