Oração diária, Esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe... - Mt 12,46-50

16ª Semana Comum – Ano Litúrgico B

24 de julho de 2018

ORAÇÃO DO DIA

Pai, reforça os laços que me ligam aos meus irmãos e irmãs de fé, de forma a testemunhar que formamos uma grande família, cujo pai és tu.

PRIMEIRA LEITURA: Mq 7,14-15.18-20

Leitura da Profecia de Miquéias – 14Apascenta o teu povo com o cajado da autoridade, o rebanho de tua propriedade, os habitantes dispersos pela mata e pelos campos cultivados; que eles desfrutem a terra de Basã e Galaad, como nos velhos tempos. 15E, como foi nos dias em que nos fizeste sair do Egito, faze-nos ver novos prodígios.
18Qual Deus existe, como tu, que apagas a iniquidade e esqueces o pecado daqueles que são resto de tua propriedade? Ele não guarda rancor para sempre, o que ama é a misericórdia. 19Voltará a compadecer-se de nós, esquecerá nossas iniquidades e lançará ao fundo do mar todos os nossos pecados. 20Tu manterás fidelidade a Jacó e terás compaixão de Abraão, como juraste a nossos pais, desde tempos remotos

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

SALMO 84

          — Mostrai-nos, ó Senhor, vossa bondade.
— Mostrai-nos, ó Senhor, vossa bondade.

— Favorecestes, ó Senhor, a vossa terra, libertastes os cativos de Jacó. Perdoastes o pecado ao vosso povo, encobristes toda a falta cometida; retirastes a ameaça que fizestes, acalmastes o furor de vossa ira.

— Renovai-nos, nosso Deus e Salvador, esquecei a vossa mágoa contra nós! Ficareis eternamente irritado? Guardareis a vossa ira pelos séculos?

— Não vireis restituir a nossa vida, para que em vós se rejubile o vosso povo? Mostrai-nos, ó Senhor, vossa bondade, concedei-nos também vossa salvação!

EVANGELHO:  Mt 12,46-50

         – O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Mateus.
          – Glória a vós, Senhor.

         Naquele tempo, 46enquanto Jesus estava falando às multidões, sua mãe e seus irmãos ficaram do lado de fora, procurando falar com ele. 47Alguém disse a Jesus: “Olha! Tua mãe e teus irmãos estão aí fora, e querem falar contigo”.
48Jesus perguntou àquele que tinha falado: “Quem é minha mãe, e quem são meus irmãos?” 49E, estendendo a mão para os discípulos, Jesus disse: “Eis minha mãe e meus irmãos. 50Pois todo aquele que faz a vontade do meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe”.

– Palavra da Salvação
– Glória a vós Senhor.

[apss_share]

Comentário do Evangelho

Mãe e irmãos de Jesus são os que fazem a vontade do Pai. O Pai do Céu é o verdadeiro Pai de Jesus; por isso, são membros de sua família aqueles que fazem a vontade do seu Pai. Isso não significa que Maria não era vista por Jesus como sua mãe e, menos ainda, que ela não fizesse a vontade do Pai. Foi para fazer a vontade do Pai que Maria aceitou a missão de ser a Mãe de Jesus. Em outra ocasião, também no Evangelho de Mateus, Jesus disse que entrará no Reino dos Céus quem pratica a vontade do Pai que está nos céus. E dizia que podemos fazer coisas aparentemente muito boas e essas coisas não serem o que Deus espera de nós. Podemos dizer: “Senhor, Senhor”, rezar muito, em voz alta, com muitos gestos e palavras. Contudo, se não fizermos o que Deus quer de nós, nada disso tem valor para a eternidade. Podemos fazer milagres, profecias, exorcismos e, no entanto, não estar fazendo o que Deus espera de nós. Como não podemos fazer tudo ao mesmo tempo e de uma só vez, Deus poderia querer que fizéssemos outra coisa, e não aquele grande milagre que fizemos. O miraculado se beneficiou. O taumaturgo tem que se explicar. Não basta, portanto, ser mãe, irmão ou irmã. É preciso fazer o que Deus quer. Como saber o que Deus quer? Com exercícios de sensibilidade fraterna.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2018’, Paulinas

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
Neste novo dia, o Evangelho nos convida a refletir sobre a relação familiar que é estabelecida entre Jesus e aqueles que acolhem sua Palavra. Para bem acolhermos os seus ensinamentos, peçamos: “Vem, Espírito Santo! Faze-nos amar as Escrituras, para reconhecermos a voz viva de Jesus. Torna-nos humildes e simples, a fim de compreendermos os mistérios do Reino de Deus. Amém.”

Leitura (Verdade)
O que diz o texto? Leia-o atentamente. Qual é o contexto da narrativa? O que Jesus comunica aos seus discípulos e a nós? Quais personagens estão presentes na narrativa? Quais palavras mais chamaram sua atenção durante a leitura? Quais expressões se repetem? Qual é o ensinamento de Jesus? Quem são considerados os irmãos e a mãe de Jesus?
“O texto nos lembra o final do longo discurso sobre a montanha (5,7): ‘Nem todo aquele que me diz: ‘Senhor!, Senhor!’, entrará no Reino dos Céus, mas o que fez a vontade do meu Pai que está nos Céus’ (7,21). Num texto próprio a Marcos, ele nos dá a razão pela qual a parentela de Jesus vai ter com ele. O contexto é a multidão que incessantemente acorre a Jesus a ponto de não poderem, ele e seus discípulos, alimentar-se. A sua família toma a decisão de ir buscá-lo para levá-lo para casa, pois pensavam que ele estivesse ‘fora de si’ (Mc 3,20-21). Observamos que o termo irmão, na linguagem bíblica, abrange os parentes. Ao chegarem os familiares, acompanhados da mãe de Jesus, eles são anunciados. Por duas vezes se diz que estão ‘do lado de fora’ (vv. 46.47). Esta sutil observação parece-nos importante: distante de Jesus, sem ouvir sua palavra, seus ensinamentos, sem contemplar o que ele faz em favor da multidão, sem se deixar tocar por ele, tudo parece loucura. É preciso se aproximar, entrar no ‘círculo’ de Jesus, se aproximar e se deixar envolver por sua palavra, para poder fazer a experiência de que ‘o que é loucura no mundo, Deus escolheu para confundir o que é forte’ (1Cor 1,27)” (Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)
“Esta cena traz algumas dúvidas para os católicos, que desde cedo aprendem a admirar Maria como a Mãe de Jesus. Será que Jesus tratou mal a sua mãe? Teria esquecido toda a dedicação de Maria, desde a gravidez até o momento em que, aos 30 anos, ele saiu de casa para realizar sua missão? Jesus gostava muito de sua família. Ele foi bem educado por Maria e não faria de jeito nenhum uma desfeita para sua mãe. Quando Jesus começou a sua missão, convocou homens e mulheres para fazer parte de uma nova família, não mais ligada por laços de parentesco. Nela, o que importava era ‘ouvir a palavra e colocá-la em prática’, ser discípulo de Jesus e colaborar para difundir o Evangelho (Ir. Afonso Murad)” (Frei Mário Sérgio Souza, em “Viver a Palavra”, da Paulinas Editora).

Oração (Vida)
“Jesus, divino Mestre, nós vos adoramos, Filho muito amado do Pai, caminho único para chegarmos a Ele. Nós vos louvamos e agradecemos, porque sois o exemplo que devemos seguir. Com simplicidade queremos aprender de Vós o modo de ver, julgar e agir. Queremos ser atraídos por Vós, para que, caminhando nas vossas pegadas, possamos viver dia a dia a liberdade dos filhos de Deus e buscar em tudo a vontade do Pai. Aumentai nossa esperança, impulsionando plenamente o nosso ser e o nosso agir. Ajudai-nos a retratar em nossa vida a vossa imagem, para que assim vos possamos possuir eternamente no céu. Amém.”

Contemplação (Vida e Missão)
Qual é a aplicação da Palavra em sua vida? O que você se propõe a viver? Como pretende atingir esse propósito?

Bênção
– Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
– Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
– Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
– Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Paulinas

[apss_share]