Oração diária, O Filho prodigo - Lc 15,1-3.11-32

4º Domingo da Quaresma – Ano Litúrgico C

31 de março de 2019

ORAÇÃO DO DIA

Espírito de conversão, dá-me a graça de superar meu modo mesquinho de pensar, o qual me impede de estar em sintonia com o Pai.

PRIMEIRA LEITURA: Js 5,9a.10-12

Livro de Josué – Naqueles dias, 9ao Senhor disse a Josué: “Hoje tirei de cima de vós o opróbrio do Egito”. 
10Os israelitas ficaram acampados em Guilgal e celebraram a Páscoa no dia catorze do mês, à tarde, na planície de Jericó. 
11No dia seguinte à Páscoa, comeram dos produtos da terra, pães sem fermento e grãos tostados nesse mesmo dia. 
12O maná cessou de cair no dia seguinte, quando comeram dos produtos da terra. Os israelitas não mais tiveram o maná. Naquele ano comeram dos frutos da terra de Canaã.

  • Palavra do Senhor.
    – Graças a Deus.

SALMO 34(33)

          — Provai e vede quão suave é o Senhor!
— Provai e vede quão suave é o Senhor!

— Bendirei o Senhor Deus em todo o tempo,/ seu louvor estará sempre em minha boca./ Minha alma se gloria no Senhor;/ que ouçam os humildes e se alegrem! 

— Comigo engrandecei ao Senhor Deus,/ exaltemos todos juntos o seu nome!/ Todas as vezes que o busquei, ele me ouviu,/ e de todos os temores me livrou. 

— Contemplai a sua face e alegrai-vos,/ e vosso rosto não se cubra de vergonha!/ Este infeliz gritou a Deus e foi ouvido,/ e o Senhor o libertou de toda angústia.

SEGUNDA LEITURA: : 2Cor 5,17-21

Segunda Carta de São Paulo apóstolo aos Coríntios – Irmãos: 17Se alguém está em Cristo, é uma criatura nova. O mundo velho desapareceu. Tudo agora é novo. 18E tudo vem de Deus, que, por Cristo, nos reconciliou consigo e nos confiou o ministério da reconciliação. 
19Com efeito, em Cristo, Deus reconciliou o mundo consigo, não imputando aos homens as suas faltas e colocando em nós a palavra da reconciliação. 
20Somos, pois, embaixadores de Cristo, e é Deus mesmo que exorta através de nós. Em nome de Cristo, nós vos suplicamos: deixai-vos reconciliar com Deus. 
21Aquele que não cometeu nenhum pecado, Deus o fez pecado por nós, para que nele nós nos tornemos justiça de Deus.

  • Palavra do Senhor.
    – Graças a Deus.

EVANGELHO:  Lc 15,1-3.11-32

         – O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
          – Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Lucas.
          – Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 1os publicanos e pecadores aproximavam-se de Jesus para o escutar. 2Os fariseus, porém, e os mestres da Lei criticavam Jesus: “Este homem acolhe os pecadores e faz refeição com eles”. 
3Então Jesus contou-lhes esta parábola:
11“Um homem tinha dois filhos. 12O filho mais novo disse ao pai: ‘Pai, dá-me a parte da herança que me cabe’. E o pai dividiu os bens entre eles. 
13Poucos dias depois, o filho mais novo juntou o que era seu e partiu para um lugar distante. E ali esbanjou tudo numa vida desenfreada. 14Quando tinha gasto tudo o que possuía, houve uma grande fome naquela região, e ele começou a passar necessidade. 
15Então foi pedir trabalho a um homem do lugar, que o mandou para seu campo cuidar dos porcos. 16O rapaz queria matar a fome com a comida que os porcos comiam, mas nem isto lhe davam. 
17Então caiu em si e disse: ‘Quantos empregados do meu pai têm pão com fartura, e eu aqui, morrendo de fome. 18Vou-me embora, vou voltar para meu pai e dizer-lhe: Pai, pequei contra Deus e contra ti; 19já não mereço ser chamado teu filho. Trata-me como a um dos teus empregados’.
20Então ele partiu e voltou para seu pai. Quando ainda estava longe, seu pai o avistou e sentiu compaixão. Correu-lhe ao encontro, abraçou-o e cobriu-o de beijos. 
21O filho, então, lhe disse: ‘Pai, pequei contra Deus e contra ti. Já não mereço ser chamado teu filho’.
22Mas o pai disse aos empregados: ‘Trazei depressa a melhor túnica para vestir meu filho. E colocai um anel no seu dedo e sandálias nos pés. 23Trazei um novilho gordo e matai-o. Vamos fazer um banquete.24Porque este meu filho estava morto e tornou a viver; estava perdido e foi encontrado’. E começaram a festa. 
25O filho mais velho estava no campo. Ao voltar, já perto de casa, ouviu música e barulho de dança.26Então chamou um dos criados e perguntou o que estava acontecendo. 
27O criado respondeu: ‘É teu irmão que voltou. Teu pai matou o novilho gordo, porque o recuperou com saúde’. 
28Mas ele ficou com raiva e não queria entrar. O pai, saindo, insistia com ele. 29Ele, porém, respondeu ao pai: ‘Eu trabalho para ti há tantos anos, jamais desobedeci a qualquer ordem tua. E tu nunca me deste um cabrito para eu festejar com meus amigos. 30Quando chegou esse teu filho, que esbanjou teus bens com prostitutas, matas para ele o novilho cevado’. 
31Então o pai lhe disse: ‘Filho, tu estás sempre comigo, e tudo o que é meu é teu. 32Mas era preciso festejar e alegrar-nos, porque este teu irmão estava morto e tornou a viver; estava perdido, e foi encontrado’. 

  • Palavra da Salvação
    – Glória a vós Senhor.

Comentário do Evangelho

Estamos na Quaresma, tempo de conversão. Há uma conversão que se faz necessária, sobretudo para aquelas pessoas preocupadas com regras e normas e até com a observância dos mandamentos. Tudo é bom no seu devido lugar. O próprio Deus deve estar no seu devido lugar em nosso mundo e em nossa mente, para não se tornar uma falsa divindade criada por nós. Deus criou o ser humano e está interessado na sua felicidade. O Pai se alegra com o bem de seus filhos. Para podermos participar da alegria do Pai, temos que percorrer um caminho de conversão. Conversão de mentalidade, conversão de visão. A liturgia nos faz ouvir hoje a proclamação do Evangelho da Misericórdia. Escreve o evangelista que “todos os publicanos e pecadores aproximavam-se de Jesus para o escutar”. “Todos”, diz o texto, e aproximavam-se sem medo, embora com a consciência de que nem tudo estava certo na vida deles. Não se consideravam justos. Os “justos” murmuravam contra Jesus. Jesus conta então a parábola do filho esbanjador, de seu irmão mal-humorado e do pai amoroso. Não há amor nem abertura nos filhos, mas há muita misericórdia e compreensão no coração do pai. O único bom é o pai, que abraça os filhos, mesmo sabendo que são mais interesseiros do que amorosos. A parábola convida os escribas e os fariseus a se alegrarem por ver Jesus com os pecadores. Cegos pela compreensão errada que têm da justiça e da fidelidade à Lei, as autoridades religiosas do Templo não compreendiam a misericórdia de Deus. Elas, e todos hoje que não compreendem a misericórdia, precisam de conversão.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2019’, Paulinas

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
Liturgia do 4º domingo da Quaresma. Nesta leitura orante da Palavra, peçamos a graça de sermos tocados pelos ensinamentos de Jesus. Rezemos: “Ó divino Espírito, ensina-me tudo quanto Jesus ensinou. Dá-me inteligência para entender; memória para lembrar; vontade dócil para praticar; coração generoso para corresponder aos teus convites. Amém.”

Leitura (Verdade)
O que diz o texto bíblico? Leia-o pausadamente. Depois, feche os olhos e reconstrua a narrativa em sua mente. Quais são os personagens principais da narrativa? Como é a relação entre eles? Quais sentimentos estão presentes nos diálogos?
“Lucas observa que os escribas e os fariseus murmuram contra Jesus. Aqui, a murmuração diz respeito à boa acolhida que Jesus dá aos pecadores, inclusive aceitando comer na casa deles. Deus é bom para com todos, indistintamente. As parábolas de Lucas 15 são a resposta de Jesus à murmuração dos escribas e dos fariseus. A atitude de Jesus está enraizada no modo como Deus age e cuida das pessoas. O tema da alegria de Deus pela conversão de um único pecador está presente nas três parábolas (vv. 7.10.23-24.31-32). A terra deve imitar o céu: se há alegria no céu pela conversão de um único pecador, deve haver também na terra. Na terceira parábola, a do ‘Pai misericordioso’, a alegria do Pai contrasta com a atitude de raiva e murmuração do filho mais velho. Tem-se a impressão de que a parábola identifica a atitude dos fariseus e dos escribas com a atitude do filho mais velho. O filho mais velho é convidado a vencer o rancor e o ódio para entrar no coração misericordioso do Pai. A acolhida ao filho mais novo não é aceitação do que ele fez, é perdão e oferta de uma nova vida. Do leitor do evangelho é exigido imitar a atitude do Pai. Deus é rico em amor; amemo-nos uns aos outros como o Senhor nos amou” (Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)
Qual palavra encontrou sintonia com a realidade que você está vivendo? Quais sentimentos o texto desperta em você?
“A Palavra de Jesus tocava o coração dos que se assumiam pecadores. Era forte o impacto daquelas verdades. Ninguém podia ficar indiferente aos apelos da misericórdia. Sobretudo, palavras de acolhimento e menos de julgamento. O objetivo era que o pecador mudasse de vida e voltasse para o colo do Pai. Mas havia sempre aqueles que não aceitavam a novidade trazida por Jesus. Há pessoas que não se alegram com a mudança de vida do outro. E pior: não acreditavam que Deus poderia abençoar a escória da sociedade do seu tempo. Mas o Pai é Misericórdia infinita e tem sempre os braços abertos para acolher e perdoar os que tiverem a coragem de sair da lama dos seus pecados. Voltemos ao Senhor!” (Frei Mário Sérgio Souza, em “Viver a Palavra”, da Paulinas Editora).

Oração (Vida)
Momento de oração. Agradeça a riqueza da Palavra de Deus e os ensinamentos escondidos em cada palavra. Agradeça os convites, apelos, desafios que o Senhor o(a) convida a viver neste dia. Peça ao Senhor a graça de viver com profundidade este tempo que a liturgia nos apresenta, a graça do encontro com o Pai misericordioso, a graça do despojamento, da humildade, da simplicidade do coração, da conversão pessoal.

Contemplação (Vida e Missão)
O encontro com a Palavra, fonte de vida, gera novas relações e recria comunhão. Com a Palavra na mente e no coração, o que você se propõe a viver hoje?

Bênção

  • Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
  • Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
  • Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
  • Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Paulinas