Homilia Dominical - 4º Domingo do Advento

Meus queridos Irmãos,

Estamos, neste domingo, chegando aos umbrais do tempo do Natal. Percorremos todo este itinerário de reflexão e de espera pela vinda do Senhor pela celebração jubilosa do Santo e Venturoso Natal.

A figura litúrgica que vai centrar a celebração de hoje é a mulher grávida. Maria e Isabel se encontram, grávidas e na expectativa de um novo parto da Salvação de Deus. A salvação prometida a Israel está próxima. A chegada do Emanuel, que quer significar Deus Conosco, descortina a verdade sobre o Pai. Maria é a portadora viva do Salvador, a arca da nova e eterna aliança, e com alegria proclama o mistério da encarnação que nela se concretizou. Por Maria, Nosso Senhor Jesus Cristo assume a humanidade, ao mesmo tempo que é Deus.

Irmãos e Irmãs,

O que é o Natal? O NATAL é a festa da visita de Jesus que vem estar conosco, que vem visitar a nossa casa, que vem visitar a nossa família, que vem visitar o nosso trabalho, que vem visitar a nossa vida de fé comunitária e eclesial.

Agora para receber qualquer visita sempre há uma ingente preparação. A Liturgia de hoje nos propõe um roteiro para receber Jesus que vem nos visitar. Lucas(cf. Lc. 1,39-45) descortina o encontro entre Maria, uma jovem que traz no ventre Jesus, o Salvador; e Isabel, sua prima velha que concebeu, como Maria, por milagre de Deus, João Batista, o precursor da salvação. História celestial, mas totalmente premiada pela humanidade.

Isabel recebe Maria e Jesus que está em seu ventre em exultante alegria. Alegria que contagiou o ventre da Virgem Maria.

Tudo isso para que tenhamos a convicção de que a celebração do Natal é uma celebração eminentemente de Fé e de Esperança cristã.

Maria, tomando conhecimento de que sua parenta Isabel, já na velhice iria dar a luz a um Menino, notícia recebida do Arcanjo, demonstrando que para Deus nada era impossível, não teve respeito humano. Arrumou suas malas, andou numa viagem de 150km, o que demoraria uns três dias, e foi estar com sua prima Isabel. Qual o significado da visita de Nossa Senhora a sua prima Isabel? Pura e simplesmente para servir a Isabel, já idosa e grávida, nos afazeres domésticos nos últimos três meses de gestação de Isabel. Depois Nossa Senhora serviria de companhia para a sua prima Isabel, bem como estaria ali para demonstrar que a graça e ação de Deus transforma a vida das pessoas e fazem destas pessoas instrumentos da salvação.

Isabel elogia a fé no cumprimento das palavras do Senhor. Este espírito de fé – que não dispensa as razões e os sinais da verdade – é uma das condições para bem se receber a chegada de Jesus no Natal. Natal somente se entende com fé. Com espírito de fé, de esperança e de caridade. Assim sendo o Natal de Jesus é antes de tudo um dia de fé na pessoa e na missão divina e salvadora do Redentor Jesus.

Meus queridos Irmãos,

A primeira dimensão do Natal é a fé em Jesus e em sua Missão. E isso fica claro hoje com a exaltação de Isabel para com Nossa Senhora: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre!”. Mas a segunda dimensão do Natal é a incessante e radiosa alegria. O Natal é a festa da alegria. Alegria que é anunciada por Isabel, pelo Menino que pula no Seio de Isabel.

Mas, porque a alegria? A alegria é fundamental neste momento de recepção de Jesus, como o próprio anjo chama os pastores e anuncia: “uma grande alegria: o nascimento do Cristo Senhor”. (cf. Lc 2,10-11).

Isabel enumera as alegrias que celebramos: Jesus se torna carne humana no seio da Virgem Maria; Deus escolheu uma Mulher da terra para ser mãe do seu Divino Filho. O que significa este gesto? Com a escolha de Maria para ser a mãe de Jesus Deus fez uma aliança com toda a humanidade, se uniu a toda a humanidade. Hoje Deus cumpre a promessa da salvação. E como sempre age com superabundante misericórdia: não só estende a mão para salvar-nos, não só assume nossa humanidade, não só passa a morar conosco, mas reparte conosco sua divindade. Fazendo um de nós Jesus torna possível o doce sonho da imortalidade para todos os nascidos de mulher.

Isabel prefigura a alegria que hoje nos contagia: tornamo-nos, com o Natal, participantes da natureza divina. Somos “imagem do Deus invisível!”.

 Meus prezados amigos,

A terceira dimensão da liturgia de hoje é o respeito pelo mistério de Deus. No encontro entre o mistério divino e o mistério humano na pessoa de Jesus une a nossa fé na vida eterna. Mistério que não precisa ser explicado, mas vivenciado pela nossa fé católica, apostólica e romana. Deus é, sobretudo mistério! Não o alcançamos de muitas maneiras e, ao mesmo tempo, é sempre inacessível em seu ser e em muitos de seus atos. A encarnação de Jesus é um desses atos que, apesar de ter acontecido historicamente, escapa à nossa intelecção. O comportamento de Isabel hoje, diante do mistério da encarnação de Jesus, é o melhor exemplo de como devemos encarar o Natal. Acredita na encarnação de seu Senhor no seio da Virgem Maria, rejubila em sua fé e proclama-a em alta voz. Assim deve ser o grande momento de celebrarmos a espera do Natal.

Serviço e grandeza, duas faces inseparáveis do Mistério de Deus cuja manifestação celebramos dentro de poucos dias. Mistério de amor. Claro amor é uma palavra humana. Deus é sempre mais do que conseguimos dizer. Dizem os filósofos que o amor movimenta o mundo, mas é preciso ver de que amor se trata. O amor autêntico recebe sua força da doação e da misericórdia. Num sentido infinitamente superior, se pode dizer isso de Deus também. O que aconteceu em Jesus no-lo revela. Este amor de Deus para os homens ultrapassa o que entendemos pelo amor, mas é um amor verdadeiro, comparável quase com o amor dos esposos, quando autêntico: os céus que fecundam a terra, Deus que cobre uma humilde criatura com sua sombra. A liturgia não tem medo destas imagens. Fecundada pelo orvalho do Céu, a terra se abe para que brote o Salvador.

Prezados Irmãos,

Na primeira Leitura(Mq 5,1-4) nos constatamos que de Belém sairá o Salvador de Israel. Miquéias não coloca Jerusalém no centro da profecia, mas Belém, terra de origem de Davi. De sua dinastia deverá um dia brotar o verdadeiro Rei de Israel conforme o coração de Deus. A Primeira Leitura evoca o paradoxo do minúsculo município de Belém, que, porém, é grande por causa de Javé, que cumprirá sua promessa de chamar novamente um “pastor” da casa de Jessé(pai de Davi). A pequena cidade torna-se sinal do plano inicial de Deus(suas origens remontam a tempos antigos – Mq 5,1). Aqui fica claro não a grandeza segundo os critérios humanos, ao contrário a grandeza da santidade dos pequenos que conta para Deus e se manifesta em Maria.

A primeira leitura retoma as promessas messiânicas. Num quadro de injustiça e de sofrimento – e, portanto, de frustração e de desânimo – o profeta anuncia a chegada de um personagem, no futuro, que reinará sobre o Povo de Deus. Esse personagem, enviado por Deus, será da descendência davídica, supondo-se, portanto, que poderá restaurar esse tempo de paz, de justiça e de abundância que o Povo de Deus conheceu na época ideal do rei David. A última frase desta leitura (“Ele será a Paz”) define o conteúdo concreto desta esperança: a palavra “shalom” aqui utilizada significa tranquilidade, ausência de violência e de conflito, mas também bem-estar, abundância de vida, numa palavra, felicidade plena. A releitura cristã vê nesta promessa de Deus veiculada por Miqueias uma referência a Jesus, o descendente de David, nascido em Belém. A missão de Jesus não passa, no entanto, pela instauração do trono político de David (um reino que se impõe pela força, pela riqueza, pelas jogadas políticas e diplomáticas), mas sim pela proposta de um reino de paz e de amor no coração dos homens. Os cristãos, seguidores de Jesus, são a comunidade que aceitou o convite para integrar esse “reino” de paz e de amor que Jesus veio propor.

Caros irmãos,

A segunda Leitura(Hb 10,5-10) nos fala que “Eis que venho para fazer tua vontade!”. Hebreus compreende a morte de Cristo como a plenificação do culto sacrifical do Antigo Testamento. Todos os antigos sacrifícios prefiguram o sacrifício de Cristo, que nos santifica uma vez para sempre. Interpreta o Salmo 40,7-9 no sentido da obediência de Jesus para cumprir esta missão, para a salvação de todos nós. Jesus, que vem ao mundo para tornar supérfluos todos os sacrifícios e holocaustos, já que ele mesmo imola de modo insuperável sua existência em prol dos seus irmãos.

Colocando na boca de Jesus as palavras de um salmista (cf. Sl 40,7-9), o autor da “Carta aos Hebreus” afirma que, no mundo da nova “aliança”, não é já o sacrifício de animais que realiza a comunhão com Deus, a entrega absoluta do crente a Deus, o perdão dos pecados; é a encarnação de Jesus, a entrega total da vida do próprio Cristo, o seu respeito absoluto pelo projeto e pela vontade do Pai que permitem a aproximação e a relação do homem com Deus. Quem quiser descobrir o Pai e aproximar-se d’Ele, olhe para Jesus; porque Jesus ensinou-nos, com a sua obediência ao projeto do Pai, como deve ser essa relação de filiação com Deus.

Irmãos,

A proposta libertadora de Deus para os homens alcança o mundo através da fragilidade de uma mulher (recordar o contexto social de uma sociedade patriarcal, onde a mulher pertence à classe dos que não gozam de todos os direitos civis e religiosos) que aceita dizer “sim” a Deus. É necessário ter consciência de que é através dos nossos limites e da nossa fragilidade que Deus alcança os homens e propõe o seu projeto ao mundo.

O Natal está próximo! Nos preparemos! Em cada Santa Missa tornamo-nos, em Cristo, corpo dado, dispostos a colocar-nos a serviço dos necessitados, a exemplo de Maria. Por Maria, o Senhor nos visita, trazendo a salvação. Motivo de alegria e de ação de graças! Como gesto concreto nesta preparação mais próxima ao Natal, vamos repetir o gesto de Maria, gesto de caminho de salvação. Que cada um de nós visitemos os mais necessitados de nossa comunidade, levando em nós o Cristo, para que também estes irmãos preferidos de Deus exultem de alegria no Senhor. Assim é Natal, amém!

Homilia por: Padre Wagner Augusto Portugal.