Liturgia diária, Somos servos inúteis; fizemos o que devíamos fazer - Lc 17,7-10

32ª Semana do Tempo Comum – Ano Litúrgico A

14 de novembro de 2017

ORAÇÃO DO DIA

Pai, reconhecendo-me servo inútil, quero esforçar-me para ser justo e misericordioso. Somente assim serei agradável a ti.

PRIMEIRA LEITURA: Sb 2,23-3,9

Leitura do Livro da Sabedoria

2,23Deus criou o homem para a imortalidade e o fez à imagem de sua própria natureza; 24foi por inveja do diabo que a morte entrou no mundo, e experimentam-na os que a ele pertencem. 3,1A vida dos justos está nas mãos de Deus, e nenhum tormento os atingirá. 2Aos olhos dos insensatos parecem ter morrido; sua saída do mundo foi considerada uma desgraça, 3e sua partida do meio de nós, uma destruição; mas eles estão em paz. 4Aos olhos dos homens parecem ter sido castigados, mas sua esperança é cheia de imortalidade; 5tendo sofrido leves correções, serão cumulados de grandes bens, porque Deus os pôs à prova e os achou dignos de si. 6Provou-os como se prova o ouro no fogo e aceitou-os como ofertas de holocausto; 7no dia do seu julgamento hão de brilhar, correndo como centelhas no meio da palha; 8vão julgar as nações e dominar os povos, e o Senhor reinará sobre eles para sempre. 9Os que nele confiam compreenderão a verdade, e os que perseveram no amor ficarão junto dele, porque a graça e a misericórdia são para seus eleitos.

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

SALMO 34

          — Bendirei o Senhor Deus em todo o tempo!
— Bendirei o Senhor Deus em todo o tempo!

— Bendirei o Senhor Deus em todo o tempo, seu louvor estará sempre em minha boca. Minha alma se gloria no Senhor; que ouçam os humildes e se alegrem!

— O Senhor pousa seus olhos sobre os justos, e seu ouvido está atento ao seu chamado; mas ele volta a sua face contra os maus, para da terra apagar sua lembrança.

— Clamam os justos, e o Senhor bondoso escuta e de todas as angústias os liberta. Do coração atribulado ele está perto e conforta os de espírito abatido.

EVANGELHO:  Lc 17,7-10

         – O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Lucas.
          – Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus: 7“Se algum de vós tem um empregado que trabalha a terra ou cuida dos animais, por acaso vai dizer-lhe, quando ele volta do campo: ‘Vem depressa para a mesa?’ 8Pelo contrário, não vai dizer ao empregado: ‘Prepara-me o jantar, cinge-te e serve-me, enquanto eu como e bebo; depois disso poderás comer e beber?’ 9Será que vai agradecer ao empregado, porque fez o que lhe havia mandado? 10Assim também vós: quando tiverdes feito tudo o que vos mandaram, dizei: ‘Somos servos inúteis; fizemos o que devíamos fazer’”.

– Palavra da Salvação
– Glória a vós Senhor.

Comentário do Evangelho

“Somos servos inúteis”, assim está escrito no texto grego. Se fizemos tudo o que tínhamos que fazer, e fizemos bem, por que dizer que somos inúteis? Mateus usa a mesma expressão na parábola dos talentos, em relação ao servo que nada produziu e é chamado de “inútil” e lançado “lá fora nas trevas”. Há uma inutilidade de consideração e há uma inutilidade real. A inutilidade real se aplica a quem é incapaz até de fazer alguma coisa errada. Há gente que só se move se for empurrado. É maldade, preguiça, indisposição, verminose? Sentado de cócoras, com indisposição, barriga cheia de vermes, o pobre irmão parece inútil. De fato, ele representa outra categoria, a dos inutilizados. Por que alguém se encosta no barranco e espera a vida passar? Por que estava à toa na vida? Por que ninguém o contratou? É melhor não julgar! Há também uma inutilidade de consideração, de quem não se atribui méritos para obter recompensa. No leito de morte a mãe dizia às filhas adultas: “Estou dando trabalho a vocês”. E elas: “Nós é que lhe demos trabalho na nossa infância”. A mãe: “E era trabalho?”. Eis a boa serva inútil, que fez o que tinha que fazer com alegria e disposição para continuar fazendo. Não fez tudo o que quis, mas fez o que pôde. Aqui termina a quarta etapa da viagem lucana para Jerusalém.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2017’, Paulinas

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém! Acolhamos a Palavra como discípulos missionários a serviço do Reino e abramo-nos à ação do Espírito Santo, que reza em nós, dizendo: “Ó divino Espírito, ensina-me tudo quanto Jesus ensinou. Amém!”

Leitura (Verdade)
O que diz o texto bíblico? Leia o texto do Evangelho de hoje pausadamente, quantas vezes julgar necessário, e destaque seus personagens. A quem Jesus está instruindo? O que significa ser servo? Qual característica de Jesus o texto nos revela? Que ensinamento Jesus nos dá por meio do Evangelho?

Meditação (Caminho)
O que o texto diz a você? Durante a leitura, que palavra o(a) tocou mais profundamente? De que forma o texto fortalece sua caminhada de fé? Se sentir necessidade, leia o Evangelho novamente, para fazer a sua meditação e acolher os ensinamentos de Jesus para a sua vida. O que significa para você viver a humildade e o serviço generoso a exemplo de Jesus, que veio para servir, e não ser servido?

Oração (Vida)
O que o texto o(a) leva a dizer a Deus? Recordando o que você escutou do Senhor por meio de sua Palavra, faça a sua oração, com a certeza de que Ele está com você e escuta os seus pedidos e louvores. Fale com Deus, Pai de amor e perdão, e confie que Ele lhe concederá o que necessita para melhor viver o seu seguimento.

Contemplação (Vida e Missão)
Qual novo olhar nasceu em você, a partir da Palavra? Sintetize em poucas palavras o apelo que você sentiu, para colocá-lo em prática durante o dia.

Bênção
– Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
– Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
– Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
– Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.