Liturgia diária, Não pode servir dois senhores - Lc 16,1-13

25º Domingo do Tempo Comum – Ano Litúrgico C

22 de setembro de 2019

ORAÇÃO DO DIA

Espírito de determinação, afasta de mim toda tentação de acomodar-me, pouco me empenhando em vivenciar o que o Reino exige de mim.

PRIMEIRA LEITURA: Am 8,4-7

Leitura da primeira profecia de Amós – 4Ouvi isto, vós que engolis o pobre, e fazeis perecer os humildes da terra, 5dizendo: Quando passará a lua nova, para vendermos o nosso trigo, e o sábado, para abrirmos os nossos celeiros, diminuindo a medida e aumentando o preço, e falseando a balança para defraudar? 6(Compraremos os infelizes por dinheiro e os pobres por um par de sandálias.) Venderemos até o refugo do trigo. 7O Senhor jurou pelo orgulho de Jacó: não esquecerei jamais nenhum de seus atos 

  • Palavra do Senhor.
    – Graças a Deus.

SALMO 112(113)

          — Louvai o Senhor, que eleva os pobres!
— Louvai o Senhor, que eleva os pobres!

— Louvai, louvai, ó servos do Senhor,/ louvai, louvai o nome do Senhor!/ Bendito seja o nome do Senhor,/ agora e por toda a eternidade!

—Louvai o Senhor, que eleva os pobres!

— O Senhor está acima das nações,/ sua glória vai além dos altos céus./ Quem pode comparar-se ao nosso Deus,/ ao Senhor, que no alto céu tem o seu trono/ e se inclina para olhar o céu e a terra?

— Levanta da poeira o indigente/ e do lixo ele retira o pobrezinho,/ para fazê-lo assentar-se com os nobres,/ assentar-se com os nobres do seu povo.

SEGUNDA LEITURA: 1Tm 2,1-8

Leitura da primeira carta de são Paulo a Timóteo – Caríssimo, 1Acima de tudo, recomendo que se façam preces, orações, súplicas, ações de graças por todos os homens, 2pelos reis e por todos os que estão constituídos em autoridade, para que possamos viver uma vida calma e tranquila, com toda a piedade e honestidade. 3Isto é bom e agradável diante de Deus, nosso Salvador, 4o qual deseja que todos os homens se salvem e cheguem ao conhecimento da verdade. 5Porque há um só Deus e há um só mediador entre Deus e os homens: Jesus Cristo, homem 6que se entregou como resgate por todos. Tal é o fato, atestado em seu tempo; 7e deste fato – digo a verdade, não minto – fui constituído pregador, apóstolo e doutor dos gentios, na fé e na verdade. 8Quero, pois, que os homens orem em todo lugar, levantando as mãos puras, superando todo ódio e ressentimento

  • Palavra do Senhor.
    – Graças a Deus.

EVANGELHO: Lc 16,1-13

         – O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
          – Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Lucas.
          – Glória a vós, Senhor.

         Naquele tempo, 1Jesus disse também a seus discípulos: Havia um homem rico que tinha um administrador. Este lhe foi denunciado de ter dissipado os seus bens. 2Ele chamou o administrador e lhe disse: Que é que ouço dizer de ti? Presta contas da tua administração, pois já não poderás administrar meus bens. 3O administrador refletiu então consigo: Que farei, visto que meu patrão me tira o emprego? Lavrar a terra? Não o posso. Mendigar? Tenho vergonha. 4Já sei o que fazer, para que haja quem me receba em sua casa, quando eu for despedido do emprego. 5Chamou, pois, separadamente a cada um dos devedores de seu patrão e perguntou ao primeiro: Quanto deves a meu patrão? 6Ele respondeu: Cem medidas de azeite. Disse-lhe: Toma a tua conta, senta-te depressa e escreve: cinquenta. 7Depois perguntou ao outro: Tu, quanto deves? Respondeu: Cem medidas de trigo. Disse-lhe o administrador: Toma os teus papéis e escreve: oitenta. 8E o proprietário admirou a astúcia do administrador, porque os filhos deste mundo são mais prudentes do que os filhos da luz no trato com seus semelhantes. 9Eu vos digo: fazei-vos amigos com a riqueza injusta, para que, no dia em que ela vos faltar, eles vos recebam nos tabernáculos eternos. 10Aquele que é fiel nas coisas pequenas será também fiel nas coisas grandes. E quem é injusto nas coisas pequenas, sê-lo-á também nas grandes. 11Se, pois, não tiverdes sido fiéis nas riquezas injustas, quem vos confiará as verdadeiras? 12E se não fostes fiéis no alheio, quem vos dará o que é vosso? 13Nenhum servo pode servir a dois senhores: ou há de odiar a um e amar o outro, ou há de aderir a um e desprezar o outro. Não podeis servir a Deus e ao dinheiro

  • Palavra da Salvação
    – Glória a vós Senhor.

Comentário do Evangelho

Para que seus discípulos tenham ideias claras sobre o uso do dinheiro, Jesus lhes conta a parábola do administrador infiel, que tinha perdido o emprego. Ele desviou para si mesmo muitos bens de seu patrão. Pego, foi mandado embora. Antes de sair, ele diminuiu a dívida de várias pessoas. Uma pessoa devia 100, mas tinha que pagar 80. Vinte ficavam com ele. Renunciou a sua parte e fez assim muitos amigos. Seu interesse era ter alguém que o acolhesse depois de despedido.

O patrão elogiou a esperteza do administrador. E Jesus acrescentou: “Os filhos deste mundo são mais espertos em seus negócios do que os filhos da luz”. Por que os bons não são tão espertos em seus assuntos como são as pessoas do mundo em seus negócios? Por que não fazer amigos com o dinheiro deste mundo? Esses amigos nos receberão nas moradas eternas, isto é, no céu, diz Jesus, referindo-se às pessoas que socorremos com o dinheiro de que dispomos. Elas abrirão para nós as portas do céu. Por “dinheiro injusto” entendemos o dinheiro que circula entre nós. Ser fiel ao dinheiro injusto significa usá-lo de forma honesta, sem se deixar dominar por ele. Em nossas mãos, ele não será resultado de roubo ou de exploração nem será empregado para prejudicar os outros. Não nos deixaremos dominar pela ganância. Não seremos escravos do dinheiro.

O profeta Amós levanta-se contra os exploradores dos humildes, os que são causa do empobrecimento e da marginalização de muitos. Não há efeito sem causa. “Nunca mais esquecerei o que eles fizeram”, jura o Senhor, que levanta da poeira o indigente e tira o pobrezinho do monte de lixo. Recomendando a Timóteo que se façam orações por todas as necessidades do mundo, Paulo afirma que tudo pode naquele que lhe dá forças, Jesus Cristo, o mediador entre Deus e os homens. Ninguém e nenhum bem deste mundo devem ser colocados acima de Jesus. É possível usar com liberdade os bens deste mundo, sem depender deles. Ninguém pode servir a dois senhores. Há um só Deus, e esse Deus não é o dinheiro. No entanto, não podemos viver sem o dinheiro. Os “mundanos” são espertos em seus negócios. Devemos também ser espertos nos negócios de Deus. Use o dinheiro deste mundo para fazer amigos entre os pobres. Eles abrirão as portas do céu para você.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2019’, Paulinas.

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
Liturgia do 25º domingo do Tempo Comum. No Evangelho de hoje, Jesus nos lembra de que ninguém pode servir a dois senhores, a Deus e ao “Dinheiro”. Peçamos a graça de acolher a Palavra de Deus neste dia e deixemo-nos conduzir pelo Senhor e por seus ensinamentos.
Peçamos: “Vem, Espírito Santo! Faze-nos amar as Escrituras, para reconhecermos a voz viva de Jesus. Torna-nos humildes e simples, a fim de compreendermos os mistérios do Reino de Deus. Amém.”

Leitura (Verdade)
O que diz o texto bíblico? Procure compreender o contexto do relato: lugares, pessoas envolvidas, perguntas feitas… Quais são as orientações de Jesus? Qual é o convite central que o texto nos faz?

“Esta parábola do início do capítulo 16 de Lucas dá continuidade ao capítulo precedente. Em que consiste esta conexão entre os capítulos 15 e 16? É o que podemos chamar de ‘elemento destoante’. O filho mais jovem admite a seu pai que ele pecou (vv. 18.21) e reconhece não ser mais digno de ser chamado ‘seu filho’ (vv. 19.21). No entanto, sua motivação para voltar para a casa do pai é o desejo da própria preservação. Sua motivação não é estar de novo com o seu pai, mas ter o pão dos empregados do seu pai (cf. v. 17). O capítulo 16 continua o discurso do capítulo 15, mas o auditório é outro; agora se trata dos discípulos (cf. v. 1).

É outra história, a do ‘administrador injusto ou desonesto’ (cf. v. 8). É preciso cuidado para interpretar bem o que a parábola diz, do contrário poderia induzir a erro, considerando que Jesus elogia a desonestidade do administrador. O que é louvado nesta parábola é a habilidade de uma pessoa de empregar meios para alcançar determinado fim; ele utiliza sua inteligência para encontrar o meio de assegurar sua felicidade. O que preocupa Jesus são os meios para entrar no Reino de Deus – é exatamente isso que a parábola enfatiza. Não quaisquer meios, pois é preciso entrar pela ‘porta estreita’.

A porta que dá acesso ao Reino de Deus é o próprio Jesus. Jesus urge para os discípulos deixarem a passividade e empreenderem tal ‘sabedoria’ a fim de alcançar o seu objetivo, a saber, entrar no Reino de Deus. Assim como o filho mais novo da parábola do pai misericordioso escolhe os meios para salvar a própria vida, da mesma forma o administrador desonesto é louvado por ter-se aplicado em encontrar os meios pelos quais poderia ter a sua vida salva. Não é, reiteramos, elogio à desonestidade, mas ao esforço de buscar os meios para ter a vida salva. Esta é a lição dada aos discípulos e ao leitor do evangelho: é preciso sair do comodismo; o Reino de Deus exige empenho, inteligência, discernimento” (Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)
Traga a Palavra meditada para o seu dia. O que ela o(a) inspira a viver hoje? Pensemos por alguns instantes no quão desafiador é o trabalho de evangelização nos dias atuais. Os valores do Reino e do Evangelho ainda encontram espaço no coração das pessoas? Quais atitudes são pedidas aos cristãos para que o seu testemunho continue revelando o rosto de Cristo?

“Não se pode servir a dois senhores. Não se pode servir a Deus e ao dinheiro. Jesus exige uma tomada de decisão por parte de todos os que decidem fazer o seu seguimento. Um discípulo tem de ter um coração indiviso. O mundo sempre foi marcado pela busca desenfreada do material. A desonestidade e a corrupção são pragas que se alastram pelo mundo afora e, sobretudo, em nosso país. Quem não é fiel no pouco, nunca o será em coisas maiores. Na parábola do administrador infiel, Jesus elogia sua esperteza e diz que os filhos das trevas são mais audaciosos em suas malandragens do que os filhos da luz no bem que fazem. Por isso, não se pode servir a Deus e ao dinheiro. Quem é o senhor da nossa vida?” (Frei Mário Sérgio Souza, em “Viver a Palavra”, da Paulinas Editora).

Oração (Vida)
Em oração, peçamos que o Senhor nos conceda a graça de permanecermos fiéis testemunhas do Reino e construtores de uma sociedade mais justa e fraterna.

Contemplação (Vida e Missão)
De que forma a Palavra de Deus estará presente neste seu dia? O que você deseja colocar em prática segundo os ensinamentos de Jesus?

Bênção

  • Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
  • Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
  • Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
  • Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Paulinas