Oração diária - Não ficará pedra sobre pedra

33º Domingo Comum – Ano Litúrgico C

13 de novembro de 2016

ORAÇÃO DO DIA

Divino Espírito Santo, necessitamos muito de vossa ajuda para conhecer o caminho que devemos seguir.

PRIMEIRA LEITURA: Ml 3,19-20a

Leitura da Profecia de Malaquias:

19Eis que virá o dia, abrasador como fornalha, em que todos os soberbos e ímpios serão como palha; e esse dia vindouro haverá de queimá-los, diz o Senhor dos exércitos, tal que não lhes deixará raiz nem ramo. 20aPara vós, que temeis o meu nome, nascerá o sol da justiça, trazendo salvação em suas asas.

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

SALMO 97

— O Senhor virá julgar a terra inteira; com justiça julgará.
— O Senhor virá julgar a terra inteira; com justiça julgará.

— Cantai salmos ao Senhor ao som da harpa/ e da cítara suave!/ Aclamai, com os clarins e as trombetas,/ ao Senhor, o nosso Rei!

— Aplauda o mar com todo ser que nele vive,/ o mundo inteiro e toda gente!/ As montanhas e os rios batam palmas/ e exultem de alegria.

— Exultem na presença do Senhor, pois ele vem,/ vem julgar a terra inteira./ Julgará o universo com justiça/ e as nações com equidade.

SEGUNDA LEITURA: 2Ts 3,7-12
Leitura da Segunda Carta de São Paulo aos Tessalonicenses:

Irmãos: 7Bem sabeis como deveis seguir o nosso exemplo, pois não temos vivido entre vós na ociosidade. 8De ninguém recebemos de graça o pão que comemos. Pelo contrário, trabalhamos com esforço e cansaço, de dia e de noite, para não sermos pesados a ninguém. 9Não que não tivéssemos o direito de fazê-lo, mas queríamos apresentar-nos como exemplo a ser imitado. 10Com efeito, quando estávamos entre vós, demos esta regra: “Quem não quer trabalhar, também não deve comer”. 11Ora, ouvimos dizer que entre vós há alguns que vivem à toa, muito ocupados em não fazer nada. 12Em nome do Senhor Jesus Cristo, ordenamos e exortamos a estas pessoas que, trabalhando, comam na tranquilidade o seu próprio pão.

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

EVANGELHO: Lc 21, 5-19

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 5algumas pessoas comentavam a respeito do Templo que era enfeitado com belas pedras e com ofertas votivas.

Jesus disse: 6“Vós admirais estas coisas? Dias virão em que não ficará pedra sobre pedra. Tudo será destruído”. 7Mas eles perguntaram: “Mestre, quando acontecerá isto? E qual vai ser o sinal de que estas coisas estão para acontecer?” 8Jesus respondeu: “Cuidado para não serdes enganados, porque muitos virão em meu nome, dizendo: ‘Sou eu!’ e ainda: ‘O tempo está próximo’. Não sigais essa gente! 9Quando ouvirdes falar de guerras e revoluções, não fiqueis apavorados. É preciso que estas coisas aconteçam primeiro, mas não será logo o fim”. 10E Jesus continuou: “Um povo se levantará contra outro povo, um país atacará outro país. 11Haverá grandes terremotos, fomes e pestes em muitos lugares; acontecerão coisas pavorosas e grandes sinais serão vistos no céu. 12Antes, porém, que estas coisas aconteçam, sereis presos e perseguidos; sereis entregues às sinagogas e postos na prisão; sereis levados diante de reis e governadores por causa do meu nome. 13Esta será a ocasião em que testemunhareis a vossa fé. 14Fazei o firme propósito de não planejar com antecedência a própria defesa; 15porque eu vos darei palavras tão acertadas, que nenhum dos inimigos vos poderá resistir ou rebater. 16Sereis entregues até mesmo pelos próprios pais, irmãos, parentes e amigos. E eles matarão alguns de vós. 17Todos vos odiarão por causa do meu nome. 18Mas vós não perdereis um só fio de cabelo da vossa cabeça. 19É permanecendo firmes que ireis ganhar a vida!”

– Palavra da Salvação
– Glória a vós Senhor.

Comentário do Evangelho

Fim de ano, fim dos tempos, tempo de refletir sobre o que importa verdadeiramente, sobre o que fica e o que passa. É o tempo da prestação de contas, da expectativa daquele que virá julgar os vivos e os mortos. É tempo de esperança, não de ilusões. Não se iludam nem com a beleza do Templo de então, nem com a beleza dos templos de agora. Não tenham medo, fiquem firmes. Jesus não se impressionou com a beleza do Templo de Jerusalém. O pequeno Templo, construído depois do exílio da Babilônia, tinha sido ampliado e quase todo refeito pelo rei Herodes. Ainda hoje podem ser vistas as enormes pedras do muro de arrimo da esplanada que formam a base do Muro ocidental ou Muro das Lamentações. Mas não nos prendamos às belas pedras ou às ofertas votivas. “Dias virão em que não ficará pedra sobre pedra. Tudo será destruído.” “Acredite, já tinha dito Jesus à samaritana, que vem a hora em que nem neste monte nem em Jerusalém vocês adorarão o Pai”… “Vem a hora, e é agora, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e verdade; pois tais são os adoradores que o Pai procura. Deus é espírito e aqueles que o adoram devem adorá-lo em espírito e verdade.” Quando o rei Davi quis construir o Templo, Deus mandou-lhe um recado por meio do profeta Natã: “Você vai construir uma casa para eu morar?
Nunca pedi uma casa para morar, sempre andei errante sob a tenda. Eu é que farei uma casa para você e vou preparar um lugar para o meu povo para que não ande errante e não continue a ser oprimido pelos perversos. Vou lhe dar uma descendência. Serei para ele um pai e ele será para mim um filho. Ele construirá uma casa para o meu nome”. A casa de Deus é a Igreja do Deus vivo e somos nós as pedras vivas da construção de uma casa espiritual. O verdadeiro Templo sem paredes é feito de gente viva conscientemente dedicada à causa de Cristo e de seu evangelho. No livro do Apocalipse, quando São João descreve em suas visões a nova Jerusalém, ele escreve: “Não vi nenhum Templo nela, pois o seu Templo é o Senhor, o Deus todo-poderoso, e o Cordeiro”. Nós somos o Templo de Deus que permanece de pé e firme numa luta sem trégua por causa da fé e no trabalho diário por causa do pão. Pela nossa perseverança salvaremos a nossa vida.
O anúncio do fim dos tempos se mescla com a previsão da destruição do Templo e da cidade, bom como com as dificuldades e perseguições que sofrerão os seguidores de Jesus. A semente não vingou no terreno pedregoso onde faltava umidade e as raízes não foram profundas. Os que acolheram a palavra fizeram-no com alegria e logo desistiram quando veio a tentação. É na perseverança que salvaremos nossa vida.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2016’, Paulinas.

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
Celebramos hoje o 33º domingo do Tempo Comum. A confiança e a esperança são características que precisam ser testemunhadas na vida dos seguidores de Jesus. Peçamos que elas estejam presentes em nosso dia, deixemo-nos conduzir pelo Senhor e acolhamos a sua Palavra.

Rezemos: “Divino Espírito Santo, necessitamos muito de vossa ajuda para conhecer o caminho que devemos seguir. Temos necessidade de vós, para que o nosso coração, inundado pela vossa consolação, se abra e para que, muito além das palavras e dos conceitos, possamos perceber a vossa presença. Iluminai a nossa mente, movei o nosso coração, para que esta meditação produza em nós frutos de vida. Amém.”

Leitura (Verdade)
O que diz o texto bíblico? Quais são as palavras de Jesus? Qual é a preocupação dos discípulos? Observe o tema central da discussão dos personagens.

“O Cristo ressuscitado continua a falar através do seu Espírito Santo. O autor do evangelho não faz distinção entre as palavras de Jesus durante a sua vida terrestre e finita e as palavras do Cristo glorioso, presente no seio da comunidade. Trata-se de uma mesma palavra. O vaticínio sobre a destruição do Templo é uma profecia ex-evento. Sua finalidade é ajudar os discípulos a colocar a sua confiança naquilo que não passa, ao mesmo tempo em que visa ajudá-los a superar as provações decorrentes do exercício da missão. A confiança e a esperança devem ser características da vida dos discípulos: não importa o que aconteça, não se deve esmorecer nem temer, nem ser paralisado pela perplexidade. É preciso manter a vida apoiada em valores verdadeiros e sólidos. Até o Templo, ornado com tantas riquezas, figura entre as coisas que passam. A linguagem utilizada por Jesus, aqui, para transmitir a sua mensagem é apocalíptica. Em meio às vicissitudes de cada tempo, é preciso atenção e ponderação para não ser enganado pelos arautos e aproveitadores da desgraça. Se Jesus não responde à pergunta de quando e qual o sinal de que a destruição estaria próxima, é para exortar os discípulos à confiança e ao testemunho. No tempo do Espírito, a história é para os cristãos o lugar do testemunho de Cristo” (Reflexão de Pe. Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)
O evangelista Lucas nos narra a preocupação dos discípulos em relação ao fim dos tempos: “Quando vão acontecer essas coisas? Qual sinal identificará que o fim dos tempos está próximo?” Quantas vezes já fizemos os mesmos questionamentos? Catástrofes ambientais, fome e guerras são sinais de que o fim está próximo?

O Evangelho é um convite para não ficarmos apavorados, correndo atrás de sinais e discursos sobre o fim dos tempos. Importante é viver bem o presente, depositando a nossa confiança no Senhor e cultivando valores que não passam e não serão destruídos, como o amor, a misericórdia, a justiça… O futuro pertence a Deus e estamos em suas mãos. Se Cristo é o centro de nossa vida, por que o fim dos tempos nos causa preocupação?

Oração (Vida)
Entregue ao Senhor os frutos da sua oração, da sua meditação e da contemplação da Palavra. Apresente-lhe o apelo que brotou em seu coração e peça-lhe a graça de vivê-lo durante o dia. Faça sua prece de agradecimento ou pedido e conclua com a oração: “Jesus Mestre, agradeço as luzes que me destes nesta meditação. Perdoai-me pelos limites que me impediram de fazê-la melhor. Ofereço-vos a resolução que tomei e que espero viver pela vossa graça. Amém.”

Contemplação (Vida e Missão)
De que forma a Palavra de Deus estará presente neste seu dia? O que você deseja colocar em prática segundo os ensinamentos de Jesus?

Bênção
– Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
– Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
– Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
– Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.