Oração diária Tome a sua cruz e me siga - Lc 9,18-24

12º Domingo do Tempo Comum – Ano Litúrgico C

23 de junho de 2019

ORAÇÃO DO DIA

Espírito do Messias solidário e servidor, não me deixes nutrir esperanças vãs de um messianismo glorioso e mundano, que não corresponde à opção do Senhor Jesus.

PRIMEIRA LEITURA: Zc 12,10-11, 13,1

Leitura da Profecia de Zacarias – Assim diz o Senhor: 10“Derramarei sobre a casa de Davi e sobre os habitantes de Jerusalém um espírito de graça e de oração; eles olharão para mim. Ao que eles feriram de morte, hão de chorá-lo, como se chora a perda de um filho único, e hão de sentir por ele a dor que se sente pela morte de um primogênito.
11Naquele dia, haverá um grande pranto em Jerusalém, como foi o de Adadremon, no campo de Magedo.
13,1Naquele dia, haverá uma fonte acessível à casa de Davi e aos habitantes de Jerusalém, para ablução e purificação 

  • Palavra do Senhor.
    – Graças a Deus.

SALMO 62(63)

— A minh’alma tem sede de vós,/ como a terra sedenta, ó meu Deus!
— A minh’alma tem sede de vós,/ como a terra sedenta, ó meu Deus!

— Sois vós, ó Senhor, o meu Deus!/ Desde a aurora ansioso vos busco!/ A minh’alma tem sede de vós,/ minha carne também vos deseja.

— Como terra sedenta e sem água,/ venho, assim, contemplar-vos no templo,/ para ver vossa glória e poder./ Vosso amor vale mais do que a vida:/ e por isso meus lábios vos louvam.

— Quero, pois, vos louvar pela vida,/ e elevar para vós minhas mãos!/ A minh’alma será saciada,/ como em grande banquete de festa;/ cantará a alegria em meus lábios,/ ao cantar para vós meu louvor!

— Para mim fostes sempre um socorro;/ de vossas asas à sombra eu exulto!/ Minha alma se agarra em vós;/ com poder vossa mão me sustenta.

SEGUNDA LEITURA: Gl 3,26-29

Leitura da Carta de São Paulo aos Gálatas – Irmãos: 26Vós todos sois filhos de Deus pela fé em Jesus Cristo.
27Vós todos que fostes batizados em Cristo vos revestistes de Cristo.
28O que vale não é mais ser judeu nem grego, nem escravo nem livre, nem homem nem mulher, pois todos vós sois um só, em Jesus Cristo.
29Sendo de Cristo, sois então descendência de Abraão, herdeiros segundo a promessa. 

  • Palavra do Senhor.
    – Graças a Deus.

EVANGELHO: Lc 9,18-24

        – O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Lucas.
          – Glória a vós, Senhor.

Certo dia, 18Jesus estava rezando num lugar retirado, e os discípulos estavam com ele. Então Jesus perguntou-lhes: “Quem diz o povo que eu sou?”
19Eles responderam: “Uns dizem que és João Batista; outros, que és Elias; mas outros acham que és algum dos antigos profetas que ressuscitou”.
20Mas Jesus perguntou: “E vós, quem dizeis que eu sou?”
Pedro respondeu: “O Cristo de Deus”.
21Mas Jesus proibiu-lhes severamente que contassem isso a alguém. 22E acrescentou: “O Filho do Homem deve sofrer muito, ser rejeitado pelos anciãos, pelos sumos sacerdotes e doutores da Lei, deve ser morto e ressuscitar no terceiro dia”.
23Depois Jesus disse a todos: “Se alguém me quer seguir, renuncie a si mesmo, tome sua cruz cada dia, e siga-me. 24Pois quem quiser salvar a sua vida, vai perdê-la; e quem perder a sua vida por causa de mim, esse a salvará”.

  • Palavra da Salvação
    – Glória a vós Senhor.

Comentário do Evangelho

Celebradas as festas da Ascensão, Pentecostes, Trindade e Corpus, retomamos o evangelista do ano, que é São Lucas. Nos domingos do Tempo Comum lemos e proclamamos passagens do seu Evangelho. É próprio do evangelista São Lucas destacar a oração de Jesus. Jesus estava rezando sozinho e os discípulos estavam por perto. Assim começa a passagem do Evangelho de hoje. Jesus anuncia aos discípulos sua paixão, morte e ressurreição. Ele o faz para prepará-los para quando tudo isso acontecer. Ele o faz também para que tenham ideia clara e certa de quem ele é. É Jesus de Nazaré, o Filho do Homem, é o Cristo de Deus, disse São Pedro. Afirmação acertada de Pedro, mas o que ele entende por Cristo de Deus? Certamente o que todos os judeus entendiam. Jesus é o Messias, restaurador do Reino de Israel, prometido por Deus por meio dos profetas. Em algum momento, ele iria mostrar o seu poder e restabelecer o trono de Davi. Se assim pensavam, estavam equivocados. Jesus é o Servo sofredor anunciado por Isaías. Os judeus tinham dificuldade de interpretar a passagem de Zacarias que lemos na primeira leitura. Entendiam que ela fala do Messias, mas não entendiam que ele fosse traspassado e que se chorasse a sua morte. Chegavam a dizer que Zacarias não falava do Messias, filho de Davi.
Que grande luto é esse em Jerusalém, anunciado pelo profeta e comparado a lutos da antiguidade? Há uma resposta no Talmud dos judeus, no tratado Succa, onde se lê que o Rabi Dossa e os outros sábios discutiam a passagem de Zacarias. Unspara o mal, que é morta. O Messias, filho de José, seria um primeiro Messias da linhagem de José do Egito que precede a vinda do Messias, filho de Davi. Lendo com olhos cristãos o texto de Zacarias, nele vemos Jesus de Nazaré, filho de José, crucificado e traspassado pela lança do soldado romano. Jerusalém está de luto e chora como se chora a morte de um filho único, de um primogênito. Da cruz, à disposição de Davi e de Jerusalém, jorra uma fonte que lava os pecados e a impureza. Jesus crucificado devolve a Davi não um trono, mas a vida de Deus. Para os cristãos, Jesus é o Messias Filho de José e o Messias Filho de Davi. Ele veio e morreu. Ele virá ressuscitado em sua glória.
O Apóstolo São Paulo mostra aos gálatas o alcance da morte salvífica de Cristo na cruz. Todos os que foram lavados pela fonte que brotou da cruz, todos os que se lavaram nas águas batismais, se revestiram de Cristo. São todos filhos de Deus pela fé. São todos herdeiros das promessas feitas a Abraão. São todos um só em Cristo Jesus. Todas as diferenças se encontram e se unificam em Cristo Jesus. Não há mais judeu ou grego, escravo ou livre, homem ou mulher. Nascemos todos cidadãos livres no mesmo mundo. Só depois nos ensinaram uma língua e nos deram uma bandeira. Com o Salmista cantamos que nossa alma tem sede de Deus e que somos como terra sedenta e sem água. Encontramos, porém, como lemos na profecia de Zacarias, uma fonte acessível à casa de Davi e aos habitantes de Jerusalém para ablução e purificação. Buscamos a água da ablução e da purificação para nos lavar, não para bebê-la. Na verdade, porém, a sede da nossa alma é sede de Deus e não de água. É ele quem mata a nossa sede. Nossa alma se agarra em Deus e é saciada como em um grande banquete de festa. Queremos louvá-lo ao longo de nossa vida, elevando a ele nossas mãos que carregam a cruz e anunciando a todas as criaturas seu amor de salvação. Diziam que se tratava do Messias, filho de José, que é morto. Outros diziam que se tratava da inclinação.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2019’, Paulinas

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
Liturgia do 12º domingo do Tempo Comum. Neste novo dia que o Senhor nos concede, com alegria acolhamos a Palavra de Deus. Diante das interrogações de Jesus aos seus discípulos – “Quem dizem as multidões que eu sou?”; “E vós, quem dizeis que eu sou?” –, Pedro prontamente responde: “Tu és o Cristo de Deus”. Que a escuta e a meditação da Palavra motivem em nós a mesma profissão de fé de Pedro.

Leitura (Verdade)
O que diz o texto? Qual questionamento Jesus dirige aos seus discípulos? Quais são as afirmações a respeito de Jesus? Para Simão Pedro, quem é Jesus? Qual é a reação de Pedro diante do anúncio de que o Filho do Homem irá sofrer, ser morto e depois ressuscitar?
“[…] A dupla pergunta posta aos discípulos revela a preocupação de Jesus de que sua missão e a sua verdadeira identidade não estejam sendo compreendidas. O autor do quarto evangelho apresenta esta preocupação de modo claro: ‘Vós me procurais não porque vistes sinais, mas porque comestes e ficastes saciados’ (Jo 6,26). Na primeira parte do texto há uma dupla pergunta: ‘Quem dizem as multidões que eu sou?’ (v. 18), e ‘quem dizeis que eu sou?’ (v. 20). À resposta acerca da opinião da multidão, Jesus não faz nenhum comentário. A resposta acerca da opinião da multidão confirma a suspeita de incompreensão. Mesmo que a pessoa de Jesus suscite perguntas e provoque a opinião das pessoas, a multidão continua voltada para o passado de Israel, incapaz de perceber e reconhecer a irrupção da visita salvífica de Deus (Lc 1,68; 7,16). É a vez de os discípulos se engajarem na resposta à pergunta: ‘E vós, quem dizeis que eu sou?’. A resposta é mais importante para os discípulos do que para Jesus. Dela dependerá a adesão ou não ao Senhor. Pedro, como porta­voz de todos os demais, toma a iniciativa: ‘O Cristo de Deus’ (v. 20). Isto significa: o Messias prometido e esperado, aquele que é habitado pelo Espírito Santo (cf. Lc 3,22; 4,1.18). Jesus impede os discípulos de divulgarem o que Pedro acaba de proclamar. Isto porque será preciso esclarecer de que Messias se trata; talvez o Messias que Jesus é não seja exatamente o que os próprios discípulos pensavam ter encontrado (ver: Mc 8,32­33)” (Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)
O que o texto diz a você hoje? Qual palavra mais chamou sua atenção durante a leitura? De que forma o texto fortalece sua caminhada de fé? Como você acolhe as palavras e ensinamentos de Jesus em sua vida? Quais atitudes o Senhor o(a) convida a viver?
“Será que esses homens sabem a quem estão seguindo e por quem estão doando as suas vidas? Tem muita gente que segue outras pessoas irracionalmente. Há muitos líderes que alienam seus seguidores. Jesus queria saber a seu respeito. Sobretudo, Jesus queria saber se seus discípulos sabiam quem ele era. As multidões estão confusas: João Batista, Elias, alguns dos antigos profetas. ‘E para vocês, quem sou eu?’ Aqui está a pergunta central. Da boca de Pedro, aquele que deve confirmar os irmãos na fé, vem a profissão: ‘O Cristo de Deus!’. ‘Não conte isso para ninguém’, disse Jesus. ‘Deixe que as pessoas me descubram ao longo do caminho’. Por isso, Jesus convida ao discipulado: ‘Renuncie a si mesmo, tome sua cruz e me siga!’” (Frei Mário Sérgio Souza, em “Viver a Palavra”, da Paulinas Editora).

Oração (Vida)
Invocações a Jesus Mestre
Jesus Mestre, santificai meus pensamentos e aumentai minha fé.
Jesus Mestre, libertai-me do desânimo e fortificai minha esperança.
Jesus, Mestre vivo na Igreja, ajudai-me a viver a solidariedade e o amor.
Jesus Mestre, caminho entre o Pai e nós, tudo vos ofereço e de Vós tudo espero.
Jesus, Caminho da santidade, tornai-me vosso fiel seguidor.
Jesus Caminho, tornai-me perfeito como o Pai que está nos céus.
Jesus Vida, vivei em mim, para que eu viva em Vós.
Jesus Vida, fazei-me viver eternamente na alegria do vosso amor.
Jesus Verdade, que eu seja luz para o mundo.
Jesus Caminho, que eu seja vossa testemunha autêntica diante de todos.
Jesus Vida, fazei que minha presença comunique vosso amor e vossa alegria. Amém.

Contemplação (Vida e Missão)
De que forma a Palavra de Deus estará presente neste seu dia? O que você deseja colocar em prática, segundo os ensinamentos de Jesus?

Bênção

  • Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
  • Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
  • Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
  • Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Paulinas