Liturgia diária - Maria Madalena, por que choras? Quem procuras? - Jo 20,11-18

Oitava da Páscoa – Ano Litúrgico C

23 de abril de 2019

ORAÇÃO DO DIA

Pai, ensina-me a ter um relacionamento conveniente com o Ressuscitado, reconhecendo que ele quer fazer de mim uma testemunha da ressurreição.

PRIMEIRA LEITURA: At 2,36-41

Leitura dos Atos dos Apóstolos – No dia de Pentecostes, Pedro disse aos judeus: 36“Que todo o povo de Israel reconheça com plena certeza: Deus constituiu Senhor e Cristo a este Jesus que vós crucificastes”.
37Quando ouviram isso, eles ficaram com o coração aflito, e perguntaram a Pedro e aos outros apóstolos: “Irmãos, que devemos fazer?” 38Pedro respondeu: “Convertei-vos e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para o perdão dos vossos pecados. E vós recebereis o dom do Espírito Santo. 39Pois a promessa é para vós e vossos filhos, e para todos aqueles que estão longe, todos aqueles que o Senhor nosso Deus chamar para si”.
40Com muitas outras palavras, Pedro lhes dava testemunho, e os exortava, dizendo: “Salvai-vos dessa gente corrompida!” 41Os que aceitaram as palavras de Pedro receberam o batismo. Naquele dia, mais ou menos três mil pessoas se uniram a eles.

  • Palavra do Senhor.
    – Graças a Deus.

SALMO 32(33)

        — Transborda em toda a terra a bondade do Senhor.
— Transborda em toda a terra a bondade do Senhor.

— Reta é a palavra do Senhor, e tudo o que ele faz merece fé. Deus ama o direito e a justiça, transborda em toda a terra a sua graça.

— Mas o Senhor pousa o olhar sobre os que o temem, e que confiam esperando em seu amor, para da morte libertar as suas vidas e alimentá-los quando é tempo de penúria.

— No Senhor nós esperamos confiantes, porque ele é nosso auxílio e proteção! Sobre nós venha, Senhor, a vossa graça, da mesma forma que em vós nós esperamos!

EVANGELHO: Jo 20,11-18

         – O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São João.
          – Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 11Maria estava do lado de fora do túmulo, chorando. Enquanto chorava, inclinou-se e olhou para dentro do túmulo. 12Viu, então, dois anjos vestidos de branco, sentados onde tinha sido posto o corpo de Jesus, um à cabeceira e outro aos pés.
13Os anjos perguntaram: “Mulher, por que choras?” Ela respondeu: ”Levaram o meu Senhor e não sei onde o colocaram”. 14Tendo dito isto, Maria voltou-se para trás e viu Jesus, de pé. Mas não sabia que era Jesus. 15Jesus perguntou-lhe: “Mulher, por que choras? A quem procuras?” Pensando que era o jardineiro, Maria disse: “Senhor, se foste tu que o levaste dize-me onde o colocaste, e eu o irei buscar”.
16Então Jesus disse: “Maria!” Ela voltou-se e exclamou, em hebraico: “Rabuni” (que quer dizer: Mestre). 17Jesus disse: “Não me segures. Ainda não subi para junto do Pai. Mas vai dizer aos meus irmãos: subo para junto do meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus”. 18Então Maria Madalena foi anunciar aos discípulos: “Eu vi o Senhor!”, e contou o que Jesus lhe tinha dito.

  • Palavra da Salvação
    – Glória a vós Senhor.

Comentário do Evangelho

Primeira semana da Páscoa. Celebramos oito dias como se fossem um só. Tempo de vitória e alegria. No entanto, Maria está chorando. Ela chora num dia de alegria e por isso não vê o Ressuscitado. “Mulher, por que choras? Quem procuras?” Não estaria ela equivocada em sua procura? Procure o Senhor enquanto se deixa encontrar, mas procure-o de forma correta. Pare de chorar e contemple a existência iluminada pela luz da ressurreição. Pare de chorar e ouça quando o Mestre chama você pelo nome. “Maria” – “Mestre”, e então começa o diálogo de amor. Não fique parada. Anuncie aos discípulos que Jesus vai subir ao Pai. Ela foi e nos deixou seu melhor testemunho em poucas palavras, mas fundamentais: “Eu vi o Senhor!”.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2019’, Paulinas.

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
Com Maria Madalena, recordemos a presença do Senhor Ressuscitado, que vem ao nosso encontro e nos chama pelo nome. Na intimidade com o Senhor, vivida na escuta da Palavra e na oração, seremos capazes de reconhecê-lo em nossa vida.
Peçamos a graça de sermos conduzidos pela ação do Espírito Santo nesta leitura orante: “Ó divino Espírito, ensina-me tudo quanto Jesus ensinou. Dá-me inteligência para entender; memória para lembrar; vontade dócil para praticar; coração generoso para corresponder aos teus convites. Amém.”

Leitura (Verdade)
Leia o texto e procure compreender sua mensagem. Qual é o personagem central? Que experiência ele vive? Que mensagem deseja comunicar? Recorde outras narrativas sobre a aparição do Ressuscitado e identifique os elementos em comum e os elementos próprios de cada relato.
“A presença de Jesus ressuscitado não é evidente; não basta ter convivido com ele durante o seu tempo de vida terrestre. É preciso outro olhar, visão que somente a fé pode conceder. A fé é que permite fazer o caminho do reconhecimento. A tristeza que abate e prende à realidade da morte não é de Deus. As lágrimas da desolação impedem o olhar de ir além das aparências e dar o salto da fé. Não nos esqueçamos, há uma tristeza que distorce a realidade, ofusca o olhar, confunde a visão. A presença do Ressuscitado derrota a tristeza, enxuga as lágrimas da desilusão e interpela Maria a não procurar um morto, nem procurar Jesus entre os mortos. Na segunda etapa do relato, a irrupção do Ressuscitado na vida de Maria Madalena enxuga o pranto, liberta da região dos mortos e faz exclamar a admiração pela presença transfigurada daquele que venceu a morte e que ninguém mais pode reter. Fruto desse encontro luminoso e transformador é a missão de anunciar que o Senhor vive” (Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)
O que o texto diz a você hoje? De que forma o Evangelho fortalece a sua caminhada de fé? Em que momentos da sua vida você não conseguiu reconhecer a presença do Senhor?
“Maria Madalena, um dos corações mais agradecidos a Jesus pela vida nova que ganhou! Foi duro presenciar a morte daquele que lhe deu a vida de volta. Como uma discípula fiel, Maria fica no túmulo chorando aquela injustiça e tamanha crueldade. ‘Por que choras?’ – a resposta, ainda fruto de quem não foi tocada pela verdade da ressurreição: ‘Levaram o meu Senhor…’. Mas aquela segunda voz que lhe perguntara sobre o choro, ela jamais esqueceria: era Jesus! Como esquecer uma voz que só lhe trouxe paz, serenidade, sentido para a vida e alegria misericordiosa? Ela não teve dúvida e exclamou: ‘Mestre!’. E Jesus lhe dá uma importantíssima missão: ‘Anuncie aos meus irmãos que eu estou vivo!’. E assim ela o fez” (Frei Mário Sérgio Souza, em “Viver a Palavra”, da Paulinas Editora).

Oração (Vida)
Nesta oitava pascal, continuemos a celebrar as alegrias da ressurreição de Jesus Cristo, com Maria, sua Mãe.

  • Rainha do céu, alegrai-vos, aleluia!
  • Porque quem merecestes trazer em vosso puríssimo seio, aleluia!
  • Ressuscitou como disse, aleluia!
  • Rogai a Deus por nós, aleluia!
  • Exultai e alegrai-vos, ó Virgem Maria, aleluia!
  • Porque o Senhor ressuscitou verdadeiramente, aleluia!
    Ave, Maria…
  • Rogai por nós, Santa Mãe de Deus.
  • Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.
    Oremos: “Ó Deus, que alegrastes o mundo com a ressurreição de vosso Filho, Jesus Cristo, Senhor nosso, concedei-nos, vo-lo suplicamos, que por sua Mãe, a Virgem Maria, alcancemos as alegrias da vida eterna. Pelo mesmo Cristo, nosso Senhor. Amém.”

Contemplação (Vida e Missão)
Sintetize em poucas palavras o apelo que você sentiu em seu coração, para colocá-lo em prática durante o dia. O que você se propõe a viver? Como pretende atingir esse propósito?

Bênção

  • Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
  • Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
  • Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
  • Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Paulinas