Oração diária, Que sabedoria é esta que lhe foi dada? - Mc 6,1-6

14ª Domingo Comum – Ano Litúrgico B

08 de julho de 2018

ORAÇÃO DO DIA

Pai, abre minha mente e meu coração, para que eu possa compreender que tu te serves de meios humanamente modestos para realizar as tuas maravilhas.

PRIMEIRA LEITURA: Ez 2,2-5

Leitura da Profecia de Ezequiel – 2Naqueles dias, depois de me ter falado, entrou em mim um espírito que me pôs de pé. Então eu ouvi aquele que me falava, 3o qual me disse: “Filho do homem, eu te envio aos israelitas, nação de rebeldes, que se afastaram de mim. Eles e seus pais se revoltaram contra mim até o dia de hoje.
4A estes filhos de cabeça dura e coração de pedra, vou-te enviar, e tu lhes dirás: ‘Assim diz o Senhor Deus’.
5Quer te escutem, quer não — pois são um bando de rebeldes — ficarão sabendo que houve entre eles um profeta”.

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

SALMO 122

— Os nossos olhos estão fitos no Senhor:/ tende piedade, ó Senhor, tende piedade!
— Os nossos olhos estão fitos no Senhor:/ tende piedade, ó Senhor, tende piedade!

— Eu levanto os meus olhos para vós,/ que habitais nos altos céus./ Como os olhos dos escravos estão fitos/ nas mãos do seu senhor.

— Como os olhos das escravas estão fitos/ nas mãos de sua senhora,/ assim os nossos olhos, no Senhor,/ até de nós ter piedade.

— Tende piedade, ó Senhor, tende piedade;/ já é demais esse desprezo!/ Estamos fartos do escárnio dos ricaços/ e do desprezo dos soberbos!

SEGUNDA LEITURA: 2Cor 12,7-10

Leitura da Segunda Carta de São Paulo aos Coríntios – Irmãos: 7Para que a extraordinária grandeza das revelações não me ensoberbecesse, foi espetado na minha carne um espinho, que é como um anjo de Satanás a esbofetear-me, a fim de que eu não me exalte demais.
8A esse propósito, roguei três vezes ao Senhor que o afastasse de mim.
9Mas ele disse-me: “Basta-te a minha graça, pois é na fraqueza que a força se manifesta”. Por isso, de bom grado, eu me gloriarei das minhas fraquezas, para que a força de Cristo habite em mim.
10Eis porque eu me comprazo nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições e nas angústias sofridas por amor a Cristo. Pois, quando eu me sinto fraco, é então que sou forte.

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

EVANGELHO: Mc 6,1-6

– O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Marcos.
          – Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 1Jesus foi a Nazaré, sua terra, e seus discípulos o acompanharam.
2Quando chegou o sábado, começou a ensinar na sinagoga. Muitos que o escutavam ficavam admirados e diziam: “De onde recebeu ele tudo isto? Como conseguiu tanta sabedoria? E esses grandes milagres realizados por suas mãos?
3Este homem não é o carpinteiro, filho de Maria e irmão de Tiago, de Joset, de Judas e de Simão? Suas irmãs não moram aqui conosco?”
E ficaram escandalizados por causa dele.
4Jesus lhes dizia: “Um profeta só não é estimado em sua pátria, entre seus parentes e familiares”.
5E ali não pôde fazer milagre algum. Apenas curou alguns doentes, impondo-lhes as mãos. 6E admirou-se com a falta de fé deles.
Jesus percorria os povoados da redondeza, ensinando.

– Palavra da Salvação
– Glória a vós Senhor.

Comentário do Evangelho

Jesus veio pregar o Evangelho de Deus e por isso está sempre ensinando. Ele conhece as inclinações naturais do ser humano e não se ilude com sua aparente bondade. A inteligência bem instruída mostra, como um foco de luz, o que a vontade deve ou não praticar. Por isso Jesus ensina, os apóstolos ensinam, a Igreja continua a ensinar a quem quer aprender. Discípulo não é o aluno de um mestre? Somos todos discípulos do único Mestre, Jesus Cristo.
Ele foi a Nazaré, que o evangelista chama de “sua terra”. O Deus conosco é como nós, de um lugar e de um tempo. Assim ele era conhecido: Jesus de Nazaré. Jesus é o Verbo de Deus verdadeiramente encarnado. É um judeu praticante, que vai à sinagoga no dia de sábado. Seus discípulos vão com ele e ele ensina na sinagoga. Devia ensinar bem, porque perguntaram onde tinha conseguido tanta sabedoria. As perguntas se ampliam e aprofundam o mistério da Encarnação. “Não é ele o carpinteiro, o filho de Maria, irmão de Tiago, Joset, Judas e Simão? E suas irmãs não estão aqui conosco?” Diz o evangelista que muitos dos que o ouviam ficaram admirados no início, mas depois se escandalizaram por causa dele. Estavam perdidos, sem saber o que dizer, e foram incapazes de valorizar Jesus por ser um como eles, conhecido e da mesma terra. Atitude compreensível por um lado e incompreensível por outro. Incompreensível porque deviam alegrar-se e orgulhar-se vendo um deles com sabedoria e poder extraordinário, ensinando e fazendo milagres. Compreensível pela dificuldade que todos temos, dificuldade natural, de aceitar o outro, que é sempre um concorrente ameaçador. Quantos e quantos exemplos poderiam ser dados para ilustrar esta afirmação! Os nazarenos não valorizaram Jesus, não mostraram acreditar nele e, em consequência, Jesus não pode fazer ali nenhum milagre. Interessante a observação do evangelista. Jesus não pode ou não conseguiu fazer milagres por causa da falta de fé deles. De fato, Deus não faz milagres para se divertir. Há uma interação entre Deus e a fé de quem pede.
Jesus sai de Nazaré e percorre os povoados da redondeza, ensinando. A incredulidade dos nazarenos não o impede de continuar a sua missão. Ele percorre os povoados vizinhos. E ensina. O profeta Ezequiel passou pela mesma experiência de rejeição, mas recebeu o estímulo de Deus para continuar. Mesmo se não escutarem o que dirá, saberão que houve um profeta entre eles. O obstáculo não impede o profeta de continuar percorrendo os povoados e de ensinar.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2018’, Paulinas

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
Liturgia do 14º domingo do Tempo Comum. No Evangelho de hoje, Jesus se encontra em Nazaré, sua terra, e provoca a admiração nas pessoas que ouvem seus ensinamentos. Ao mesmo tempo, observa a resistência e a falta de abertura para o acolherem como o enviado do Pai.
Peçamos: “Espírito Divino, luz de Deus, vinde nos iluminar, para que possamos compreender o sentido profundo da Palavra de Deus. Fazei-nos discípulos missionários de Jesus, Caminho, Verdade e Vida, transformando nosso coração em terra boa, onde a Palavra produza frutos abundantes. Amém.”

Leitura (Verdade)
O que diz o texto? Quem é Jesus segundo a narrativa? Quais questionamentos o povo faz sobre a pessoa de Jesus? Por que Jesus não é valorizado em sua terra, entre seus parentes?
“Jesus, na sua terra, que supomos ser Nazaré, muito embora o texto não a mencione, num dia de sábado, ensina na sinagoga. Marcos não nos informa acerca do conteúdo do ensinamento, porque o interesse maior, neste episódio, está centrado na reação dos ouvintes. Se o tema da perícope precedente era o da fé, o de hoje é a incredulidade: ‘Ele [Jesus] se admirava da incredulidade deles’ (v. 6). Se a fé, em certo sentido, é confiança, abertura do coração que permite reconhecer a presença e ação de Deus, a incredulidade é fechamento que impede de ver além das aparências, ou melhor, impede de reconhecer nas palavras e gestos de Jesus os sinais que remetem a Deus e impede de receber o dom. Por esta razão, Jesus não podia fazer, aí, qualquer milagre, literalmente, ‘ato de poder’. Os concidadãos de Jesus se admiram, perguntam-se sem nada responder – é que a falta de humildade os cegava!” (Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)
“Jesus sente dificuldade de evangelizar em seu próprio território e entre a sua parentela. Era admirável a incredulidade daquele povo e o fechamento do coração. Todos se apegavam ao conhecimento de Jesus na carne e não tinham abertura suficiente para acreditar que ele era o Filho de Deus. Mas isso não o desestimulava. Jesus continuava firme em seu propósito de levar a Boa Nova a todos” (Frei Mário Sérgio Souza, em “Viver a Palavra”, da Paulinas Editora).

Oração (Vida)
“Senhor Jesus, Tu és o Caminho. Em meio a sombras e luzes, alegrias e esperanças, tristezas e angústias, Tu nos levas ao Pai. Não nos deixes caminhar sozinhos. Fica conosco, Senhor! Tu és a Verdade. Desperta nossas mentes e faze arder nossos corações sedentos de justiça e santidade. Ajuda-nos a sentir a beleza de crer em ti. Fica conosco, Senhor! Tu és a Vida. Abre nossos olhos para te reconhecermos no ‘partir o Pão’. Sublime sacramento da Eucaristia. Alimenta-nos com o Pão da Unidade. Sustenta-nos em nossos sofrimentos, faze-nos solidários com os pobres, os oprimidos e excluídos. Fica conosco, Senhor! Jesus Cristo, Caminho, Verdade e Vida, no vigor do Espírito Santo, faze-nos teus discípulos missionários. Com a humilde serva do Senhor, nossa Mãe Aparecida, queremos ser alegres no Caminho para a Terra Prometida. Corajosas testemunhas da Verdade libertadora. Promotores da vida em plenitude. Fica conosco, Senhor! Amém” (Oração composta pela Arquidiocese de Brasília).

Contemplação (Vida e Missão)
Com a Palavra de Deus na mente e no coração, qual atitude você se propõe a viver hoje?

Bênção
– Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
– Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
– Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
– Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Paulinas