Oração diária, Dias virão em que o noivo lhes será tirado - Mc 2,18-22

2ª Semana do Tempo Comum – Ano Litúrgico C

21 de janeiro de 2019

ORAÇÃO DO DIA

Pai, a presença de Jesus na nossa história é motivo de grande alegria. Que a minha alegria consista em construir um mundo de amor e de fraternidade, como ele nos ensinou.

PRIMEIRA LEITURA: Hb 5,1-10

Leitura da Carta aos Hebreus – 1Todo sumo sacerdote é tirado do meio dos homens e instituído em favor dos homens nas coisas que se referem a Deus, para oferecer dons e sacrifícios pelos pecados. 2Sabe ter compaixão dos que estão na ignorância e no erro, porque ele mesmo está cercado de fraqueza. 3Por isso, deve oferecer sacrifícios tanto pelos pecados do povo, como pelos seus próprios. 4Ninguém deve atribuir-se esta honra, senão o que foi chamado por Deus, como Aarão. 5Deste modo, também Cristo não se atribuiu a si mesmo a honra de ser sumo sacerdote, mas foi aquele que lhe disse: “Tu és o meu Filho, eu hoje te gerei”. 6Como diz em outra passagem: “Tu és sacerdote para sempre, na ordem de Melquisedec”. 
7Cristo, nos dias de sua vida terrestre, dirigiu preces e súplicas, com forte clamor e lágrimas, àquele que era capaz de salvá-lo da morte. E foi atendido, por causa de sua entrega a Deus. 8Mesmo sendo Filho, aprendeu o que significa a obediência a Deus por aquilo que ele sofreu. 9Mas, na consumação de sua vida, tornou-se causa de salvação eterna para todos os que lhe obedecem. 10De fato, ele foi por Deus proclamado sumo sacerdote na ordem de Melquisedec.

  • Palavra do Senhor.
    – Graças a Deus.

SALMO 109

          — Tu és sacerdote eternamente segundo a ordem do rei Melquisedec!
— Tu és sacerdote eternamente segundo a ordem do rei Melquisedec!

— Palavra do Senhor ao meu Senhor: “Assenta-te ao lado meu direito até que eu ponha os inimigos teus como escabelo por debaixo de teus pés!”

— O Senhor estenderá desde Sião vosso cetro de poder, pois Ele diz: “Domina com vigor teus inimigos;

— tu és príncipe desde o dia em que nasceste; na glória e esplendor da santidade, como o orvalho, antes da aurora, eu te gerei!”

— Jurou o Senhor e manterá sua palavra: “Tu és sacerdote eternamente, segundo a ordem do rei Melquisedec!”

EVANGELHO:  Mc 2,18-22

         – O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
          – Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Marcos.
          – Glória a vós, Senhor.

         Naquele tempo, 18os discípulos de João Batista e os fariseus estavam jejuando. Então, vieram dizer a Jesus: “Por que os discípulos de João e os discípulos dos fariseus jejuam, e os teus discípulos não jejuam?”
19Jesus respondeu: “Os convidados de um casamento poderiam, por acaso, fazer jejum, enquanto o noivo está com eles? Enquanto o noivo está com eles, os convidados não podem jejuar. 20Mas vai chegar o tempo em que o noivo será tirado do meio deles; aí, então, eles vão jejuar.
21Ninguém põe um remendo de pano novo numa roupa velha; porque o remendo novo repuxa o pano velho e o rasgão fica maior ainda. 22Ninguém põe vinho novo em odres velhos; porque o vinho novo arrebenta os odres velhos e o vinho e os odres se perdem. Por isso, vinho novo em odres novos”

  • Palavra da Salvação
    – Glória a vós Senhor.

Comentário do Evangelho

Joanitas e fariseus jejuavam. Por que os discípulos de Jesus não jejuavam? A pergunta foi feita e a resposta dada pareceu um pouco enigmática. Jesus respondeu que os convidados não jejuam numa festa de casamento enquanto o noivo está com eles, e que um dia o noivo seria tirado e então jejuariam. Ele se referia a si mesmo. Ele é o noivo e os convidados são os seus discípulos. O jejum que eles farão um dia será estar sem Jesus. De fato, nunca estarão sem Jesus. Jesus não os deixará órfãos. Deixar de comer alguma coisa em determinados dias, por penitência, é bom e saudável, mas pode ser apenas remendo novo em pano velho. As mortificações têm por finalidade fortificar a nossa vontade e nos ajudar a viver com mais intensidade a vida cristã. Às vezes, porém, se tornam um tranquilizador de consciência, quando, na verdade, o que se precisa é de uma cura total, e não de um simples curativo. O exemplo sugere uma conversão radical e não medidas paliativas que podem ser enganadoras. O jejum penitencial faz bem, mas jejum ruim é estar sem Jesus.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2019’, Paulinas.

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
Memória litúrgica de Santa Inês, virgem e mártir. O Evangelho de hoje nos convida a perceber a presença de Jesus no meio de nós. O jejum verdadeiro é aquele que nos leva a viver o compromisso e a fidelidade a Deus.
Oremos: “Divino Espírito Santo, amor eterno do Pai e do Filho, ensina-me a compreender e viver o verdadeiro jejum e a reconhecer Jesus em nosso meio. Amém.”

Leitura (Verdade)
O que diz o texto? Leia-o atentamente e observe os personagens da narrativa, o diálogo que acontece entre eles e o tema em discussão. Do que estão falando? Por que os discípulos de Jesus não jejuam? Qual é a resposta de Jesus para essa indagação? O que significa a expressão “Dias virão em que o noivo lhes será tirado”? Qual o tempo proposto por Jesus para que seus discípulos jejuem?
“Trata-se de uma controvérsia sobre o jejum, seguida de dois ditados sapienciais. A questão apresentada a Jesus é sobre o comportamento dos seus discípulos, que não estavam jejuando. Em todo o Novo Testamento, este é o único trecho em que o leitor é informado de que os discípulos de João praticavam jejum. Quanto aos fariseus, jejuavam duas vezes por semana. A Lei de Moisés prescreve o jejum uma vez por ano, no dia do perdão dos pecados. É provável que, aqui, se trate de uma prática ascética de grupo e que os fariseus tivessem a pretensão de impô-la como regra para todo o povo. Seja como for, a controvérsia é ocasião para Jesus afirmar o critério cristológico do jejum. Nesta nova etapa da história da salvação, é a centralidade de Cristo que determina e orienta o jejum. Somente quando o noivo for tirado, alusão à morte de Jesus, é que será o tempo de jejuar. Os dois ditados sapienciais apontam para a incompatibilidade entre o velho e o novo. A revelação de Deus em Jesus Cristo exige deixar cair a rigidez na interpretação e na prática da Lei. Na interpretação que Jesus faz da Lei, é devolvida à misericórdia o seu lugar central” (Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)
O que o texto diz a você hoje? Você reconhece a presença de Jesus no meio de nós? De que forma? Quando você pratica o jejum? Qual jejum oferece a Deus? O que significa para você a entrega de Jesus na cruz?
“O jejum era uma expressão de sentimento de penitência e de pedido de perdão por algum ato cometido contra Deus. Esse caráter penitencial era uma oportunidade de conversão, de mudança de vida. A presença de Jesus é motivo de muita festa e de alegria; por isso, as ‘núpcias’ não combinam com o jejum prescrito. A festa de casamento é o símbolo de que o tempo da salvação já chegou. O noivo é o próprio Jesus. Por essa razão, a alegria do banquete suprime o jejum. Essa nova fé, trazida por Jesus, se chocava com os velhos costumes da religião do seu tempo. Por isso, vinhos novos em odres novos, senão arrebenta tudo. Que estejamos abertos às novidades do Evangelho!” (Frei Mário Sérgio Souza, em “Viver a Palavra”, da Paulinas Editora).

Oração (Vida)
“Jesus Mestre, creio que Tu estás no meio de nós. Abre meus olhos para contemplar tua presença. Desperta meus ouvidos para escutar o teu clamor. Toca o meu coração para que eu seja sensível às necessidades das pessoas. Que o meu jejum seja a oferta da minha vida a ti. Amém!”

Contemplação (Vida e Missão)
Contemple a presença de Jesus no meio de nós. O que Ele lhe pede para viver hoje?

Bênção

  • Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
  • Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
  • Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
  • Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Paulinas