Liturgia diária, O santo de Deus - Lc 4,31-37

22ª Semana do Tempo Comum – Ano Litúrgico C

03 de setembro de 2019

ORAÇÃO DO DIA

Pai, faze-me forte para enfrentar e vencer as forças malignas que cruzam meu caminho, tentando afastar-me de ti. Como Jesus, quero abalar o poder do mal deste mundo.

PRIMEIRA LEITURA: 1Ts 5,1-6.9-11

Leitura da primeira carta de são Paulo aos Tessalonicenses – 1A respeito da época e do momento, não há necessidade, irmãos, de que vos escrevamos. 2Pois vós mesmos sabeis muito bem que o dia do Senhor virá como um ladrão de noite. 3Quando os homens disserem: Paz e segurança!, então repentinamente lhes sobrevirá a destruição, como as dores à mulher grávida. E não escaparão. 4Mas vós, irmãos, não estais em trevas, de modo que esse dia vos surpreenda como um ladrão. 5Porque todos vós sois filhos da luz e filhos do dia. Não somos da noite nem das trevas. 6Não durmamos, pois, como os demais. Mas vigiemos e sejamos sóbrios. 9Porquanto não nos destinou Deus para a ira, mas para alcançar a salvação por nosso Senhor Jesus Cristo. 10Ele morreu por nós, a fim de que nós, quer em estado de vigília, quer de sono, vivamos em união com ele. 11Assim, pois, consolai-vos mutuamente e edificai-vos uns aos outros, como já o fazeis.

  • Palavra do Senhor.
    – Graças a Deus.

SALMO 26(27)

         — Sei que a bondade do Senhor eu hei de ver, na terra dos viventes.
— Sei que a bondade do Senhor eu hei de ver, na terra dos viventes.

—  O Senhor é minha luz e salvação; de quem eu terei medo? O Senhor é a proteção da minha vida; perante quem eu tremerei?

— Ao Senhor eu peço apenas uma coisa, e é só isto que eu desejo: habitar no santuário do Senhor por toda a minha vida; saborear a suavidade do Senhor e contemplá-lo no seu templo.

— Sei que a bondade do Senhor eu hei de ver, na terra dos viventes. Espera no Senhor e tem coragem, espera no Senhor! .

EVANGELHO: Lc 4,31-37

          – O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Lucas.
          – Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, Jesus 31desceu a Cafarnaum, cidade da Galiléia, e ali ensinava-os aos sábados. 32Maravilharam-se da sua doutrina, porque ele ensinava com autoridade. 33Estava na sinagoga um homem que tinha um demônio imundo, e exclamou em alta voz: 34Deixa-nos! Que temos nós contigo, Jesus de Nazaré? Vieste para nos perder? Sei quem és: o Santo de Deus! 35Mas Jesus replicou severamente: Cala-te e sai deste homem. O demônio lançou-o por terra no meio de todos e saiu dele, sem lhe fazer mal algum. 36Todos ficaram cheios de pavor e falavam uns com os outros: Que significa isso? Manda com poder e autoridade aos espíritos imundos, e eles saem? 37E corria a sua fama por todos os lugares da circunvizinhança.

  • Palavra da Salvação
    – Glória a vós Senhor.

Comentário do Evangelho

Na sinagoga de Cafarnaum, Jesus liberta um homem da possessão do demônio. No relato de Lucas, Jesus ensina com autoridade, e com autoridade e poder expulsa os demônios. O leitor atento sabe que os Evangelhos são parecidos, mas não são iguais. O mesmo relato é apresentado em contextos diferentes, com diversidade de vocabulário, com acréscimo ou supressão de frases. No relato de Marcos, os escribas são mencionados e identificados com os demônios, porque seus ensinamentos dominavam a mente do povo. Em Lucas, os escribas não aparecem. Ele nos diz que Jesus ensinava com autoridade e as pessoas ficavam maravilhadas com o seu ensinamento. As ideias transmitidas nos ensinamentos, sejam eles quais forem, podem ajudar as pessoas a viver de forma livre e sadia, como podem perturbar a mente e o equilíbrio, criando confusões na vida das pessoas. Todos podemos ser dominados pela força das ideias. Podemos dizer, de forma figurada, que o possesso era alguém dominado por algum tipo de ensinamento. O ensinamento de Jesus, ao contrário, restaura e liberta as pessoas.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2019’, Paulinas.

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
Memória litúrgica de São Gregório Magno. O Evangelho nos coloca diante de Jesus, que instrui com autoridade, pois suas palavras tocam o coração dos ouvintes, dão sentido e libertam. Peça a graça de, ao longo deste dia, acolher com profundidade os ensinamentos de Jesus em sua vida e de deixar-se transformar por eles.
Silenciando o coração, repita algumas vezes a oração: “Jesus Mestre, iluminai minha mente, movei meu coração, para que esta meditação produza em mim frutos de vida. Amém.”

Leitura (Verdade)
O que diz o texto? Observe o contexto do relato: lugares, pessoas, acontecimentos… Quem é Jesus? O que Ele ensina? Como é o seu ensinamento? Como as pessoas acolhem as palavras de Jesus e o que ela realiza nos ouvintes?
“Cafarnaum é uma cidade às margens do mar da Galileia, lugar onde fica a casa de Simão Pedro e de seu irmão André; lugar, ao que tudo indica, em que Jesus estabeleceu sua morada. O episódio na sinagoga de Nazaré havia antecipado os acontecimentos de Cafarnaum, o que dava ao discurso um caráter programático. Por seu ensinamento, Jesus desperta a admiração de quem o ouve, pois a sua palavra tem autoridade, isto é, coerência, faz sentido e dá sentido a tudo. O seu ensinamento causa admiração porque sua palavra é sentida como um sopro que comunica o Espírito Santo. A presença de Jesus e o seu ensinamento comunicam a graça de Deus, ao mesmo tempo que revelam os males do coração humano (cf. Mc 7,21). Definições filosóficas, aqui, não nos ajudam a compreender a realidade do mal. O mal é o que faz mal; é algo do ser humano que resiste e se opõe ao desígnio salvífico de Deus e desfigura o homem criado à imagem e semelhança de Deus. O texto é uma proclamação de fé na palavra de Jesus que vence o mal. Essa palavra eficaz, ao entrar no coração do ser humano, expulsa o mal” (Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)
O que o texto diz a você hoje? Qual palavra encontrou sintonia com a realidade que você está vivendo? Que perguntas o texto desperta em seu coração? Permaneça em silêncio por alguns instantes e contemple esta Palavra.
“Diante de Jesus, os demônios não tinham dúvida: estavam diante do próprio Deus. Os homens e as mulheres do seu tempo tiveram muita dificuldade em perceber o Verbo encarnado no meio deles. Jesus era mestre e ensinava na sinagoga de Cafarnaum. As palavras de Jesus eram poderosas. Ele falava com a autoridade de um Deus. Eram palavras de vida eterna. Nesse ambiente, Jesus revela uma das características do Messias: expulsar demônios. A fama de Jesus se expandia na região da Galileia. Porém, nada disso seduzia o coração do Filho de Deus. Dessa tentação ele se libertou no deserto. Os demônios reconheceram Jesus, mas não podiam adorá-lo. Que nós o reconheçamos, também, e sejamos mais discípulos missionários” (Frei Mário Sérgio Souza, em “Viver a Palavra”, da Paulinas Editora).

Oração (Vida)
Ofereça ao Senhor os frutos da sua oração, da sua meditação e da contemplação da Palavra. Apresente o desejo que brotou em seu coração e peça a graça de vivê-lo durante o dia. Faça sua prece de agradecimento ou pedido. Conclua com a oração: “Jesus Mestre, agradeço as luzes que me destes nesta meditação. Perdoai-me pelos limites que me impediram de fazê-la melhor. Ofereço-vos a resolução que tomei e que espero viver, pela vossa graça. Amém.”

Contemplação (Vida e Missão)
O que você se propõe a viver concretamente neste dia? O que é pedido a você neste momento?

Bênção

  • Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
  • Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
  • Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
  • Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Paulinas