Oração diária Tome a sua cruz e me siga - Lc 9,18-24

12º Domingo Comum – Ano Litúrgico C

19 de junho de 2016

ORAÇÃO DO DIA

Espírito do Messias solidário e servidor, não me deixes nutrir esperanças vãs de um messianismo glorioso e mundano, que não corresponde à opção do Senhor Jesus.

PRIMEIRA LEITURA: Zc 12,10-11; 13,1

Leitura da Profecia de Zacarias – Assim diz o Senhor: 10“Derramarei sobre a casa de Davi e sobre os habitantes de Jerusalém um espírito de graça e de oração; eles olharão para mim. Ao que eles feriram de morte, hão de chorá-lo, como se chora a perda de um filho único, e hão de sentir por ele a dor que se sente pela morte de um primogênito.
11Naquele dia, haverá um grande pranto em Jerusalém, como foi o de Adadremon, no campo de Magedo.
13,1Naquele dia, haverá uma fonte acessível à casa de Davi e aos habitantes de Jerusalém, para ablução e purificação – Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

SALMO 62

     — A minh’alma tem sede de vós,/ como a terra sedenta, ó meu Deus!
— A minh’alma tem sede de vós,/ como a terra sedenta, ó meu Deus!

— Sois vós, ó Senhor, o meu Deus!/ Desde a aurora ansioso vos busco!/ A minh’alma tem sede de vós,/ minha carne também vos deseja.

— Como terra sedenta e sem água,/ venho, assim, contemplar-vos no templo,/ para ver vossa glória e poder./ Vosso amor vale mais do que a vida:/ e por isso meus lábios vos louvam.

— Quero, pois, vos louvar pela vida,/ e elevar para vós minhas mãos!/ A minh’alma será saciada,/ como em grande banquete de festa;/ cantará a alegria em meus lábios,/ ao cantar para vós meu louvor!

— Para mim fostes sempre um socorro;/ de vossas asas à sombra eu exulto!/ Minha alma se agarra em vós;/ com poder vossa mão me sustenta.

SEGUNDA LEITURA: Gl 3,26-29

Leitura da Carta de São Paulo aos Gálatas – Irmãos: 26Vós todos sois filhos de Deus pela fé em Jesus Cristo.
27Vós todos que fostes batizados em Cristo vos revestistes de Cristo.
28O que vale não é mais ser judeu nem grego, nem escravo nem livre, nem homem nem mulher, pois todos vós sois um só, em Jesus Cristo.
29Sendo de Cristo, sois então descendência de Abraão, herdeiros segundo a promessa. – Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

EVANGELHO: Lc 9,18-24

         – O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Lucas.
          – Glória a vós, Senhor.

          Certo dia, 18Jesus estava rezando num lugar retirado, e os discípulos estavam com ele. Então Jesus perguntou-lhes: “Quem diz o povo que eu sou?”
19Eles responderam: “Uns dizem que és João Batista; outros, que és Elias; mas outros acham que és algum dos antigos profetas que ressuscitou”.
20Mas Jesus perguntou: “E vós, quem dizeis que eu sou?”
Pedro respondeu: “O Cristo de Deus”.
21Mas Jesus proibiu-lhes severamente que contassem isso a alguém. 22E acrescentou: “O Filho do Homem deve sofrer muito, ser rejeitado pelos anciãos, pelos sumos sacerdotes e doutores da Lei, deve ser morto e ressuscitar no terceiro dia”.
23Depois Jesus disse a todos: “Se alguém me quer seguir, renuncie a si mesmo, tome sua cruz cada dia, e siga-me. 24Pois quem quiser salvar a sua vida, vai perdê-la; e quem perder a sua vida por causa de mim, esse a salvará”.

– Palavra da Salvação
– Glória a vós Senhor.

[apss_share]

Comentário do Evangelho

Quem é Jesus? É João Batista ressuscitado, é Elias que esperamos antes do fim dos tempos, é um profeta como Deus prometeu a Moisés, é ele mesmo? Quem é Jesus para você? Os discípulos daquele tempo tinham em mente uma imagem do Messias prometido e procuravam adequá-la a Jesus de Nazaré, vivo e real, que podiam captar com os seus sentidos.
Os discípulos de hoje não viram o Jesus histórico e o imaginam, criam dele uma imagem que podem comparar com quê? A imagem interna corresponde à imagem feita de Jesus ao longo dos séculos de cristianismo; corresponde ao Cristo dos evangelhos, ao Cristo dos e das videntes, ao Cristo como eu quero que seja?
Em nossa mente formam-se também imagens da comunidade dos discípulos, que chamamos de Igreja. Nós a idealizamos, procuramos a Igreja ideal e a localizamos onde estamos, no Vaticano II, em Trento, em São Pio V, no imperador Constantino, ou no evangelho? O evangelho padece também com a limitação da hermenêutica e não pode ser de outra forma porque somos humanos. O retorno ao texto do evangelho se faz sempre necessário, apesar das nossas limitações interpretativas. Procuramos examinar as Escrituras, verificar os passos e as palavras de Jesus, questionar a imagem mental que dele temos segundo as nossas conveniências e buscá-lo enquanto ele se deixa encontrar.
Voltemos ao evangelho senão Cristo não vive em nós, dizia o Bem-aventurado Irmão Carlos de Jesus. A imagem de Jesus não pode ser desligada da cruz. Quer segui-lo? Renuncie a si mesmo e tome sua cruz cada dia. Seguindo-o, verifique para onde está indo. Conseguimos andar quando descobrimos para onde ir. Andamos atrás de alguém que se encaminha para Jerusalém onde vai sofrer muito e ser rejeitado pelos anciãos, pelos sumos sacerdotes e escribas, vai ser morto e, no terceiro dia, ressuscitar. Caminhada difícil até Jerusalém. Ao alçarmos os olhos veremos aquele que foi traspassado e nosso choro se juntará ao choro da multidão, até sentirmos que sobre Jerusalém se derrama um espírito de perdão e de misericórdia numa fonte à disposição de quem quiser se lavar da impureza do pecado. Lavados no batismo de purificação, nos revestimos de Cristo e formamos com ele um só corpo, herdeiro das promessas. Aparentemente sofrimento, rejeição e morte são vocábulos do fracasso. Na realidade a ele cabe a vitória e a herança. O choro em Jerusalém, como o de Adad-Remon, na planície de Meguido, diz respeito à contemplação daquele que foi crucificado, vítima inocente da insensatez humana. Uma fonte para lavar os pecados e a impureza estará à disposição de quem chora de tristeza e de arrependimento. É a fonte batismal que nos reveste de Cristo.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2016’, Paulinas.

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
Neste novo dia que o Senhor nos concede, o dia do Senhor, com alegria acolhamos a Palavra de Deus. Diante das interrogações de Jesus aos seus discípulos – “Quem dizem as multidões que eu sou?”, “E vós, quem dizeis que eu sou?”, Pedro prontamente responde: “Tu és o Cristo de Deus”. Que a escuta e a meditação da Palavra motivem em nós a mesma profissão de fé de Pedro.
Oremos: “Pai, abre meus olhos para que eu possa perceber, na pessoa e no ministério de Jesus, a presença de teu Reino na nossa história. E, reconhecendo-o, que eu me deixe guiar por ele. Amém”.

Leitura (Verdade)
O que diz o texto? Qual questionamento Jesus dirige aos seus discípulos? Quais são as afirmações a respeito de Jesus? Para Simão Pedro, quem é Jesus? Qual é a reação de Pedro diante do anúncio de que o Filho do Homem irá sofrer, ser morto e depois ressuscitar?
“Um dos traços característicos do terceiro evangelho é a frequência com que se fala que Jesus estava rezando. A dupla pergunta feita aos discípulos surge da oração e é o resultado da consciência que Jesus tem de não estar sendo compreendido. A resposta dos discípulos confirma que as multidões não só não têm clareza acerca da identidade de Jesus como não conseguem ultrapassar o limite do imediatamente visto, da aparência. A opinião das multidões prende Jesus ao passado de Israel. A segunda pergunta engaja os discípulos numa resposta existencial. A recomendação de não contarem a ninguém o que eles acabam de professar tem por finalidade salvaguardar a novidade do Messias que Jesus efetivamente é. À profissão de fé de Pedro, Jesus anuncia a sua paixão, morte e ressurreição. Esse anúncio exige dos discípulos se distanciarem da opinião das multidões, a respeito de sua identidade, e de uma falsa ideia do Messias. Esse anúncio tem, igualmente, uma incidência prática na vida dos discípulos: como seguidores de Jesus, eles devem superar toda tentação de poder mundano, pois o poder do Cristo é o amor e o serviço gratuito e generoso, que faz com que alguém se torne capaz de entregar a própria vida para realizar a vontade de Deus” (Reflexão do padre Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)
O que o texto diz a você hoje? Qual palavra chamou sua atenção durante a leitura? Em que sentido o texto fortalece a sua caminhada de fé? Como você acolhe as palavras e os ensinamentos de Jesus em sua vida? Quais atitudes o Senhor o(a) convida a viver? Para nossa meditação, podem nos ajudar algumas palavras do Documento de Aparecida: “Desejamos que a alegria que recebemos no encontro com Jesus Cristo, a quem reconhecemos como o Filho e Deus encarnado e redentor, chegue a todos os homens e mulheres feridos pelas adversidades; desejamos que a alegria da Boa-Nova do Reino de Deus, de Jesus Cristo vencedor do pecado e da morte, chegue a todos quanto jazem à beira do caminho, pedindo esmola e compaixão” (DAp. 29). Medite com esta canção:

Oração (Vida)
Invocações a Jesus Mestre
“Jesus Mestre, santificai meus pensamentos e aumentai minha fé.
Jesus Mestre, libertai-me do desânimo e fortificai minha esperança.
Jesus, Mestre vivo na Igreja, ajudai-me a viver a solidariedade e o amor.
Jesus Mestre, caminho entre o Pai e nós, tudo vos ofereço e de vós tudo espero.
Jesus, caminho da santidade, tornai-me vosso fiel seguidor.
Jesus Caminho, tornai-me perfeito como o Pai que está nos céus.
Jesus Vida, vivei em mim, para que eu viva em vós.
Jesus Vida, fazei-me viver eternamente na alegria do vosso amor.
Jesus Verdade, que eu seja luz para o mundo.
Jesus Caminho, que eu seja vossa testemunha autêntica diante de todos.
Jesus Vida, fazei que minha presença comunique vosso amor e vossa alegria. Amém.”

Contemplação (Vida e Missão)
Como você pretende viver concretamente, durante o dia, os apelos que o Senhor lhe revelou?

Bênção
– Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
– Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
– Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
– Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

[apss_share]