Oração diária, Jesus cumpre a profecia... - Lc 4,21-30

4º Domingo do Tempo Comum – Ano Litúrgico C

03 de fevereiro de 2019

ORAÇÃO DO DIA

Pai, que eu saiba acolher Jesus e reconhecê-lo como de Filho de Deus, de modo a tornar-me beneficiário de seu ministério messiânico.

PRIMEIRA LEITURA: Je 1,4-5.17-19

Leitura do Livro do Profeta Jeremias – Nos dias de Josias, rei de Judá, 4foi-me dirigida a palavra do Senhor, dizendo: “5Antes de formar-te no ventre materno, eu te conheci; antes de saíres do seio de tua mãe, eu te consagrei e te fiz profeta das nações. 
17Vamos, põe a roupa e o cinto, levanta-te e comunica-lhes tudo que eu te mandar dizer: não tenhas medo, senão, eu te farei tremer na presença deles. 
18Com efeito, eu te transformarei hoje numa cidade fortificada, numa coluna de ferro, num muro de bronze contra todo o mundo, frente aos reis de Judá e seus príncipes, aos sacerdotes e ao povo da terra; 19eles farão guerra contra ti, mas não prevalecerão, porque eu estou contigo para defender-te”, diz o Senhor.

  • Palavra do Senhor.
    – Graças a Deus.

SALMO 70

          — Minha boca anunciará todos os dias/ vossas graças incontáveis, ó Senhor!
— Minha boca anunciará todos os dias/ vossas graças incontáveis, ó Senhor!

— Eu procuro meu refúgio em vós, Senhor:/ que eu não seja envergonhado para sempre!/ Porque sois justo, defendei-me e libertai-me!/ Escutai a minha voz, vinde salvar-me!

— Sede uma rocha protetora para mim,/ um abrigo bem seguro que me salve!/ Porque sois a minha força e meu amparo,/ o meu refúgio, proteção e segurança!/ Libertai-me, ó meu Deus, das mãos do ímpio.

— Porque sois, ó Senhor Deus, minha esperança,/ em vós confio desde a minha juventude!/ Sois meu apoio desde antes que eu nascesse,/ desde o seio maternal, o meu amparo. 

— Minha boca anunciará todos os dias/ vossa justiça e vossas graças incontáveis./ Vós me ensinastes desde a minha juventude,/ e até hoje canto as vossas maravilhas.

SEGUNDA LEITURA: 1Cor 12,31—13,13

Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios – Irmãos: 31Aspirai aos dons mais elevados. Eu vou ainda mostrar-vos um caminho incomparavelmente superior.
13,1Se eu falasse todas as línguas, as dos homens e as dos anjos, mas não tivesse caridade, eu seria como um bronze que soa ou um címbalo que retine.
2Se eu tivesse o dom da profecia, se conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, se tivesse toda a fé, a ponto de transportar montanhas, mas se não tivesse caridade, eu não seria nada.
3Se eu gastasse todos os meus bens para sustento dos pobres, se entregasse o meu corpo às chamas, mas não tivesse caridade, isso de nada me serviria.
4A caridade é paciente, é benigna; não é invejosa, não é vaidosa, não se ensoberbece; 5não faz nada de inconveniente, não é interesseira, não se encoleriza, não guarda rancor; 6não se alegra com a iniquidade, mas se regozija com a verdade. 7Suporta tudo, crê tudo, espera tudo, desculpa tudo.
8A caridade não acabará nunca. As profecias desaparecerão, as línguas cessarão, a ciência desaparecerá. 
9Com efeito, o nosso conhecimento é limitado e a nossa profecia é imperfeita. 10Mas, quando vier o que é perfeito, desaparecerá o que é imperfeito. 
11Quando eu era criança, falava como criança, pensava como criança, raciocinava como criança. Quando me tornei adulto, rejeitei o que era próprio de criança. 
12Agora nós vemos num espelho, confusamente, mas, então, veremos face a face. Agora conheço apenas de modo imperfeito, mas, então, conhecerei como sou conhecido. 
13Atualmente, permanecem estas três coisas: fé, esperança, caridade. Mas a maior delas é a caridade. 

  • Palavra do Senhor.
    – Graças a Deus.

EVANGELHO: Lc 4,21-30

        – O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
          – Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Lucas.
          – Glória a vós, Senhor.

        Naquele tempo, estando Jesus na sinagoga, começou a dizer: 21“Hoje se cumpriu esta passagem da Escritura que acabastes de ouvir”. 
22Todos davam testemunho a seu respeito, admirados com as palavras cheias de encanto que saíam da sua boca. E diziam: “Não é este o filho de José?”
23Jesus, porém, disse: “Sem dúvida, vós me repetireis o provérbio: Médico, cura-te a ti mesmo. Faze também aqui, em tua terra, tudo o que ouvimos dizer que fizeste em Cafarnaum”. 
24E acrescentou: “Em verdade eu vos digo que nenhum profeta é bem recebido em sua pátria. 
25De fato, eu vos digo: no tempo do profeta Elias, quando não choveu durante três anos e seis meses e houve grande fome em toda a região, havia muitas viúvas em Israel. 26No entanto, a nenhuma delas foi enviado Elias, senão a uma viúva que vivia em Sarepta, na Sidônia. 
27E no tempo do profeta Eliseu, havia muitos leprosos em Israel. Contudo, nenhum deles foi curado, mas sim Naamã, o sírio”. 
28Quando ouviram estas palavras de Jesus, todos na sinagoga ficaram furiosos. 29Levantaram-se e o expulsaram da cidade. Levaram-no até ao alto do monte sobre o qual a cidade estava construída, com a intenção de lançá-lo no precipício. 30Jesus, porém, passando pelo meio deles, continuou o seu caminho.

  • Palavra da Salvação
    – Glória a vós Senhor.

Comentário do Evangelho

Oração Inicial
Liturgia do 4º domingo do Tempo Comum. Em Jesus cumpre-se a esperança profética, suas palavras exigem resposta de quem o ouve. A liturgia de hoje nos convida à perseverança e à fidelidade ao projeto do Pai, mesmo diante das incompreensões.
Oremos: “Divino Espírito Santo, amor eterno do Pai e do Filho, ajuda-me a ser perseverante na escuta do Evangelho e na compreensão dos ensinamentos de Jesus. Amém.”

Leitura (Verdade)
O que o texto diz a você hoje? Leia o Evangelho pausadamente, com o olhar atento a Jesus. Observe a atitude das pessoas que escutam Jesus e preste atenção nos seus questionamentos e na admiração que sentem por Ele. Observe também aqueles que ficam furiosos com os ensinamentos de Jesus e que desejam eliminá-lo. Qual profecia Jesus proclama? Por que algumas pessoas ficam irritadas com suas palavras? Por que Ele não é bem-aceito em sua pátria? O que Jesus provoca nas pessoas?
“O versículo 21b (‘Hoje se cumpriu esta passagem da Escritura que acabastes de ouvir’) e os versículos 22­23, onde encontramos uma reação positiva dos ouvintes presentes na sinagoga de Nazaré ao comentário de Jesus sobre o trecho do livro do Profeta Isaías, poderiam nos levar a entender que os pobres, os cativos, os cegos, os oprimidos fossem os destinatários da mensagem, aos quais Jesus é enviado. No entanto, nos versículos 22­27, Jesus exclui os nazarenos de sua mensagem salvífica. E a evocação dos fatos tirados do ciclo de Elias e Eliseu estabelece um paralelo entre Israel e Nazaré. Nazaré passa a ser o protótipo da rejeição de Jesus por Israel. Jesus é um profeta não somente porque ele sabe-se enviado, mas porque é rejeitado. Eis o critério que permite verificar a autenticidade de sua vocação: ‘Nenhum profeta é aceito na sua própria terra’ (v. 24). O profeta é consciente das dificuldades na realização da missão, por isso é chamado a viver na confiança: ‘Farão guerra contra ti, mas não te vencerão, porque estou contigo para te defender, oráculo do Senhor’ (Jr 1,19). Não há nada nem ninguém que possa impedir o Senhor de continuar o seu caminho de realização da vontade do Pai: ‘Passando pelo meio deles, continuou o seu caminho’ (v. 30)” (Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)
O que o texto diz a você hoje? Jesus é um profeta que não é aceito pelo seu próprio povo. Porém, Ele continuou sua missão com fidelidade. Como Jesus é acolhido hoje pelas pessoas? Como você o acolhe? Você se deixa transformar por suas palavras?

Oração (Vida)
Papa Francisco nos diz que a verdadeira oração faz-nos sair de nós mesmos e abre-nos às necessidades dos outros. Por quais pessoas e situações você hoje deseja rezar? O que esta meditação o(a) leva a expressar a Deus?

Contemplação (Vida e Missão)
Contemple a palavra do Evangelho que mais tocou seu coração. Qual apelo Jesus o(a) convida a viver?

Bênção

  • Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
  • Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
  • Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
  • Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Paulinas

LEITURA ORANTE

Já antes do seu nascimento, Jeremias foi escolhido por Deus para ser profeta. Foi escolhido para uma missão difícil. “Fica de pé, anuncia o que eu mandar, não tenhas medo”, assim Deus lhe falou. Farão guerra contra o profeta, mas não o vencerão, porque Deus mesmo será o seu defensor. Nós também, se temos uma missão a realizar, ponhamo-nos de pé, sem medo e enfrentemos as dificuldades. Elas existem para ser vencidas. Conosco está o Defensor.
Jesus enfrentou muitas dificuldades em seu ministério. Na primeira pregação na sinagoga de Nazaré, quando ele anunciou o seu projeto, todos os ouvintes gostaram e ficaram felizes com o que Jesus dizia. No entanto, quando ele deu a entender que para a realização de seu belo projeto era preciso que cada um deixasse de defender seus privilégios, todos ficaram furiosos, expulsaram-no da cidade e queriam jogá-lo no precipício. Jesus, porém, passou pelo meio deles e continuou o seu caminho.
A maior força que existe em nós e nos impulsiona na superação de todos os obstáculos é o amor, ensina São Paulo. Tanto Jeremias como Jesus foram movidos pelo Espírito que é Amor e que os levou a abraçar com entusiasmo a causa que Deus, o Pai, lhes confiou. Quem trabalha pela justiça, pela verdade, em favor dos deserdados deste mundo, segue tranquilamente o seu caminho, como fez Jesus, se for movido pelo amor. Fé, esperança e amor são grandes virtudes. A maior delas, porém, é o amor, que jamais acabará.
Santo Tomás ensina que a caridade não pode existir em nós naturalmente, nem ser adquirida por virtudes naturais, mas por infusão do Espírito Santo, que é o amor do Pai e do Filho, e cuja participação em nós é a caridade criada. As qualidades da caridade criada, descritas por São Paulo, mostram a força que ela tem para vencer os obstáculos.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2019’, Paulinas.