Oração diária Quem rejeita a cruz, não pode ser meu discípulo

23º Domingo Comum – Ano Litúrgico C

04 de setembro de 2016

ORAÇÃO DO DIA

Pai, reforça minha disposição a ser discípulo de teu Reino, afastando tudo quanto possa abalar a solidez de minha adesão a ti e a teu Filho Jesus.

PRIMEIRA LEITURA:  Sb 9,13-18

Leitura do Livro da Sabedoria – 13Qual é o homem que pode conhecer os desígnios de Deus? Ou quem pode imaginar o desígnio do Senhor?
14Na verdade, os pensamentos dos mortais são tímidos e nossas reflexões incertas: 15porque o corpo corruptível torna pesada a alma, e tenda de argila oprime a mente que pensa.
16Mal podemos conhecer o que há na terra, e com muito custo compreendemos o que está ao alcance de nossas mãos; quem, portanto, investigará o que há nos céus?
17Acaso alguém teria conhecido o teu desígnio, sem que lhe desses Sabedoria e do alto lhe enviasses teu santo espírito? 18Só assim se tornaram retos os caminhos dos que estão na terra, e os homens aprenderam o que te agrada, e pela Sabedoria foram salvos. – Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

SALMO 89

          — Vós fostes, ó Senhor, um refúgio para nós!
— Vós fostes, ó Senhor, um refúgio para nós!

— Vós fazeis voltar ao pó todo mortal,/ quando dizeis: “Voltai ao pó, filhos de Adão!”/ Pois mil anos para vós são como ontem,/ qual vigília de uma noite que passou.

— Eles passam como o sono da manhã,/ são iguais à erva verde pelos campos:/ De manhã ela floresce vicejante,/ mas à tarde é cortada e logo seca.

— Ensinai-nos a contar os nossos dias,/ e dai ao nosso coração sabedoria!/ Senhor, voltai-vos! Até quando tardareis?/ Tende piedade e compaixão de vossos servos!

— Saciai-nos de manhã com vosso amor,/ e exultaremos de alegria todo o dia!/ Que a bondade do Senhor e nosso Deus/ repouse sobre nós e nos conduza!/ Tornai fecundo, ó Senhor, nosso trabalho.

SEGUNDA LEITURA: Fl 9b-10.12-17

Carta de São Paulo apóstolo a Filêmon – Caríssimo: 9bEu, Paulo, velho como estou, e agora também prisioneiro de Cristo Jesus, 10faço–te um pedido em favor do meu filho, que fiz nascer para Cristo na prisão, Onésimo. 12Eu o estou mandando de volta para ti. Ele é como se fosse o meu próprio coração. 13Gostaria de tê-lo comigo, a fim de que fosse teu representante para cuidar de mim nesta prisão, que eu devo ao Evangelho.
14Mas eu não quis fazer nada sem o teu parecer, para que a tua bondade não seja forçada, mas espontânea. 15Se ele te foi retirado por algum tempo, talvez seja para que o tenhas de volta para sempre, 16já não como escravo, mas, muito mais do que isso, como um irmão querido, muitíssimo querido para mim quanto mais ele o for para ti, tanto como pessoa humana quanto como irmão no Senhor. 17Assim, se estás em comunhão de fé comigo, recebe-o como se fosse a mim mesmo. – Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

EVANGELHO:  Lc 14,25-33

         – O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Lucas.
          – Glória a vós, Senhor.

          Naquele tempo, 25grandes multidões acompanhavam Jesus. Voltando-se, ele lhes disse: 26“Se alguém vem a mim, mas não se desapega de seu pai e sua mãe, sua mulher e seus filhos, seus irmãos e suas irmãs e até da sua própria vida, não pode ser meu discípulo. 27Quem não carrega sua cruz e não caminha atrás de mim, não pode ser meu discípulo.
28Com efeito, qual de vós, querendo construir uma torre, não se senta primeiro e calcula os gastos, para ver se tem o suficiente para terminar? Caso contrário, 29ele vai lançar o alicerce e não será capaz de acabar. E todos os que virem isso começarão a caçoar, dizendo: 30‘Este homem começou a construir e não foi capaz de acabar!’
31Ou ainda: Qual o rei que, ao sair para guerrear com outro, não se senta primeiro e examina bem se com dez mil homens poderá enfrentar o outro que marcha contra ele com vinte mil? 32Se ele vê que não pode, enquanto o outro rei ainda está longe, envia mensageiros para negociar as condições de paz.
33Do mesmo modo, portanto, qualquer um de vós, se não renunciar a tudo o que tem, não pode ser meu discípulo!

– Palavra da Salvação
– Glória a vós Senhor.

Comentário do Evangelho

Na história da Igreja há muita gente que tomou a decisão de seguir Jesus de forma radical. Quando, porém, Jesus dá o exemplo de uma construção e de uma guerra, parece estar dizendo que antes de querer segui-lo, é preciso examinar se a gente é capaz. E se a gente achar que não é capaz, o que é que a gente faz? Estaria Jesus dizendo: “Não se meta nesse caminho se você não for capaz?”.
Quando se trata de um seguimento especializado, não é difícil compreender o ensinamento de Jesus. Ser missionário, deixar a própria terra e partir para longe, ser monge de clausura como os cartuxos ou os trapistas, isso não é para qualquer um. Mas, quando se trata de ser discípulo de Jesus sem nada de especial, na vida normal de quem trabalha e tem família, a exigência é a mesma? Não devo ir atrás de Jesus se não sou tão forte e corajoso?
É possível dizer que ser cristão não é para todo mundo, porque não se trata de um privilégio, e sim de uma responsabilidade. Uma pitada de sal é suficiente para uma xícara de arroz. A pitada de sal seriam os cristãos no mundo, como fermento na massa. São um pequeno rebanho. No entanto, todos podem descobrir por experiência pessoal e por revelação de que nada vale mais do que Jesus. Ele é o absoluto da nossa vida e tudo o mais é relativo, ele é o necessário, tudo o mais é contingente, tudo pode ser ou não ser, só ele não pode não ser. Ele é, e nele nós somos e existimos.
Não preciso abandonar minha família nem meus bens, basta colocá-los em seu devido lugar. É prudente quem sabe escolher os meios para atingir o fim. Precisamos da sabedoria para que se tornem retos os nossos caminhos e aprendamos o que agrada a Deus. Na realidade estamos sempre num estado de busca e de procura. Não vemos com clareza nem temos respostas prontas. Nosso corpo corruptível torna pesada a alma. A mente pensa, a vontade quer, mas a tenda de argila, isto é, nosso corpo e tudo o que é material e sensível, oprimem a mente que pensa. “Quem me livrará desse corpo de morte?” A resposta é sempre a mesma: A bondade de Deus.
A vida muda com a sabedoria e a prudência. A prudência faz com que eu escolha os meios certos para atingir o fim. A sabedoria me leva a tomar decisões segundo o Espírito que é amor. Nesse Espírito, Filêmon, de Colossas, tem que tomar uma decisão em relação a Onésimo, seu escravo que tinha fugido. São Paulo ajuda-o nessa decisão propondo-lhe até, como cristão, a total alforria do escravo. Por que Paulo tem que intervir? Porque a tenda de argila oprime a mente que pensa e o pensamento não flui. Estamos aprendendo a tomar decisões.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2016’, Paulinas

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
Neste 23º domingo do Tempo Comum, no Evangelho, Jesus instrui seus discípulos e a cada um de nós sobre as disposições necessárias para o seu seguimento. O discípulo de Jesus, a exemplo de seu Mestre, é convidado a tomar a sua cruz todos os dias e viver o desapego, da própria vida e dos bens terrenos.
Peçamos: “Jesus Mestre, cremos com viva fé que estais aqui presente, para indicar-nos o caminho que leva ao Pai. Iluminai nossa mente, movei nosso coração, para que esta meditação produza em nós frutos de vida. Amém.”

Leitura (Verdade)
Faça uma leitura atenta do Evangelho. O que o texto diz? Liste as instruções que Jesus dá aos discípulos e aos que desejam segui-lo. Retome as expressões que chamaram a sua atenção. O que significa “tomar a cruz” no seguimento de Jesus? E o que significa “perder a vida” por causa de Jesus?
“O seguimento de Jesus exige discernimento e desapego. Jesus deixa a casa de um dos chefes dos fariseus onde ele tinha sido convidado para uma refeição. Multidões o acompanham para escutá-lo e serem curadas de seus males. A ocasião é propícia para apresentar as exigências do seguimento. É preciso, como ponto de partida, uma atitude radical de desapego.
Para seguir Jesus é preciso fazer uma escolha fundamental. Como dissemos acima, é necessário dispor-se e esforçar-se por desapegar-se, inclusive da própria vida. A liberdade diante dos laços afetivos é requerida, pois os familiares não podem se constituir em obstáculo para o seguimento. Se a família assim procedesse, já não seria amor, mas possessão. Trata-se, ainda, do desapego da própria vida e da aceitação do risco do seguimento, a saber, a perseguição e o sofrimento. É preciso renunciar à segurança dos bens terrenos para ter em Deus sua única segurança e esperança. Para seguir Jesus é preciso optar pela liberdade e o desapego a fim de estar sempre disponível para o serviço do Reino de Deus” (Reflexão de Pe. Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)
O que o texto diz a você hoje? O que o Senhor lhe pede neste dia? Quais são as suas disposições para o seguimento de Jesus? É o próprio Senhor quem nos diz: “Quem não renunciar a seus bens, não pode ser meu discípulo” (Lc 14, 33). Ele também nos pede que confiemos na força que vem de Deus e na sua presença: “Eu estarei convosco sempre, até o fim do mundo” (Mt 28,20).

Oração (Vida)
“Virgem e Mãe Maria, vós que, movida pelo Espírito, acolhestes o Verbo da vida na profundidade da vossa fé humilde, totalmente entregue ao Eterno, ajudai-nos a dizer o nosso ‘sim’ perante a urgência, mais imperiosa do que nunca, de fazer ressoar a Boa-Nova de Jesus. Vós, cheia da presença de Cristo, levastes a alegria a João, o Batista, fazendo-o exultar no seio de sua mãe.
Vós, estremecendo de alegria, cantastes as maravilhas do Senhor. Vós, que permanecestes firme diante da Cruz com uma fé inabalável e recebestes a jubilosa consolação da ressurreição, reunistes os discípulos à espera do Espírito para que nascesse a Igreja evangelizadora. Alcançai-nos agora um novo ardor de ressuscitados para levar a todos o Evangelho da vida que vence a morte. Dai-nos a santa ousadia de buscar novos caminhos para que chegue a todos o dom da beleza que não se apaga.
Vós, Virgem da escuta e da contemplação, Mãe do amor, esposa das núpcias eternas, intercedei pela Igreja, da qual sois o ícone puríssimo, para que ela nunca se feche nem se detenha na sua paixão por instaurar o Reino. Estrela da nova evangelização, ajudai-nos a refulgir com o testemunho da comunhão, do serviço, da fé ardente e generosa, da justiça e do amor aos pobres, para que a alegria do Evangelho chegue até aos confins da terra e nenhuma periferia fique privada da sua luz. Mãe do Evangelho vivente, manancial de alegria para os pequeninos, rogai por nós. Amém. Aleluia!” (Papa Francisco, na Exortação Apostólica Evangelii Gaudium).

Contemplação (Vida e Missão)
De que forma a Palavra de Deus estará presente neste seu dia? O que você deseja colocar em prática, segundo os ensinamentos de Jesus?

Bênção
– Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
– Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
– Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
– Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.