Oração diária, Transfiguração de Jesus - Mc 9,2-10

2º Domingo da Quaresma – Ano Litúrgico B

25 de fevereiro de 2018

ORAÇÃO DO DIA

Jesus, divino Mestre, eu louvo e agradeço o vosso Coração porque entregaste vossa vida por mim.

PRIMEIRA LEITURA: Gn 22,1-2.9a.10-13.15-18

Leitura do Livro do Gênesis

– Naqueles dias, 1Deus pôs Abraão à prova. Chamando-o, disse: “Abraão!” E ele respondeu: “Aqui estou”.
2E Deus disse: “Toma teu filho único, Isaac, a quem tanto amas, dirige-te à terra de Moriá e oferece-o aí em holocausto sobre um monte que eu te indicar”.
9aChegados ao lugar indicado por Deus, Abraão ergueu um altar, colocou a lenha em cima, amarrou o filho e o pôs sobre a lenha, em cima do altar. 10Depois, estendeu a mão, empunhando a faca para sacrificar o filho.
11E eis que o anjo do Senhor gritou do céu, dizendo: “Abraão! Abraão!”
Ele respondeu: “Aqui estou”.
12E o anjo lhe disse: “Não estendas a mão contra teu filho e não lhe faças nenhum mal! Agora sei que temes a Deus, pois não me recusaste teu filho único”.
13Abraão, erguendo os olhos, viu um carneiro preso num espinheiro pelos chifres; foi buscá-lo e ofereceu-o em holocausto no lugar do seu filho.
15O anjo do Senhor chamou Abraão, pela segunda vez, do céu,
16e lhe disse: “Juro por mim mesmo — oráculo do Senhor —, uma vez que agiste deste modo e não me recusaste teu filho único,
17eu te abençoarei e tornarei tão numerosa tua descendência como as estrelas do céu e como as areias da praia do mar. Teus descendentes conquistarão as cidades dos inimigos.
18Por tua descendência serão abençoadas todas as nações da terra, porque me obedeceste”.

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

SALMO 116B(115)

          — Andarei na presença de Deus, junto a ele na terra dos vivos!
— Andarei na presença de Deus, junto a ele na terra dos vivos!

— Guardei a minha fé, mesmo dizendo:/ “É demais o sofrimento em minha vida!”/ É sentida por demais pelo Senhor/ a morte de seus santos, seus amigos.

— Eis que sou o vosso servo, ó Senhor,/ vosso servo que nasceu de vossa serva;/ mas me quebrastes os grilhões da escravidão!/ Por isso oferto um sacrifício de louvor,/ invocando o nome santo do Senhor.

— Vou cumprir minhas promessas ao Senhor/ na presença de seu povo reunido;/ nos átrios da casa do Senhor,/ em teu meio, ó cidade de Sião!

SEGUNDA LEITURA: Rm 8,31b-34

Leitura da Carta de São Paulo aos Romanos

– Irmãos: 31bSe Deus é por nós, quem será contra nós?
32Deus, que não poupou seu próprio Filho, mas o entregou por todos nós, como não nos daria tudo junto com ele?
33Quem acusará os escolhidos de Deus? Deus, que os declara justos? 34Quem condenará? Jesus Cristo, que morreu, mais ainda, que ressuscitou, e está à direita de Deus, intercedendo por nós?

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

EVANGELHO: Mc 9,2-10

– O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Marcos.
          – Glória a vós, Senhor.

          Naquele tempo,
2Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João, e os levou sozinhos a um lugar à parte, sobre uma alta montanha. E transfigurou-se diante deles.
3Suas roupas ficaram brilhantes e tão brancas como nenhuma lavadeira sobre a terra poderia alvejar.
4Apareceram-lhe Elias e Moisés, e estavam conversando com Jesus.
5Então Pedro tomou a palavra e disse a Jesus: “Mestre, é bom ficarmos aqui. Vamos fazer três tendas: uma para ti, outra para Moisés e outra para Elias”.
6Pedro não sabia o que dizer, pois estavam todos com muito medo.
7Então desceu uma nuvem e os encobriu com sua sombra. E da nuvem saiu uma voz: “Este é o meu Filho amado. Escutai o que ele diz!”
8E, de repente, olhando em volta, não viram mais ninguém, a não ser somente Jesus com eles.
9Ao descerem da montanha, Jesus ordenou que não contassem a ninguém o que tinham visto, até que o Filho do Homem tivesse ressuscitado dos mortos.
10Eles observaram esta ordem, mas comentavam entre si o que queria dizer “ressuscitar dos mortos”.

– Palavra da Salvação
– Glória a vós Senhor.

Comentário do Evangelho

Do Deserto da Tentação subimos hoje com Jesus à Montanha da Transfiguração. Conosco sobem Pedro, Tiago e João. Estavam eles lá sozinhos quando Jesus mudou de figura, se transfigurou. Sua roupa ficou muito branca e brilhante. Aparecem então Elias e Moisés que conversam com Jesus. Pedro, Tiago e João estão vendo tudo. Sem saber o que dizer, Pedro se propõe a fazer três tendas, uma para Jesus e as outras duas para Elias e Moisés, respectivamente. De repente, a sombra de uma nuvem os cobre e eles ouvem uma voz: “Este é meu Filho amado. Escutai-o”. Moisés e Elias desaparecem e eles ficam sozinhos com Jesus. Desceram da montanha e Jesus lhes ordenou que não contassem nada a ninguém até que ele tivesse ressuscitado dos mortos. Eles não entenderam o que significava “ressuscitar dos mortos”. Mais tarde, escrevendo aos romanos, Paulo dirá que Jesus morreu, ressuscitou, está à direita de Deus e intercede por nós. Eles não entenderam nem podiam imaginar que a ressurreição aconteceria depois de uma morte dolorosa. Precisavam, pois, ver agora o Cristo transfigurado antes de vê-lo depois crucificado. De fato, diz São Paulo, “Deus não poupou seu próprio Filho e o entregou por nós e, com ele, deu-nos tudo”. Quem será então contra nós, se ele intercede por nós e Deus está a nosso favor?
Deus não poupou o seu próprio Filho, assim como Abraão não poupou Isaac, seu filho único bem-amado. Deus quis provar Abraão. Chamou-o, mandou que pegasse Isaac, fosse com ele à terra de Moriá e o oferecesse em holocausto. Quando Abraão ia sacrificar Isaac, um anjo o impediu e disse “Agora, sei que temes a Deus, pois não me recusaste teu único filho”. Em lugar de Isaac, Abraão sacrificou um carneiro e, depois, o anjo lhe disse: “Eu te abençoarei e tornarei tua descendência tão numerosa como as estrelas do céu. Por tua descendência serão abençoadas todas as nações da terra, porque me obedeceste”. As promessas, diz Paulo, foram asseguradas a Abraão e à sua descendência. Não aos seus muitos descendentes, mas a um só, “a tua descendência”, que é Jesus Cristo. Por este descendente de Abraão que é Jesus Cristo, todas as nações da terra são abençoadas e todos podem se tornar filhos de Abraão, pela fé em Jesus Cristo. Naquele momento eles não compreenderam. Mais tarde compreenderão o alcance da Ressurreição do Senhor. E assim caminhamos para a Páscoa, preparando-nos nesta Quaresma para renovar a graça do batismo na Vigília Pascal. Experimentamos com Jesus a fragilidade humana no deserto e vimos a transfiguração do nosso corpo quando ele mesmo se transfigurou no monte.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2018’, Paulinas

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
Segundo domingo da Quaresma. No Evangelho de hoje, subimos com Jesus à Montanha da Transfiguração. “Da nuvem saiu uma voz: ‘Este é o meu Filho amado. Escutai-o!’” (Mc 9,7). Esse é o convite que a Palavra faz a cada um de nós. Acolhamos o que o Senhor quer nos dizer por meio de sua Palavra.
Rezemos: “Ó divino Espírito, ensina-me tudo quanto Jesus ensinou. Dá-me inteligência para entender; memória para lembrar; vontade dócil para praticar; coração generoso para corresponder aos teus convites. Amém.”

Leitura (Verdade)
O que diz o texto? Quais personagens estão presentes na narrativa? Qual é o tema central do Evangelho? Qual mensagem o evangelista nos transmite? Quem é Jesus? Qual pedido é dirigido aos apóstolos?
“O relato da transfiguração é uma prolepse da ressurreição de Jesus Cristo e uma ocasião para a afirmação, da parte do Pai, da filiação divina de Jesus. É sobre uma montanha que Jesus sobe com três dos seus discípulos. A montanha é, para a tradição bíblica, o lugar da revelação de Deus e de seus desígnios (cf. Ex 3,1ss). Os seis dias mencionados no início do relato referem-se à conversa de Jesus com os discípulos e com a multidão, cujo tema central era o seu destino pessoal. O passivo divino “foi transfigurado” indica que foi Deus quem transfigurou o seu Filho bem-amado. A ação de Deus na vida de Jesus tem um reflexo luminoso que atinge todo o seu ser e tem reflexo no corpo, através do qual a pessoa é reconhecida na sua identidade pessoal e inalienável. A presença de Elias e Moisés, na glória de Deus, conversando com Jesus, aponta para a ressurreição de Jesus e indica que todo o Antigo Testamento dá testemunho do que será, em seguida, dito pela voz celeste, a saber, que Jesus é o Filho de Deus. A palavra de Pedro a Jesus é a reação dele diante do acontecido; aos discípulos significa acolherem a revelação da divindade e filiação divina de Jesus. Para a comunidade cristã que lê o relato é exigida a escuta de Jesus, pois é através dela que se chega a conhecer o mistério de Deus” (Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)
“Quando o Senhor se transfigura diante de Pedro, Tiago e João, eles ouvem a voz de Deus Pai, que diz: ‘Este é o Meu Filho! Escutai-O!’. A graça de ouvir Jesus. Por quê? Para alimentar a nossa fé com a Palavra de Deus. […] Ouvimos tantas coisas durante o dia, tantas coisas… Mas faço-vos uma pergunta: dedicamos um pouco de tempo, todos os dias, a ouvir Jesus, a ouvir a Palavra de Jesus? Em casa, temos o Evangelho? E ouvimos todos os dias Jesus no Evangelho, lemos um trecho do Evangelho? Ou temos medo disso, ou não estamos habituados? Escutar a Palavra de Jesus, para nos alimentar! Isto significa que a Palavra de Jesus é o alimento mais forte para a alma: alimenta a nossa alma, alimenta a nossa fé! Eu vos sugiro que dediqueis todos os dias alguns minutos a ler um lindo trecho do Evangelho e a ouvir o que ele descreve. Ouvir Jesus, e aquela Palavra de Jesus todos os dias entra no nosso coração e torna-nos mais fortes na fé” (Papa Francisco).

Oração (Vida)
Em silêncio, faça sua oração. Agradeça a riqueza da Palavra de Deus e os ensinamentos escondidos em cada palavra.
Conclua com a oração da Campanha da Fraternidade: “Deus e Pai, nós vos louvamos pelo vosso infinito amor e vos agradecemos por ter enviado Jesus, o Filho amado, nosso irmão. Ele veio trazer paz e fraternidade à terra e, cheio de ternura e compaixão, sempre viveu relações repletas de perdão e misericórdia. Derrama sobre nós o Espírito Santo, para que, com o coração convertido, acolhamos o projeto de Jesus e sejamos construtores de uma sociedade justa e sem violência, para que, no mundo inteiro, cresça o vosso Reino de liberdade, verdade e paz. Amém.”

Contemplação (Vida e Missão)
Com a Palavra de Deus na mente e no coração, qual atitude você se propõe a viver hoje?

Bênção
– Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
– Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
– Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
– Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.