Oração diária, Sinto compaixão desta multidão! - Mc 8,1-10

5ª Semana Comum – Ano Litúrgico B

10 de fevereiro de 2018

ORAÇÃO DO DIA

Pai, dá-me um coração sensível às carências do meu próximo, fazendo-me solidário com ele, a ponto de me desapegar do que tenho, para ajudá-lo em suas necessidades.

PRIMEIRA LEITURA: 1Rs 12,26-32.13,33-34

Leitura do Primeiro Livro dos Reis

Naqueles dias, 12,26Jeroboão refletiu consigo mesmo: ‘Como estão as coisas, o reino vai voltar à casa de Davi. 27Se este povo continuar a subir ao templo do Senhor em Jerusalém, para oferecer sacrifícios, seu coração se voltará para o seu soberano Roboão, rei de Judá; eles me matarão e se voltarão para Roboão, rei de Judá”.
28Depois de ter refletido bem, o rei fez dois bezerros de ouro e disse ao povo: “Não subais mais a Jerusalém! Eis aqui, Israel, os deuses que te tiraram da terra do Egito”. 29Colocou um bezerro em Betel e outro em Dã. 30Isto foi ocasião de pecado, pois o povo ia em procissão até Dã para adorar um dos bezerros.
31Jeroboão construiu também templos sobre lugares altos, e designou como sacerdotes homens tirados do povo, que não eram filhos de Levi. 32E instituiu uma festa no dia quinze do oitavo mês, à semelhança da que era celebrada em Judá. E subiu ao altar. Fez a mesma coisa em Betel, para sacrificar aos bezerros que havia feito. E estabeleceu em Betel sacerdotes nos santuários que tinha construído nos lugares altos.
13,33Depois disso, Jeroboão não abandonou o seu mau caminho, mas continuou a tomar homens do meio do povo e a constituí-los sacerdotes dos santuários dos lugares altos. Todo aquele que queria era consagrado e se tornava sacerdote dos lugares altos. 34Esse modo de proceder fez cair em pecado a casa de Jeroboão e provocou a sua ruína e o seu extermínio da face da terra.

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

SALMO 106

          — Lembrai-vos, ó Senhor, de mim lembrai-vos; segundo o amor que demonstrais ao vosso povo.
— Lembrai-vos, ó Senhor, de mim lembrai-vos; segundo o amor que demonstrais ao vosso povo.

— Pecamos como outrora nossos pais, praticamos a maldade e fomos ímpios; no Egito nossos pais não se importaram com os vossos admiráveis grandes feitos.

— Construíram um bezerro no Horeb e adoraram uma estátua de metal; eles trocaram o seu Deus, que é sua glória, pela imagem de um boi que come feno.

— Esqueceram-se do Deus que os salvara, que fizera maravilhas no Egito; no país de Cam fez tantas obras admiráveis, no Mar Vermelho, tantas coisas assombrosas.

EVANGELHO: Mc 8,1-10

– O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Marcos.
          – Glória a vós, Senhor.

1Naqueles dias, havia de novo uma grande multidão e não tinha o que comer. Jesus chamou os discípulos e disse: 2“Tenho compaixão dessa multidão, porque já faz três dias que está comigo e não tem nada para comer. 3Se eu os mandar para casa sem comer, vão desmaiar pelo caminho, porque muitos deles vieram de longe”.
4Os discípulos disseram: “Como poderia alguém saciá-los de pão aqui no deserto?” 5Jesus perguntou-lhes: “Quantos pães tendes?” Eles responderam: “Sete”.
6Jesus mandou que a multidão se sentasse no chão. Depois, pegou os sete pães, e deu graças, partiu-os e ia dando aos seus discípulos, para que os distribuíssem. E eles os distribuíam ao povo.
7Tinham também alguns peixinhos. Depois de pronunciar a bênção sobre eles, mandou que os distribuíssem também. 8Comeram e ficaram satisfeitos, e recolheram sete cestos com os pedaços que sobraram.
9Eram quatro mil, mais ou menos. E Jesus os despediu. 10Subindo logo na barca com seus discípulos, Jesus foi para a região de Dalmanuta.

– Palavra da Salvação
– Glória a vós Senhor.

Comentário do Evangelho

Jesus revolve depressa situações difíceis e complicadas. Certamente porque ele era movido pela compaixão. A compaixão o fazia agir rapidamente. Havia três dias que o povo estava com ele e já não tinha o que comer. Jesus sabe que alguns vieram de longe e sua sensibilidade se preocupa com toda aquela gente que pode desmaiar no caminho de volta para casa. Os discípulos não sabiam como alimentar quatro mil pessoas, mas tinham sete pães. Imediatamente Jesus pega os pães, recita a bênção, parte os pães e manda que os discípulos os distribuam. Havia também alguns peixinhos. Sentado, o povo comeu e ficou satisfeito e foram recolhidos sete cestos com os pedaços que sobraram. Sabemos o que Jesus fez, embora não saibamos como o fez. Não importa. Sua misericórdia leva-o a agir rapidamente.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2018’, Paulinas

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
Hoje celebramos o dia de Santa Escolástica, irmã de São Bento, uma mulher que doou totalmente a vida a Deus. Peçamos a Santa Escolástica que interceda a Deus por nós e, seguindo seu exemplo, busquemos também doar a vida a Ele. Hoje, o Evangelho nos convida a conhecer o coração de Jesus, um coração que sente compaixão pela multidão faminta, desamparada e peregrina. Peçamos que o nosso coração também seja sensível aos apelos da Palavra de Deus e aos nossos irmãos que passam necessidades.
Rezemos: “Jesus Mestre, cremos com viva fé que estais aqui presente, para indicar-nos o caminho que leva ao Pai. Iluminai nossa mente, movei nosso coração, para que esta meditação produza em nós frutos de vida. Amém.”

Leitura (Verdade)
Faça a leitura do texto com calma, atentando-se aos elementos que compõem a narrativa: lugar, personagens, palavras e gestos de Jesus. O que os personagens que aparecem no texto estão procurando? Por que recorrem a Jesus? Que mensagem Jesus quer transmitir com suas atitudes, gestos e palavras?
“Estamos ainda em território pagão (cf. Mc 7,31), pois não há nenhuma indicação do contrário. Trata-se do relato da segunda multiplicação dos pães (cf. Mc 6,30-44). Os elementos presentes na narrativa apontam para uma dupla perspectiva: o povo que o Cristo reúne é constituído de judeus e pagãos, e os pagãos são admitidos à mesa eucarística. A razão pela qual a multidão não tinha o que comer é porque estava com Jesus há três dias. A situação da multidão causa em Jesus ‘compaixão’ (cf. tb. Mc 6,34). É esse sentimento que leva Jesus a entregar-se por todos, judeus e pagãos. No povo que o Senhor reúne há alguns que ‘vêm de longe’, uma forma de indicar os pagãos. O nosso texto tem uma forte conotação eucarística. A indicação de que todos ficaram saciados e a menção da sobra são modos de transmitir não somente a abundância do alimento dado, mas também que o verdadeiro alimento do povo de Deus a caminho ultrapassa os limites da materialidade; trata-se de um alimento espiritual simbolizado no pão e no peixe, dois modos primitivos de referir-se ao Cristo e à Eucaristia” (Reflexão de Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)
É o momento de relacionarmos a reflexão com nossa vida. Qual é a mensagem do texto para você hoje? Qual sentimento o Evangelho despertou em você? Que luz Jesus lhe revela com sua mensagem, seus gestos, suas atitudes? Faça um momento de silêncio para confrontar a meditação com a realidade que você vive.

Oração (Vida)
“Jesus, divino Mestre, nós vos adoramos, Filho muito amado do Pai, Caminho único para chegarmos a Ele. Nós vos louvamos e agradecemos porque sois o exemplo que devemos seguir. Queremos aprender de Vós o modo de ver, julgar e agir. Queremos ser atraídos por Vós, para que, caminhando nas vossas pegadas, possamos viver dia a dia a liberdade dos filhos de Deus e buscar em tudo a vontade do Pai. Aumentai nossa esperança, impulsionando o nosso ser e o nosso agir. Ajudai-nos a retratar em nossa vida a vossa imagem. Amém.”

Contemplação (Vida e Missão)
De que maneira esta passagem nos compromete? Pense em uma ação concreta para ser realizada durante o dia, em resposta ao apelo que o próprio Deus despertou em seu coração.

Bênção
– Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
– Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
– Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
– Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.