Liturgia diária, A tua fé te salvou - Lc 18,35-43

33ª Semana Comum – Ano Litúrgico B

19 de novembro de 2018

ORAÇÃO DO DIA

Pai, infunde em mim uma fé profunda como a do pobre cego, cujo desejo de ser curado por Jesus levou-o a se abrir para a verdadeira visão que leva à salvação.

PRIMEIRA LEITURA: Ap 1,1-4;2,1-5

Início do Livro do Apocalipse de São João – 1,1Revelação que Deus confiou a Jesus Cristo, para que mostre aos seus servos as coisas que devem acontecer em breve. Jesus as deu a conhecer, através do seu anjo, ao seu servo João. 2Este dá testemunho de que tudo quanto viu é palavra de Deus e testemunho de Jesus Cristo. 3Feliz aquele que lê e aqueles que escutam as palavras desta profecia e também praticam o que nela está escrito. Pois o momento está chegando. 4João às sete Igrejas que estão na região da Ásia: A vós, graça e paz, da parte daquele que é, que era e que vem; da parte dos sete espíritos que estão diante do trono de Deus. 2,1Ouvi o Senhor que me dizia: Escreve ao anjo da Igreja que está em Éfeso: Assim fala aquele que tem na mão direita as sete estrelas, aquele que está andando no meio dos sete candelabros de ouro: 2Conheço a tua conduta, o teu esforço e a tua perseverança. Sei que não suportas os maus. Puseste à prova alguns que se diziam apóstolos e descobriste que não eram apóstolos, mas mentirosos. 3És perseverante. Sofreste por causa do meu nome e não desanimaste. 4Todavia, há uma coisa que eu reprovo: abandonaste o teu primeiro amor. 5Lembra-te de onde caíste! Converte-te e volta à tua prática inicial. Se, pelo contrário, não te converteres, virei depressa e arrancarei o teu candelabro do seu lugar.

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

SALMO 1,1-2.3.4.6

— Ao vencedor concederei comer da Árvore da Vida.
— Ao vencedor concederei comer da Árvore da Vida.

— Feliz é todo aquele que não anda conforme os conselhos dos perversos; que não entra no caminho dos malvados, nem junto aos zombadores vai sentar-se; mas encontra seu prazer na lei de Deus e a medita, dia e noite, sem cessar.

— Eis que ele é semelhante a uma árvore, que à beira da torrente está plantada; ela sempre dá seus frutos a seu tempo, e jamais as suas folhas vão murchar. Eis que tudo o que ele faz vai prosperar.

— Mas bem outra é a sorte dos perversos. Ao contrário, são iguais à palha seca espalhada e dispersada pelo vento. Pois Deus vigia o caminho dos eleitos, mas a estrada dos malvados leva à morte

EVANGELHO:  Lc 18,35-43

– O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Lucas.
          – Glória a vós, Senhor.

35Quando Jesus se aproximava de Jericó, um cego estava sentado à beira do caminho, pedindo esmolas. 36Ouvindo a multidão passar, ele perguntou o que estava acontecendo. 37Disseram-lhe que Jesus Nazareno estava passando por ali. 38Então o cego gritou: “Jesus, filho de Davi, tem piedade de mim!” 39As pessoas que iam na frente mandavam que ele ficasse calado. Mas ele gritava mais ainda: “Filho de Davi, tem piedade de mim!” 40Jesus parou e mandou que levassem o cego até ele. Quando o cego chegou perto, Jesus perguntou: 41“Que queres que eu faça por ti?” O cego respondeu: “Senhor, eu quero enxergar de novo”. 42Jesus disse: “Enxerga, pois, de novo. A tua fé te salvou”. 43No mesmo instante, o cego começou a ver de novo e seguia Jesus, glorificando a Deus. Vendo isso, todo o povo deu louvores a Deus.

– Palavra da Salvação
– Glória a vós Senhor.

Comentário do Evangelho

Sexta etapa. “Eis que estamos subindo a Jerusalém.” Aproximando-se de Jericó, Jesus encontra um mendigo cego sentado na beira do caminho. Ele grita: “Jesus, Filho de Davi, tem compaixão de mim”. “Que queres que eu te faça?”, pergunta Jesus. É cego, é pobre, está na beira da estrada, mas o que é que ele quer? A pergunta de Jesus mostra o respeito pela liberdade daquele ser humano. “Que eu possa ver novamente”, foi a resposta. Não era cego de nascença. “A tua fé te salvou.” Recuperou então a vista e seguiu Jesus, glorificando a Deus. O cego de Jericó gritou: “Filho de Davi, tem compaixão de mim”. Os dez leprosos clamaram: “Mestre, tem compaixão de nós”. O publicano no Templo rezava: “Meu Deus, tem piedade de mim, pecador”. Tendo aprendido com eles, repitamos muitas vezes: “Senhor Jesus Cristo, tende piedade de mim”. Desfiando as contas de um komboskini grego ou um tchotki russo, do terço bizantino ou do nosso terço, repita calmamente a jaculatória que se tornará em você a “oração do coração”.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2018’, Paulinas.

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
Memória litúrgica dos Santos Roque, Afonso e João, presbítero e mártires. Mais uma vez nos encontramos com o Senhor que nos revela o seu amor e a sua misericórdia. Como o cego à beira do caminho, possamos reconhecer o Senhor que passa em nossa vida e nos dirigir a ele com fé, pedindo: “Jesus, Filho de Davi, tem compaixão de mim”.
Rezemos: Jesus Mestre, cremos com viva fé que estais aqui presente, para indicar-nos o caminho que leva ao Pai. Iluminai nossa mente, movei nosso coração, para que esta meditação produza em nós frutos de vida. Amém.

Leitura (Verdade)
O que diz o texto? Quais palavras mais se repetem? Por que as pessoas tentam calar os gritos do cego? Qual elemento foi fundamental para que Jesus realizasse a cura?
“Jericó é um verdadeiro oásis em meio ao deserto, distante uns vinte quilômetros de Jerusalém. A cidade era imagem do paraíso. Por onde o Senhor passa ele vai despertando a esperança e a fé na vida. O cego, ao que o relato nos possibilita compreender, já tinha conhecimento da fama de Jesus, fama que, aliás, se espalhava cada vez mais. Por isso, ao ouvir da multidão que Jesus de Nazaré estava passando, ele grita suplicando por compaixão. A multidão não foi capaz de conter o seu grito repleto de confiança e esperança de poder ver. O Senhor não é alheio à voz do sofrimento do seu povo (cf. Ex 3,7-9). Estando face a face com Jesus, que mandou buscá-lo, ele é provocado no seu desejo mais profundo pela pergunta que Jesus lhe dirige. Ver é o que ele deseja. A fé salva, a fé ilumina, faz ver; é a fé que arranca da escuridão e conduz à luz. O desejo do cego devia ser o desejo de todo verdadeiro discípulo, isto é, ser iluminado pela fé. A fé em Jesus não foi a causa da cura do cego, mas a condição para deixar-se iluminar e receber a visão como dom. A consequência da iluminação da fé é o seguimento de Jesus Cristo” (Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)
O que diz o texto para mim? Qual ensinamento a Palavra de Deus nos revela? Quais são as cegueiras que me envolvem? De quais cegueiras desejo ser curado(a)? Como vivo a minha fé no Filho de Davi?
Que neste dia possamos estar atentos ao Senhor que passa nos caminhos da nossa vida. Com humildade reconheçamos as nossas cegueiras e peçamos que ele nos cure e nos ajude a ver a vida com olhos de esperança, de coragem… O Senhor está sempre atento ao nosso grito e também nos pergunta: “Que queres que eu te faça?”. Com a mesma fé do homem cego peçamos: “meu Mestre, que eu veja!”

Oração (Vida)
Momento de oração. Agradeça pela riqueza da Palavra de Deus e pelos ensinamentos escondidos em cada palavra. Agradeça pelos convites, apelos, desafios que o Senhor te convida a viver neste dia. Peça ao Senhor a graça de viver o despojamento, a humildade, a simplicidade do coração, peça também a graça da conversão.

Contemplação (Vida e Missão)
Com a Palavra de Deus na mente e no coração, qual atitude me proponho viver no dia de hoje?

Bênção
– Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
– Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
– Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
– Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Paulinas