Liturgia diária, Senhor também do sábado - Lc 6,1-5

22ª Semana do Tempo Comum – Ano Litúrgico C

07 de setembro de 2019

ORAÇÃO DO DIA

Pai, torna-me sensato na prática das exigências religiosas, para eu buscar, em primeiro lugar, o que realmente é do teu agrado e está a serviço da vida, cuja fonte és tu.

PRIMEIRA LEITURA: Cl 1,21-23

Leitura da carta de são Paulo aos Colossenses – Irmãos, 21Há bem pouco tempo, sendo vós alheios a Deus e inimigos pelos vossos pensamentos e obras más, 22eis que agora ele vos reconciliou pela morte de seu corpo humano, para que vos possais apresentar santos, imaculados, irrepreensíveis aos olhos do Pai. 23Para isto, é necessário que permaneçais fundados e firmes na fé, inabaláveis na esperança do Evangelho que ouvistes, que foi pregado a toda criatura que há debaixo do céu, e do qual eu, Paulo, fui constituído ministro

  • Palavra do Senhor.
    – Graças a Deus.

SALMO 53(54)

          — Quem me protege e me ampara é meu Deus.
— Quem me protege e me ampara é meu Deus.

 Por vosso nome, salvai-me, Senhor; e dai-me a vossa justiça! Ó meu Deus, atendei minha prece e escutai as palavras que eu digo!

— Quem me protege e me ampara é meu Deus; é o Senhor quem sustenta minha vida! Quero ofertar-vos o meu sacrifício de coração e com muita alegria; quero louvar, ó Senhor, vosso nome, quero cantar vosso nome que é bom!

EVANGELHO: Lc 6,1-5

          – O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Lucas.
          – Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 1Em dia de sábado, Jesus atravessava umas plantações; seus discípulos iam colhendo espigas (de trigo), as debulhavam na mão e comiam. 2Alguns dos fariseus lhes diziam: Por que fazeis o que não é permitido no sábado? 3Jesus respondeu: Acaso não tendes lido o que fez Davi, quando teve fome, ele e os seus companheiros; 4como entrou na casa de Deus e tomou os pães da proposição e deles comeu e deu de comer aos seus companheiros, se bem que só aos sacerdotes era permitido comê-los? 5E ajuntou: O Filho do Homem é senhor também do sábado.

  • Palavra da Salvação
    – Glória a vós Senhor.

Comentário do Evangelho

Os discípulos de Jesus não jejuavam e não observavam o sábado. Certamente jejuavam, mas na hora em que deviam jejuar. Quanto ao repouso sabático, eles o observavam como deve ser observado. Era um dia de sábado e eles estavam com fome. Passando por uma plantação de trigo, colheram algumas espigas, debulharam os grãos e comeram. Foram criticados por terem feito o que não era permitido em dia de sábado. No dia de sábado não é permitido dar de comer a quem tem fome? Jesus responde com o exemplo do rei Davi, que comeu os pães das oferendas do Tabernáculo. São Lucas conclui dizendo simplesmente que “o Filho do Homem é senhor até do sábado”, dando a entender que ele tinha autoridade para permitir exceções na observância do repouso sabático, ao menos para alguém que está com fome. São Mateus dirá que Jesus é maior do que o Templo e no Templo o trabalho da preparação dos sacrifícios não permitia o repouso sabático. São Marcos, por sua vez, diz que o sábado foi feito para o homem e não o homem para o sábado. Assim se conclui que qualquer ser humano está acima do sábado, porque verdadeiramente sagrado aos olhos de Deus é o ser humano, que ele criou à sua imagem e semelhança, para quem também criou o repouso sabático.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2019’, Paulinas

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
A Palavra de Deus proposta para o nosso dia nos fala da misericórdia. Mais do que ofertas e sacrifícios, o Senhor espera de nós a vivência da misericórdia, que é fruto do amor. Silenciando seu coração, repita algumas vezes a oração: “Jesus Mestre, iluminai minha mente, movei meu coração, para que esta meditação produza em mim frutos de vida. Amém.”

Leitura (Verdade)
O que diz o texto? Qual é o tema central da narrativa? Qual é o motivo da crítica dos fariseus? Qual é o significado do sábado para o povo? Qual é o ensinamento de Jesus?
“O descanso sabático está no centro da controvérsia de Jesus com os fariseus. O que predomina, segundo os evangelhos, na visão dos fariseus sobre o sábado são as interdições. Fica esquecida a finalidade primeira do sábado: recordando o dom da vida e de toda criação e os sofrimentos da escravidão do Egito da qual o povo foi libertado por Deus, deviam imitar a misericórdia de Deus (Lc 13,15-16). Diante do rigorismo legalista, a concepção do sábado como dom de Deus (Ex 16,29), para fazer memória do dom da vida e da liberdade, praticamente desaparece. Para os fariseus, arrancar espigas para comê-las, no dia de sábado, era transgredir o descanso sabático. No entanto, a Torá permite a colheita de espigas, contanto que não se utilize a foice (Dt 23,36). À objeção dos fariseus, Jesus responde recorrendo ao exemplo de Davi (1Sm 21,1-10). A fome e a necessidade de manterem a vida em boas condições justificaram a atitude do monarca. O exemplo de Davi é um exemplo de peso que justifica e ilustra a defesa que Jesus faz da atitude dos seus discípulos. No novo tempo da presença do Senhor que assumiu a nossa humanidade, o sábado é tempo privilegiado de manifestação do seu poder salvador. O tempo está submetido a ele, e não ele ao tempo” (Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)
O que o texto diz a você hoje? Como você acolhe os ensinamentos de Jesus em sua vida?
“Jesus sempre respeitou a sacralidade do sábado. Ele rezava nas sinagogas, explicava as Sagradas Escrituras. Enfim, era um religioso cumpridor dos seus deveres. O que o inquietava eram as inversões de valores ou mesmo um equívoco interpretativo da lei. Ora, a lei está em função da vida, e nunca o contrário. A observância do sábado não trazia, em seu bojo, o desprezo pela vida das pessoas. A fome não pode esperar o domingo chegar. Cuidar da vida, matar a fome ou curar um doente não é um trabalho, mas um gesto de misericórdia. Isso o Senhor deixa claro. Jesus Cristo é Senhor do sábado e de tudo mais que existe. A vida em primeiro lugar!” (Frei Mário Sérgio Souza, em “Viver a Palavra”, da Paulinas Editora).

Oração (Vida)
Consagração à misericórdia divina
“Ó misericordioso Jesus, infinita é a vossa bondade e inesgotáveis os tesouros da vossa graça! Confio inteiramente na vossa misericórdia que está acima de todas as vossas obras. Consagro-me a viver inteiramente no brilho esplendoroso de graça e amor que brotaram do vosso Sagrado Coração na cruz. Desejo imitar-vos, praticando as obras de misericórdia espirituais e corporais, particularmente na conversão dos pecadores e dando auxílio, coragem e consolação a todos os pobres, infelizes ou doentes. Cuidai de mim, doravante, como consagrado vosso e vossa própria glória. Tudo receio da minha fraqueza, mas tudo espero da vossa misericórdia. Fazei com que toda a humanidade conheça o mistério insondável da vossa misericórdia e que ponha toda a confiança em Vós e vos adore para sempre. Amém.”

Contemplação (Vida e Missão)
Qual é a aplicação da Palavra em sua vida? O que você se propõe a viver hoje? Como pretende atingir esse propósito?

Bênção

  • Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
  • Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
  • Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
  • Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Paulinas