Oração diária, Nem uma só letra ou vírgula serão tiradas da Lei - Mt 5,17-19

3ª Semana da Quaresma – Ano Litúrgico B

07 de março de 2018

ORAÇÃO DO DIA

Pai, livra-me do perigo de reduzir minha obediência aos teus mandamentos à execução mecânica de gestos exteriores. Revela-me, cada vez mais profundamente, a tua vontade.

PRIMEIRA LEITURA: Dt 4,1.5-9

Leitura do Livro do Deuteronômio

Moisés falou ao povo, dizendo: 1“Agora, Israel, ouve as leis e os decretos que eu vos ensino a cumprir, para que, fazendo-o, vivais e entreis na posse da terra prometida que o Senhor Deus de vossos pais vos dará. 5Eis que vos ensinei leis e decretos conforme o Senhor meu Deus me ordenou, para que os pratiqueis na terra em que ides entrar e da qual tomareis posse.
6Vós os guardareis, pois, e os poreis em prática, porque neles está vossa sabedoria e inteligência perante os povos, para que ouvindo todas as leis, digam: ‘Na verdade, é sábia e inteligente esta grande nação!’ 7Pois, qual é a grande nação cujos deuses lhe são tão próximos quanto o Senhor nosso Deus, sempre que o invocamos? 8E que nação haverá tão grande que tenha leis e decretos tão justos, quanto esta lei que hoje vos ponho diante dos olhos? 9Mas toma cuidado! Procura com grande zelo não te esqueceres de tudo o que viste com os próprios olhos, e nada deixes escapar do teu coração por todos os dias de tua vida; antes, ensina-o a teus filhos e netos”.

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

SALMO 147B(147)

          — Glorifica o Senhor, Jerusalém!
— Glorifica o Senhor, Jerusalém!

— Glorifica o Senhor, Jerusalém! Ó Sião, canta louvores ao teu Deus! Pois reforçou com segurança as tuas portas, e os teus filhos em teu seio abençoou.

— Ele envia suas ordens para a terra, e a palavra que ele diz corre veloz. Ele faz cair a neve como lã e espalha a geada como cinza.

— Anuncia a Jacó sua palavra, seus preceitos e suas leis a Israel. Nenhum povo recebeu tanto carinho, a nenhum outro revelou os seus preceitos.

EVANGELHO: Mt 5,17-19

– O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Mateus.
          – Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 17“Não pen­seis que vim abolir a Lei e os Profetas”. Não vim para abolir, mas para dar-lhes pleno cumprimento. 18Em verdade, eu vos digo: antes que o céu e a terra deixem de existir, nem uma só letra ou vírgula serão tiradas da lei, sem que tudo se cumpra.
19Portanto, quem desobedecer a um só desses mandamentos, por menor que seja, e ensinar os outros a fazerem o mesmo, será considerado o menor no Reino dos Céus. Porém, quem os praticar e ensinar será considerado grande no Reino dos Céus.

– Palavra da Salvação
– Glória a vós Senhor.

Comentário do Evangelho

São Mateus procura mostrar que Jesus não rompeu com o judaísmo. Ele manteve os preceitos transmitidos pelo povo de Israel, procurou dar-lhes cumprimento e levá-los à perfeição. No entanto, o próprio Mateus e outras passagens do Novo Testamento dão a entender que Jesus inaugura um novo tempo. Sua encarnação é algo totalmente novo na história da humanidade e na história de Israel. Ele supera tudo o que o antecedeu, até o próprio rei Davi, que o chama de Senhor. Aceitou, porém, as consequências da encarnação, limitando-se num povo concreto, assumindo sua história e suas tradições, também elas limitadas no tempo e no espaço. Tornando-se homem, teve que aceitar uma pátria, uma língua, uma família, um aspecto físico, parentes e conterrâneos. Estamos fazendo uma leitura litúrgica do Tempo da Quaresma e esta leitura nos diz que a Lei e os Profetas continuam em vigor. O que está escrito é Palavra de Deus, e deve ser praticada e ensinada. Isto não significa que o leitor deva aceitar as Escrituras literalmente. Elas são Palavra de Deus redigidas por seres humanos. Deus é o autor principal e os redatores são instrumentos humanos. É preciso distinguir o que é mandamento de Deus do que é simples tradição humana, e ver Deus se revelando na variedade dos acontecimentos da nossa história.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2018’, Paulinas

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
A caminhada quaresmal que somos convidados a percorrer também nos coloca em comunhão com nossos irmãos que, neste tempo litúrgico, se abrem aos apelos de Deus para uma vida nova, renovada, em busca de libertação, reconciliação e paz. Hoje, por meio da escuta da Palavra, renovaremos o nosso compromisso de sermos promotores do Reino: Reino de paz, justiça e fraternidade.
Deixemo-nos conduzir pela ação do Espírito Santo, que reza em nós, dizendo: “Ó divino Espírito, ensina-me tudo quanto Jesus ensinou. Dá-me inteligência para entender; memória para lembrar; vontade dócil para praticar; coração generoso para corresponder aos teus convites. Amém.”

Leitura (Verdade)
Leia o texto. Retome cada palavra e procure compreender seu significado. Qual a importância da Lei e dos Profetas? O que significa o Reino de Deus?
“O modo como Jesus interpreta e põe em prática a lei de Moisés levou muitos de seus contemporâneos a pensar que ele abolia toda a Escritura (a Lei e os Profetas). Certamente, esse juízo se estendeu, ao menos, no embate com o judaísmo rabínico do primeiro século, para a primeira geração de cristãos. Nossa perícope visa dirimir o equívoco. Em Jesus, toda a Escritura encontra a sua realização, e no Ressuscitado, a sua luz e o seu sentido pleno. Para o cristão que lê essas linhas do Evangelho é dado um critério de interpretação do Antigo Testamento: é a partir de Jesus Cristo que a lei e os Profetas devem ser lidos, pois apontam para Ele. Para o cristão, a Lei é pensada a partir do mistério de Jesus Cristo. A centralidade de Jesus Cristo faz com que a exigência primordial do amor e da misericórdia se imponha como condição de autenticidade ou não de determinada interpretação e prática da Lei. O que tem precedência sobre quaisquer outras prescrições legais é o mandamento do amor (cf. Lc 10,25-37). Desse modo, para o cristão a lei de Moisés é válida enquanto ela passa pela interpretação de Jesus” (Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)
Mantenhamos em mente, portanto, que o Reino de Deus é a comunhão com Deus e entre os homens e é para todos. São sinais do Reino a solidariedade com os pobres, a ajuda aos necessitados, a promoção da dignidade, a reconciliação entre os povos… Trazendo a meditação da Palavra para a nossa vida, podemos refletir: “Reconheço que o Reino de Deus está em nosso meio? Preciso de sinais espetaculares para crer no Reino de Deus? Em quais gestos de Jesus reconheço o Reino de Deus acontecendo? De que forma o Reino de Deus continua acontecendo hoje, em nossa vida, em nossa sociedade?” Permaneça alguns instantes em silêncio, escute atentamente a Palavra e deixe que o Senhor lhe fale ao coração.

Oração (Vida)
Em sua oração, apresente ao Senhor as diversas realidades presentes na sociedade. Após cada pedido, reze: “Venha a nós o vosso Reino!” Conclua com a oração que Jesus nos deixou: o Pai-Nosso.

Contemplação (Vida e Missão)
Com a Palavra na mente e no coração, qual atitude você se propõe a viver hoje?

Bênção
– Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
– Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
– Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
– Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Paulinas