Liturgia diária 21 de fevereiro de 2016

2º Domingo da Quaresma – Ano Litúrgico C

17 de março de 2019

ORAÇÃO DO DIA

Na liturgia diária fazemos um encontro pessoal com Deus nos colocando a disposição para ouvir seus ensinamentos.

PRIMEIRA LEITURA: Gn 15,5-12.17-18

Leitura do Livro do Gênesis – Naqueles dias, 5o Senhor conduziu Abrão para fora e disse-lhe: “Olha para o céu e conta as estrelas, se fores capaz!” E acrescentou: “Assim será a tua descendência”.
6Abrão teve fé no Senhor, que considerou isso como justiça. 7E lhe disse: “Eu sou o Senhor que te fez sair de Ur dos Caldeus, para te dar em possessão esta terra”.
8Abrão lhe perguntou: “Senhor Deus, como poderei saber que vou possuí-la?” 9E o Senhor lhe disse: “Traze-me uma novilha de três anos, uma cabra de três anos, um carneiro de três anos, além de uma rola e de uma pombinha”.
10Abrão trouxe tudo e dividiu os animais pelo meio, mas não as aves, colocando as respectivas partes uma frente à outra.
11Aves de rapina se precipitaram sobre os cadáveres, mas Abrão as enxotou. 12Quando o sol já ia se pondo, caiu um sono profundo sobre Abrão e ele foi tomado de grande e misterioso terror.
17Quando o sol se pôs e escureceu, apareceu um braseiro fumegante e uma tocha de fogo, que passaram por entre os animais divididos.
18Naquele dia, o Senhor fez aliança com Abrão, dizendo: “Aos teus descendentes darei esta terra, desde o rio do Egito até o grande rio, o Eufrates”. 

  • Palavra do Senhor.
    – Graças a Deus.

SALMO 27

— O Senhor é minha luz e salvação.

— O Senhor é minha luz e salvação.

— O Senhor é minha luz e salvação;/ de quem eu terei medo?/ O Senhor é a proteção da minha vida;/ perante quem eu tremerei?

— Ó Senhor, ouvi a voz do meu apelo,/ atendei por compaixão!/ Meu coração fala convosco confiante,/ é vossa face que eu procuro.

— Não afasteis em vossa ira o vosso servo,/ sois vós o meu auxílio!/ Não me esqueçais nem me deixeis abandonado,/ meu Deus e Salvador!

— Sei que a bondade do Senhor eu hei de ver/ na terra dos viventes./ Espera no Senhor e tem coragem,/ espera no Senhor!

SEGUNDA LEITURA: Fl 3,17— 4,1

Leitura da Carta de São Paulo aos Filipenses – 17Sede meus imitadores, irmãos, e observai os que vivem de acordo com o exemplo que nós damos.
18Já vos disse muitas vezes, e agora o repito, chorando: há muitos por aí que se comportam como inimigos da cruz de Cristo. 19O fim deles é a perdição, o deus deles é o estômago, a glória deles está no que é vergonhoso e só pensam nas coisas terrenas.
20Nós, porém, somos cidadãos do céu. De lá aguardamos o nosso Salvador, o Senhor Jesus Cristo. 21Ele transformará o nosso corpo humilhado e o tornará semelhante ao seu corpo glorioso, com o poder que tem de sujeitar a si todas as coisas.
4,1Assim, meus irmãos, a quem quero bem e dos quais sinto saudade, minha alegria, minha coroa, meus amigos, continuai firmes no Senhor.

  • Palavra do Senhor.
    – Graças a Deus.

EVANGELHO: Lc 9,28b-36

– O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Lucas.
          – Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 28bJesus levou consigo Pedro, João e Tiago, e subiu à montanha para rezar. 29Enquanto rezava, seu rosto mudou de aparência e sua roupa ficou muito branca e brilhante.
30Eis que dois homens estavam conversando com Jesus: eram Moisés e Elias. 31Eles apareceram revestidos de glória e conversavam sobre a morte, que Jesus iria sofrer em Jerusalém.
32Pedro e os companheiros estavam com muito sono. Ao despertarem, viram a glória de Jesus e os dois homens que estavam com ele.
33E, quando estes dois homens se iam afastando, Pedro disse a Jesus: “Mestre, é bom estarmos aqui. Vamos fazer três tendas: uma para ti, outra para Moisés e outra para Elias”. Pedro não sabia o que estava dizendo.
34Ele estava ainda falando, quando apareceu uma nuvem que os cobriu com sua sombra. Os discípulos ficaram com medo ao entrarem dentro da nuvem.
35Da nuvem, porém, saiu uma voz que dizia: “Este é o meu Filho, o Escolhido. Escutai o que ele diz!”
36Enquanto a voz ressoava, Jesus encontrou-se sozinho. Os discípulos ficaram calados e naqueles dias não contaram a ninguém nada do que tinham visto.

  • Palavra da Salvação
    – Glória a vós Senhor.

Comentário do Evangelho

Jesus sobe a uma montanha para rezar. Leva consigo os apóstolos Pedro, Tiago e João. Durante a oração, Jesus muda de aparência. Sua roupa fica brilhante. Aparecem Moisés e Elias. Moisés, o legislador, e Elias, o profeta. Aparecem revestidos de glória e conversam sobre o “êxodo” de Jesus, que deve acontecer em Jerusalém. Conversam sobre a morte de Jesus na cruz. Os apóstolos estão fora de cena. Tinham adormecido. Estavam com sono. Quando acordaram, viram ainda o ambiente de glória e Moisés e Elias que se afastavam. Pedro se dispôs rapidamente a fazer três tendas, mas não sabia o que estava dizendo. A revelação é para eles, mas os apóstolos não compreendem o que está acontecendo. Pedro quer cobrir com tendas materiais os seres celestiais que manifestam sua glória. Quando estão sós, Jesus e os apóstolos, o Pai se manifesta. Eis o que os apóstolos precisam saber e devem ouvir para compreender tudo o que virá depois. De uma nuvem que desceu e os envolveu, saiu uma voz que dizia: “Este é o meu Filho, o eleito. Escutai-o”. Aí está o centro da cena da transfiguração, bem no coração do Novo Testamento: o Pai, que revela aos apóstolos quem é Jesus.
No Cristo crucificado vemos Jesus transfigurado. Em sua transfiguração vemos a nossa transfiguração. “Ele transformará nosso corpo humilhado e o tornará semelhante ao seu corpo glorioso”, escreve São Paulo. A transfiguração não é um ato isolado. Ela acontece aqui para dar força aos apóstolos que verão o Cristo crucificado, mas ela está acontecendo o tempo todo no ministério de Jesus, que transfigura quem entra em contato com ele: os pecadores, os doentes, os possessos, os marginalizados. Sabendo que nosso corpo se tornará semelhante ao seu corpo glorioso, aproximemo-nos, como Jesus, de quem precisa ser transfigurado. A grande prática penitencial da Quaresma será, sem dúvida, a difusão do amor. Assim, tornamos atual a transfiguração de Jesus, que se deu em seu corpo, transfigurando os corpos desfigurados de nossos irmãos e irmãs. Não apreciamos somente as coisas da terra. Sabemos, porém, perceber o valor e a dignidade do corpo humano, sem o qual não somos humanos, corpo que passará pela transfiguração, graças ao poder que Jesus tem de sujeitar a si todas as coisas.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2019’, Paulinas.

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
Celebramos o 2º domingo da Quaresma. Mais uma vez nos encontramos com a riqueza da Palavra de Deus. Celebramos na liturgia a memória da Transfiguração do Senhor. “Da nuvem saiu uma voz que dizia: ‘Este é o meu Filho, o Eleito. Escutai-o!’” (Lc 9,35). Esse é também o convite que a Palavra faz a cada um de nós. Acolhamos o que o Senhor quer dizer-nos por meio de sua Palavra.
Rezemos: “Senhor Jesus, dá-me um coração simples para compreender a riqueza de ensinamentos escondida em tua Palavra. Envia teu Espírito Santo para que eu não tenha medo de escutá-la e vivê-la conforme a tua vontade. Que a Palavra transforme o meu coração através da fé e da confiança que eu deposito em ti. Amém.”

Leitura (Verdade)
Este é o momento de compreendermos o texto. O que ele diz? Leia com calma e silenciosamente os versículos do Evangelho. Depois, faça uma nova leitura, em voz alta e pausadamente, repetindo as palavras que mais chamaram sua atenção. Quais personagens aparecem no texto? Onde eles se encontram? O que acontece no alto da montanha? Como os discípulos reagem? O que significam as palavras: “Este é o meu Filho, o Eleito. Escutai-o!”?
“Esse relato da transfiguração está presente, com pequenas variantes, nos três primeiros evangelhos. O modelo para o relato de Lucas é o de Marcos. Do ponto de vista literário, o relato é uma prolepse dos acontecimentos de Jerusalém: ‘… conversavam sobre a saída deste mundo que Jesus iria consumar em Jerusalém’ (v. 31), isto é, a paixão, morte e ressurreição. Na montanha, lugar de encontro com Deus, Pedro, Tiago e João são admitidos na oração de Jesus e podem contemplar, na glória, Jesus juntamente com Moisés e Elias; ambos aparecem ‘revestidos de glória’ (v. 31), o que sugere a promessa da ressurreição. O que faz com que o rosto de Jesus seja transfigurado, na sua oração, é que ele mantém a sua face voltada para o Pai. É a comunhão com o Pai que transfigura e revela o mistério do Filho. A visão da glória de Jesus (cf. v. 32) faz com que Pedro tome a iniciativa de fazer a proposta de construir três tendas (cf. v. 33). Mas a sua sugestão cai no vazio, pois é Deus que os envolve na nuvem, ou seja, os faz participar da intimidade divina. O medo que eles sentem corresponde à entrada na presença de Deus; eles sabem que ver Deus é morrer (Jz 6,23; 13,22; Ex 33,20). Na verdade, diz o evangelista, Pedro ‘nem sabia o que estava dizendo’ (v. 33). O que Pedro não compreende é que a verdadeira tenda, o lugar da presença de Deus, é Jesus. Aos discípulos cabe, então, descer da montanha e acompanhar Jesus na sua subida para Jerusalém […]” (Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)
Agora, vamos trazer a reflexão da Palavra para a nossa vida. O que o texto diz a você? Que aspectos do mistério de Deus esta passagem nos permite conhecer? Como Cristo viveu isso? Que luz nos dá Jesus, com sua pessoa e sua mensagem? De que maneira esta passagem nos compromete? O que ela pede a você?
“Jerusalém é o lugar do conflito. Ali Jesus será preso, condenado e crucificado. No caminho de Jerusalém, as cortinas da glória se abrem por um instante. Moisés e Elias dão testemunho de que ele é o Filho de Deus. Esta experiência seria importante na crise que se avizinhava. A montanha é o lugar da oração, da experiência com Deus. Todos precisamos da montanha para recuperar o sentido da missão. Nosso mundo, desfigurado por tantos sinais de pecado, espera e deseja ser também transfigurado. Trata-se de recuperar a graça original. Hoje muitos cristãos perderam a referência, perderam as certezas, perderam a herança espiritual recebida. A solução: ‘Este é meu filho amado, escutai-o!’” (Frei Aldo Colombo, em “Viver a Palavra”, da Paulinas Editora).

Oração (Vida)
Ouvimos Deus, que falou conosco por meio de sua Palavra. Agora, somos impelidos em direção àquele a quem temos ouvido. O que o texto bíblico o(a) inspira a dizer ao Senhor? Conclua com a oração composta por São João Paulo II: “Senhor Jesus, concede-me crer firmemente no amor que Tu me revelaste e que doaste no teu Evangelho. Faze que eu ouça cada dia a tua voz que me chama a seguir-te para sentir sempre em mim os benefícios da tua redenção. Amém”.

Contemplação (Vida e Missão)
Com a Palavra de Deus na mente e no coração, qual atitude você se propõe a tomar hoje?

Bênção

  • Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
  • Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
  • Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
  • Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Paulinas