Oração diária, O Discípulo bem formado será como o mestre - Lc 6,39-45

8º Domingo do Tempo Comum – Ano Litúrgico C

03 de março de 2019

ORAÇÃO DO DIA

Espírito de testemunho, seja o meu modo de viver uma proclamação viva dos valores do Reino, no qual as pessoas possam espelhar-se.

PRIMEIRA LEITURA: Eclo 27,5-8


Leitura do Livro do Eclesiástico – 5Quando a gente sacode a peneira, ficam nela só os refugos; assim os defeitos de um homem aparecem no seu falar. 6Como o forno prova os vasos do oleiro, assim o homem é provado em sua conversa. 7O fruto revela como foi cultivada a árvore; assim, a palavra mostra o coração do homem. 8Não elogies a ninguém antes de ouvi-lo falar, pois é no falar que o homem se revela.

  • Palavra do Senhor.
    – Graças a Deus.

SALMO 91

— Como é bom agradecermos ao Senhor!

— Como é bom agradecermos ao Senhor!

— Como é bom agradecermos ao Senhor e cantar salmos de louvor ao Deus Altíssimo! Anunciar pela manhã vossa bondade, e o vosso amor fiel, a noite inteira.

— O justo crescerá como a palmeira, florirá igual ao cedro que há no Líbano; na casa do Senhor estão plantados, nos átrios de meu Deus florescerão.

— Mesmo no tempo da velhice darão frutos, cheios de seiva e de folhas verdejantes; e dirão: “É justo mesmo o Senhor Deus: meu Rochedo, não existe nele o mal!”

SEGUNDA LEITURA: 1Cor 15,54-58

Leitura da primeira Carta de São Paulo aos Coríntios – Irmãos, 54quando este ser corruptível estiver vestido de incorruptibilidade e este ser mortal estiver vestido de imortalidade, então estará cumprida a palavra da Escritura: “A morte foi tragada pela vitória. 55Ó morte, onde está a tua vitória? Onde está o teu aguilhão?” 56O aguilhão da morte é o pecado, e a força do pecado é a lei. 57Graças sejam dadas a Deus, que nos dá a vitória pelo Senhor nosso, Jesus Cristo. 58Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e inabaláveis, empenhando-vos cada vez mais na obra do Senhor, certos de que vossas fadigas não são em vão, no Senhor.

  • Palavra do Senhor.
    – Graças a Deus.

EVANGELHO: Lc 6,39-45

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo  segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 39Jesus contou uma parábola aos discípulos: “Pode um cego guiar outro cego? Não cairão os dois num buraco? 40Um discípulo não é maior do que o mestre; todo discípulo bem formado será como o mestre. 41Por que vês tu o cisco no olho do teu irmão e não percebes a trave que há no teu próprio olho? 42Como podes dizer a teu irmão: ‘Irmão, deixa-me tirar o cisco do teu olho’, quando tu não vês a trave no teu próprio olho? Hipócrita! Tira primeiro a trave do teu olho, e então poderás enxergar bem para tirar o cisco do olho do teu irmão. 43Não existe árvore boa que dê frutos ruins nem árvore ruim que dê frutos bons. 44Toda árvore é reconhecida pelos seus frutos. Não se colhem figos de espinheiros nem uvas de plantas espinhosas. 45O homem bom tira coisas boas do bom tesouro do seu coração. Mas o homem mau tira coisas más do seu mau tesouro, pois sua boca fala do que o coração está cheio”.  

  • Palavra da Salvação
    – Glória a vós Senhor.

Comentário do Evangelho

Nos domingos da primeira parte do Tempo Comum, Jesus anuncia o seu projeto. O Evangelho de Lucas nos diz que Jesus veio estabelecer definitivamente o Ano da Graça do Senhor, que é o Ano Santo da Misericórdia de forma permanente. Hoje, terminando esta primeira parte do Tempo Comum, Jesus nos adverte de que um cego não pode guiar outro cego para que não caiam os dois num buraco. Um dos dois tem que enxergar bem. Enxergar bem é uma expressão que se aplica ao exercício da correção fraterna, tão importante na qualidade das nossas relações. Ajudamos uns aos outros, sobretudo, quando aceitamos ser corrigidos. Ninguém é perfeito, temos todos limitações e podemos nos ajudar a partir do que nós mesmos experimentamos em nossa fraqueza. O que não podemos é exigir dos outros o que não exigimos de nós mesmos. Não podemos corrigir alguém quando não nos corrigimos e não aceitamos nenhuma correção. Nossa vida deve ser pautada pela verdade e não pela hipocrisia. Olhemos os frutos. Olhemos para o nosso coração. Dele brotam as intenções boas e más. Se quem enche o nosso coração é o Espírito Santo de Deus, dele sairão pontes que aproximam e unem, impulsos para encurtar distâncias, projetos de misericórdia. O colaborador do projeto de Jesus tem um coração sincero.
O livro do Eclesiástico chama a atenção para as palavras que saem da nossa boca. Para ser sinceras, devem Corresponder ao que temos no coração. Devem ser palavras que “provêm do pensamento do coração”, diz o texto. Acontece que falamos sem pensar, que nos precipitamos e, depois, nos arrependemos do que dissemos. No entanto, a palavra exterior pode não corresponder à palavra interior e isto de propósito, de forma consciente. Aí está a hipocrisia, aí está a falsidade. Portanto, não elogie ninguém antes de ouvi-lo falar: esta é a pedra de toque das pessoas.
São Paulo exorta os coríntios “a serem firmes, inabaláveis, a progredir sempre na obra do Senhor, certos de que suas fadigas não são em vão”. Este é o nosso esforço diário para vencer as forças da morte que nos cercam constantemente. A morte deve ser tragada pela vitória da ressurreição. Um dia isso acontecerá, quando o que em nós é corruptível se revestir de imortalidade. Enquanto isto não acontece, enquanto estamos a caminho, lutamos para viver na verdade. Somos todos pecadores, somos todos fracos e incoerentes. Contamos, porém, com a graça de Deus, dada a todos os que a querem receber pelo sangue de Jesus derramado na cruz. Sabemos que em nós há sombras e luzes, assim como sabemos que as trevas não puderam impedir o brilho da luz do Verbo de Deus. Quando nos dizem que não podemos tirar o cisco do olho do nosso irmão porque há uma trave em nosso próprio olho, estamos sendo exortados a cultivar a verdade em nossas atitudes, a sermos transparentes e não impedirmos a transparência da Comunidade dos Discípulos de Jesus, que é a Igreja. A boca fala daquilo que o coração está cheio. Somos templos do Espírito Santo e é dele que o nosso coração está cheio. Por isso, as palavras que saem da nossa boca serão sempre marcadas pelo amor; serão sempre palavras de ânimo e de incentivo, palavras que levantam quem está caído e devolvem a quem desanimou a vontade de viver. Afinal, a Palavra que está em nós é aquela que se fez carne.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2019’, Paulinas.

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
Liturgia do 8º domingo do Tempo Comum. Pela escuta e meditação da Palavra, somos convidados pelo Senhor a viver duas de suas exortações: não julgar os outros e combater a hipocrisia. Que o Espírito Santo venha em nosso auxílio e nos mostre o caminho que a Palavra deseja realizar na vida de cada um de nós.
Rezemos: “Senhor Jesus Cristo, envia sobre nós, como prometeste, teu Espírito Santo. Que Ele nos conceda a vida e nos ensine a plenitude da verdade. Que nele encontremos salvação, felicidade e plenitude de amor. Amém.”

Leitura (Verdade)
O que diz o texto? A quem Jesus está instruindo? Quais são as suas exortações? Qual caminho Ele nos aponta?
“Nós não temos acesso, ou muito dificilmente o temos, ao lugar original das parábolas contadas por Jesus. A parábola de nossa perícope de hoje pode se referir às exigências precedentes. Quem é o ‘guia cego’ de que fala a parábola? (v. 39). Parece ser o discípulo que não se submete ao seu Mestre, ou que não vê os outros com os olhos de misericórdia de Jesus; é o que resiste à identificação com o seu Senhor: ‘Todo discípulo bem formado será como o mestre’ (v. 40). A parábola da palha e da trave (vv. 41-­42) apela para a necessidade de autocrítica e misericórdia: ‘Como podes dizer a teu irmão: ‘Irmão, deixa-me tirar o cisco do teu olho’, quando não percebes a trave que está no teu próprio olho?’ (v. 42). A trave não permite enxergar bem; ela distorce ou diminui a visão. A trave no olho equivale à cegueira ou estreiteza de visão e impossibilita a não importa quem se arrogar o direito de ser juiz de seu semelhante” (Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)
O que o texto diz a você hoje? Como você acolhe os ensinamentos de Jesus em sua vida? Qual é o caminho para não julgarmos os outros? E para combatermos a hipocrisia? O que leva o ser humano a agir com julgamentos e hipocrisia? O que o Senhor o(a) convida a viver neste dia? Quais sentimentos a Palavra desperta em você?
“Só pode ser discípulo quem se identifica com seu mestre. Do contrário, será uma grande perda de tempo ou mesmo um grande problema para o mestre em ter de administrar alguém que não comunga de suas ideias e pensamentos. A esse discípulo, Jesus chama de cego. Essa cegueira é um fechamento do coração, muito mais do que dos olhos, em relação aos ensinamentos recebidos. Toda crítica desprovida de autocrítica é sempre um veneno terrível. Qualquer pessoa com ciscos nos olhos é incapacitada de enxergar plenamente. Aí se dão as visões distorcidas de si mesmo e consequentemente dos outros. Por isso, só o amor e a misericórdia darão parâmetros para um comportamento humanizante e sem julgamentos prévios” (Frei Mário Sérgio Souza, em “Viver a Palavra”, da Paulinas Editora).

Oração (Vida)
Peçamos que o Espírito Santo transforme o nosso coração:
“Ó Espírito Santo! Dai-me um coração grande, aberto à vossa silenciosa e forte palavra inspiradora; fechado a todas as ambições mesquinhas, alheio a qualquer desprezível competição humana, compenetrado do sentido da Santa Igreja! Um coração grande, desejoso de se tornar semelhante ao Coração do Senhor Jesus. Um coração grande e forte, para amar a todos, para servir a todos, para sofrer por todos. Um coração grande e forte, para superar todas as provações, todo tédio, todo cansaço, toda ofensa, toda desilusão. Um coração grande e forte e constante até o sacrifício, quando for necessário. Um coração cuja felicidade é palpitar com o coração de Cristo e cumprir humilde e fielmente a vontade do Pai. Amém” (Papa Paulo VI).

Contemplação (Vida e Missão)
Como você pretende viver concretamente, durante o dia, os apelos que o Senhor lhe fez por meio de sua Palavra?

Bênção

  • Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
  • Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
  • Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
  • Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Paulinas