Oração diária - Virgem Maria Mãe da Igreja - Jo 19,25-34

Bem-aventurada Virgem Maria Mãe da Igreja – Ano Litúrgico C

10 de junho de 2019

ORAÇÃO DO DIA

Pela intercessão amorosa da Virgem Maria, fazei que a vossa Igreja se torne cada vez mais fecunda e se alegre pela santidade de seus filhos e filhas, atraindo para o seu convívio as famílias de todos os povos. 

PRIMEIRA LEITURA: Gn 3,9-15.20 ou At 1,12-14

Leitura do Livro do Gênesis.

9O Senhor Deus chamou Adão, dizendo: “Onde estás?” 10E ele respondeu: “Ouvi tua voz no jardim, e fiquei com medo porque estava nu; e me escondi”. 11Disse-lhe o Senhor Deus: “E quem te disse que estavas nu? Então comeste da árvore, de cujo fruto te proibi comer?” 12Adão disse: “A mulher que tu me deste por companheira, foi ela que me deu do fruto da árvore, e eu comi”.

13Disse o Senhor Deus à mulher: “Por que fizeste isso?” E a mulher respondeu: “A serpente enganou-me e eu comi”. 14Então o Senhor Deus disse à serpente: “Porque fizeste isso, serás maldita entre todos os animais selvagens! Rastejarás sobre o ventre e comerás pó todos os dias da tua vida! 15Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e a dela. Esta te ferirá a cabeça e tu lhe ferirás o calcanhar”. 20E Adão chamou à sua mulher “Eva”, porque ela é a mãe de todos os viventes.

  • Palavra do Senhor.
    – Graças a Deus.

SALMO 86(87)

— Dizem coisas gloriosas da Cidade do Senhor.

— Dizem coisas gloriosas da Cidade do Senhor.

— O Senhor ama a cidade que fundou no Monte santo; ama as portas de Sião mais que as casas de Jacó.

— Dizem coisas gloriosas da Cidade do Senhor. De Sião, porém, se diz: “Nasceu nela todo homem; Deus é sua segurança”.

— Deus anota no seu livro, onde inscreve os povos todos: “Foi ali que estes nasceram”. Por isso todos juntos a cantar se alegrarão; e, dançando, exclamarão: “Estão em ti as nossas fontes!”.

EVANGELHO: Jo 19,25-34

— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 25perto da cruz de Jesus, estavam de pé a sua mãe, a irmã da sua mãe, Maria de Cléofas, e Maria Madalena.

26Jesus, ao ver sua mãe e, ao lado dela, o discípulo que ele amava, disse à mãe: “Mulher, este é o teu filho”. 27Depois disse ao discípulo: “Esta é a tua mãe”. Daquela hora em diante, o discípulo a acolheu consigo.

28Depois disso, Jesus, sabendo que tudo estava consumado, e para que a Escritura se cumprisse até o fim, disse: “Tenho sede”.

29Havia ali uma jarra cheia de vinagre. Amarraram numa vara uma esponja embebida de vinagre e levaram-na à boca de Jesus. 30Ele tomou o vinagre e disse: “Tudo está consumado”. E, inclinando a cabeça, entregou o espírito. 31Era o dia da preparação para a Páscoa. Os judeus queriam evitar que os corpos ficassem na cruz durante o sábado, porque aquele sábado era dia de festa solene. Então pediram a Pilatos que mandasse quebrar as pernas aos crucificados e os tirasse da cruz.

32Os soldados foram e quebraram as pernas de um e depois do outro que foram crucificados com Jesus.

33Ao se aproximarem de Jesus, e vendo que já estava morto, não lhe quebraram as pernas; 34mas um soldado abriu-lhe o lado com uma lança, e logo saiu sangue e água.

  • Palavra da Salvação
    – Glória a vós Senhor.

Comentário do Evangelho

“A presença das mulheres no momento da crucifixão é registrada pelos três evangelistas sinóticos. Contudo, elas permanecem a distância. João, no seu evangelho, as apresenta junto à cruz, Maria Madalena e Maria, a mãe de Jesus, acrescentando o discípulo que Jesus amava. Neste contexto, João introduz as duas falas de Jesus: ‘Mulher, eis teu filho’, à sua mãe, e ‘Eis a tua mãe’, ao discípulo. Sua mãe está presente neste momento final do ministério de seu filho, assim como estivera no início, nas bodas de Caná, quando Jesus afirma que ainda não é chegada sua hora. Jesus dirige-se a sua mãe com o termo ‘mulher’. Com esta expressão, repetida, Jesus irá se dirigir também à mulher samaritana, à beira do poço, e será a expressão com que o Ressuscitado se dirigirá a Maria Madalena, ao lado do túmulo vazio. Agora é chegada a hora. É a hora do sinal maior: a glorificação de Jesus, a sua fidelidade plena ao projeto do Pai, até a morte, estando garantida a continuidade de sua missão pelas novas comunidades. Em Maria, a mulher, temos a mãe de Deus. Maria Madalena, que sairá em busca de Jesus no horto, como no Cântico dos Cânticos, representa a nova comunidade como esposa do Ressuscitado. João, recebendo Maria como mãe, representa o discipulado, como filhos de Deus, herdeiros da vida eterna, em Jesus. […] As narrativas da Paixão se diversificam nos evangelhos, trazendo a marca de cada evangelista. Segundo João, Jesus é crucificado na véspera (‘preparação’) da Páscoa, que naquele ano coincidiu com o sábado. Com hipocrisia, para que a solenidade da Páscoa não fosse profanada pelos mortos, os judeus se preocupam em retirar das cruzes Jesus e os outros dois. Era comum os crucificados se sustentarem sobre o apoio dos pés na ânsia de evitar a morte. Os romanos só os retirariam mortos; assim, os judeus pedem que lhes quebrem as pernas para acelerar sua morte. A Jesus, já encontraram morto, porém um soldado golpeia seu lado com uma lança, saindo sangue e água. No sangue temos a expressão do amor de Jesus, que se doou sem limites, e na água temos a expressão da origem da vida nova no Espírito de amor, doado por Jesus”.

José Raimundo Oliva, ‘A Bíblia dia a dia’, Paulinas.

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
Celebramos hoje a memória litúrgica da Bem-Aventurada Virgem Maria, Mãe da Igreja. Este dia foi inscrito no Calendário Romano Geral, pelo papa Francisco, para ser celebrado todos os anos na segunda-feira depois de Pentecostes. Façamos das palavras do refrão de aclamação ao Evangelho da liturgia de hoje a nossa oração: “Sois feliz, Virgem santa, que gerastes o Senhor! Ó bendita Mãe da Igreja, alimentais em todos nós o Espírito de Jesus!”

Leitura (Verdade)
O que diz o texto? Leia-o e procure compreender o contexto do relato evangélico. Quais palavras mais chamaram sua atenção? Qual é a mensagem central do texto bíblico?
“Depois de preso, Jesus foi abandonado por seus próprios discípulos. Medo, frustração, decepção, tudo isso levou os discípulos a se dispersarem. Mesmo Pedro, que havia dito, quando da última ceia, que jamais abandonaria Jesus, foi capaz de negá-lo três vezes. Mas algumas mulheres, entre elas a mãe de Jesus, e o discípulo que ele amava foram até o fim e permaneceram fiéis aos pés da cruz do Senhor. Quem ama não abandona jamais. Maria amou o seu filho até o fim; aos pés de sua cruz, ela mesma experimentou uma dor enorme, como a de uma espada que atravessa a alma. Ela não era somente mãe; tornara-se discípula fiel, capaz de acompanhar o seu filho até a cruz. Do alto da cruz, penhor da nossa salvação, Jesus vê as duas pessoas que lhe foram mais próximas: sua mãe e o discípulo que ele amava. Para o evangelho de João, a Igreja nasce aos pés da cruz, pela palavra do Senhor que revela a mútua pertença: ‘eis o teu filho… eis a tua mãe’. Maria, mãe do Senhor, é mãe da Igreja. Modelo de fidelidade, mesmo quando o sofrimento dilacera o coração, ela inspira os cristãos a nunca abandonarem o Senhor. Ao discípulo cabe receber a mãe do Senhor e dela cuidar” (Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)
“[…] No evangelho, Jesus crucificado, perto da hora de sua morte, como que em dores de parto, gera algumas pérolas preciosas: a Igreja, os sacramentos do batismo e da eucaristia, e nos dá como mãe a sua própria mãe. Das dores do Cristo, ganhamos dons preciosos. Das dores da Mãe, ganhamos a proteção e o cuidado nas horas difíceis da nossa vida. Diante do sofrimento, Maria nos ensina a sofrer de pé, com dignidade e confiança em Deus. Na cruz, nasce um pacto de cuidado: a Mãe Maria cuida de nós, e nós cuidamos dela” (Frei Mário Sérgio Souza, em “Viver a Palavra”, da Paulinas Editora).

Oração (Vida)
Oração à Virgem Maria: “Virgem e Mãe Maria, vós que, movida pelo Espírito, acolhestes o Verbo da vida na profundidade da vossa fé humilde, totalmente entregue ao Eterno, ajudai-nos a dizer o nosso ‘sim’ perante a urgência, mais imperiosa do que nunca, de fazer ressoar a Boa Nova de Jesus. Vós, cheia da presença de Cristo, levastes a alegria a João Batista, fazendo-o exultar no seio de sua mãe. Vós, estremecendo de alegria, cantastes as maravilhas do Senhor. Vós, que permanecestes firme diante da Cruz com uma fé inabalável, e recebestes a jubilosa consolação da ressurreição, reunistes os discípulos à espera do Espírito para que nascesse a Igreja evangelizadora. Alcançai-nos agora um novo ardor de ressuscitados para levar a todos o Evangelho da vida que vence a morte. Dai-nos a santa ousadia de buscar novos caminhos para que chegue a todos o dom da beleza que não se apaga. Vós, Virgem da escuta e da contemplação, Mãe do amor, esposa das núpcias eternas, intercedei pela Igreja, da qual sois o ícone puríssimo, para que ela nunca se feche nem se detenha na sua paixão por instaurar o Reino. Estrela da nova evangelização, ajudai-nos a refulgir com o testemunho da comunhão, do serviço, da fé ardente e generosa, da justiça e do amor aos pobres, para que a alegria do Evangelho chegue até aos confins da terra e nenhuma periferia fique privada da sua luz. Mãe do Evangelho vivente, manancial de alegria para os pequeninos, rogai por nós. Amém. Aleluia!” (papa Francisco).

Contemplação (Vida e Missão)
De que forma a Palavra de Deus estará presente neste seu dia? O que você deseja colocar em prática, segundo os ensinamentos de Jesus?

Bênção

  • Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
  • Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
  • Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
  • Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Paulinas