Oração diária, Nunca se viu coisa igual em Israel! - Mt 9,32-38

14ª Semana Comum – Ano Litúrgico B

10 de julho de 2018

ORAÇÃO DO DIA

Pai, faze-me compassivo diante do sofrimento de tantos irmãos e irmãs, movendo-me a ser, efetivamente, solidário com eles.

PRIMEIRA LEITURA: Os 8,4-7.11-13

Leitura da Profecia de Oséias – Assim fala o Senhor: 4Eles constituíram reis sem minha vontade; constituíram príncipes sem meu conhecimento; sua prata e seu ouro serviram para fazer ídolos e para sua perdição.
5Teu bezerro, ó Samaria, foi jogado ao chão; minha cólera inflamou-se contra eles. Até quando ficarão sem purificar-se? 6Esse bezerro provém de Israel; um artesão fabricou-o, isso não é um deus; será feito em pedaços esse bezerro da Samaria. 7Semeiam ventos, colherão tempestades; se não há espiga, o grão não dará farinha; e, mesmo que dê, estranhos a comerão.
11Efraim ergueu muitos altares em expiação do pecado, mas seus altares resultaram-lhe em pecado. 12Eu lhes deixei, por escrito, grande número de preceitos, mas estes foram considerados coisa que não lhes toca. 13Gostam de oferecer sacrifícios, imolam carnes e comem; mas o Senhor não os recebe. Antes, o Senhor lembra seus pecados e castiga suas culpas: eles deverão voltar para o Egito.

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

SALMO 113

          — Confia Israel no Senhor.
— Confia Israel no Senhor.

— É nos céus que está o nosso Deus, ele faz tudo aquilo que quer. São os deuses pagãos ouro e prata, todos eles são obras humanas.

— Têm boca e não podem falar, têm olhos e não podem ver; têm nariz e não podem cheirar, têm ouvidos, e não podem ouvir.

— Têm mãos e não podem pegar, têm pés e não podem andar; Como eles serão seus autores, que os fabricam e neles confiam.

— Confia, Israel, no Senhor. Ele é teu auxílio e escudo! Confia, Aarão, no Senhor. Ele é teu auxílio e escudo!

EVANGELHO: Mt 9,32-38

         – O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Mateus.
          – Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 32apresentaram a Jesus um homem mudo, que estava possuído pelo demônio. 33Quando o demônio foi expulso, o mudo começou a falar. As multidões ficaram admiradas e diziam: “Nunca se viu coisa igual em Israel”. 34Os fariseus, porém, diziam: “É pelo chefe dos demônios que ele expulsa os demônios”.
35Jesus percorria todas as cidades e povoados, ensinando em suas sinagogas, pregando o Evangelho do Reino, e curando todo o tipo de doença e enfermidade. 36Vendo Jesus as multidões, compadeceu-se delas, porque estavam cansadas e abatidas, como ovelhas que não têm pastor. Então disse a seus discípulos: 37“A messe é grande, mas os trabalhadores são poucos. 38Pedi pois ao dono da messe que envie trabalhadores para a sua colheita!”

– Palavra da Salvação
– Glória a vós Senhor.

Comentário do Evangelho

Um possesso mudo é um homem que o demônio emudeceu. Jesus expulsa o demônio e devolve a fala ao que era mudo. O demônio o impedia de falar. Fazia isso por si mesmo e fazia por meio de seus agentes colaboradores. O demônio e seus secretários tiram das pessoas alguma coisa que caracteriza o ser humano, diminuindo-o e tornando-o menos humano. Jesus, ao contrário, faz o bem em favor das pessoas. E assim também, se supõe, os seus discípulos, que são os seus agentes colaboradores. O demônio diminui as pessoas, Jesus eleva-as e, curiosamente, é acusado de agir com o poder do demônio. Criticam Jesus, mas ele segue adiante. Vai percorrendo cidades e povoados, sempre ensinando e anunciando a Boa Notícia do Reino. Cura doentes e tem muita pena do povo. Jesus sentia que o povo estava abandonado. Parecia “ovelhas sem pastor”. Um povo desgovernado, atrás de Jesus em busca de cura, de ensinamento e de compreensão. A messe é grande e os operários são poucos. Faltam servidores que se dediquem ao povo.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2018’, Paulinas

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
Enquanto percorria as cidade e aldeias, ensinando e realizando curas, Jesus observou que a multidão estava desamparada, como ovelhas sem pastor. O relato do Evangelho de hoje é o fundamento para o chamado dos doze discípulos e seu envio em missão. Acolhamos as palavras de Jesus e o seu desejo de que muitos operários coloquem-se a serviço da messe.
Rezemos: “Senhor Jesus Cristo, envia sobre nós, como prometeste, teu Espírito Santo. Que Ele nos conceda a vida e nos ensine a plenitude da verdade. Que nele encontremos a salvação, felicidade e plenitude de amor. Amém.”

Leitura (Verdade)
O que diz o texto? Como reage o povo diante da cura do endemoninhado? Por que Jesus comove-se ao observar a multidão? Quem é Jesus segundo o texto? Qual é o apelo final que o texto nos faz?
“O nosso texto começa evocando o episódio da cena de dois cegos. Agora, é a vez de um mudo. A mudez era, segundo a mentalidade da época, atribuída a um demônio. O mal, é verdade, impede de falar bem, distorce as palavras, impede de proclamar as maravilhas de Deus. Mateus não descreve como se deu a cura; limita-se a observar que ‘expulso o demônio, o mudo começou a falar’. Tendo presente Isaías 35,5-6, a cena de um mudo é um sinal dos tempos messiânicos. O contraste entre a reação da multidão e dos fariseus é visado pelo evangelista. Enquanto a multidão reconhece a novidade, os fariseus, ícones da resistência a Jesus, proclamam, pela estreiteza de visão, que em Jesus não há nada de novo, ao contrário, ele é instrumento de Satanás. Por onde passa, o Senhor vai libertando o ser humano de seus males para que possa viver. A sua própria vida é proclamação e testemunho da proximidade do Reino de Deus. Esta Boa-Notícia se realiza pela palavra e pela ação de Jesus em favor das pessoas. É a compaixão que leva Jesus a ir ao encontro das pessoas e a se deixar encontrar por elas” (Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)
O que diz o texto à sua vida? Qual mensagem Jesus comunica a você hoje? Quem é Jesus para você? Você percebe em sua vida enfermidades que o(a) impedem de viver em paz e com alegria? Em quais realidades, hoje, podemos dizer que as pessoas vivem como “ovelhas sem pastor”, desamparadas? Como Jesus, você sente compaixão pelos irmãos que sofrem?

Oração (Vida)
“Jesus, princípio e realização do homem novo, convertei a Vós os nossos corações, para que, deixando as sendas do erro, sigamos os vossos passos no caminho que conduz à vida. Fazei que, fiéis às promessas do batismo, vivamos com coerência a nossa fé, testemunhando com solicitude a vossa palavra, para que, na família e na sociedade, resplandeça a luz vivificante do Evangelho. Jesus, poder e sabedoria de Deus, acendei em nós o amor à Sagrada Escritura, onde ressoa a voz do Pai, que ilumina e abrasa, nutre e consola. Vós, Palavra de Deus Vivo, renovai na Igreja o ardor missionário, para que todos os povos cheguem a conhecer-vos como verdadeiro Filho de Deus e verdadeiro Filho do homem, único Mediador entre o homem e Deus. Jesus, fonte de unidade e de paz, fortalecei a comunhão na vossa Igreja, para que, pela força do vosso Espírito, todos os vossos discípulos sejam um só. Vós que nos destes como regra de vida o mandamento novo do amor, tornai-nos construtores de um mundo solidário, onde a guerra seja suplantada pela paz, e a cultura da morte, pelo empenho em favor da vida. Amém” (São João Paulo II).

Contemplação (Vida e Missão)
O que é pedido à sua vida, aqui e agora? O que você pretende fazer para que isso se concretize?

Bênção
– Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
– Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
– Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
– Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Paulinas