Liturgia diária, O grão de trigo, se morre, produz muito fruto - Jo 12,24-26

18ª Semana do Tempo Comum – Ano Litúrgico C

10 de agosto de 2019

ORAÇÃO DO DIA

texto

PRIMEIRA LEITURA: 2Cor 9,6-10

Leitura da Segunda Carta de São Paulo aos Coríntios

– Irmãos: 6“Quem semeia pouco colherá também pouco e quem semeia com largueza colherá também com largueza”. 7Dê cada um conforme tiver decidido em seu coração, sem pesar nem constrangimento; pois Deus “ama quem dá com alegria”.
8Deus é poderoso para vos cumular de toda sorte de graças, para que, em tudo, tenhais sempre o necessário e ainda tenhais de sobra para toda obra boa, 9como está escrito: “Distribuiu generosamente, deu aos pobres; a sua justiça permanece para sempre”.
10Aquele que dá a semente ao semeador e lhe dará o pão como alimento, ele mesmo multiplicará as vossas sementes e aumentará os frutos da vossa justiça.

  • Palavra do Senhor.
    – Graças a Deus.

SALMO 111(112)

       —Feliz o homem caridoso e prestativo!
— Feliz o homem caridoso e prestativo!

— Feliz o homem que respeita o Senhor e que ama com carinho sua lei! Sua descendência será forte sobre a terra, abençoada a geração dos homens retos!

— Feliz o homem caridoso e prestativo, que resolve seus negócios com justiça. Porque jamais vacilará o homem reto, sua lembrança permanece eternamente!

— Ele não teme receber notícias más: confiando em Deus, seu coração está seguro. Seu coração está tranquilo e nada teme, e confusos há de ver seus inimigos.

— Ele reparte com os pobres os seus bens, permanece para sempre o bem que fez, e crescerão a sua glória e seu poder.

EVANGELHO: 

texto

  • Palavra da Salvação
    – Glória a vós Senhor.

Comentário do Evangelho

São Lourenço, mártir, era arquidiácono do Papa Sisto II. Sete diáconos administravam os bens da Igreja de Roma. Cuidavam dos necessitados e dos cemitérios, eram arquivistas, conselheiros, pregadores. Naquele tempo, havia perseguições contra os cristãos. O Papa Sisto II tinha sido executado com quatro dos seus diáconos. Alguns dias depois, Lourenço foi preso com a ordem de entregar ao imperador os bens da Igreja. Apresentou então ao juiz inúmeros pobres de Roma dizendo: Estes são o tesouro da Igreja. Foi condenado à morte, queimado sobre uma grelha. O imperador Constantino mandou construir uma basílica em honra de São Lourenço e o Papa Dâmaso colocou na basílica a inscrição: “Só a fé de Lourenço conseguiu vencer os flagelos do algoz, as chamas, os tormentos, as cadeias. Dâmaso suplicante enche de dons estes altares, admirando os méritos do glorioso mártir”. Os seus restos mortais repousam na basílica que lhe foi dedicada, de São Lourenço Fora dos Muros. O sangue dos mártires é semente de cristãos. O grão de trigo caído na terra deve morrer para produzir muito fruto. Caso contrário ficará só. Lourenço foi um servo fiel que agora está com o Senhor na glória. Os diáconos são sucessores daqueles Sete primeiros escolhidos pelos apóstolos para organizarem a vida prática da comunidade iniciante. Em Roma, foram os cardeais da época, braço direito do Papa.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2019’, Paulinas

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
Memória litúrgica de São Lourenço, diácono. Ao Senhor entregamos este novo dia e pedimos que o Espírito Santo nos conceda a graça do discernimento, para buscarmos o verdadeiro tesouro que deve orientar a nossa vida, nosso agir e nossas decisões.
Peçamos: “Jesus Mestre, cremos com viva fé que estais aqui presente, para indicar-nos o caminho que leva ao Pai. Iluminai nossa mente, movei nosso coração, para que esta meditação produza em nós frutos de vida. Amém.”

Leitura (Verdade)
O que diz o texto? A quem Jesus está instruindo? O que nos recorda a imagem do grão de trigo que morre para produzir frutos? Qual é a condição para que a semente possa germinar? O que significa ser aquele que serve, segundo Jesus?
“A imagem do grão de trigo ajuda a compreender o caminho de glorificação de Jesus. Para produzir fruto, o grão de trigo tem que cair na terra; essa queda na terra é a condição da fecundidade da semente. A paixão e morte de Jesus, seu sofrimento e sua morte, não foram em vão; elas nos garantiram a salvação e a redenção de todo o gênero humano. Aqui, em João, o grão é identificado com o próprio Cristo, à diferença das parábolas do Reino dos céus (Mt 13,3ss), em que a semente é identificada com a Palavra de Deus. Na verdade, segundo a teologia joanina, Jesus é a palavra encarnada de Deus. Com essa pequena parábola do grão de trigo que cai na terra, Jesus dá sentido à sua paixão e morte: é para ‘produzir muito fruto’. O fruto de sua glorificação é a vida do mundo (Jo 6,51). O que se espera do discípulo é sua identificação com o Mestre (Mt 10,24-25). Essa identificação impõe ao discípulo aceitar livremente a vida proposta por Jesus. Nesse sentido, o caminho de glorificação de Jesus é o caminho que o discípulo deve aceitar percorrer (Jo 13,12-15). A vida verdadeira está no desapego das coisas deste mundo e também no desprendimento da própria vida. É o apego à vida que gera o medo de perdê-la. A vida brota do grão de trigo que cai na terra. Essa entrega é fruto do amor; ‘ninguém tem maior amor do que aquele que dá a vida por seus amigos’ (Jo 15,13)” (Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)
O que o texto diz a você hoje? Qual palavra mais chamou sua atenção durante a leitura? De que forma o texto fortalece sua caminhada de fé? Como você acolhe as palavras e ensinamentos de Jesus em sua vida? O que Jesus o(a) convida a viver?
“Lourenço era o primeiro dos sete diáconos a serviço da Igreja de Roma. No ano 257 o imperador romano Valeriano ordenou uma perseguição contra os cristãos e a morte dos bispos e padres. O governador, então, mandou que amarrassem Lourenço sobre uma grelha, para ser assado vivo e lentamente. O suplício cruel não o desviou de sua fé. Por isso, o Evangelho de hoje fala do trigo que morre e dá origem a uma nova planta que produz muito fruto. A morte dos mártires é uma lição de vida e de fé para toda a comunidade cristã, pela confiança em Deus e pelo derramamento do próprio sangue, por causa da fidelidade ao Evangelho, ao Cristo Jesus. Na fé dos mártires está o grande tesouro da nossa Igreja. Sou capaz do mesmo sacrifício?” (Frei Mário Sérgio Souza, em “Viver a Palavra”, da Paulinas Editora).

Oração (Vida)
Ofereça ao Senhor os frutos da sua oração, da sua meditação e da contemplação da Palavra. Apresente o desejo que brotou em seu coração e peça a graça de vivê-lo durante o dia. Faça sua prece de agradecimento ou pedido. Conclua com a oração: “Jesus Mestre, agradeço as luzes que me destes nesta meditação. Perdoai-me pelos limites que me impediram de fazê-la melhor. Ofereço-vos a resolução que tomei e que espero viver, pela vossa graça. Amém.”

Contemplação (Vida e Missão)
Qual novo olhar nasceu em você a partir da Palavra? O que você deseja concretizar em sua vida?

Bênção

  • Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
  • Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
  • Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
  • Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Paulinas