Oração Não convém que um profeta morra fora de Jerusalém... - Lc 13,31-35

30ª Semana do Tempo Comum – Ano Litúrgico C

31 de outubro de 2019

ORAÇÃO DO DIA

Pai, predispõe-me, pela força do teu Espírito, a acolher a salvação que teu Filho Jesus me oferece, fazendo-me digno deste dom supremo de tua bondade.

PRIMEIRA LEITURA: Rm 8,31b-39

Leitura da Carta de São Paulo aos Romanos – Irmãos, 31bse Deus é por nós, quem será contra nós? 32Deus, que não poupou seu próprio Filho, mas o entregou por todos nós, como não nos daria tudo junto com ele? 33Quem acusará os escolhidos de Deus? Deus, que os declara justos? 34Quem condenará? Jesus Cristo, que morreu, mais ainda, que ressuscitou, e está, à direita de Deus, intercedendo por nós? 35Quem nos separará do amor de Cristo? Tribulação? Angústia? Perseguição? Fome? Nudez? Perigo? Espada? 36Pois é assim que está escrito: “Por tua causa somos entregues à morte, o dia todo; fomos tidos como ovelhas destinadas ao matadouro”. 37Mas, em tudo isso, somos mais que vencedores, graças àquele que nos amou!
38Tenho certeza de que nem a morte nem a vida, nem os anjos nem os poderes celestiais, nem o presente nem o futuro, nem as forças cósmicas, 39nem a altura nem a profundeza, nem outra criatura qualquer serão capazes de nos separar do amor de Deus por nós, manifestado em Cristo Jesus, nosso Senhor.

  • Palavra do Senhor.
    – Graças a Deus.

SALMO 108(109)

— Salvai-me, Senhor, segundo a vossa bondade!
— Salvai-me, Senhor, segundo a vossa bondade!

— Agi a meu favor, ó Senhor Deus, por amor do vosso nome, libertai-me, pois vossa lealdade é benfazeja! Necessitado e infeliz, eis o que sou, dentro de mim meu coração está ferido!

— Senhor, meu Deus, vinde ajudar-me e salvar-me, segundo vosso amor e compaixão. Para que nisso reconheçam vossa mão e saibam que sois vós que o fizestes!

— Celebrarei o meu Senhor em alta voz, em meio à multidão hei de louvá-lo. Pois ele defende o indigente e o salva daqueles que condenam sua alma.

EVANGELHO: Lc 13,31-35

        – O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Lucas.
          – Glória a vós, Senhor.

31Naquela hora, alguns fariseus aproximaram-se e disseram a Jesus: “Tu deves ir embora daqui, porque Herodes quer te matar”. 32Jesus disse: “Ide dizer a essa raposa: eu expulso demônios e faço curas hoje e amanhã; e no terceiro dia terminarei o meu trabalho. 33Entretanto, preciso caminhar hoje, amanhã e depois de amanhã, porque não convém que um profeta morra fora de Jerusalém.
34Jerusalém, Jerusalém! Tu que matas os profetas e apedrejas os que te foram enviados! Quantas vezes eu quis reunir teus filhos, como a galinha reúne os pintinhos debaixo das asas, mas tu não quiseste! 35Eis que vossa casa ficará abandonada. Eu vos digo: não me vereis mais, até que chegue o tempo em que vós mesmos direis: Bendito aquele que vem em nome do Senhor”.

  • Palavra da Salvação
    – Glória a vós Senhor.

Comentário do Evangelho

Alguns fariseus foram dizer a Jesus para ir embora, porque Herodes queria matá-lo. Herodes Antipas foi quem mandou decapitar São João Batista. Eles não gostavam de Herodes e podem ter avisado Jesus mais por serem contra Herodes do que a favor de Jesus. Na realidade, os fariseus foram mais opositores dos cristãos depois da destruição de Jerusalém do que de Jesus em seu tempo. Jesus manda então um recado a Herodes, certamente não muito diplomático. Ele chama o rei de raposa, vocábulo que tem o sentido de astuto e falso. Nenhuma autoridade deste mundo tem poder sobre Jesus. Ele tem uma tarefa a cumprir e vai cumpri-la. Tudo acontecerá em seu devido tempo, quando tudo estará consumado. Jesus vai morrer em Jerusalém como convém a um profeta. Jesus faz então, ao modo dos profetas, uma lamentação sobre Jerusalém, a Cidade Santa, expressão de tudo o que é contraditório no ser humano: “Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas”. Neste mundo tudo é amostra limitada do que há de vir. Esperemos, então, pela Jerusalém celeste.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2019’, Paulinas.

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
Abra o coração para a ternura de Deus e confie sem temor em sua promessa. Deixe que o amor generoso de Deus o(a) acolha como uma mãe acolhe o filho. Permaneça na intimidade do Pai e sinta a força de sua asa protetora. Reze confiante:
“Deus, meu amado Pai, sonda o meu coração. Ele está aberto para ti. Tu conheces minha natureza e todas as minhas fraquezas. Diante de ti, sou tão pequeno, mas me engrandeço na tua presença. Na fé que me conduz ao verdadeiro caminho, eu lhe peço, fica comigo, cobre-me com a tua misericórdia, afaga-me com o teu abraço e sustenta-me com a tua mão. O fardo é mais leve quando estou contigo. A fé alimenta minha alma e me nutre de vida. Querido Pai, guia-me para o caminho reto. Envolve-me de bênçãos e vitórias. Confio em ti e esperarei, porque o melhor tempo é o tempo do Senhor. Que o Espírito Santo esteja comigo em todos os momentos da minha vida, envolvendo-me de proteção e luz. Obrigado(a) por me escutar, meu Pai. Amém.”

Leitura (Verdade)
“Herodes representava um perigo real para Jesus, mas não tinha força para afastá-lo de sua missão. Jesus chama Herodes de raposa, um animal vil, mas esperto. Jesus caminha para Jerusalém, lugar sagrado, mas que se mostrou incapaz de acolher a Boa-Nova do Reino. Ali ele será questionado, preso e morrerá na cruz, mas o episódio não será o ponto final. Haverá o Terceiro Dia, em que a missão será concluída. O tempo de Deus é hoje. Jerusalém não soube entender a ternura do Senhor, comparada à galinha que cuida dos pintinhos e os coloca debaixo de suas asas. Um dia Jesus chorará sobre a ingratidão da cidade. Deus nunca volta atrás em seu amor, mas este amor precisa ser acolhido. Vale para Jerusalém, vale para nós” (Frei Aldo Colombo, em “Viver a Palavra”, da Paulinas Editora).
Tome consciência da ternura de Deus para conosco. Ele nos adotou como filhos e nos espera sempre de braços abertos.

Meditação (Caminho)
É preciso vigiar, estar sempre atento(a) e confiar na misericórdia de Deus, para permanecer fiel ao amor. Qual imagem você tem de Deus? Você crê em seu amor misericordioso ou o teme como um patrão justiceiro? Você testemunha um Deus de ternura que atrai os que o(a) cercam para um convívio fraterno, para a alegria, a bondade, o perdão?

Oração (Vida)
Reze a oração do Pai-Nosso como se fosse a primeira vez. Tome consciência do que Jesus o(a) ensina a pedir na oração.
“Pai nosso, que estás nos céus! Santificado seja o teu nome. Venha o teu Reino; seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu. Dá-nos hoje o nosso pão de cada dia. Perdoa as nossas dívidas, assim como perdoamos aos nossos devedores. E não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal, porque teu é o Reino, o poder e a glória para sempre. Amém” (Mt 6,9-13)

Contemplação (Vida e Missão)
Em silêncio, recolha-se como os pintinhos sob as asas do Deus Amor e procure sentir sua ternura e paz. Olhe ao seu redor e determine-se a ser paciente e bom(boa) como Jesus.

Bênção

  • Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
  • Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
  • Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
  • Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Paulinas