Liturgia diária Não sou digno de que entres em minha casa

9ª Domingo Comum – Ano Litúrgico C

29 de maio de 2016

ORAÇÃO DO DIA

Pai,dá-me um coração misericordioso e humildade que me leve a compadecer-me do meu semelhante.

PRIMEIRA LEITURA: 1Rs 8, 41-43

Leitura do primeiro livro dos Reis  – Naqueles dias, 41Quanto ao estrangeiro, que não pertence ao vosso povo de Israel, quando vier de uma terra longínqua por causa de vosso nome, – 42porque se ouvirá falar da grandeza de vosso nome, da força de vossa mão e do poder de vosso braço, – quando vier orar neste templo, 43ouvi-o do alto dos céus, do alto de vossa morada, ouvi-o e fazei tudo o que esse estrangeiro vos pedir. Então todos os povos da terra conhecerão o vosso nome, vos temerão como o vosso povo de Israel, e saberão que o vosso nome é invocado sobre esta casa que edifiquei. – Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

SALMO 116

— Ide, vós, por este mundo afora e proclamai o Evangelho a todos!
— Ide, vós, por este mundo afora e proclamai o Evangelho a todos!

— Cantai louvores ao Senhor, todas as gentes, povos todos, festejai-o!

— Pois comprovado é seu amor para conosco, para sempre ele é fiel!

SEGUNDA LEITURA:  Gl 1, 1-2.6-10 

Leitura da carta de são Paulo aos Gálatas – 1Paulo apóstolo – não da parte de homens, nem por meio de algum homem, mas por Jesus Cristo e por Deus Pai que o ressuscitou dos mortos – 2e todos os irmãos que estão comigo, às igrejas da Galácia: 6Estou admirado de que tão depressa passeis daquele que vos chamou à graça de Cristo para um evangelho diferente. 7De fato, não há dois (evangelhos): há apenas pessoas que semeiam a confusão entre vós e querem perturbar o Evangelho de Cristo. 8Mas, ainda que alguém – nós ou um anjo baixado do céu – vos anunciasse um evangelho diferente do que vos temos anunciado, que ele seja anátema. 9Repito aqui o que acabamos de dizer: se alguém pregar doutrina diferente da que recebestes, seja ele excomungado! 10É, porventura, o favor dos homens que eu procuro, ou o de Deus? Por acaso tenho interesse em agradar aos homens? Se quisesse ainda agradar aos homens, não seria servo de Cristo. – Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

EVANGELHO:  Lc 7,1-10

– O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Lucas.
          – Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 1Tendo Jesus concluído todos os seus discursos ao povo que o escutava, entrou em Cafarnaum. 2Havia lá um centurião que tinha um servo a quem muito estimava e que estava à morte. 3Tendo ouvido falar de Jesus, enviou-lhe alguns anciãos dos judeus, rogando-lhe que o viesse curar. 4Aproximando-se eles de Jesus, rogavam-lhe encarecidamente: Ele bem merece que lhe faças este favor, 5pois é amigo da nossa nação e foi ele mesmo quem nos edificou uma sinagoga. 6Jesus então foi com eles. E já não estava longe da casa, quando o centurião lhe mandou dizer por amigos seus: Senhor, não te incomodes tanto assim, porque não sou digno de que entres em minha casa; 7por isso nem me achei digno de chegar-me a ti, mas dize somente uma palavra e o meu servo será curado. 8Pois também eu, simples subalterno, tenho soldados às minhas ordens; e digo a um: Vai ali! E ele vai; e a outro: Vem cá! E ele vem; e ao meu servo: Faze isto! E ele o faz. 9Ouvindo estas palavras, Jesus ficou admirado. E, voltando-se para o povo que o ia seguindo, disse: Em verdade vos digo: nem mesmo em Israel encontrei tamanha fé. 10Voltando para a casa do centurião os que haviam sido enviados, encontraram o servo curado.

– Palavra da Salvação
– Glória a vós Senhor.

[apss_share]

Comentário do Evangelho

Um oficial romano, militar pagão, representante do poder estrangeiro invasor que dominava Israel, tinha um servo muito doente, quase morrendo. Este oficial gostava de seu empregado e queria que ele se curasse. Não estava apenas interessado em manter vivo um serviçal, mas queria o bem dele, que recuperasse a saúde. O oficial pagão tinha bons sentimentos e era apreciado pelo povo. Embora fizesse parte do exército invasor, ele estimava o povo judeu e tinha até construído uma sinagoga. Pediu que algumas pessoas mais velhas falassem com Jesus para que ele curasse o seu servo. Um pagão pede a judeus que falem com Jesus. O oficial acreditava no poder de Jesus, mas também os anciãos judeus que intercederam acreditavam que Jesus podia fazer esse favor ao soldado. A fé do oficial era tão grande que ele nem quis que Jesus fosse até a sua casa. Bastava que Jesus dissesse uma palavra e o seu servo ficaria curado. Sua humildade também era grande. Foram suas as palavras que dizemos na hora da Comunhão: “Senhor, eu não sou digno de que entres em minha casa”.
Jesus ficou admirado com a fé daquele oficial. Neste episódio da vida de Jesus o clima é de bondade, atenção, misericórdia. Todos acreditam nele e a ele recorrem com humildade. E o doente foi curado. Convém olhar para Jesus assim como ele é apresentado nos santos evangelhos. Às vezes preferimos o esplendor do império à simplicidade do evangelho, o imponente imperador ao Jesus comum. Mesmo destacado e prestigiado, Jesus se apresenta como um homem comum, que se admira com o modo com que o oficial romano o considera, que cura o enfermo discreta e silenciosamente. Olhar primeiro o evangelho como está escrito, depois os documentos, os estudos, as interpretações. E depois as revelações particulares, com suas mensagens transmitidas por meio de visões.
Confira sempre o que nos dizem ou nos ensinam com o jeito de ser de Jesus e não mude o evangelho de Cristo. Paulo se espanta com a atitude dos gálatas que tão depressa passaram a outro evangelho como se houvesse outro. Que Deus nos dê a graça da admiração, de sermos capazes de perceber as ações positivas feitas pelos que estão fora do nosso meio, como estava o romano fora do meio dos judeus, e de nos alegrarmos. Que nossos espaços sejam acolhedores, abertos para todos. Que em nossos ambientes se possa sentir que Deus existe porque existe o Amor. Que nossos gestos motivem as pessoas mais do que nossa verdade, mesmo sabendo que dependemos da única Verdade. Sem nos esquecermos de que Jesus também se comovia, se aborrecia, se irritava, o que é próprio da natureza humana. E não era para menos, provocado como era, provocado como era.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2016’, Paulinas

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
Neste nono domingo do tempo comum, novamente nos encontramos com o Senhor da vida. A cura do criado do centurião nos revela que a salvação trazida por Jesus é para todos. No centro do relato está um elemento fundamental: a fé. Que a Palavra do Senhor nos conceda a vida neste novo dia.
Rezemos: “Senhor Jesus Cristo, envia sobre nós, como prometeste, teu Espírito Santo. Que Ele nos conceda a vida e nos ensine a plenitude da verdade. Que nele encontremos a salvação, felicidade e plenitude de amor. Amém.”

Leitura (Verdade)
O que diz o texto? Quais personagens estão presentes na narrativa? Qual é o tema central da mensagem de Jesus? Qual é o elemento fundamental para que Jesus pudesse realizar as curas?
“Neste episódio, a finalidade é afirmar a universalidade da salvação trazida por Jesus e a eficácia de sua palavra. No centro do episódio está a fé do centurião na palavra de Jesus, que o cristão deve imitar. Essa fé contrasta com a incredulidade de Israel e a sua dureza de coração. Pela fé, o centurião, que é pagão, pôde experimentar o poder vivificante da palavra de Jesus, que realiza o que ela enuncia, porque comunica o sopro do Espírito que faz viver. O centurião reconhece a autoridade de Jesus ao confessar-se indigno de recebê-lo em sua casa. Aquele pagão não exigia de Jesus nenhum gesto; bastava-lhe a palavra, que ele cria não encontrar na distância uma barreira para a sua realização. A palavra dá a vida, do mesmo modo que a Palavra de Deus transformou a desordem do caos na beleza do universo. Uma fé expressa desse modo o Senhor jamais havia encontrado em todo o Israel. A cura do servo do centurião serve para afirmar a universalidade da salvação de Deus. O Senhor escuta a súplica de todos os povos e não somente de Israel, pois ele não faz distinção de pessoas. Por sua vez, a fé incondicional do centurião deve ser imitada pelos discípulos de Jesus Cristo” (Pe. Carlos Alberto Contieri, em “A Bíblia dia a dia”, Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)
O que a Palavra comunica a você neste dia? O que luz de Jesus lhe revela, com sua pessoa e sua mensagem? De que maneira essa passagem o(a) compromete? O que ela está lhe pedindo? Você tem fé na ação de Deus, que realiza sua obra em sua vida? Crê no Senhor da vida, que o(a) cura e o(a) liberta de suas enfermidades?

Oração (Vida)
Agradeça tudo o que a Palavra lhe permitiu compreender e experimentar do mistério de Cristo. Apresente ainda ao Senhor a oração que brotou em seu coração durante a leitura orante. “Jesus, divino Mestre, nós vos adoramos, Filho unigênito de Deus, vindo ao mundo para dar às pessoas a vida em plenitude. Nós vos louvamos e agradecemos, porque morrestes na cruz para obter-nos a vida divina que nos comunicais no batismo e alimentais com a Eucaristia e os outros sacramentos. Vivei em nós, Jesus, pelo vosso Espírito, para que vos amemos com todo o nosso ser e amemos o próximo como a nós mesmos no vosso amor. Fazei crescer em nós esse amor, para que um dia, ressuscitados, partilhemos convosco a alegria do Reino dos céus. Amém.”

Contemplação (Vida e Missão)
Fazer a vontade de Deus em seu dia é sinal de que está sendo alimentado(a) pelo Pão da vida que é Jesus. De que forma você deseja colocar em prática os apelos que a Palavra de Deus despertou em seu coração?

Bênção
– Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
– Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
– Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
– Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

[apss_share]