Liturgia diária 29 de março de 2016

Na liturgia diária fazemos um encontro pessoal com Deus nos colocando a disposição para ouvir seus ensinamentos.

Para bem nos preparar invoquemos a presença do Espírito Santo: 

Vinde, Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do vosso amor. Enviai o vosso Espírito e tudo será criado e renovareis a face da terra.

Oremos

Deus que instruístes os corações dos vossos fiéis com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre da sua consolação. Por Cristo, Senhor nosso. Amém.

ORAÇÃO DO DIA

Pai, ensina-me a ter um relacionamento conveniente com o Ressuscitado, reconhecendo que ele quer fazer de mim uma testemunha da ressurreição.

PRIMEIRA LEITURA: At 2,36-41

Leitura dos Atos dos Apóstolos – No dia de Pentecostes, Pedro disse aos judeus: 36“Que todo povo de Israel reconheça com plena certeza: Deus constituiu Senhor e Cristo a este Jesus que vós crucificastes”.
37Quando ouviram isso, eles ficaram com o coração aflito, e perguntaram a Pedro e aos outros apóstolos: “Irmãos, que devemos fazer?” 38Pedro respondeu: “Convertei-vos e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para o perdão dos vossos pecados. E vós recebereis o dom do Espírito Santo. 39Pois a promessa é para vós e vossos filhos, e para todos aqueles que estão longe, todos aqueles que o Senhor nosso Deus chamar para si”. 40Com muitas outras palavras, Pedro lhes dava testemunho, e os exortava, dizendo: “Salvai-vos dessa gente corrompida!” 41Os que aceitaram as palavras de Pedro receberam o batismo. Naquele dia, mais ou menos três mil pessoas se uniram a eles.
– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus. 

SALMO 32

          — Transborda em toda a terra a bondade do Senhor.
— Transborda em toda a terra a bondade do Senhor.

— Reta é a palavra do Senhor, e tudo o que ele faz merece fé. Deus ama o direito e a justiça, transborda em toda a terra a sua graça.

— Mas o Senhor pousa o olhar sobre os que o temem, e que confiam esperando em seu amor, para da morte libertar as suas vidas e alimentá-los quando é tempo de penúria.

— No Senhor nós esperamos confiantes, porque ele é nosso auxílio e proteção! Sobre nós venha, Senhor, a vossa graça, da mesma forma que em vós nós esperamos!

EVANGELHO: Jo 20,11-18

         – O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São João.
          – Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 11Maria estava do lado de fora do túmulo, chorando. Enquanto chorava, inclinou-se e olhou para dentro do túmulo. 12Viu, então, dois anjos vestidos de branco, sentados onde tinha sido posto o corpo de Jesus, um à cabeceira e outro aos pés.
13Os anjos perguntaram: “Mulher, por que choras?” Ela respondeu: ”Levaram o meu Senhor e não sei onde o colocaram”. 14Tendo dito isto, Maria voltou-se para trás e viu Jesus, de pé. Mas não sabia que era Jesus. 15Jesus perguntou-lhe: “Mulher, por que choras? A quem procuras?” Pensando que era o jardineiro, Maria disse: “Senhor, se foste tu que o levaste dize-me onde o colocaste, e eu o irei buscar”.
16Então Jesus disse: “Maria!” Ela voltou-se e exclamou, em hebraico: “Rabuni” (que quer dizer: Mestre). 17Jesus disse: “Não me segures. Ainda não subi para junto do Pai. Mas vai dizer aos meus irmãos: subo para junto do meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus”. 18Então Maria Madalena foi anunciar aos discípulos: “Eu vi o Senhor!”, e contou o que Jesus lhe tinha dito.

– Palavra da Salvação
– Glória a vós Senhor.

Comentário do Evangelho

O Discípulo viu o túmulo vazio e acreditou. Este é o dia que o Senhor fez para nós, o dia Um da criação, o oitavo depois de completada a criação. Exultemos e alegremo-nos porque a vida tem sentido. Era o primeiro dia da semana. Neste dia, Deus viu a criação toda completa e vislumbrou a ressurreição.
Passado o sábado, ainda escuro, bem de madrugada, Maria Madalena foi ao sepulcro dando provas de que quem mais ama mais madruga, para descobrir que, mais do que ela, amava o Senhor, que já tinha madrugado. Viu que o túmulo estava aberto e que o corpo de Jesus não estava lá. Foi logo avisar Pedro e o Discípulo amado, que correram até o túmulo.
No plural, Maria Madalena se comunicou dizendo: Não sabemos onde colocaram o corpo de Jesus. Não sabemos, porque é certo que naquele dia madrugaram todas as Marias, sendo a Madalena a que mais madrugou. Correm Pedro e o Discípulo ao túmulo. Chega primeiro o Discípulo, mais novo e mais rápido, mas não entra por respeito ao mais velho. Pedro chega, entra e olha o que há lá dentro. Só então entra o Discípulo, vê e crê.
Diga-nos Discípulo o que foi que você viu? O que viu para acreditar e acreditou em quê? Viu o túmulo vazio e acreditou. Se o corpo não estava lá, ele ressuscitou como tinha dito! O Discípulo viu, porque ver é o verbo do Ressuscitado. Há outros verbos na língua grega com o sentido de ver. Maria viu a pedra fora de lugar, e o Discípulo viu as faixas de linho. Pedro viu as faixas e o sudário dobrado à parte. Quando, porém, se trata do Ressuscitado os escritores usam sempre o mesmo verbo, no ativo e no passivo, “ver e ser visto”. O uso dos vocábulos é importante na compreensão dos textos. O Discípulo vê e acredita, vê o túmulo vazio e acredita que Jesus está vivo. Maria Madalena dirá: Vi o Senhor. De Pedro, o evangelista não diz que acreditou; do Discípulo, sim, porque é discípulo de verdade aquele que vê e acredita, mesmo não vendo o corpo nem morto nem ressuscitado. É evidente que Pedro também acreditou, porque antes de ser apóstolo e de ter a primazia, ele é discípulo. Eles todos ainda não tinham compreendido as Escrituras, que o evangelista São João insiste que sejam bem compreendidas para se compreender Jesus. Perscrutem as Escrituras. É dele que elas dão testemunho.
O Discípulo amado, que não tem nome próprio no quarto evangelho, representa todos os discípulos de todos os tempos, todos amados pelo Senhor e todos chamados à visão, da inteligência e da fé nesta terra e da glória no céu. Eles viram e acreditaram. Nós acreditamos e queremos ver. Hoje o dia amanheceu iluminado pela glória do Ressuscitado, dia de alegria como os nossos dias, com as lágrimas de Maria Madalena de manhã e a tristeza dos discípulos de Emaús à tarde. Se nem sempre é vista, é porque a alegria de nossa vida está escondida com Cristo em Deus.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2016’, Paulinas

LEITURA ORANTE

Oração Inicial

O Cristo ressuscitou, aleluia! A luz da Páscoa do Senhor iluminou o mundo! No início da nossa Leitura Orante, peçamos ao Espírito Santo as luzes para bem compreendermos a Palavra que vamos meditar e acolher a vida nova que hoje o Senhor nos oferece.
Oremos: Senhor Jesus, dá-me um coração simples para compreender a riqueza de ensinamentos escondida em tua Palavra. Envia teu Espírito Santo para que eu não tenha medo de escutá-la e vivê-la conforme a tua vontade. Que a Palavra transforme o meu coração através da fé e confiança que eu deposito em ti. Amém.

Leitura (Verdade)

O que diz o texto em si? Qual é o tema que perpassa a discussão dos personagens? O que os personagens comentam sobre Jesus? Por que Madalena vai ao túmulo bem de madrugada quando ainda estava escuro? Procure destacar outros elementos presentes no texto.
No primeiro dia da semana, Maria Madalena foi ao túmulo bem de madrugada e viu que a pedra tinha sido retirada. Podemos entender o primeiro dia como uma referência à nova criação, a um novo tempo que se inicia com a ressurreição de Jesus. O texto não relata o motivo da visita ao túmulo, uma vez que Madalena não portava perfumes para ungir o corpo, como apresentam outras narrativas. No entanto, Maria é surpreendida com o túmulo aberto. Ela saiu correndo ao encontro de Pedro. Diferente do relato da vigília pascal, hoje Maria Madalena não tem uma boa notícia para comunicar aos discípulos, apenas uma triste constatação: “Tiraram o Senhor do túmulo, e não sabemos onde o colocaram”. No relato de ontem, as mulheres ficam preocupadas em como remover a grande pedra da entrada do túmulo. Hoje, Maria Madalena ao ver a pedra removida, constata que seu Senhor foi retirado do túmulo. Retirar o Senhor do túmulo é muito mais preocupante do que simplesmente ver a pedra removida. Por isso, também Pedro e o outro discípulo, João, correm.
O discípulo amado por Jesus entrou no túmulo, viu e acreditou. O discípulo vê os panos funerários e os identifica com um sinal. Aqui ainda não podemos dizer que ele acreditou na ressurreição do seu Senhor, pois, em seguida, o evangelista vai concluir: “Eles ainda não tinham compreendido a Escritura, segundo a qual ele devia ressuscitar dos mortos”.

Meditação (Caminho)

O que o texto diz para mim, hoje? Qual palavra do texto encontrou profunda sintonia com a minha vida? Como acolho a vida nova que o Senhor ressuscitado nos oferece? A celebração da ressurreição de Cristo diz algo para sociedade de hoje?
A vida nova que o Senhor ressuscitado nos oferece pela sua vitória sobre a morte, enche a nossa vida de alegria, esperança e vida plena. Com ele, passamos das trevas para a luz, da morte para a vida. Vivamos a alegria da vida nova! Celebremos, pois o Senhor está vivo no nosso meio.

Oração (Vida)

Entreguemos ao Senhor ressuscitado a nossa vida, no desejo de que ele nos renove e plenifique com a luz da ressurreição. Após cada pedido, rezemos: Dai-nos, Senhor, a vossa paz!
– Que reflitamos o rosto do Ressuscitado em nossa vida e o testemunhemos ao mundo.
– Que todos os povos reconheçam que tu és o único Deus, que Jesus é o teu Filho, e nós o teu rebanho.
– Preserva em nós a luz da fé e da caridade.
Inclua outros pedidos…

Contemplação (Vida e Missão)

Recolha em poucas palavras o apelo que você sentiu para colocar em prática durante o dia. O que me proponho a viver? Como vou atingir este propósito?

Bênção

– Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
– Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
– Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
– Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.