A esmola da viuva

Meus caros irmãos,

O Evangelho de hoje(cf. Mc 12,38-44) faz uma oposição entre a falsa piedade dos escribas – a hipocrisia – e a verdadeira piedade de suas vítimas, as viúvas, sinônimo de pessoas desprotegidas. Escribas são aqueles que se preocupam com o exterior. O Evangelho cita o exemplo de uma viúva que, depositando algumas moedinhas no templo, coloca “todo o seu viver” nas mãos de Deus, enquanto as pessoas abastadas, embora com muita ostentação, só dão o que sobra,  o seu supérfluo.

A índole da viúva é confiar em Deus, já que vive à mercê das pessoas. A primeira Leitura(cf. 1Reis 17,10-16) nos narra um episódio para ilustrar isso. Elias está fugindo do ódio mortal que lhe dedica a rainha Jesabel, filha do rei da Fenícia. A fuga o leva à pátria dessa rainha. A fome o obriga a recorrer à casa de uma pobre viúva, antípoda da rainha. Ela está no fim de seus víveres.

Vai cozinhar sua última farinha para si e seu filho, prevendo para depois a morte pela fome. Mas mesmo assim, dá preferência ao “homem de Deus” e lhe entrega seu último “viver”. E Deus recompensa sua entrega total: sua despensa nunca mais ficará vazia. Para a viúva de Sarepta, a palavra do “homem de Deus” vale mais do que seus cálculos de sobrevivência na penúria. Ela se sabe nas mãos de Deus.

A mulher de Sarepta tinha, apenas, uma quantidade mínima de alimento, que queria guardar para si e para o seu filho; mas, desafiada a partilhar, viu esse escasso alimento ser multiplicado uma infinidade de vezes… A história convida-nos a não nos fecharmos em esquemas egoístas de acumulação e de lucro, esquecendo os apelos de Deus à partilha e à solidariedade com os nossos irmãos necessitados.

Quando repartimos, com generosidade e amor, aquilo que Deus colocou à nossa disposição, não ficamos mais pobres; os bens repartidos tornam-se fonte de vida e de bênção para nós e para todos aqueles que deles beneficiam. A primeira leitura prova que só Deus Pai dá ao homem vida em abundância.

É um aviso que não podemos ignorar… Todos os dias somos confrontados com propostas de felicidade e de vida plena que, quase sempre, nos conduzem por caminhos de escravidão, de dependência, de desilusão.

Não é à volta do dinheiro, do carro, da casa, do cargo que temos na empresa, dos títulos académicos que ostentamos, das honras que nos são atribuídas que devemos construir a nossa existência. Só Deus nos dá a vida plena e verdadeira; todos os outros “deuses” são elementos acessórios, que não devem afastar-nos do essencial.

A mensagem fundamental desses textos é que certos “homens da religião” estão muito longe do mistério da generosidade que se realizou no encontro do “homem de Deus”(Elias) e a viúva de Sarepta – uma pagã.

Muitos “homens da religião” estão muito longe do mistério desta generosidade em todos os sentidos porque correm às casas das viúvas para se enriquecer, não para encher as despensas delas. Entretanto fazem ostentação de uma piedade que é negação mesma da piedade da pobre viúva. Será que isso só existia em Israel, no tempo de Jesus?

“Esses terão uma sentença mais severa” deve ficar soando em nossos ouvidos. A liturgia aponta para o tempo final. Está na hora de um exame drástico de consciência. Onde estamos: na singela generosidade das viúvas? Ou estamos na “hipocrisia dos teólogos daquele tempo”?

Para termos o coração das viúvas é preciso ter uma fé viva, nos colocarmos nas mãos abertas e generosas de Deus, como nos ensina a oração inicial da Santa Missa de hoje: “…afastai de nós todo obstáculo para que, inteiramente disponíveis, nos dediquemos ao vosso serviço”. Ao serviço de quem? De Jesus Cristo que não deixará, como não deixou faltar nada na dispensa da viúva Sarepta.

Meus queridos irmãos,

Jesus hoje está em Jerusalém e Ele quer nos transmitir os seus últimos ensinamentos. Jesus hoje quer nos falar da escatologia, que é o tratado das coisas últimas. Os escribas e as viúvas são os atores das lições que Jesus passam a cada um de nós. Às exterioridades e à cobiça dos escribas, Jesus contrapõe a generosidade e o desapego da viúva pobre, humilde, anônima.

Jesus nos ensina que crer em Deus é uma atitude interna do coração e não a multiplicação de gestos exteriores que mais satisfazem a vaidade que a humildade e a adoração. E amar implica respeito ao que o próximo tem e é. A viúva deu o que não tinha, a sua última provisão de comida. Deu o que não tinha e não pediu nada em troca. Ganhou o que não pediu, a sua dispensa cheia por toda a vida.

Crer e amar implicam nesse gesto da viúva e desapego e de doação. Crer e amar significam nada reter, nada exigir. Por isso o exemplo da viúva é uma convocação para cada um de nós neste domingo como um espelho de Jesus, que ofereceu generosamente tudo ao Pai, nada reteve para si, não se apegando nem à sua divindade nem à sua humanidade.

Meus queridos irmãos,

Jesus durante a sua vida pública se encontrou com aqueles que representavam o poder religioso, político e social. Hoje ele está diante dos escribas. Os escribas eram os entendidos das Leis, ou seja os doutores e gostavam de serem chamados pelo título honroso de rabi, que quer dizer “Mestre”.

Tinham grande influência sobre o povo, porque eles eram os que interpretavam as leis e faziam às vezes dos advogados. Como a lei era sagrada, julgam-se os escribas sagrados e, por isso, exigiam lugares de honra e de precedência nas reuniões, nas festas e nas sinagogas. Para concorrer com os fariseus, “simulavam longas orações”(cf. Mc 13,40). Jesus acusou os fariseus de dois pecados: de casuísmo, isto é, de torcer e adaptar a lei conforme os interesses do momento, não excluindo interesses financeiros; e de hipocrisia , que os levava a mostrar publicamente o que não eram, e a exigir aplausos e honras a que não tinham direitos.

Jesus considerava os fariseus ladrões porque eles devoravam a economia das pobres viúvas. E isso, infelizmente, nós vemos acontecer muitas vezes em causas que pessoas são espoliadas desde o tempo de Jesus.

As viúvas são como os órfãos, são desprotegidas, quase desprezadas. Diz o Evangelho que Jesus estava sentado no templo, diante do cofre das esmolas observando as doações quando viu a pobre viúva doar as suas duas únicas moedas e afirmou: “Em verdade vos digo, esta pobre viúva deu mais do que todos os outros que ofereceram esmolas. Todos deram do que tinham de sobra, enquanto ela, na sua pobreza, ofereceu tudo aquilo que possuía para viver”. (cf. Mc 13,43-44).

A viúva deu tudo o que tinha, tudo o que tinha para a sua sobrevivência. E nisso está a grande lição de hoje, o desapego, a atitude interior, do coração, contra o formalismo, a entrega total a Deus, sem nada pedir em troca. É fundamental para compreender o Reino de Deus entender o sentido da doação, mais do que uma esmola.

Por isso o Livro de Tobias nos ensina: “dá esmola segundo as tuas posses. Se tiveres em abundância, dá esmola em proporção a teus bens. Se tiveres pouco, não tenhas receio de tirar desse pouco. Assim acumulas em teu favor um precioso tesouro. A esmola preserva da morte e não deixa entrar nas trevas. Para todos os que a praticam diante do Altíssimo, a esmola é oferenda de grande valor”(cf. Tb. 4, 8-11).

Jesus ensina-nos, neste episódio, a não julgarmos as pessoas pelas aparências. Muitas vezes é precisamente aquilo que consideramos insignificante, desprezível, pouco edificante, que é verdadeiramente importante e significativo. Muitas vezes Deus chega até nós na humildade, na simplicidade, na debilidade, nos gestos silenciosos e simples de alguém em quem nem reparamos.

Temos de aprender a ir ao fundo das coisas e a olhar para o mundo, para as situações, para a história e, sobretudo, para os homens e mulheres que caminham ao nosso lado, com o olhar de Deus. É precisamente isso que Jesus faz. Uma das críticas que Jesus faz aos doutores da Lei é que eles se servem da religião, da sua posição de intérpretes oficiais e autorizados da Lei, para obter honras e privilégios.

Trata-se de uma tentação sempre presente, ontem como hoje… Em nenhum caso a nossa fé, o nosso lugar na comunidade, a consideração que as pessoas possam ter por nós ou pelas funções que desempenhamos podem ser utilizadas, de forma abusiva, para “levar a água ao nosso moinho” e para conseguir privilégios particulares ou honras que não nos são devidas. Utilizar a religião para fins egoístas é um comércio ilícito e abominável, e constitui um enorme contra-testemunho para os irmãos que nos rodeiam.

 Meus caros irmãos,

A segunda leitura(cf. Hb 9,24-28) nos apresenta Jesus que entrou no santuário celestial através da morte e agora “está por nós” diante da face de Deus(representação de Cristo como nosso anjo, típica desta Carta). O mundo já alcançou seu sentido definitivo; o juízo já foi superado pelo sacrifício do Cristo: Jesus virá uma segunda vez, não mais para morrer(seu sacrifício é definitivamente válido), mas para levar à plenitude a salvação dos que o esperam. Então tornar-se-á manifesto o destino definitivo, no qual Jesus nos introduziu por seu ofício sacerdotal.

A certeza de que Jesus Cristo, o sacerdote perfeito, venceu o pecado e está agora junto de Deus, intercedendo por nós e esperando o momento de nos oferecer a vida eterna, deve dar-nos confiança e esperança, ao longo da nossa caminhada diária pela vida. A Palavra de Deus que hoje nos é oferecida garante-nos que as nossas fragilidades e debilidades não podem afastar-nos da comunhão com Deus, da vida eterna; e, no final do nosso caminho, Jesus, o nosso libertador, lá estará à nossa espera para nos oferecer a vida definitiva.

Queridos irmãos,

Deus ama quem dá com alegria. Não somente os bens materiais que passam. Mas o grande segredo que devemos aprender hoje é depositar a nossa confiança, como a viúva que deu o que não tinha e ganhou o que não esperava o agrado e a misericórdia de Cristo. Esta confiança da Trindade abre os horizontes da imortalidade! Assim Deus nos ajude. Amém!

Homilia por: Padre Wagner Augusto Portugal