Liturgia diária A viúva de Naim

10ª Domingo Comum – Ano Litúrgico C

05 de junho de 2016

ORAÇÃO DO DIA

Pai, torna-me sensível ao sofrimento e à dor de cada pessoa que encontro no meu caminho. Que a minha compaixão se demonstre com gestos concretos.

PRIMEIRA LEITURA: 1Rs 17, 17-24

Leitura do primeiro livro dos Reis – Naqueles dias, 17Algum tempo depois, o filho desta mulher, dona da casa, adoeceu, e seu mal era tão grave que já não respirava. 18A mulher disse a Elias: Que há entre nós dois, homem de Deus? Vieste, pois, à minha casa para lembrar-me os meus pecados e matar o meu filho? 19Dá-me o teu filho, respondeu-lhe Elias. Ele tomou-o dos braços de sua mãe e levou-o ao quarto de cima onde dormia e deitou-o em seu leito. 20Em seguida, orou ao Senhor, dizendo: Senhor, meu Deus, até a uma viúva, que me hospeda, quereis afligir, matando-lhe o filho? 21Estendeu-se em seguida sobre o menino por três vezes, invocando de novo o Senhor: Senhor, meu Deus, rogo-vos que a alma deste menino volte a ele. 22O Senhor ouviu a oração de Elias: a alma do menino voltou a ele, e ele recuperou a vida. 23Elias tomou o menino, desceu do quarto superior ao interior da casa e entregou-o à mãe, dizendo: Vê: teu filho vive. 24A mulher exclamou: Agora vejo que és um homem de Deus e que a palavra de Deus está verdadeiramente em teus lábios. – Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

SALMO 29

— Eu vos exalto,/ ó Senhor,/ pois me livrastes,/ e preservastes minha vida da morte!
— Eu vos exalto,/ ó Senhor,/ pois me livrastes,/ e preservastes minha vida da morte!

— Eu vos exalto,/ ó Senhor,/ pois me livraste,/ e não deixastes rir de mim meus inimigos!/ Vós tirastes minha alma dos abismos e me salvastes,/ quando estava já morrendo!

— Cantai salmos ao Senhor, povo fiel,/ dai-lhe graças e invocai seu santo nome!/ Pois sua ira dura apenas um momento,/ mas sua bondade permanece a vida inteira;/ se à tarde vem o pranto visitar-nos,/ de manhã vem saudar-nos a alegria.

— Escutai-me,/ Senhor Deus,/ tende piedade!/ Sede, Senhor,/ o meu abrigo protetor!/ Transformastes o meu pranto em uma festa,/ Senhor meu Deus,/ eternamente hei de louvar-vos!

SEGUNDA LEITURA:  Gl 1, 11-19

Leitura da carta de são Paulo aos Gálatas – 11Asseguro-vos, irmãos, que o Evangelho pregado por mim não tem nada de humano. 12Não o recebi nem o aprendi de homem algum, mas mediante uma revelação de Jesus Cristo. 13Certamente ouvistes falar de como outrora eu vivia no judaísmo, com que excesso perseguia a Igreja de Deus e a assolava; 14avantajava-me no judaísmo a muitos dos meus companheiros de idade e nação, extremamente zeloso das tradições de meus pais. 15Mas, quando aprouve àquele que me reservou desde o seio de minha mãe e me chamou pela sua graça, 16para revelar seu Filho em minha pessoa, a fim de que eu o tornasse conhecido entre os gentios, imediatamente, sem consultar a ninguém, 17sem ir a Jerusalém para ver os que eram apóstolos antes de mim, parti para a Arábia; de lá regressei a Damasco. 18Três anos depois subi a Jerusalém para conhecer Cefas, e fiquei com ele quinze dias. 19Dos outros apóstolos não vi mais nenhum, a não ser Tiago, irmão do Senhor. – Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

EVANGELHO: Lc 7, 11-17

– O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Lucas.
          – Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 11No dia seguinte dirigiu-se Jesus a uma cidade chamada Naim. Iam com ele diversos discípulos e muito povo. 12Ao chegar perto da porta da cidade, eis que levavam um defunto a ser sepultado, filho único de uma viúva; acompanhava-a muita gente da cidade. 13Vendo-a o Senhor, movido de compaixão para com ela, disse-lhe: Não chores! 14E aproximando-se, tocou no esquife, e os que o levavam pararam. Disse Jesus: Moço, eu te ordeno, levanta-te. 15Sentou-se o que estivera morto e começou a falar, e Jesus entregou-o à sua mãe. 16Apoderou-se de todos o temor, e glorificavam a Deus, dizendo: Um grande profeta surgiu entre nós: Deus voltou os olhos para o seu povo. 17A notícia deste fato correu por toda a Judéia e por toda a circunvizinhança.

– Palavra da Salvação
– Glória a vós Senhor.

[apss_share]

Comentário do Evangelho

Será que Deus está interessado na vida do povo, nos acontecimentos do nosso dia a dia? Nossas tristezas, nossas alegrias significam alguma coisa para Deus? Na filosofia antiga se dizia que Deus se basta, não precisa de nada e, portanto, ignora o mundo e não cuida das coisas que estão debaixo da lua. A teoria na prática é sempre outra coisa e todas as teorias sobre Deus encontram-se necessariamente com ele agindo amorosamente em favor do ser humano que ele criou.
Assim aconteceu quando Jesus foi a Naim. Morreu um jovem, filho único de uma viúva. Jesus viu o enterro e sentiu muita pena, não do rapaz que morrera, mas de sua mãe que chorava sofrendo. Cheio de compaixão para com aquela mãe, Jesus lhe devolve o filho vivo. Todo mundo começou então a dizer: Um grande profeta apareceu entre nós e Deus se preocupou com o seu povo e veio visitá-lo. Jesus mostra que tem poder sobre a morte, já anunciando a sua ressurreição. Seu poder, porém, se expressa na misericórdia e na compaixão, e não na autoridade e na dominação. Ele nunca é indiferente quando alguém está sofrendo. O profeta misericordioso mostra que Deus está no meio do povo.
No Antigo Testamento, o profeta Elias também ressuscitou o filho de uma viúva. Essa viúva, que era pagã e morava na cidade de Sarepta, tinha oferecido hospedagem ao profeta. Deus lhe deu um filho em recompensa de seu espírito acolhedor e da atenção que sempre dera a Elias. O profeta Elias é um intercessor, cuja oração é atendida por Deus. Atendendo à súplica do profeta, Deus ressuscita o menino. Jesus, sendo homem e Deus, ele mesmo ressuscita o filho da viúva de Naim. O sofrimento é uma oportunidade que nos é dada para fazermos uma experiência pessoal da existência de Deus e da sua bondade. O sofrimento não é feito apenas de dor física ou de aborrecimentos na alma. Ele também acontece quando o que nos parecia tão certo de repente se revela outra coisa. São Paulo caiu na estrada e suas certezas mudaram. Numa forte experiência interior, Deus lhe revelou seu Filho Jesus Cristo, e Paulo se tornou nova criatura. Nossa presença, nossa passagem por este mundo pode levantar os mortos, reanimar os moribundos, dar novo alento aos deprimidos. Os profetas aparecem e Deus visita o seu povo. Os verdadeiros seguidores de Jesus são sempre profetas da esperança, mesmo quando anunciam situações difíceis. Não são profetas da desgraça e do desalento. Ressuscitam e dão vida.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2016’, Paulinas.

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
Liturgia do 10º Domingo do Tempo Comum. Deus visita o seu povo em Jesus, “um grande profeta”, realizando o reino pela ressurreição, oferecendo a sua vida e dando-lhe pleno sentido. Que neste dia a Palavra de Deus esteja em nossa mente, em nosso coração e em nossas ações.
Oração: Senhor Jesus Cristo, envia sobre nós, como prometeste, teu Espírito Santo. Que ele nos conceda a vida e nos ensine a verdade. Que nele encontremos salvação, felicidade e plenitude de amor. Amém.

Leitura (Verdade)
O que diz o texto? Quais são os personagens presentes na narrativa? Observe os sentimentos de Jesus relatados pelo evangelista. O que significa ter compaixão? Qual interpretação é possível para a aclamação do povo: “Um grande profeta apareceu entre nós e Deus veio visitar o seu povo”?
“Temos repetido várias vezes que Jesus é um Messias itinerante, passa pelas casas, vai de povoado em povoado, de uma região para outra anunciando a Boa-Nova do Reino de Deus e curando muitas pessoas de seus males (Mc 1,35-39). Naim é um pequeno vilarejo situado entre Cafarnaum e Samaria. Para lá Jesus vai acompanhado dos seus discípulos e numerosa multidão. Às portas da cidade, Jesus e o grupo que o acompanha se encontra com outro grupo que está saindo da cidade. Difícil não traçar um paralelo entre os dois grupos, que caminham em direções opostas: um está entrando na cidade e o outro saindo; um segue Jesus, homem poderoso em palavras e gestos, o outro, segue o féretro de um menino morto; um entusiasmado e atraído pela pessoa de Jesus, o outro, profundamente comovido e entristecido pela perda do menino, filho único de uma mãe viúva. Ao encontrarem-se na porta da cidade, Jesus é tomado de compaixão pela mãe do menino morto. Não é do menino que Jesus se compadece, mas da mãe que sofre a perda do seu filho único. Jesus se revela como o Senhor da vida. Mas o retorno à vida não é o objetivo da iniciativa de Jesus, e sim a consolação da mãe que chora.” (Reflexão de Pe. CarlosAlberto Contieri, sj, em ‘A Bíblia dia a dia’, Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)
O que diz o texto para mim? Também reconheço que Jesus, “um grande profeta, apareceu entre nós e Deus veio visitar o seu povo”? A exemplo de Jesus, sou promotor da vida, da compaixão e da solidariedade?
Reflita sobre o tema com esta música:

Oração (Vida)
Jesus, divino Mestre, nós vos adoramos, Filho muito amado do Pai, caminho único para chegarmos a Ele. Nós vos louvamos e agradecemos, porque sois o exemplo que devemos seguir. Com simplicidade queremos aprender de vós o modo de ver, julgar e agir. Queremos ser atraídos por vós, para que, caminhando nas vossas pegadas, possamos viver dia a dia a liberdade dos filhos de Deus, renunciando a nós mesmos, para buscar em tudo, a vontade do Pai. Aumentai nossa esperança, impulsionando plenamente o nosso ser e o nosso agir. Ajudai-nos a retratar em nossa vida a vossa imagem, para que assim vos possamos possuir eternamente no céu. Amém

Contemplação (Vida e Missão)
Qual é o novo olhar que nasceu em mim, a partir da Palavra? Quais apelos recebi e compromissos que desejo concretizar em minha vida?

Bênção
– Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
– Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
– Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
– Abençoe-nos Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

[apss_share]