Oração diária, Esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe... - Mt 12,46-50

16ª Semana do Tempo Comum – Ano Litúrgico C

23 de julho de 2019

ORAÇÃO DO DIA

Pai, reforça os laços que me ligam aos meus irmãos e irmãs de fé, de forma a testemunhar que formamos uma grande família, cujo pai és tu

PRIMEIRA LEITURA: Ex 14,21–15,1

Leitura do livro do Êxodo – Naqueles dias, 21Moisés estendeu a mão sobre o mar. O Senhor fê-lo recuar com um vento impetuoso vindo do oriente, que soprou toda a noite. E pôs o mar a seco. As águas dividiram-se 22e os israelitas desceram a pé enxuto no meio do mar, enquanto as águas formavam uma muralha à direita e à esquerda. 23Os egípcios os perseguiram: todos os cavalos do faraó, seus carros e seus cavaleiros internaram-se após eles no leito do mar. 24É vigília da manhã, o Senhor, do alto da coluna de fogo e da de nuvens, olhou para o acampamento dos egípcios e semeou o pânico no meio deles. 25Embaraçou-lhes as rodas dos carros de tal sorte que, só dificilmente, conseguiam avançar. Disseram então os egípcios: “Fujamos diante de Israel, porque o Senhor combate por eles contra o Egito.” 26O Senhor disse a Moisés: “Estende tua mão sobre o mar, e as águas voltar-se-ão sobre os egípcios, seus carros e seus cavaleiros.” 27Moisés estendeu a mão sobre o mar, e este, ao romper da manhã, voltou ao seu nível habitual. Os egípcios que fugiam foram de encontro a ele, e o Senhor derribou os egípcios no meio do mar. 28As águas voltaram e cobriram os carros, os cavaleiros e todo o exército do faraó que havia descido no mar ao encalço dos israelitas. Não ficou um sequer. 29Mas os israelitas tinham andado a pé enxuto no leito do mar, enquanto as águas formavam uma muralha à direita e à esquerda. 30Foi assim que naquele dia o Senhor livrou Israel da mão dos egípcios. E Israel viu os cadáveres dos egípcios na praia do mar. 31Viu Israel o grande poder que o Senhor tinha exercido contra os egípcios. Por isso, o povo temeu o Senhor e confiou nele e em seu servo Moisés. 1Então Moisés e os israelitas entoaram em honra do Senhor o seguinte cântico: “Cantarei ao Senhor, porque ele manifestou sua glória. Precipitou no mar cavalos e cavaleiros. –

  • Palavra do Senhor.
    – Graças a Deus.

SALMO Ex 15,8-9

— Ao Senhor quero cantar, pois fez brilhar a sua glória!

— Ao Senhor quero cantar, pois fez brilhar a sua glória!

— Ao soprar a vossa ira amontoaram-se as águas, levantaram-se as ondas e formaram uma muralha, e imóveis se fizeram, em meio ao mar, as grandes vagas.

— O inimigo tinha dito: “Hei de segui-los e alcançá-los! Repartirei seus despojos e minh’alma saciarei; arrancarei da minha espada e minha mão os matará!”

— Mas soprou o vosso vento, e o mar os recobriu; afundaram como chumbo entre as águas agitadas. Estendestes vossa mão, e a terra os devorou.

— Vós, Senhor, o levareis e o plantareis em vosso Monte, no lugar que preparastes para a vossa habitação, no Santuário construído pelas vossas próprias mãos.

EVANGELHO: Mt 12,46-50

         – O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
          – Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Mateus.
          – Glória a vós, Senhor.

          Naquele tempo, 46Jesus falava ainda à multidão, quando veio sua mãe e seus irmãos e esperavam do lado de fora a ocasião de lhe falar. 47Disse-lhe alguém: Tua mãe e teus irmãos estão aí fora, e querem falar-te. 48Jesus respondeu-lhe: Quem é minha mãe e quem são meus irmãos? 49E, apontando com a mão para os seus discípulos, acrescentou: Eis aqui minha mãe e meus irmãos. 50Todo aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe

  • Palavra da Salvação
    – Glória a vós Senhor.

Comentário do Evangelho

Jesus disse que sua família eram seus discípulos. Ele disse isso quando estava pregando às multidões e sua mãe e seus irmãos, do lado de fora, queriam falar com ele. “Quem é minha mãe, quem são meus irmãos?”, foi a pergunta de Jesus. Ele mesmo responde dizendo que sua mãe e seus irmãos são todos aqueles que fazem a vontade do Pai que está nos céus. Neste sentido, Maria é duplamente Mãe de Jesus, porque ela o gerou em seu corpo e o deu à luz e sempre fez a vontade do Pai. A família formada pelos discípulos é uma família por opção, unida no mesmo propósito de fazer a vontade do Pai. Não estão unidos naturalmente pelos laços de sangue. Quem os une, em última análise, e faz deles uma família é o Espírito Santo. Pensemos na força que pode ter um grupo familiar unido pelo sangue e pelo Espírito. É o que chamamos de Igreja doméstica, célula viva da sociedade e da Igreja. Laços familiares por opção também são fortes e existem tanto em grupos civis quanto em grupos religiosos. As paróquias, as Congregações religiosas, as comunidades de vida, as associações, grupos pastorais, os bispos, os padres, os diáconos, todos podemos e queremos ser o irmão, a irmã e a mãe de Jesus, porque é nosso projeto de vida fazer a vontade do Pai que está nos céus.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2019’, Paulinas

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
O Evangelho de hoje nos fala da relação familiar que é estabelecida entre Jesus e aqueles que acolhem a sua Palavra. Ele nos diz: “Todo aquele que faz a vontade do meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe”. Para bem acolhermos os seus ensinamentos, peçamos: “Vem, Espírito Santo! Faze-nos amar as Escrituras, para reconhecermos a voz viva de Jesus. Torna-nos humildes e simples, a fim de compreendermos os mistérios do Reino de Deus. Amém.”

Leitura (Verdade)
O que diz o texto? Quais personagens estão presentes na narrativa? Qual é o ensinamento de Jesus? Quem é considerado irmão, irmã e mãe de Jesus?
“Levando em consideração a ordem do evangelho, o texto de hoje é ressonância de Mt 7,21. A comunidade cristã é caracterizada como aquela que faz a vontade de Deus. A visita da família de Jesus é ocasião para ele ensinar: a sua família, isto é, os membros do povo que ele reúne, é mais ampla do que os membros de sua parentela, pois é constituída por aqueles que fazem a vontade do Pai que está nos céus (v. 50; cf. 7,21). Por duas vezes o texto repete que a mãe de Jesus e alguns irmãos dele estão do lado de fora da casa. Essa observação, que poderia passar despercebida, é, a nosso ver, importante: sem participar do círculo dos discípulos, o ensinamento de Jesus, seu trabalho incansável e seus gestos parecem loucura e sem sentido, como se ele estivesse fora de si. Corrobora com essa ideia a notícia de Marcos, para quem a razão pela qual a família de Jesus vai procurá-lo é para levá-lo de volta para casa, pois pensavam que ele estivesse fora de si (Mc 3,20-21). Para compreender a missão de Jesus é preciso fazer parte do seu círculo e situá-la no horizonte do desígnio salvífico de Deus. São Paulo, num texto em que procura resolver um problema de divisão interna da comunidade de Corinto, afirma que o modo de agir de Deus confunde o mundo e os que se julgam sábios (1Cor 1,27)” (Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)
O que o texto diz a você hoje? Que luz Jesus lhe revela, com sua pessoa e sua mensagem? De que maneira esta passagem o(a) compromete? O que ela lhe pede? Quais sentimentos a Palavra despertou em seu coração?
“Jesus passou seu ministério cuidando de sua terra, de seus contemporâneos, de Israel, mas ele próprio sabia que sua missão é para alguém além. A Boa-Nova não poderia ficar confinada nas fronteiras do seu país. Ele não iria repetir a ideia de um reinado fechado em si mesmo ou focado numa religião que se esqueceu de ser sal e luz para o mundo. Sua e mãe e seus irmãos são a representação desse movimento religioso cuja marca era a consanguinidade. Jesus amplia sua salvação para todos aqueles e aquelas que aderissem ao projeto de Deus, à vontade do Pai. Jesus não exclui sua família, ao contrário, ela a amplia e a torna universal” (Frei Mário Sérgio Souza, em “Viver a Palavra”, da Paulinas Editora).

Oração (Vida)
“Ó Mãe de Deus, protegei-nos como cuidastes de vosso Filho Jesus. Nós nos colocamos sob vosso cuidado porque também vós sois nossa Mãe. Como o discípulo aos pés da cruz, nós queremos vos levar conosco para nossa casa e para nossa vida. Ó Virgem Imaculada, olhai com amor materno os pobres e humilhados, os presos e enfermos, e todos que confiamos em vós para que não percamos a esperança e o sentido da vida. Rogai pelos pecadores para que se convertam à mensagem de vosso Filho e creiam em seu amor e aceitem seu perdão. Assisti os agonizantes na hora extrema da morte e conduzi-nos a Jesus, agora e para a eternidade. Amém.” (Oração do livro “Maria da nossa fé”, da Paulinas Editora).

Contemplação (Vida e Missão)
Qual apelo a Palavra de Deus despertou em seu coração hoje? Pense em uma ação concreta e procure torná-la realidade, contando com a graça de Deus.

Bênção

  • Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
  • Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
  • Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
  • Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Paulinas